I – INTRODUÇÃO
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 1

I – INTRODUÇÃO A alface ( Lactuca sativa L . ) é uma espécie de origem PowerPoint PPT Presentation


  • 100 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

I – INTRODUÇÃO A alface ( Lactuca sativa L . ) é uma espécie de origem asiática, historicamente, utilizada por egípcios, gregos e romanos, de grande importância econômica no Brasil, por ser a hortaliça folhosa mais consumida, fornecendo

Download Presentation

I – INTRODUÇÃO A alface ( Lactuca sativa L . ) é uma espécie de origem

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


I introdu o a alface lactuca sativa l uma esp cie de origem

I – INTRODUÇÃO

A alface (Lactuca sativa L.) é uma espécie de origem

asiática, historicamente, utilizada por egípcios, gregos e

romanos, de grande importância econômica no Brasil, por

ser a hortaliça folhosa mais consumida, fornecendo

vitaminas e sais minerais. Seu cultivo pode ser realizado

em qualquer época do ano no território nacional,

preferencialmente em solos areno-argiloso, com baixa

acidez e alto teor de matéria orgânica, embora atualmente

encontra-se em crescente cultivo em solução nutritiva

(hidroponia). Com as condições de solo adequada para a

cultura ocorre a predominância do nitrogênio na forma

nítrica no solo, comparando-se com a amoniacal, sendo,

portanto, o nitrato a principal forma de N mineral extraído

pelas culturas. Desta maneira pode-se encontrar altas

concentrações de nitrato nas folhas, que quando ingerido

pelo ser humano pode ocasionar a metahemoglobinemia,

ou doença do sangue azul. Entretanto encontra-se

nos tecidos vegetais a enzima redutase do nitrato, que

atua na conversão do N-mineral em N-orgânico.

ll – OBJETIVOS

Avaliar a influência de diferentes concentrações de amônio

e de diferentes aminoácidos no meio de incubação sobre

a atividade in vivo da enzima redutase do nitrato.

lll – MATERIAL E MÉTODOS

A –Obtenção das plantas: as plantas foram coletadas na

Fazenda Patrimônio sempre as 08:00 horas e

transportadas diretamente para o laboratório. O tecido

foliar sem a nervura central foi fragmentado em pequenos

pedaços e 3 g deste tecido foram adicionados a 30 ml do meio de incubação correspondente a cada tratamento.

B – Meio de incubação: preparou-se os meios de

incubação com as seguintes substâncias correspondentes

a cada tratamento: 50, 100 e 200 mM de NH4+, 100 mM

de NO3-, e a testemunha sem NO3- ( 4 repetições para cada tratamento); e os aminoácidos ácido aspartico, prolina, L-isoleucina, alanina e glicina como fonte de 50 mM de NH4+, 100 mM de NO3-,e a testemunha (3 repetições para cada tratamento).

C – Quantificação da Atividade Enzimática: após 60 minutos no meio de incubação a 30º C, retirou-se uma alíquota de 0,5 ml que foi adicionada ao meio de reação constituído por 1,0 ml de sulfanilamida 1% (p/v) em HCl 1,5 N, 1 ml de N-2-naftil etilenidiamino di-HCl 0,02% (p/v) e 1,5 ml de água destilada.

IV – RESULTADOS

Figura 1: Atividade da Redutase do Nitrato in vivo em alface. (As letras comparam médias de 4 repetições pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade de erro).

Figura 2: Atividade da Redutase do Nitrato in vivo em alface. (As letras comparam médias de 3 repetições pelo

teste Tukey a 5% de probabilidade de erro).

V – CONCLUSÕES

As diferentes concentrações de amônio e os diferentes

aminoácidos no meio de incubação não exerceram

influência significativa sobre a atividade in vivo da enzima

redutase do nitrato.

VI – REFERÊNCIAS

DELÚ FILHO, N.; OLIVEIRA, L.E.M.; ALVES, J.D. Atividade da redutase do nitrato em plantas jovens de seringueira (Hevea brasiliensis Muell. Arg.) otimização das condições de ensaio e ritmo circadiano. Revista Árvore, 21: 329-336, 1997.

DELÚ-FILHO, N.; OLIVEIRA, L.E.M.; ALVES, J.D.; PURCINO, A.A.C. Redução de nitrato e assimilação de amônio em plantas jovens de Hevea brasiliensis cultivadas sob níveis crescentes de nitrato. Revista Brasileira de Fisiologia Vegetal, 10: 185-190, 1998.

ATIVIDADE DA REDUTASE DO NITRATO EM ALFACE (Lactuca sativa L.): OTIMIZAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE ENSAIOJúlio Batista GOMES1, Nelson DELÚ-FILHO21Estudante de Agronomia/UNIS– e-mail: [email protected] e Orientador /UNIS-MG – e-mail: [email protected]


  • Login