Severa pré-eclâmpsia precoce:
Download
1 / 26

Early-onset severe preeclampsia: induction of labor vs elective cesarean delivery and neonatal outcomes Alanis MC, Robin - PowerPoint PPT Presentation


  • 166 Views
  • Uploaded on

Severa pré-eclâmpsia precoce: Indução do trabalho de parto x cesariana e resultados neonatais. Early-onset severe preeclampsia: induction of labor vs elective cesarean delivery and neonatal outcomes Alanis MC, Robinson CJ, Hulsey TC, Ebeling M, Johnson DD.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Early-onset severe preeclampsia: induction of labor vs elective cesarean delivery and neonatal outcomes Alanis MC, Robin' - pelham


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

Severa pré-eclâmpsia precoce:

Indução do trabalho de parto x

cesariana e resultados neonatais

Early-onset severe preeclampsia: induction of laborvs elective cesarean delivery and neonatal outcomesAlanis MC, Robinson CJ, Hulsey TC, Ebeling M, Johnson DD.

Alanis MC, Robinson CJ, Hulsey TC, Ebeling M, Johnson DD.

J Obstet Gynecol 2008;199:262.e1-262.e6

Apresentação: Diogo H. S. Couto; Orlando C. Barbosa; Priscila C. Freitas; Rafael P. Geraldini

Coordenação: Dra. Denise Cidade

www.paulomargotto.com.br

Brasília, 05/08/2011


Introdu o
Introdução

  • Pré-eclampsia é a principal indicação médica de parto pré-termo (25 a 43%).

  • Mas a maioria das gestantes com indicação de parto pré-termo não entram em trabalho de parto espontâneo.

  • Logo, na ausência de indicação obstétrica formal para o parto cesáreo, qual via de parto seria a mais vantajosa? Parto cesáreo ou indução do trabalho parto?


Introdu o1
Introdução

  • A taxa de cesariana estimada, em levantamento da Sociedade de Obstetrícia Perinatal, foi de 73% para 32 semanas, em gestação complicada por pré-eclampsia.

  • Mas morbidades de curto e longo prazo favorecem parto vaginal em fetos pré-termos. E em contraste com a crença de que cesárea seria neuro-protetora, foi evidenciado que esta modalidade não reduz a taxa de paralisia cerebral.


Objetivos
Objetivos

  • Descrever a taxa de sucesso da indução do trabalho de parto;

  • Identificar os fatores que estão associados com a decisão em proceder com cesariana eletiva vs indução do parto;

  • Analisar a relação entre cesariana eletiva vs indução do trabalho de parto nos resultados neonatais, em mulheres com início precoce de pré-eclâmpsia grave.


M todo
Método

  • Estudo transversal realizado no Medical University of South Carolina, centro terciário de referência, no período entre 01/01/1996 e 31/12/2006.

  • Pré-eclampsia severa de início precoce foi definida como:

    • Início recente de hipertensão (PAS ≥ 140mmHg ou PAD ≥ 90mmHg - pelo menos em duas aferições com 6 horas de intervalo);

    • E proteinúria (300 mg/24h ou >1+ em quadro agudo);

    • Após 20 semanas de gestação;


M todo1
Método

  • Critérios de exclusão:

    • Contra-indicações obstétricas à indução; (como a apresentação não cefálica, placenta prévia, ou herpes genitalativo).

    • Trabalho de parto espontâneo; ruptura de membranas; qualquer evidência de sofrimento fetal antes da decisão de indução ou cesariana eletiva; gestação múltipla; HIV-positivo; anomalia fetal conhecida.

    • Eclâmpsias intraparto foram excluídas devido: à baixa freqüência e à taxa muito elevada de cesarianas de emergência neste grupo.


M todo2
Método

  • Orientação de manejo no período:

    • corticosteróide IM 48 horas antes do parto;

    • Sulfato de magnésio intravenoso fornecido durante o período intra-parto e continuado por pelo menos 24 horas após o parto.

    • Método de indução do trabalho de parto individualizado pelo médico assistente (ocitocina, prostaglandina E2, misoprostol vaginal e cateter balão transcervical, com ou sem ocitocina.)


M todo3
Método

  • As informações para pesquisa foram alcançadas através de um banco de dados confiável, com revisões especializadas.

  • Falha na indução definido como: cesariana após indução do parto mal sucedida, com ou sem sofrimento fetal.

  • Cesariana eletiva foi definida como: cesariana na ausência de indução anterior.


M todo4
Método

  • As taxas de sucessos na indução foram divididas em 24-28, 28-32 e 32-34 semanas de gestação.

  • Variáveis maternas: idade no momento do parto, paridade, dilatação cervical antes da atribuição do tipo de parto, cesariana anterior, IMC pré-gestacional(kg/m2), e raça (negros ou não-negros).

  • Variáveis neonatais: peso do RN, Apgar aos 5’ < 7, morte neonatal, doença da membrana hialina, displasia broncopulmonar, taquipnéia transitória do recém-nascido, retinopatia da prematuridade, hemorragia intracraniana (hemorragia intraventricular grau III ou IV ou hemorragia periventricular), enterocolite necrosante, convulsões neonatal, sepse neonatal, lesão no nascimento (céfalo-hematoma, qualquer fratura, ou paralisia nervosa), e unidade de terapia intensiva neonatal (admissão e duração da estadia).


Método

  • Análises de regressão foram realizadas para determinar quais variáveis maternas ou fetais foram preditores significativos para a indicação e para o sucesso da indução.

  • Foram considerados: Odds Ratio com IC de (95%) e P estatisticamente significativo menor ou igual a 0,05.





IOL: induction of labor-indução trabalho de parto


  • Sofrimento fetal no trabalho de parto foi significativamente associado com redução em induções bem sucedidas, mas sem diferença por categoria de idade gestacional (P 0,32).

  • Houve uma diminuição de 58% na possibilidade de se indicar a indução se a síndrome HELLP esteve presente (P 0,01).

  • 84,9% das mães receberam um curso de corticosteróides intramuscular antes do parto.Depois de excluída a síndrome HELLP, o uso de corticóide intramuscular foi significativamente menor com o avanço da idade gestacional e significativamente maior com a indução.




Coment rios
Comentários mulheres que se submeteram à indução vs cesariana eletiva, exceto para displasia broncopulmonar.

A indução do trabalho de parto deve ser considerada entre 28-32 semanas, independente da dilatação cervical, da restrição do crescimento intra-uterino, ou da paridade.

Antes de 28 semanas, no entanto, a indução do trabalho de parto raramente é bem sucedida.


  • Quando a indução do trabalho de parto não é bem sucedida, há sofrimento fetal em metade dos casos, independente da idade gestacional.

  • Este estudo inclue:

    • N significativo;

    • Categorização das mulheres por IG clinicamente significativas;

    • Análise dos resultados neonatais;

    • Indicação vs Desfecho;

  • Limitação: o status fetal não foi bem analizado (ex.: Doppler fetal).


A taxa de sucesso da indução do trabalho de parto foi de 53,5%, o que está de acordo com vários outros estudos (que possuem taxas entre 32-65%).


Conclus o
Conclusão 53,5%, o que está de acordo com vários outros estudos (que possuem taxas entre 32-65%).

O estudo demonstra uma taxa elevada de sucesso na indução do trabalho de parto em gestantes com IG > 28 semanas e mostra que esta prática é segura em relação aos resultados neonatais.


ABSTRACT 53,5%, o que está de acordo com vários outros estudos (que possuem taxas entre 32-65%).


Referências 53,5%, o que está de acordo com vários outros estudos (que possuem taxas entre 32-65%).


OBRIGADO! 53,5%, o que está de acordo com vários outros estudos (que possuem taxas entre 32-65%).

ESCS – Grupo D –Turma 2006

“Um nascimento representa o princípio de tudo - é o milagre do presente e a esperança do futuro.”


ad