gerenciamento de compet ncias conceitos e sistemas
Download
Skip this Video
Download Presentation
GERENCIAMENTO DE COMPETÊNCIAS: CONCEITOS E SISTEMAS

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 63

GERENCIAMENTO DE COMPETÊNCIAS: CONCEITOS E SISTEMAS - PowerPoint PPT Presentation


  • 83 Views
  • Uploaded on

GERENCIAMENTO DE COMPETÊNCIAS: CONCEITOS E SISTEMAS. Valdemar W. Setzer Depto. de Ciência da Computação da USP www.ime.usp.br/~vwsetzer google : valdemar setzer home Ver esta apresentação e o artigo “Dado, informação, conhecimento e competência” no site. TÓPICOS. 1. Introdução 

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' GERENCIAMENTO DE COMPETÊNCIAS: CONCEITOS E SISTEMAS' - oria


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
gerenciamento de compet ncias conceitos e sistemas
GERENCIAMENTO DECOMPETÊNCIAS: CONCEITOS E SISTEMAS

Valdemar W. Setzer

Depto. de Ciência da Computação da USP

www.ime.usp.br/~vwsetzer

google: valdemar setzer home

Ver esta apresentação e o artigo “Dado, informação, conhecimento e competência” no site

t picos
TÓPICOS

1. Introdução

2. Conceitos

3. Matrizes de competência

4. Usos de um sistema gerenciador de competências

5. Exemplos de sistemas

6. Sistemas gerenciadores de competências - requisitos desejáveis

7. Considerações sociais sobre centros de competência

8. Conclusões

1 introdu o
1. Introdução
  • Em 1999, a PROMON Engenharia quis formar um Centro de Competências em Tecnologia da Informação (T.I.)
    • Fomos chamados por Luiz Brandão, que colaborou no desenvolvimento dos conceitos
  • O que significa uma empresa de projetos organizada em torno de Centros de Competência
1 introdu o cont
1. Introdução (cont.)
  • Grande problema:
    • O que significa ser competente em T.I.?
      • O que significa ser competente?
        • P.ex., o que significa ser competente em inglês?
      • Inglês é uma área de conhecimento
      • Para responder essa questão, é necessário saber o que significa conhecimento
      • Antes: o que é informação?
      • Antes ainda: o que é um dado?
1 introdu o cont1
1. Introdução (cont.)
  • Esses conceitos permitiram construir um sistema original e simples para ajudar na avaliação de competências de profissionais e na seleção dos que preenchem competências desejadas
    • Exemplo de um sistema desenvolvido em 2001 para a PRODESP (1.000 profissionais de T.I.)
    • Em 2008, foi feito como TCC no IME-USP um sistema para a Internet
    • Considerações sobre a implementação e levantamento das competências
1 introdu o cont2
1. Introdução (cont.)
  • Requisitos desejáveis em um sistema de gerenciamento de competências
  • Centros de Competência - questões sociais
t picos1
TÓPICOS

 1. Introdução

2. Conceitos

3. Matrizes de competência

4. Usos de um sistema gerenciador de competências

5. Exemplos de sistemas

6. Sistemas gerenciadores de competências - requisitos desejáveis

7. Considerações sociais sobre centros de competência

8. Conclusões

2 conceitos dado
2. Conceitos - dado
  • Dados são representações simbólicas quantificadas ou quantificáveis
  • Quantificáveis:
    • Depois de quantificar algo e reproduzi-lo, o resultado é indistinguível do original
    • Exemplos:
      • Texto, fotos, animação
      • Uma árvore é quantificável???
        • NÃO!
  • Puramente sintáticos (estruturais)
  • Computadores só processam dados
    • Seguem regras quantificadas (programas, circuitos)
    • São máquinas sintáticas
2 conceitos informa o
2. Conceitos - informação
  • Algo que está incorporado mentalmente como conceito, e é compreendido
  • Exemplos:
    • “Vai chover amanhã”
    • O que incorporamos mentalmente quando sentimos uma dor ou frio
  • Informação envolve compreensão
  • Compreensão envolve semântica
    • Computadores são máquinas sintáticas
    • Portanto, os computadores NÃO processam informações
    • Processam dados
    • Não “compreendem” absolutamente nada
  • A expressão “informática” está errada!
    • Devia ser “dadática” ou “dadótica”
2 conceitos informa o cont
Contra-exemplo:2. Conceitos – informação (cont.)
  • Para quem não entende russo, esses sãodados, e não informação!
    • Depois de entender, vira informação
2 conceitos informa o1
2. Conceitos - informação
  • Informação não pode ser armazenada ou processada por um computador!
    • O que é processado é a sua representação como dados.
    • P. ex., “fascinante” deve ser quantificado: 0 a 4.
2 conceitos informa o cont1
2. Conceitos - informação (cont.)
  • Informação pode ser obtida sem dados
    • P. ex. sentir se está calor ou frio, sentir dor
  • Dados são sempre incorporados por uma pessoa como informação - na medida em que são compreendidos
    • “Compreensão,” “significado”, “sentido” não podem ser definidos
      • Associação mental entre conceitos ou entre percepção e conceito
      • O pensamento é um órgão para a percepção de conceitos no mundo platônico das idéias (ver R. Steiner, A Filosofia da Liberdade)
2 conceitos informa o cont2
2. Conceitos - informação (cont.)
  • Informação contém semântica
    • Semântica não pode ser formalizada
    • É impossível introduzir semântica em um computador (uma máquina sintática!)
    • O “quarto chinês” de Searle (1991)
      • Problema: ele não diz o que é semântica
  • Claude Shannon (1948) não desenvolveu uma

Teoria da Informação,

mas uma

Teoria de Dados!

  • Existe uma Tecnologia da Informação (T.I.)?
2 conceitos conhecimento
2. Conceitos - conhecimento
  • CONHECIMENTO
    • Uma abstração pessoal, de algo que foi vivenciado por alguém
    • P.ex. uma pessoa que visitou Paris tem algum conhecimento dessa cidade
    • Não pode ser descrito
      • Informação pode
    • Está na região puramente subjetiva de animais e de seres humanos
2 conceitos conhecimento cont
2. Conceitos - conhecimento (cont.)
  • Bebês podem ter conhecimento, mas não informação (eles não associam conceitos); idem para os animais
  • Conhecimento não pode ser armazenado em um computador!
    • “Bancos de dados de conhecimentos” são de fato bancos de dados!
  • Informação pode ser prática (a partir de conhecimento) ou teórica
    • Conhecimento é sempre prático
  • Pode existir informação sem conhecimento (puramente teórica)
    • P.ex. depois de ler um guia turístico de Paris
2 conceitos conhecimento cont1
2. Conceitos - conhecimento (cont.)
  • Na literatura, 3 tipos
    • Tácito – não pode ser expresso
      • Ex.: reconhecer faces de pessoas
    • Implícito – não foi expresso com precisão, mas pode vir a sê-lo
      • Ex.: “pitada de sal”
    • Explícito – já foi expresso com precisão
  • Nesta conceituação, só existe conhecimento tácito
2 conceitos conhecimento cont2
2. Conceitos - conhecimento (cont.)
  • Dado  sintático

Informação  semântica

Conhecimento  pragmática

2 conceitos cont compet ncia
2. Conceitos (cont.) - competência
  • COMPETÊNCIA
    • A capacidade de executar alguma tarefa pessoal ou socialmente útil no “mundo real”
    • Dado  sintaxe

Informação  semântica

Conhecimento  pragmática

Competência  atividade física

    • Exemplos:
      • Fazer palestras
      • Matemático (criação e transmissão de novos conceitos, dar aulas, etc.)
2 conceitos cont objetividade
2. Conceitos (cont.) - objetividade

Dado  objetivo

Informação  objetiva/subjetiva

Conhecimento  subjetivo

Competência  subjetiva/objetiva

2 conceitos cont
2. Conceitos (cont.)
  • CONHECIMENTO EM CAMPOS INTELECTUAIS
    • Na nossa caracterização, um matemático ou um historiador não teriam conhecimento!
      • Não é um problema em áreas técnicas (sempre tem um aspecto prático)
    • Para contornar (não aceito por todos): “Vivência” do mundo platônico das idéias
      • Uma “memória universal” nesse mundo
2 conceitos cont1
2. Conceitos (cont.)
  • Simplificação
    • Informação = conhecimento teórico
    • Conhecimento = conhecimento prático
  • Funciona muito bem para áreas técnicas
t picos2
TÓPICOS

 1. Introdução

 2. Conceitos

3. Matrizes de competência

4. Usos de um sistema gerenciador de competências

5. Exemplos de sistemas

6. Sistemas gerenciadores de competências – requisitos desejáveis

7. Considerações sociais sobre centros de competência

8. Conclusões

3 matrizes de compet ncia
3. Matrizes de competência

Ex: competência em INGLÊS

  • Compreender a língua escrita
  • Compreender a língua falada
  • Falar
  • Escrever
  • Escrever traduções
  • Fazer tradução consecutiva

HABILIDADES

ÁREA DE CONHECIMENTO

3 matrizes de compet ncia cont
3. Matrizes de competência (cont.)

Portanto,

COMPETÊNCIA

refere-se a uma

HABILIDADE

exercida sobre uma

ÁREADE CONHECIMENTO

3 matrizes de compet ncia cont1
3. Matrizes de competência (cont.)

Isso leva a uma representação matricial, a

MATRIZ DE COMPETÊNCIA

Linhas:áreasde conhecimento

Colunas:habilidades

  • Em cada célula coloca-se um

GRAU DE COMPETÊNCIA

3 matrizes de compet ncia cont3
3. Matrizes de competência (cont.)

O conceito de matrizes de competência leva à construção de

SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE COMPETÊNCIAS

t picos3
TÓPICOS

1. Introdução

 2. Conceitos

 3. Matrizes de competência

4. Usos de um sistema gerenciador de competências

5. Exemplos de sistemas

6. Sistemas gerenciadores de competências – requisitos desejáveis

7. Considerações sociais sobre centros de competência

8. Conclusões

4 usos de sistemas de compet ncia
4. Usos de sistemas de competência
  • Seleção de profissionais com perfis específicos
    • Disseminação de conhecimento

(quem é competente em quê, conhece ou tem informação sobre o quê)

      • Uma parte do gerenciamento de conhecimentos!
    • Formação de equipes de projeto
    • Preenchimento de cargos
    • Dar entrevistas para meios de comunicação
    • Participar de projetos e atividades sociais
    • Recepção de visitantes específicos
    • Testemunhas em processos judiciais
    • . . .
4 usos de sists de compet n cont
4. Usos de sists. de competên. (cont.)
  • Contar quantos profissionais têm certas competências
    • Apontar áreas fracas na empresa ou em departamentos
    • Avaliar qual a especialização da empresa
  • Representação das competências-núcleo requeridas pela empresa
4 usos de sists de compet n cont1
4. Usos de sists. de competên. (cont.)
  • Apoio ao depto. de RH no treinamento
    • Planejamento de cursos
    • Seleção de participantes para atividades de treinamento
  • Base para promoções
  • Sistematização e manutenção do currículo
    • Atualização automática da matriz no término de atividades de treinamento (se integrado ao banco de dados de treinamento)
t picos4
TÓPICOS

1. Introdução

 2. Conceitos

 3. Matrizes de competência

 4. Usos de um sistema gerenciador de competências

5. Exemplos de sistemas

6. Sistemas gerenciadores de competências – requisitos desejáveis

7. Considerações sociais sobre centros de competência

8. Conclusões

5 exemplos de sistemas
5. Exemplos de sistemas
  • Desenvolvido para a PRODESP em 2000
    • 1.000 profissionais de IT
    • Testado com cerca de 50 profissionais
  • Implementado em Delphi com Oracle por Mateus Saldanha; colaboração de Moysés Jerussalmy (gerente de treinamento) no projeto
5 exemplos de sistemas cont
5. Exemplos de sistemas (cont.)
  • Qualquer número de matrizes
    • 2 níveis de áreas de conhecimento
  • Qualquer número de habilidades por matriz, em 2 níveis
  • Qualquer número de graus de competência por matriz
  • 5 matrizes de competência
    • Competências Técnicas em TI
    • Sistemas produzidos pela PRODESP (centenas)
    • Competências administrativas
    • Formação
    • Línguas estrangeiras
5 exemplos de sistemas cont1
5. Exemplos de sistemas (cont.)
  • Graus de competência (variam por matriz)
    • TI e competências administrativas
      • Conhecimento teórico (informação)
        • Estudo pessoal, cursos sem exercícios práticos
      • Conhecimento prático (conhecimento)
        • Conhecimento teórico mais exercícios práticos ou acompanhamento de algum projeto sem produção efetiva
      • Competência Básica
        • Até 2 anos de produção efetiva
      • Competência avançada
        • Mais de 2 anos de produção efetiva
5 exemplos de sistemas cont2
5. Exemplos de sistemas (cont.)
  • Graus de competência (cont.)
    • Competências em sistemas desenvolvidos
      • Pequena participação (até 2 anos)
      • Participação média (2-5 anos)
      • Participação longa (mais do que 5 anos)
    • Línguas estrangeiras
      • Com dificuldade (necessita de ajuda constante)
      • Bom domínio (necessita ajuda esporádica)
      • Muito bom domínio (fluência)
5 exemplos de sistemas cont3
5. Exemplos de sistemas (cont.)
  • Formação
    • Ensino médio incompleto
    • Ensino médio completo
    • Curso técnico incompleto
    • Curso técnico incompleto
    • Graduação incompleta
    • Graduação completa
    • Pós-graduação incompleta
    • Pós-graduação completa
    • Mestrado completo
    • Doutorado incompleto
    • Doutorado completo
    • Experiência na área de formação
5 exs cont seguran a de acesso
5. Exs. (cont.) - segurança de acesso
  • 4 níveis (tipos de usuários):
    • Geral (qualquer pessoa não cadastrada)
      • Pode selecionar profissionais
      • Pode cadastrar-se (dá senha)
    • Pessoal (já cadastrado)
      • Pode selecionar profissionais
      • Pode ler e mudar seu cadastro de competências
5 exs cont seguran a de acesso1
5. Exs. (cont.) - segurança de acesso
  • Supervisor
    • Pode selecionar profissionais
    • Pode ler e mudar seu cadastro competências
  • Administrador do sistema
    • Pode ler e mudar qualquer coisa (matrizes, cadastros, competências de profissionais)
5 exs cont o sistema do tcc
5. Exs. (cont.) – o sistema do TCC
  • Feito por

Julien Renaut <[email protected]>,Yugo Watari <[email protected]>,Alexandre Pitta Guedes <[email protected]>

  • Ver em

http://linux.ime.usp.br/~oxygen/

    • Com
      • Monografia e código fonte
      • Exemplos de telas
        • bem diferentes das da PRODESP
t picos5
TÓPICOS

 1. Introdução

 2. Conceitos

 3. Matrizes de competência

 4. Usos de um sistema gerenciador de competências

 5. Exemplos de sistemas

6. Sistemas gerenciadores de competências – requisitos desejáveis

7. Considerações sociais sobre centros de competência

8. Conclusões

6 sists ger compet requisitos desej veis
6. Sists. Ger. Compet. - requisitos desejáveis
  • Grau de competência + texto (para comentários, detalhes, etc.)
    • No sistema para a PRODESP, somente por área de conhecimento
  • Interesse atual do funcionário para cada competência
  • Disponibilidade de cada funcionário
  • Qual a função ou projeto em que o funcionário está trabalhando
  • Aspirações e objetivos de cada funcionário
t picos6
TÓPICOS

1. Introdução

 2. Conceitos

 3. Matrizes de competência

 4. Usos de um sistema gerenciador de competências

 5. Exemplos de sistemas

 6. Sistemas gerenciadores de competências – requisitos desejáveis

7. Considerações sociais sobre centros de competência

8. Conclusões

7 centros de compet ncia quest es sociais
7. Centros de competência - questões sociais
  • Vantagens
    • Otimização da alocação de recursos humanos
    • Maior movimentação dos profissionais
    • Interação com colegas de mesma área
  • Desvantagens
    • Quebra da integração social (não há mais contatos longos com um departamento)
    • Falta de identidade pessoal com uma unidade de negócios
t picos7
TÓPICOS

1. Introdução

 2. Conceitos

 3. Matrizes de competência

 4. Usos de um sistema gerenciador de competências

 5. Exemplos de sistemas

 6. Sistemas gerenciadores de competências – requisitos desejáveis

 7. Considerações sociais sobre centros de competência

8. Conclusões

8 conclus es
8. Conclusões
  • As caracterizações de informação, conhecimento e competência funcionaram muito bem em entrevistas para avaliação de competência em 2 empresas
  • Profissionais ficaram agradecidos pelo currículo de competências
  • Computador seleciona alguns candidatos possíveis
    • Uma avaliação subjetiva deve seguir-se, caso contrário os profissionais são tratados como dados (coisas)
      • Análise de currículo, entrevista, opinião dos superiores, ...
8 conclus es cont
8. Conclusões (cont.)
  • Problemas ao avaliar competências com o nosso método
    • Homogeneização de critérios nos profissionais
      • Na PROMON: somente um entrevistador
        • Inviável com centenas de profissionais
      • Na PRODESP: auto-avaliação seguida por homogeneização pelo gerente
    • Não leva em conta a qualidade de um projeto desenvolvido por um profissional
      • Isso deveria ser avaliado pelo seu gerentes
        • Problemas sociais
    • Não foi feita matriz comportamental (liderança, comunicação, etc.)
      • Deve ser preenchida também pelos gerentes
8 conclus es conclus o
8. Conclusões (conclusão!)
  • Principal aplicação:

GERENCIAMENTO DE CONHECIMENTO

Disseminação de conhecimento pessoal:

QUEM CONHECE O QUÊ

gerenciamento de compet ncias conceitos e sistemas1
GERENCIAMENTO DECOMPETÊNCIAS: CONCEITOS E SISTEMAS

Valdemar W. Setzer

Depto. de Ciência da Computação da USP

www.ime.usp.br/~vwsetzer

google: valdemar setzer home

Ver esta apresentação e o artigo “Dado, informação, conhecimento e competência” no site

ad