diabetes mellitus farmacologia nutri o
Download
Skip this Video
Download Presentation
DIABETES MELLITUS Farmacologia Nutrição

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 28

DIABETES MELLITUS Farmacologia Nutrição - PowerPoint PPT Presentation


  • 160 Views
  • Uploaded on

DIABETES MELLITUS Farmacologia Nutrição. 1. Classificação Etiológica da Diabetes Mellitus. Tipo 1 Destruição das células b com falta de insulina Tipo 2 Resistência à insulina com deficiência de insulina Gestacional Resistência à insulina com disfunção das células b

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' DIABETES MELLITUS Farmacologia Nutrição' - patty


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
diabetes mellitus farmacologia nutri o
DIABETES MELLITUS

Farmacologia Nutrição

1

classifica o etiol gica da diabetes mellitus
Classificação Etiológica da Diabetes Mellitus

Tipo 1 Destruição das células b com falta de insulina

Tipo 2 Resistência à insulina com deficiência de insulina

Gestacional Resistência à insulina com disfunção das células b

Outros tipos Defeitos genéticos na função das células b, doenças pancreáticas exócrinas (cancer) e outros

Adaptado do site da Sociedade Brasileira de Diabetes http://www.diabetes.org.br

2

categorias da toler ncia glicose diminu da
Categorias da Tolerância à Glicose Diminuída

Glicemia 2 horas após PTGO

Glicemia em Jejum

Diabetes Mellitus

Diabetes Mellitus

126 mg/dl

200 mg/dl

Anomalia da

Tolerância à Glicose

Anomalia da

Tolerância à Glicose

110 mg/dl

140 mg/dl

Normal

Normal

ATG= Anomalia da Tolerância à Glicose ou Tolerância Diminuída à Glicose (TDG)

PTGO = Prova da Tolerância à Glicose Oral (75 g de glicose em 2 dl de água e ingestão em 5 min)

Adaptado de Sociedade Brasileira deDiabetes

3

diagn stico da diabetes valores da glicemia
Diagnóstico da DiabetesValores da Glicemia

Glicemia em Jejum Glicemia 2 horas após PTGO

Categoria mg/dl mmol/l mg/dl mmol/l

Normal <110 <6.1 <140 <7.8

AGJ >110 and <126 >6.1 and <6.9 <140 <7.8

ATG >110 and <126 >6.1 and <6.9 >140 and <200 >7.8 and <11.1

Diabetes >126 >7.0 >200 >11.1

AGJ= Anomalia da Glicemia em Jejum ou Hiperglicemia do Jejum Não Diabética

ATG= Anomalia da Tolerância à Glicose ou Tolerância Diminuída à Glicose (DTG)

PTGO = Prova da Tolerância à Glicose Oral (75 g de glicose em 2 dl de água e ingestão em 5 min)

4

slide5

Diagnóstico da DiabetesTrês Métodos

1. Glicemia ao acaso (em qualquer hora do dia e sem ter em conta a hora da última refeição)> 200 mg/dl em duas ocasiões separadas + sintomas (poliuria, polidipsia e perda de peso inexplicável)

2. GPJ > 126 mg/dl em duas ocasiões separadas

3. Glicemia 2 horas após PTGO > 200 mg/dl em duas ocasiões separadas

GPJ= Glicose Plasmática em Jejum

PTGO = Prova da Tolerância à Glicose Oral (75 g de glicose em 2 dl de água e ingestão em 5 min)

5

diabetes mellitus
Diabetes Mellitus

10 a 20 % Diabetes do Tipo 2 Magros

10 a 20%

Diabetesdo Tipo 1

60 a 70 % Diabetes do Tipo 2 com Peso Excessivo

6

preval ncia estimada da diabetes adultos homens e mulheres grupos et rios
Prevalência Estimada da DiabetesAdultos Homens e Mulheres (Grupos Etários)

30

Homens

Mulheres

21.1

20.2

20

17.8

17.5

12.9

Percentagem da População

12.4

10

6.8

6.1

1.6

1.7

0

20-39

40-49

50-59

60-74

75+

Idade (anos)

Harris, et al. Diabetes Care. 1998;21:518-524

7

diabetes tipo 2 defini o
DIABETES TIPO 2Definição
  • Tipo de DM caracterizado por defeitos da ação (resistência à insulina) e da secreção de insulina
  • Ambos os defeitos estão presentes na época em que a doença se manifesta clinicamente

OMS, 1999

8

diabetes tipo 2 defini o1
DIABETES TIPO 2Definição
  • As razões exatas para o desenvolvimento destas anormalidades não está completamente esclarecidas
  • É o tipo de DM mais comum (estima-se que em 2020 haverá em todo o mundo cerca de 250 milhões de diabéticos tipo 2)

OMS, 1999

9

a diabetes do tipo 2 n o uma diabetes menor
A diabetes do tipo 2 não é uma diabetes menor
  • A diabetes é a primeira causa de cegueira nos países industrializados
  • Em cada dois diabéticos cegos

um é do tipo 1...

e o outro é do tipo 2...

Fonte: G. Slama et al, Lancet 1992, p 244

10

fisiopatologia da diabetes do tipo 2
Fisiopatologia da Diabetes do Tipo 2

Tecidos Periféricos

(Músculo)

Defeitos no receptor

Resistência

à Insulina

Glicose

Fígado

Aumento da

produção de glicose

Pâncreas

Diminuição da

secreção de insulina

11

Saltiel AR, Olefsky JM. Diabetes. 1996;45:1661-1669.

fisiopatologia da diabetes do tipo 21
Fisiopatologia da Diabetes do Tipo 2

Defeito nas célulasb

Resistência à Insulina Periférica

Hiperinsulinemia

Anomalia da Tolerância à Glicose

Defeito no reconhecimento da glicose

Diminuição da secreção de insulina

Insuficiência das células b

Diabetes no inicio

Obesidade

Diabetes tardia

12

Saltiel AR, Olefsky JM. Diabetes. 1996;45:1661-1669.

desenvolvimento da anomalia da toler ncia glicose
Desenvolvimento da Anomalia da Tolerância à Glicose
  • Os doentes com diabetes tipo 2 têm um fenotipo complexo com:
    • defeitos da secreção de insulina (hiperinsulinismo não compensatório)
    • aumento da produção hepática de glicose
    • resistência à ação da insulina
  • Causas possíveis deste fenotipo
    • genéticas
    • ambientais
    • metabólicas (ácidos graxos livres)
    • outras

Cavaghan MK, et al, 2000. J Clin Invest, 106:329-333

13

insulino resist ncia defini o
INSULINO-RESISTÊNCIA Definição
  • Insulino-resistência (ou  da sensibilidade à insulina):
    • – dificuldade da insulina exercer a sua ação na captação da glicose a nível periférico, músculos, tecido adiposo, fígado, com  da produção hepática de glicose e células -pancreáticas contribuindo para o déficit secretor.

14

insulino resist ncia defini o1
INSULINO-RESISTÊNCIA Definição
  • Insulino-resistência:
    • necessidade de uma insulinemia inapropriadamente elevada (hiperinsulinismo compensatório) para manutenção da homeostase metabólica.

15

diabetes do tipo 2 objetivos terap uticos
DIABETES DO TIPO 2Objetivos Terapêuticos

ParâmetroValores

Glicose em Jejum sangue total 80-120 mg/dlplasma 90-130 mg/dl

HbA1cótima <6%bom <7%nível de ação >8%

Colesterol Total <200 mg/dl

LDL-C ótimo <100 mg/dl iniciar tratamento >130 mg/dl

HDL-C >45 mg/dl

Triglicéridos <200 mg/dl

Data from American Diabetes Association. Diabetes Care. 1999;22 (suppl 1):S32-S41; The National Cholesterol Education Program (NCEP) Expert Panel. JAMA. 1993;209:2015-3023.

16

diabetes do tipo 2 terap utica n o farmacol gica
DIABETES DO TIPO 2Terapêutica não Farmacológica
  • MODIFICAÇÕES DIETÉTICAS (a maioria são doentes com peso excessivo)
    • Restrição calórica
      • redução da ingestão de gorduras saturadas
      • aumentar a ingestão de carbohidratos complexos em vez dos simples

17

diabetes do tipo 2 terap utica n o farmacol gica1
DIABETES DO TIPO 2Terapêutica não Farmacológica
  • EXERCÍCIO FÍSICO
    • como adjuvante do tratamento dietético.
    • está associado com melhorias do controle da glicemia independentemente das alterações do peso.

18

diabetes do tipo 2 terap utica farmacol gica
DIABETES DO TIPO 2Terapêutica Farmacológica
  • SULFONILUREIAS e GLINIDAS (Secretagogos de Insulina)
  • BIGUANIDAS (Anti-hiperglicemiantes)
  • INIBIDORES DAS -GLUCOSIDASES
  • SENSIBILIZADORES DA INSULINA (Glitazonas)
  • INSULINA

19

slide20

SULFONILUREIAS e GLINIDAS HIPOGLECIMIANTES(Secretagogos de Insulina)

  • Primeiro antidiabético oral comercializado
  • Descoberta acidentalmente por um médico Francês (Marcel Janbon) na II Guerra Mundial, ao verificar o aparecimento de hipoglicemia quando tratava a febre tifóide com um derivado da sulfonamida.
  • Desenvolvida posteriormente por Loubatières
  • A 1ª Sulfonilureia disponível em 1955, na Alemanha = CARBUTAMIDA

20

slide21

Secretagogos de Insulina:Características Básicas das Sulfonilureias e das Meglitinidas

Mecanismo de ação Aumento da secreção de insulina basal e pós prandial

Dependem Do funcionamento das células 

Atividade Diminuem a HbA1c de 1% a 2%

Dose Uma/duas vezes ao dia (sulfonilureias); Uma a três vezes ao dia (meglitinidas)

Reações adversas Aumento de peso, alergia (rara)

Principal risco Hipoglicemia

21

slide22

BIGUANIDAS (Anti-hiperglicemiantes)

  • Primeiro antidiabético oral (utilizado desde a Idade Média = Guanidina)
  • Nos finais da década de 50 e após as sulfunilureias são comercializadas:
    • Fenformina
    • Meformina
  • Fenformina retirada do mercado em algunspaíses nos finais da década de 70 (Risco elevado de acidose láctica e mortalidade cardiovascular)

22

slide23

BIGUANIDAS (Anti-hiperglicemiantes)

Características Básicas da Metformina

Mecanismo de ação Diminui a produção hepática de glicose

Depende Da presença de insulina

Atividade Diminui a HbA1c de 1 % a 2%

Dose Uma a três vezes ao dia

Reações adversas Diarreia, náuseas

Principal risco Acidose Láctica

SBD

23

efeitos da metformina
Efeitos da Metformina
  • Reduz a glicemia em jejum ( 70mg/dl) e a HbA1c ( 1,5%)
  • Reduz o peso corporal e o hiperinsulinismo
  • Induz  de LDL e TG e  de HDL
  • A nível periférico induz um  da sensibilidade à insulina
  • O principal efeito é a supressão da produção hepática da glicose basal, induzindo uma  da glicemia do jejum inibindo a glicogenólise e a neoglicogênese

24

slide25

INIBIDORES DAS -GLICOSIDASES

  • Os Hidratos de Carbono sofrem, no trato gastrintestinal, a digestão enzimática pelas -glicosidases desdobrando-os em monossacaridos para que assim possam ser absorvidos
  • São inibidores competitivos reversíveis da digestão dos polissacarídeos
    • Acarbose

25

slide26

SENSIBILIZADORES DA INSULINATiazolidinedionas (TZDs) (Glitazonas)

  • Mecanismo de ação está diretamenterelacionado com o “receptor gama activado de proliferação dos peroxisomas” (Peroxisomal Proliferator Activator Receptor  = PPAR) no tecido adiposo e músculo esquelético.
  • Aumenta a sensibilidade da insulina nos tecidos periféricos
  • São:
    • Troglitazona= Retirada em 2000 por toxicidade hepática
    • Rosiglitazona
    • Pioglitazona

26

slide27

EFEITOS DOS SENSIBILIZADORES DA INSULINATiazolidinedionas (TZDs) (Glitazonas)

  •  da utilização periférica da glicose (insulino mediada) em cerca de 20 -40% (80% a nível muscular )
  • Redução da glicemia em jejum e pós-prandial e insulinemia do jejum (redução da produção hepática de glicose)
  • Redução dos níveis de TG e  HDL

27

f rmacos anti diab ticos mecanismos de a o
Fármacos Anti-diabéticos:Mecanismos de Ação

Aumentar o Aumentar a Atrasar a Fornecimento de Ação da Absorção dos Insulina Insulina Hidrat. Carbono

Sulfonilureias Biguanidas Inibidores das-Glucosidases

Meglitinidas Tiazolidinedionas

Insulinas

28

ad