União Européia
Download
1 / 30

Brasil: principais negociações comerciais externas - PowerPoint PPT Presentation


  • 67 Views
  • Uploaded on

União Européia. ALCA. CAN. Chile e Bolívia. OMC. Brasil: principais negociações comerciais externas. Acordos. OMC/GATT. multilaterais. Acordos de. ALADI. âmbito regional. Uniões. CARICOM. MCCA. A duaneiras. Comunidade Andina. MERCOSUL. Acordos. CARICOM. -. Colômbia.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' Brasil: principais negociações comerciais externas' - pepin


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

União Européia

ALCA

CAN

Chile e Bolívia

OMC

Brasil: principais negociações comerciais externas


Acordos

OMC/GATT

multilaterais

Acordos de

ALADI

âmbito regional

Uniões

CARICOM

MCCA

A duaneiras

Comunidade Andina

MERCOSUL

Acordos

CARICOM

-

Colômbia

CARICOM

-

Venezuela

preferenciais

CARICOM

-

Rep.

temporais não

-

Dominicana

recíprocos

Acordos gerais

Associação de Estados Caribenhos

Terceira Declaração de Tuxtla

de associação e

cooperação

NAFTA

Centro

Acordos de livre

México

-

América

-

Nicarágua

comércio

Chile

Centro

México

Colômbia,

-

México e

América

-

Triângulo

Venezuela

República

Norte (El

(G3)

Dominicana

Salvador,

Guatemala e

Honduras)

Bolívia

-

Chile

-

México

México

-

México

União

Europeia

Canadá

-

Chile

Costa Rica

-

Canadá

-

México

Costa Rica


Tipos de acordos comerciais

  • Acordo de Preferência Tarifária

  • Área (ou Zona) de Livre Comércio

  • União Aduaneira (Alfandegária)

  • Mercado Comum

  • União Econômica



Onde há e como funciona a coordenação sindical sub-regional

  • CAN: Conselho Consultivo Laboral Andino (CCLA) e Coordenadora de Mulheres Trabalhadoras Andinas (COMUANDE)

  • Mercosul: Coordenadora de Centrais Sindicais do Cone Sul – (CCSCS), Comissão de Mulheres da CCSCS

  • MCCA: Confederação dos Trabalhadores de Centro -América (CTCA), Confederação Centroamericana de Trabalhadores (CCT) y Coordenadora Centroamericana de Trabalhadores (COCENTRA)

  • CARICOM: Caribbean Congress of Labour - representacão da CIOSL na região - abarca a maioria das centrais sindicais nacionais

  • NAFTA: Não tem uma coordenação inter-sindical permanente – mas existem ações conjuntas entre sindicatos


Negociações comerciais externas do Mercosul sub-regional

  • 1995 - ALCA

  • 1996 - Mercosul +Chile

  • 1996 - Mercosul +Bolívia

  • 1996 - União Européia

  • 2001 - Chile e Bolívia - Estados Associados

  • 2003 - Acordo com a CAN (negociação iniciou em 1998)

  • 2003 - Peru - Estado Associado

  • 2004 – Equador, Colômbia, Venezuela - Estados associados

  • 2004 – Comunidade Sul-americana de Nações – acordo político e infraestrutura


Outras negociações em curso sub-regional

  • Cuba

  • India – acordo feito em dezembro

  • SACU- África do Sul - acordo feito em dezembro

  • China

  • Koreia

  • Egito

  • Japão

  • CCG- Conselho de Cooperação do Golfo

  • Marrocos

  • Singapura

  • CARICOM

  • APEC

  • Canadá


Articulações políticas para as negociações comerciais das quais o Brasil faz parte

Grupo de Cairns – agricultura – participam também Austrália e EUA

G 20 – formado na última reunião ministerial da OMC – CANCUN – países em desenvolvimento – principalmente agricultura – mas também acordos sobre a agenda negociadora

IBSA- Índia, Brasil e África do Sul – base para a formação do G 20 – pretendem fazer uma frente com a China.


Chile das quais o Brasil faz parte

Bolívia


das quais o Brasil faz parte

Os acordos entre os países da ALADI devem garantir o livre-comércio para 90% do universo tarifário da região em 2006


Relações Comerciais 2003/2004 das quais o Brasil faz parte

Bolívia - Exportações - expansão resultante do comércio com o Brasil 58% do aumento totalgás natural passou de 244 milhões de dólares em 2002 a 382 milhões de dólares em 2003. Saldo comercial intra-regional passou de um déficit de 225 milhões de dólares a um superávit de 76 milhões de dólares (2003/2004) Vendas para paises do Mercosul - Uruguai (-23,4%) Brasil (48,9%), Argentina (102,7%). Compras de países de países do Mercosul – Brasil (-11,9%), Argentina (-8,6%).

Chile– primeiro semestre 2004/03 superávit comercial triplicou, de 1.512 a 4.627 milhões de dólares. Com a regiãoincremento das exportações (38,4%) e das importações (20,8%). Déficit comercial intra-regional - passou de 1.845 a 1.948 milhões de dólares no período. Vendas a paises do Mercosul - incrementou de 62,9% para o Brasil e 51,2%) para a Argentina. Importações da Argentina e Brasil são 80% das intra-regionais.



Chile e Bolívia relação ao total - 2003 - ACEs N° 35 e N ° 36

As Partes Contratantes conformarão uma Zona de Livre Comércio num prazo de 10 anos através de um Programa de Liberação Comercial que se aplicará aos produtos originários dos territórios das Partes Signatárias. Tal programa consistirá em desgravações progressivas e automáticas aplicáveis sobre os impostos vigentes para terceiros países no momento de embarque das mercadorias.

Objetivos

Promover o desenvolvimento e a utilização da infraestrutura física, com especial ênfases no estabelecimento de interconexões bio-oceânicas;

Promover e impulsionar investimentos recíprocos entre os agentes econômicos das Partes Signatárias;

Promover a complementação e cooperação econômica, energética, científica e tecnológica.

Órgão negociador dos acordos – Comissão Administradora integrada pelo GMC e os Ministérios de Relações Exteriores de cada pais (em separado)


Comunidade Andina de Nações relação ao total - 2003

O que se pretende é um acordo de livre comércio com definições comuns de regras de origem


Cronograma da negociação relação ao total - 2003

16 de abril de 1998 -Acordo Marcopara a negociação de uma Zona de Livre Comércio - população superior a 300 milhões de habitantes e com um PIB de 1,2 trilhões de dólares .

6 de dezembro de 2002- foi assinado um Acordo de Complementacão Econômicaatravés do qual se reiterou a decisão de conformação de uma Área de Livre Comércio, "cuja negociação deverá estar concluída antes de 31 de dezembro de 2003".

16 de dezembro de 2003 – assinado o Acordo de Complementacão para a conformação de uma zona de livre comércio que entrou em vigor no dia 1º de julho de 2004 – prazo de 10 a 15 anos.


1995/2005 relação ao total - 2003

As últimas rodadas de negociação em outubro de 2004 foram interrompidas sem acordo – em março de 2005 nova reunião não conseguiu entrar em acordo sobre a agenda negociadora


A Associação Bi-regional relação ao total - 2003

Mercosul e União Européia

O acordo entre o Mercosul e a União Européia envolve 29 países, 675 milhões de habitantes e uma capacidade econômica conjunta de US$ 11,6 trilhões.

É um projeto de acordo para criar uma associação econômica e comercial bi-regional: capítulos político, de cooperação e comercial.

Diferencia-se da ALCA principalmente no aspecto do formato das negociações – é bloco a bloco – e em matéria investimentos, pois restringe-se ao modo 3 (instalação na região) e no sistema de solução de controvérsias - não prevê possibilidades de que empresas acionem os Estados.


Antecedentes das negociações relação ao total - 2003

Assinatura do Acordo Marco Inter-Regional de Cooperação entre Mercosul e a UE em dezembro de 1995 em Madrid

Lançamento das negociações comerciais durante a Cumbre da UE, América Latina e Caribe em junho de 1999, no Rio de Janeiro.

Apresentação da primeira oferta tarifária da UE e de rascunhos dos capítulos de serviços e compras governamentais em julho de 2001, em Montevidéu.

Estrutura das negociações

Cumbres Presidenciais

Comitê de Negociações Bi-regionais

3 Grupos Técnicos:

  • Acesso a mercados de bens, instrumentos de defesa comercial e facilitação de comercio;

  • Serviços, movimento de capitais e investimentos;

  • Compras governamentais, competição e solução de controvérsias.


Os problemas nas negociações atuais relação ao total - 2003

Bens agropecuários

Problemas nas negociações de cuotas para carne de frango, milho e trigo . O açúcar não foi incluído na oferta da UE

A oferta da UE foi dividida em duas etapas: as cuotas seriam implementadas num prazo de 10 anos a partir da assinatura do acordo, depois do final das negociações de la OMC

Mercosul não aceitou nenhuma das condições


Bens relação ao total - 2003

O Mercosul condiciona uma maior liberação de seu mercado de produtos industriais e nos setores de eletro-eletrônicos e software a outros resultados nas negociações  e oferece cuotas aos europeus - 60% das quais num prazo de 10 anos

Serviços

Brasil é competitivo na área de serviços de informática – por exemplo no sistema eletrônico bancário brasileiro. Aceitou fazer uma abertura aos europeus em outras áreas, como serviços financeiros, telecomunicações, transporte marítimo, serviço postal (menos o envio de cartas) e transporte fluvial.

 A UE pede mais – quer que o Mercosul aceite uma regra que permita a livre entrada para seus bancos.


Transporte marítimo relação ao total - 2003

 a UE quer acesso ao transporte inter-regional, o que implicaria a quebra desse setor no Mercosul e na construção naval - há um projeto de recuperação do setor que pode se ampliar com as hidrovias e a integração de infra-estrutura na América do Sul.

Compras governamentais

A União Européia tem feito pressão pela abertura nesse setor mas há forte resistência do Brasil.

Finalmente o Mercosul ofereceu às empresas européias a possibilidade de participar de suas licitações públicasUE quer ter a preferência


Mercado automotor relação ao total - 2003

Os setores privados automotores do Brasil e da Argentina tinham interesses diferentes na negociação com a UE e apresentaram uma oferta aquém do esperado em termos de quotas e prazos de liberalização .

Não há acordo na Metodologia

O Mercosul apresentou uma lista de "condições para a negociação", que incluí proteção para as "industrias nascentes", regras mais claras para a importação de alimentos processados e clarificações sobre o ritmo de redução das tarifas e barreiras comerciais. Tratamento diferenciado


Espaços de participação social previstos no futuro acordo

  • Criação de um Comitê Consultivo misto – CES e FCES – poderá fazer um seguimento das negociações

  • Esta proposto a criação de um espaço mais amplo com a participação de organizações diversas da sociedade civil com reuniões periódicas – onde os negociadores apresentariam seus informes e recolheriam sugestões e propostas

  • Nenhum desses espaços está funcionando – todos para depois do acordo firmado

Têm havido encontros das organizações sociais (sindicais, empresariais e CES e FCES


ALCA acordo

Desde a reunião ministerial de Miami (novembro de 2003) a ALCA ficou paralisada

Em 2004, houve poucos intentos mas as eleições dos EUA praticamente interromperam as negociações.

Em fevereiro de 2005 – os dois vice-presidentes tentaram retomar a agenda mas não chegaram a um acordo.

Os EUA estão priorizando a OMC


1994 acordo

I Cumbre das Americas Miami

1995

I Reunião Ministerial - Denver

II Reunião Ministerial Cartagena

1996

1997

III Reunião Ministerial - Belo Horizonte

Relembrando o processo

1998

II Cumbre das Americas -Santiago

IV Reunão Ministerial - S J Costa Rica

V Reunião Ministerial - Toronto

1999

III Cumbre de las Americas -Quebec

2001

VI Reunião Ministerial - Buenos Aires

2002

VII Reunão Ministerial - Quito

I Rascunho do Acordo da ALCA

VIII Reunião Ministerial – Miami

2003

Aprovada reformulação do formato e agenda de negociações

2004

Reunião do CNC deverá preparar novo rascunho para a Cumbre

IV Cumbre das Américas - México

2005


34 países das Américas - 783 milhões de pessoas e acordo

US$ 11,485 trilhões de PIB

A ALCA acordo de associação comercial, de nível continental – sem outros níveis de integração.

Capitulo de investimentos não requer a instalação nos países e o mecanismo de solução de controvérsias permitiria às empresas acionarem os Estados.

Compras governamentais –abertura ampla sem restrições

Estrutura das negociações

  • Cumbres Presidenciais

  • Reuniões de Ministros de Comercio

  • Comitê de Negociações Comerciais formado por Vice-Ministros

  • 9 Grupos de Negociação por temas

  • Grupo Consultivo sobre Economias Menores

  • Comitê de Representantes Governamentais para a Participação da Sociedade Civil

  • Grupo Especializado para estudo do Comercio Eletrônico

  • Comitê Técnico de Assuntos Institucionais

  • Secretaria Administrativa


Principais divergências acordo

Mercosul propôs remeter à OMC os temas mais sensíveis (serviços, investimentos, compras governamentais, etc) e uma metodologia de negociação que prevê um acordo de livre comercio para os 34 países e negociações bilaterais ou sub-regionais dos temas que envolvam uma agenda mais profunda;

Estados Unidos quer remeter o tema agrícola e anti-dumping para a OMC e em conjunto com o grupo dos 13 questiona o beneficio do livre e comercio aos que não queiram aprofundar as negociações. Interesse- Investimentos e Serviços

Em novembro está marcada uma reunião ministerial em Buenos Aires – até agora não há acordo sobre a agenda


Principal tema de agenda da negociação comercial para o Brasil em 2005 – OMC

Produtos Agrícolas e NAMA

Implementação dos acordos de Singapura

Demais temas de agenda estão fora


Maria Silvia Portela de Castro Brasil em 2005 – OMC

CUT – 12 de abril de 2005


ad