Diagnstico
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 51

1 INTRODUÇÃO PowerPoint PPT Presentation


  • 62 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Diagnóstico Sócio-econômico de Crianças, Adolescentes e Adultos Moradores de Rua na Cidade de Fortaleza. 1 INTRODUÇÃO.

Download Presentation

1 INTRODUÇÃO

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


1 introdu o

Diagnstico Scio-econmico de Crianas, Adolescentes e Adultos Moradores de Rua na Cidade de Fortaleza


1 introdu o

1 INTRODUO

O Diagnstico Scio-econmico de crianas, adolescentes e adultos moradores de rua na cidade de Fortaleza teve por meta mapear o contingente populacional de crianas, adolescentes e adultos moradores de rua em Fortaleza e compreender as dinmicas de produo deste fenmeno social. O objetivo principal foi o de mapear os principais espaos da Cidade que abrigam crianas, adolescentes e adultos, apresentando uma estatstica do nmero de moradores identificados no perodo de realizao da pesquisa, compreendido entre os meses de abril, maio e junho de 2008, e o perfil histrico e socioeconmico desses agentes sociais que fazem da rua seu lugar de socializao e sobrevivncia.


2 procedimentos metodol gicos da pesquisa

2 PROCEDIMENTOS METODOLGICOS DA PESQUISA

  • O trabalho de pesquisa de campo foi realizado entre abril e junho de 2008.

  • Foram aplicados, no cmputo geral da pesquisa, 504 questionrios, quantidade correspondente populao de crianas, adolescentes e adultos identificados na Cidade, no perodo considerado, bem como efetuadas 30 entrevistas qualitativas com esses moradores, escolhidos mediante critrios qualitativos sob deciso dos pesquisadores de campo.


2 1 o crit rio de morador de rua desta pesquisa

2.1 O critrio de morador de rua desta pesquisa

  • Consideramos a categoria moradores de rua, para efeito desta pesquisa, como expresso da situao de indivduos que vivem na rua e que se encontram com os laos familiares rompidos, sem vnculos efetivos, a no ser mediante contatos espordicos, em alguns casos, como revelados pelas entrevistas qualitativas. Sob estas circunstncias, os moradores de rua pesquisados esto amplamente submetidos dinmica da rua, sem chances objetivas de retorno ao ncleo familiar tradicional, ainda que de maneira precria.

  • A abordagem desta pesquisa no considerou aqueles(as) moradores(as) que, embora estivessem submetidos condio de rua no momento da realizao da pesquisa, dispunham de domiclio fixo como referncia de morada, em ltima instncia, ou que para l retornavam a fim de restabelecerem os seus laos familiares rompidos.


1 introdu o

  • Do contingente considerado, ainda procedemos trs categorizaes como maneira de compreendermos e melhor delimitarmos a condio de rua destes(as) moradores(as) segundo a dinmica de uso e da ocupao dos espaos da Cidade por eles efetuadas:

  • a) moradores fixos para designar aqueles indivduos que ocupam, de forma permanente, um espao da Cidade, mesmo circulando por outros espaos em diferentes horas, voltam para o local de referncia, fazendo deste o local fixo de dormida, tendo, em conseqncia, uma identificao consistente com o espao que ocupa;

  • b) moradores semi-fixos para designar aqueles(as) moradores(as) que tm identificao relativa com um determinado espao da Cidade, tendo mltiplas referncias pertinentes ao lugar ou lugares de dormida e abrigamento.

  • c) Itinerante para designar os(as) moradores(as) que no possuem referncia espacial e nem identificao com algum territrio da Cidade.


2 2 procedimentos de controle da coleta de dados de campo

2.2 Procedimentos de controle da coleta de dados de campo

  • 1) O uso de mapas pelos pesquisadores como referenciais de orientao espacial das reas da Cidade, delimitadas conforme estratgia geral da pesquisa;

  • 2) Consideramos como espaos prioritrios das entrevistas o local de dormida dos entrevistados ou, na impossibilidade disso, o local no qual foi identificado na rua, de maneira aleatria, evitando-se, desta maneira, os locais de aglutinao extraordinria (locais fixos e rotas de distribuio de sopes realizados por entidades que desenvolvem trabalhos filantrpicos);

  • 3) Consideramos essas aglutinaes extraordinrias como espaos importantes de checagem do trabalho das entrevistas, na busca de identificar possveis novos moradores ainda no abordados pelas estratgias da pesquisa.

  • As entidades mais mencionadas pelos moradores de rua foram: Refeitrio So Vicente de Paula da Congregao das Irms da Caridade, Centros Espritas filiados a Federao dos Centros Espritas do Estado do Cear/FEEC, Hapvida e Abrigo do Shalom. Interessante registrar que muitos moradores se deslocam conforme as passagens dos sopes distribudos pelo Hapvida.


1 introdu o

  • 4) Devido complexidade de situaes, trajetrias individuais, histrias de vida etc., buscamos valorizar relatos que viessem demonstrar, de maneira qualitativa, a dinmica, o cotidiano e os desafios enfrentados e demandados por esta populao pesquisada.

  • 5) Exerccio inicial, por parte dos pesquisadores, da abordagem de campo mediante aprimoramento da construo do tempo da pesquisa, da adaptao do olhar sobre a realidade pesquisada e, sobretudo, da construo das mediaes necessrias para a apreenso das regras e cdigos internos que regem as relaes dos grupos pesquisados.


2 3 instrumentos empregados no levantamento dos dados

2.3 Instrumentos empregados no levantamento dos dados

  • 1) Questionrios: procedemos uma pesquisa buscando construir um diagnstico da realidade dos moradores de rua na cidade de Fortaleza, aplicando questionrios com todos(as) os(as) moradores(as) de rua identificados em todo o permetro urbano da Cidade no perodo da pesquisa. Todos os sujeitos identificados como moradores de rua foram entrevistados por meio de questionrios, de forma individual, salvo aqueles que no reuniam condies de responder, como crianas recm-nascidas e pessoas portadoras de deficincia, as indagaes propostas pelo instrumento de pesquisa. . Para estes, foram aplicados registros de sua existncia e sua localizao geogrfica.

  • O questionrio (cf. Anexo III) foi organizado em seis grandes blocos: I) Identificao do entrevistado; II) Circunstncias de estadia na rua; III) Histrico da situao de rua; IV) Expectativas; V) Situao socioeconmica do morador; VI) Programas de assistncia social e o morador de rua; e VII) Problemas enfrentados na rua. O questionrio aplicado foi constitudo por questes fechadas e por questes abertas que foram tabuladas e submetidas a tratamento diferenciado na anlise final do texto, de modo que, nos casos de dvidas, os dados obtidos sob diferentes ticas ajudaram a dirimir dvidas e a complementar informaes.

  • 2) Roteiros para entrevistas qualitativas: foram aplicados pelos pesquisadores sob o critrio de escolha qualitativa dos informantes. Aps processo de entrevistas por meio de questionrios, cada pesquisador elegeu informantes que se revelaram bons narradores de suas histrias e trajetrias e, ao faz-lo, tambm traziam em suas narrativas elementos significativos da realidade coletiva partilhada pelo contingente pesquisado. O roteiro de entrevistas obedeceu mesma lgica dos grandes blocos contemplados nos questionrios. As entrevistas foram realizadas com o uso de gravador e buscaram, de maneira qualitativa, enriquecer a compreenso da situao pesquisada, na busca de dar voz aos entrevistados.


1 introdu o

  • 3) Grupo Focal com os pesquisadores de campo: constituiu uma atividade especial com o objetivo de coletivizar informaes, vivncias e dados observados na experincia coletiva e individual dos pesquisadores, sobretudo aspectos no observveis e apreensveis na dinmica dos questionrios. Foram exploradas nuances de olhares sobre os espaos, lgicas e dinmicas de apropriao dos espaos, territorializaes e relaes de poder que conformam o imediato e mediato do mundo da rua e de seus ocupantes.

  • 4) Geoprocessamento: utilizou-se o procedimento do geoprocessamento como um elemento importante na realizao do trabalho, ao possibilitar visualizao objetiva dos pontos de maior concentrao de crianas, adolescentes e adultos moradores de rua da Cidade. Trata-se de um mtodo informatizado de tratamento de dados geo-referenciados cujos resultados permitem a manipulao das informaes segundo uma base de dados previamente elaborada.


2 4 etapas de execu o da pesquisa de campo

2.4 Etapas de execuo da pesquisa de campo

  • Primeira etapa: potencializao das experincias e capacitao inicial

  • A primeira etapa consistiu na composio da equipe de pesquisa de campo, composta por 15 pesquisadores, dos quais 12 auxiliares de pesquisa e 3 pesquisadores principais. Consideramos como um dos critrios de seleo da equipe a vivncia acumulada de cada participante em relao populao pesquisada, cujos saberes foram potencializados no processo inicial de capacitao da pesquisa, realizado mediante dois passos importantes: 1) levantamento e ampla reflexo das diversas experincias individuais dos pesquisadores relacionadas s situaes de moradia de rua na cidade de Fortaleza; 2) mapeamento prvio das instituies e de suas atuaes junto populao pesquisada; 3) mapeamento prvio das reas de concentrao de populao de rua na Cidade; 4) definio de estratgias de abordagem de campo, visando construo de intermediaes e aproximaes necessrias dos pesquisadores junto populao abordada; e 5) capacitao em geo-referenciamento de dados.


1 introdu o

  • Segunda etapa: as zonas de convergncia

  • A segunda etapa da pesquisa foi definida pela aplicao de entrevistas em trs grandes espaos da Cidade de maior concentrao e convergncia de moradores de rua: o Centro, os terminais rodovirios urbanos e a Orla.

  • Terceira etapa: rotas de pesquisa e os procedimentos de abordagens

  • A terceira etapa consistiu na ampliao da pesquisa nas demais reas da Cidade onde, embora no consideradas reas de convergncia de moradores de rua, nem estejam no circuito do grande fluxo de consumo da Cidade, principalmente da indstria do turismo, verifica-se a presena de moradores, tanto adultos como jovens. Para consecuo desta etapa, elaboramos seis rotasmediante as quais equipes de pesquisadores se deslocaram a todos os bairros da Cidade, em diferentes horrios do dia, investigando ruas e principais logradouros possveis de abrigarem moradores de rua.


504 moradores de rua entrevistados

504 Moradores de Rua Entrevistados


Tipo de morador

Tipo de Morador


1 introdu o

Sexo (%)


Estado civil

Estado Civil


Localidade de origem

Localidade de Origem


Cor etnia

Cor/Etnia


Religi o

Religio


Escolaridade

Escolaridade


Possui dependentes

Possui Dependentes


Quantidade de dependentes

Quantidade de Dependentes


Os dependentes moram na rua

Os Dependentes Moram na Rua?


N mero de dependentes que moram na rua

Nmero de Dependentes que Moram na Rua


Tempo de estadia na rua

Tempo de Estadia na Rua


J morou em outro local da cidade antes do atual

J Morou em Outro Local da Cidade Antes do Atual?


Tem contato com a fam lia

Tem Contato com a Famlia?


Localidade da fam lia com a qual o morador mant m contato

Localidade da Famlia com a qual o Morador Mantm Contato


Freq ncia de contato com familiares

Freqncia de Contato com Familiares


J esteve antes morando na rua e retornou a morar em domic lio

J Esteve Antes Morando na Rua e Retornou a Morar em Domiclio?


Tem expectativa de estar na rua daqui at um ano

Tem Expectativa de estar na Rua Daqui at um Ano?


Sonha em morar em uma casa

Sonha em Morar em uma Casa?


Tem trabalho ou atividade remunerada

Tem Trabalho ou Atividade Remunerada?


J trabalhou

J Trabalhou?


Tem qualifica o profissional

Tem Qualificao Profissional?


Rendimentos mensais

Rendimentos Mensais


Conhece algum programa de assist ncia social

Conhece Algum Programa de Assistncia Social?


J foi beneficiado por algum programa de assist ncia social governamental

J foi Beneficiado por Algum Programa de Assistncia Social Governamental?


Est inclu do em algum programa de assist ncia social de ong s

Est Includo em Algum Programa de Assistncia Social de ONGs?


N mero de vezes que se alimenta durante o dia

Nmero de Vezes que se Alimenta Durante o Dia


Possui algum tipo de enfermidade

Possui Algum Tipo de Enfermidade?


Disp e de roupa e cobertor

Dispe de Roupa e Cobertor?


O morador disp e diariamente de

O Morador Dispe Diariamente de:


O morador possui para abrigamento e dormir na rua

O Morador Possui Para Abrigamento e Dormir na Rua:


J sofreu algum tipo de viol ncia

J sofreu Algum Tipo de Violncia?


Viol ncia policial por idade

Violncia Policial por Idade


Considera es finais

Consideraes Finais

  • importante destacar que, embora esse pblico seja recorrentemente vtima de discriminao e violncia policial, observou-se que os moradores de rua no esto diretamente relacionados aos crimes urbanos de alta complexidade. Existe ocorrncias de crime relacionadas a este pblico, mas a maior parte dos casos envolve situaes pontuais como leses corporais entre os prprios moradores e pequenos furtos, nos quais no h uso de arma de fogo, ao contrrio do que ocorre na maioria dos crimes contra o patrimnio realizados em Fortaleza.

  • A relao com o dinheiro efmera, no havendo metas de poupana ou compra de bens durveis, sendo praticamente todo o dinheiro que ganham aplicado em alimentao e/ou consumo de drogas.


1 introdu o

  • Podemos compreender esta populao pesquisada sob a ptica dos motivos que o levaram a morar na rua. Destacam-se, desta maneira, os conflitos com a famlia. Muitos relataram histrias de abandono, maus-tratos e desentendimentos, especialmente com a figura paterna ou padrasto. A figura materna geralmente elogiada, mas, em alguns casos, tambm referida relacionada ao ato do abandono. Outro motivo tambm muito destacado foi a separao do casal; geralmente os homens relacionam sua sada para a rua aps se separarem de suas mulheres.

  • Destacamos, como fato relevante, o uso de drogas ilcitas, especialmente entre os mais jovens, e de bebidas alcolicas entre os mais velhos. Os conflitos familiares estimulados por essas substncias levaram contingentes de crianas, adolescentes e adultos a sarem de seus lares, reproduzindo essa forma de vida na rua. Alm disso, houve relatos que situaram a estadia na rua motivada pelo simples desejo de faz-lo.Entretanto, esse discurso geralmente entrelaado por outras ordens de motivaes problemas, como os acima destacados: abandono, dependncia qumica e alcolica, desiluses amorosas, entre outras motivaes.

  • Com efeito, a desestruturao da instituio familiar no deve ser vista de forma isolada, sob pena de julg-la culpada de todo o mal social da populao moradora de rua. H que relacionarmos a situao familiar s condies scio-econmicas, polticas e culturais constitudas historicamente nas redes objetivas e subjetivas de imprios, sistemas sociais e culturais e modelos polticos de governabilidade baseados na desigualdade social e na explorao da maior parte da populao.


1 introdu o

  • Foi encontrada, em maior nmero, uma populao adulta nas ruas de Fortaleza, seguida da populao adolescente e em nmero reduzido a presena de crianas. Tal realidade desmistifica a idia da presena contnua de crianas e adolescentes morando efetivamente nas ruas, tendo rompido os laos com a famlia. Parece um paradoxo, um feitio que a viso nos impe, haja vista que identificamos cotidianamente a existncia de conglomerados de crianas perambulando pelas praas, terminais de nibus, avenida Beira-mar e centro da Cidade, especialmente. Entretanto, ao abandonarmos uma percepo positivista da realidade e abordarmos mais proximamente tais crianas, buscando conhecer suas vidas e mltiplos sentidos que tm sobre a rua, percebemos que a situao de moradia nas ruas da Capital plural e multifacetada. A maioria destas crianas e adolescentes ainda no rompeu radicalmente com seus pares e familiares, mas mantm com eles relaes estremecidas e difceis, cujo arranjo familiar estrutural no corresponde ao significado de sobrevivncia e convivncia social desse contingente populacional. Em relao aos adultos, pudemos identificar com maior expresso o corte definitivo com a famlia e, em alguns casos, a manuteno espordica de contatos.


1 introdu o

  • Um dado preocupante que cresce no espao de sociabilidade das ruas a presena das drogas. importante destacarmos que moradores de rua buscam renda para se sustentar e revelam que, na maioria das vezes, no lhes falta comida porque recebem doao de igrejas, Ongs e particulares e tambm que conseguem dinheiro para se sustentar, como exposto acima, por meio da mendicncia, bicos, prostituio e criminalidade. Como afirmam, conseguem pouco ou nenhum, dependendo do dia. O que a anlise aqui pretende chamar a ateno para o fato corriqueiro do uso do dinheiro para comprar drogas, objetivando sustentar a droga, como alguns afirmam. Tal dimenso do volume de drogas e, especialmente, o uso do crack por parte da populao cada vez mais jovem um forte indcio de que este pblico est cada vez mais abandonado prpria sorte e aos ditames da criminalidade e da drogadio, sem que este fato esteja relacionado como um grave problema de sade pblica, tanto no Estado do Cear, como em todo o Pas.


1 introdu o

  • Relevante que, de uma maneira ou de outra, a pesquisa revelou que no bastam os albergues, programas de alimentao, sade e limpeza, mas alm dessas estruturas de acolhimento e abrigo, urge uma relao mais atuante com a vida na rua, com base em aproximaes do poder pblico e suas instituies de educao, sade e segurana no mbito da rua, e, tambm, por intermdio de prticas educativas para a coletividade da Cidade para que compreenda a condio complexa da rua e se construam relaes humanas e uma cultura de paz. Conseqentemente, tal perspectiva poltica no pode est desacompanhada da ampliao de polticas pblicas mais gerais de sade, educao, segurana, habitao e de gerao de empregos e de renda, entre outras, para a mobilizao de prticas efetivas que transformem a situao dos moradores de rua.


  • Login