Prim rdios da coloniza o de mato grosso
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 11

Primórdios da Colonização de Mato Grosso PowerPoint PPT Presentation


  • 42 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Primórdios da Colonização de Mato Grosso. 1- A capitania de São Vicente e o surgimento das bandeiras.

Download Presentation

Primórdios da Colonização de Mato Grosso

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Prim rdios da coloniza o de mato grosso

Primórdios da Colonização de Mato Grosso

1- A capitania de São Vicente e o surgimento das bandeiras.

No século XVII, a Capitania de São Paulo era uma das capitanias mais pobre da colônia. Com a decadência da economia açucareira, os habitantes do planalto de Piratininga resolveram buscar a sua sobrevivência nas bandeiras.

As bandeiras eram expedições particulares que partiam em direção ao interior da colônia e com isso adentraram em território espanhol.

Tipos de bandeiras:

Apresamento ou caça ao índio: aprisiona no ‘sertão” índios para a escravidão.

Prospecção ou mineração: bandeiras que vinham a procura de metais preciosos.

Sertanismo de Contrato: bandeiras alugadas, especializadas na captura de índios e negros foragidos do cativeiro.


O brasil colonial

O BRASIL COLONIAL

Domingos Jorge Velho e Seu Lugar-tenente Antonio Fernandes, de Benedito Calixto (1853-1927).

que nasceu em São Paulo e decorou muitos teatros e igrejas.


Prim rdios da coloniza o de mato grosso

Em 1718, chega a Mato Grosso, a bandeira de Antonio Pires de Campos. Essas bandeira veio buscar índios para a escravidão.

Índia Apiaká. Hercule Florence (1827).

Acervo da Academia de Ciências de São Petersburgo, Rússia.

Indígenas das missões espanholas de Chiquitos, em Casalvasco. Aimé-Adrien Taunay (1827).

Acervo da Academia de Ciências de São Petersburgo, Rússia.

“Índio cabixi”. Hercule Florence (1827).

Acervo da Academia de Ciências de São Petersburgo, Rússia.


Prim rdios da coloniza o de mato grosso

  • 1719: A bandeira de Pascoal Moreira Cabral chegou nas barrancas do rio Coxipó descobrindo ouro na região. Com essas descoberta surgiu um importante núcleo populacional; o Arraial da Forquilha.

O arraial da Forquilha localizava-se na confluência de dois ribeirões, que, ao juntar-se, davam continuidade ao rio Coxipó.

Daí a origem do nome.

Supõe-se que o fundador do arraial tenha sido o bandeirante Antônio de Almeida Lara, que, em 1720, estava explorando o rio Coxipó.

Forquilha teve vida efêmera. Manteve-se como principal arraial das minas cuiabanas por apenas um ano e meio, até a descoberta das Lavras do Sutil, quando entrou em plena decadência.

Fonte: Silva & Freitas (2000).

O Arraial da Forquilha. Moacyr Freitas (2000). Acervo da Fundação Cultural de Mato Grosso.


Prim rdios da coloniza o de mato grosso

  • 1722: Miguel Sutil descobre ouro no Córrego Da Prainha, na região da Colina do Rosário e por isso a região foi denominada de “Lavras do Sutil”. A descoberta destas minas trouxe aventureiros de varias regiões e do Arraial da Forquilha dando origem a Atual cidade de Cuiabá.

  • 1731: Os irmão Paes de Barros encontraram ouro na região do Guaporé e devido a dificuldade encontrada para penetra-la chamaram-na de “Mato Grosso.”


2 administra o das minas de cuiab

2- Administração das Minas de Cuiabá.

  • Em 1719, depois do combate com os índios e a fundação do Arraial da Forquilha, a população elegeu Pascoal Moreira Cabral como guarda-mor do arraial.Entretanto, o governo português não aceitou a eleição.

  • 1724: Foi nomeado como guarda-mor da região o paulista Fernão dias Falcão.

  • 1726: Rodrigo César de Menezes, governador da Capitania de São Paulo interessado em fiscalizar as minas e combater o contrabando resolveu mudar para Cuiabá, porém sabia que antes era preciso combater o poder local.

  • Poder Local: Irmãos Leme e Pascoal Moreira Cabral.

  • 1727: Cuiabá é elevada a categoria de Vila Real do Senhor Bom Jesus de Cuiabá. Ale disso, para cuidar da administração das minas foi criado a Intendência das Minas.O governo de Rodrigo César foi marcado por uma pesada carga de impostos, dentre eles, o mais importante foi o quinto (20%).


Prim rdios da coloniza o de mato grosso

Espaço urbano da Vila Real do Senhor Bom Jesus de Cuiabá: Câmara Municipal, Pelourinho, a cadeia, a Igreja do Senhor Bom Jesus de Cuiabá (Igreja da Matriz)

As Câmaras eram o local do exercício do poder colonial, dentre outras funções, cabia a elas: fiscalizar a transmissão das heranças; aplicar a lei e efetuar prisões; administrar o espaço urbano e a área rural; cobrar impostos; assim como manter crianças abandonadas em residência de mulheres, denominadas “criadeiras”, que para isso recebiam um pecúlio trimestral.

Fonte: VENANCIO, Renato Pinto. Estrutura do Senado da Câmara (1711-1808). Termo de Mariana: história e documentação. Ouro Preto: EDUFOP, 1998, pp. 139-141.


A arquitetura republicana

A arquitetura republicana

A Catedral e a praça da República. Acervo do Arquivo Público do Estado de Mato Grosso, em Cuiabá.


3 abastecimento das minas

3- Abastecimento das Minas:

1) Monções: expedições fluviais que abasteciam as minas de Cuiabá.

Principais rotas:

1719-1724: rio Tietê, Campo das Vacarias, rio Cuiabá.

Problema da rota: espanhóis.

1724: rio Tietê- rio Cuiabá.

Problema: índios caiapós, paiaguás e guaicurus.


2 agricultura de subsist ncia rio abaixo e serra acima produ o de cana de a ucar engenhos

2) Agricultura de subsistência: Rio Abaixo e Serra Acima.Produção de Cana-de-Açucar: Engenhos

3) Pecuária: monções terrestres

Vila Maria de Cáceres: Fazenda Jacobina.


  • Login