A hist ria da viol ncia no brasil
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 11

A História da violência no Brasil PowerPoint PPT Presentation


  • 65 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

A História da violência no Brasil. h istoriativanet.wordpress.com. A marginalização do negro no Brasil. Lei Áurea (1888) Lei de Terras (1850) O governo não preocupou-se em integrar o negro na sociedade, dando margem para o processo de marginalização Proibição de atividades, como a capoeira.

Download Presentation

A História da violência no Brasil

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


A hist ria da viol ncia no brasil

A História da violência no Brasil

historiativanet.wordpress.com


A marginaliza o do negro no brasil

A marginalização do negro no Brasil

  • Lei Áurea (1888)

  • Lei de Terras (1850)

  • O governo não preocupou-se em integrar o negro na sociedade, dando margem para o processo de marginalização

  • Proibição de atividades, como a capoeira


Do corti o favela

Do cortiço à favela

  • A população pobre do Rio de Janeiro aglomerava-se em cortiços no centro da cidade

  • Durante o governo de Rodrigues Alves (1902-06) foi realizado o processo de sanitarização da cidade, idealizada pelo médico sanitarista Oswaldo Cruz

  • A população pobre sem ter outra saída passa a povoar as encostas dos morros, dando origem às favelas.

  • O nome favela remete a uma planta encontrada em Canudos e também na encosta dos morros. A grande presença de soldados que identificavam a planta foi o elo para a adoção do apelido


Do corti o favela1

Do cortiço à favela


A favela e a marginalidade

A favela e a marginalidade

  • A concentração de uma população pobre, distante do resto da sociedade, permitiu a criação de uma cultura própria, com valores que vinham reforçar os aspectos positivos dos homens que ali viviam.

  • Aos poucos a favela ganhou vida própria, onde os excluídos ganhavam vozes.

  • No entanto, aos poucos a marginalidade ganhou espaço e reconhecimento como uma forma afirmação e defesa dos excluídos


O malandro

O malandro

  • O malandro se tornou figura representativa do brasileiro pobre, marginalizado, que sobrevive a partir de atividades moralmente questionáveis, como pequenos furtos, jogos roubados e trapaças em geral

  • Eram os heróis das classes marginalizadas e se tornaram figuras importantes nas favelas cariocas


O malandro o samba e get lio vargas

O malandro, o samba e Getúlio Vargas

  • Aos poucos a cultura da malandragem, assim como o samba se tornaram elementos centrais da cultura popular

  • Getúlio Vargas com sua proposta trabalhista, via nessa cultura algo depreciativo, pois os pobres viam com orgulho aqueles que venciam na vida não pelo trabalho, mas através de atividades ilegais.

  • Para tentar reformular esse padrão cultural, Getúlio investiu na transformação do samba como ritmo nacional.

  • Foram gravados os primeiros sambas, que tiveram que adequar suas letras aos propósitos trabalhistas, abandonando os ideais da malandragem.


Len o no pesco o wilson batista

Lenço no Pescoço (Wilson Batista)

Meu chapéu do ladoTamanco arrastandoLenço no pescoçoNavalha no bolsoEu passo gingandoProvoco e desafioEu tenho orgulhoEm ser tão vadio

Sei que eles falamDeste meu procederEu vejo quem trabalhaAndar no miserêEu sou vadioPorque tive inclinaçãoEu me lembro, era criançaTirava samba-cançãoComigo nãoEu quero ver quem tem razão

E eles tocamE você cantaE eu não dou


O bonde do s o janu rio wilson batista

O Bonde do São Januário(Wilson Batista)

Quem trabalhaÉ quem tem razãoEu digoE não tenho medoDe errar

Quem trabalha...

O Bonde São JanuárioLeva mais um operárioSou euQue vou trabalhar

O Bonde São Januário...

AntigamenteEu não tinha juízoMas hojeEu penso melhorNo futuroGraças a DeusSou felizVivo muito bemA boemiaNão dá camisaA ninguémPasse bem!


Homenagem ao malandro chico buarque

Homenagem ao malandro (Chico Buarque)

Eu fui fazer um samba em homenagemà nata da malandragem, que conheço de outros carnavais.Eu fui à Lapa e perdi a viagem,que aquela tal malandragem não existe mais.Agora já não é normal, o que dá de malandroregular profissional, malandro com o aparato de malandro oficial,malandro candidato a malandro federal,malandro com retrato na coluna social;

malandro com contrato, com gravata e capital, que nunca se dá mal.Mas o malandro para valer, não espalha,aposentou a navalha, tem mulher e filho e tralha e tal.Dizem as más línguas que ele até trabalha,Mora lá longe chacoalha, no trem da central


Associa o entre a favela e o crime

Associação entre a favela e o crime

  • Durante a Ditadura Militar a associação entre a marginalidade e a favela foi reforçada pela ação repressiva do Estado

  • O crescimento das desigualdades sociais levou a uma crescente onda de violência que se confundia com as ações polítcas

  • É o inicio da formação do crime organizado, não só no Rio de Janeiro, como também em São Paulo

  • A marginalidade e o crime ganham novos significados e ideologia

  • Destaca-se nesse período o crescimento e estruturação do tráfico de drogas e do jogo do bicho


  • Login