Ambiente ordenamento do territ rio e competitividade das na es
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 30

Ambiente, Ordenamento do Território e Competitividade das Nações PowerPoint PPT Presentation


  • 39 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Ambiente, Ordenamento do Território e Competitividade das Nações. Lisboa, 21 de Setembro de 2006. Nuno Ribeiro da Silva, Sandra Martinho, Sofia Galvão, Sofia Santos. I. Ambiente, Ordenamento do Território e Competitividade.

Download Presentation

Ambiente, Ordenamento do Território e Competitividade das Nações

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Ambiente ordenamento do territ rio e competitividade das na es

Ambiente, Ordenamento do Território e Competitividade das Nações

Lisboa, 21 de Setembro de 2006

Nuno Ribeiro da Silva, Sandra Martinho, Sofia Galvão, Sofia Santos


I ambiente ordenamento do territ rio e competitividade

I. Ambiente, Ordenamento do Território e Competitividade


Ambiente ordenamento do territ rio e competitividade das na es

AMBIENTE E TERRITÓRIO SÃO FACTORES INCONTORNÁVEIS DE COMPETITIVIDADE E PARA A QUALIDADE DE VIDA

Ambiente tem expressão económica tangível.

Risco ambiental equivale a risco financeiro.

Ambiente

  • A competitividade das nações, regiões e empresas passa, inevitavelmente, por:

  • Gerir com eficiência [social e económica] e eficácia Ambiente e Território

  • Percepcionar oportunidades inovadoras para a exploração dos recursos naturais, nomeadamente os endógenos, capitalizando sinergias sectoriais e territoriais

  • Adoptar uma nova abordagem na resolução dos problemas ambientais: incentivar a inovação para alcançar standards de desempenho ambiental mais elevados | privilegiar o recurso a instrumentos de mercado

Competitividade

Políticas de gestão do território e políticas sectoriais coordenadas com são factor de valor acrescentado.

Ordenamento do Território


Ambiente ordenamento do territ rio e competitividade das na es

Responsabilidade ambiental

Rentabilização dos recursos naturais

Gestão da mobilidade

Criatividade na gestão

Desenvolvimento equilibrado das regiões

Competitividade

Qualidade de vida

Inovação tecnológica

Antecipação de tendênciasRapidez de reacção

Eficiência energética

Responsabilidade empresarial

AMBIENTE E TERRITÓRIO SÃO FACTORES INCONTORNÁVEIS DE COMPETITIVIDADE E PARA A QUALIDADE DE VIDA

Questões como a qualidade de vida dos cidadãos, eficiência energética, inovação tecnológica, desenvolvimento local e regional, eficácia na administração do território, gestão da mobilidade, responsabilidade ambiental, rentabilização dos activos naturais existentes e criatividade no encontrar novas formas de trabalhar e de investir […], estão cada vez mais relacionadas.

Hoje, coloca-se o desafio inadiável de perceber as relações que existem entre estas questões, as implicações ao nível das respectivas esferas de competência e intervenção, e as suas consequências no bem-estar e na competitividade da economia Portuguesa.


Ii situa o actual

II. Situação Actual


Ambiente ordenamento do territ rio e competitividade das na es

AUSÊNCIA DE UMA VISÃO ESTRATÉGICA INTEGRADA E DE UMA CULTURA DE MERCADO PARA AS QUESTÕES AMBIENTAIS E DE ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO. QUESTÕES CHAVE TRANSVERSAIS

Ausência de uma visão estratégica integrada em matéria de política de ambiente, de ordenamento do território e de desenvolvimento económico-social Sustentabilidade

Atitude e comportamento reactivos por parte dos decisores políticos, função do estímulo e no ritmo imprimido pelas prioridades de política europeia

Ausência de uma cultura de mercado para as questões ambientais, sociais e do ordenamento do território, quer na esfera das políticas públicas, quer à escala empresarial

Incipiente divulgação de boas práticas já consolidadas em economias europeias, a nível governamental e empresarial

Distanciamento e desresponsabilização do Estado e da Administração Pública como “exemplo”, nomeadamente na aplicação de objectivos e políticas de gestão interna eco-energética, procurement e demonstração de boas práticas

Insensibilidade política e administrativa à relevância das opções territoriais e ambientais como factor de desenvolvimento

Clivagem cultural entre a lógica da decisão administrativa e a lógica das oportunidades de investimento

1

2

3

4

5

6

7


Ambiente ordenamento do territ rio e competitividade das na es

ELEVADO PASSIVO EM MATÉRIA DE ENERGIA E AMBIENTE, COMPETÊNCIA, PROCESSOS E DINÂMICA DE ACÇÃO. QUESTÕES CHAVE AMBIENTE

1

(In)Eficiência energética e carbónica da economia portuguesa, face a compromissos internacionais de controlo de emissões de carbono que são operacionalizados no mercado, e à inércia | resistência dos modelos de [procura e oferta] energia e de valores e comportamentos individuais

Atraso na implementação da infraestrutura para aplicação do regime de responsabilidade ambiental em termos de prevenção e reparação de danos ambientais, que preconiza a responsabilização financeira dos operadores cuja actividade tenha causado danos ambientais ou a ameaça iminente de tais danos, à água, solo e biodiversidade, incentivando a utilização de garantias financeiras

Inexistência de instrumentos que privilegiem o investimento na inovação para alcançar standards de desempenho ambiental sistematicamente mais elevados (maior sofisticação no design, mais eficiência na combustão, […]), ao invés de acções para tratamento e remediação da poluição

Nível de competência e capacidade de gestão, traduzida na ausência de compreensão dos impactos ambientais ao longo da cadeia de valor / ciclo de vida dos produtos, e falta de desenvolvimento de métodos, práticas e ferramentas, que relacionem a gestão da empresa com as novas preocupações ambientais e com o paradigma económico actual

Processos de decisão ambiental burocráticos e, por vezes, pouco transparentes, originando decisões casuísticas, cuja elevada incerteza dificulta uma adequada gestão do risco por parte dos investidores

Orla costeira com elevados níveis de erosão e em que os riscos associados às alterações climáticas tornam urgente uma intervenção integrada, nem sempre aceite pelas autarquias e/ou interesses privados

Cobertura florestal e biodiversidade em elevado e contínuo risco de degradação impondo uma renovada política de gestão fundiária e introdução de novos mecanismos económicos na gestão das florestas.

2

3

4

5

6

7


Ambiente ordenamento do territ rio e competitividade das na es

PORTUGAL É DOS PAÍSES DA UE-15 COM MAIOR INTENSIDADE ENERGÉTICA, TENDO VINDO A PERDER EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM CONTRASTE COM A TENDÊNCIA DA MÉDIA EUROPEIA

Intensidade energética – Portugal e UE-15

(base 100; 1991-2002)

CAGR 99-041)

Intensidade energética [Consumo Energia

primária/PIB] (g equivalente de petróleo/EUR1); 2004)

Base 100

0,0%

-1,7%

274

0,5%

Portugal

240

0,1%

240

-1,7%

223

0,7%

218

-2,7%

209

-2,4%

208

-0,8%

EU-15

207

2,1%

205

0,2%

194

-0,6%

189

-0,6%

186

-3,3%

00

01

02

159

0,9%

Anos

157

-1,6%

146

Fonte: Eurostat, 2006;

A inércia dos sistemas de procura de energia suporta a ideia de que a economia Portuguesa tende a registar perdas relevantes na escala da eficiência energética, no médio-prazo, na ausência de instrumentos de política activos e eficazes.

120

1)PIB a preços constantes de 1995


Ambiente ordenamento do territ rio e competitividade das na es

OS SECTORES DIFUSOS - TRANSPORTES E EDIFÍCIOS - SÃO RESPONSÁVEIS POR MAIS DE METADE DO CONSUMO NACIONAL DE ENERGIA

Consumo nacional de energia dos sectores difusos(1990-2004)

Variação do consumo de energia final (%) (1990-2002)

Fonte: DGGE (2006)

O peso dos sectores difusos corrobora a visão de que está, sobretudo, na mão dos consumidores a responsabilidade e o potencial de acção em matéria de eficiência energética.

Fonte: AIE | Dados: Eurostat


Ambiente ordenamento do territ rio e competitividade das na es

DESTAQUE À INCIPIENTE ORGANIZAÇÃO E PLANEAMENTO DOS SISTEMAS DE TRANSPORTES

Estrutura de transporte (2002)

Transporte de mercadorias

Transporte de passageiros

Deficiente intermodalidade e excessiva dependência da rodovia e do transporte individual, com consequências relevante ao nível do consumo de energia, custo de oportunidade do tempo e emissões.

Fonte:Netherlands Environmental Assessment Agency – MNP (2006)


Ambiente ordenamento do territ rio e competitividade das na es

A FACTURA ENERGÉTICA, EM PORTUGAL, É DAS MAIS ELEVADAS DA EUROPA E SITUA-SE ACIMA DA MÉDIA DA UE-15

Fonte: Agência Internacional de Energia (2005)


Ambiente ordenamento do territ rio e competitividade das na es

PORTUGAL É DOS PAÍSES DA UE-15 COM MAIOR INTENSIDADE CARBÓNICA, TENDO VINDO A REGISTAR O SEU AGRAVAMENTO EM CONTRASTE COM A TENDÊNCIA DA MÉDIA EUROPEIA

Intensidade carbónica [Emissões GEE/PIB; Emissões GEE per capita]

(t CO2/M EUR1); t CO2/hab.)

1)PIB p2000

Em 2000, Portugal deixou de pertencer ao grupo das economias de baixo carbono, com uma taxa média anual de crescimento das emissões de gases com efeito de estufa (GEEs) superior à taxa de crescimento económico, que se tem perpetuado no tempo.

Fonte: E.Value (2004)


Ambiente ordenamento do territ rio e competitividade das na es

PORTUGAL REGISTA UMA TENDÊNCIA DE CRESCIMENTO DAS EMISSÕES DE GEE QUE FRAGILIZA SUBSTANCIALMENTE A SUA POSIÇÃO NEGOCIAL PARA O PÓS-QUIOTO

Evolução das emissões nacionais de GEE 2010 vs. 1990

(Mt CO2)

No actual contexto de política europeia e internacional, que preconiza a redução continuada das emissões de GEE, no pós-Quioto (>2012), Portugal, face à tendência de evolução das suas emissões e à longa ausência de uma política e acção activas para as alterações climáticas, apresenta uma posição muito crítica e frágil nas negociações com os seus parceiros europeus, para além da pesada factura de carbono que poderá ter de vir a suportar, a médio longo prazo.

Fonte: DGGE (Jun. 2006)


Ambiente ordenamento do territ rio e competitividade das na es

PORTUGAL NÃO INICIOU O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA INFRA-ESTRUTURA PARA APLICAÇÃO DO REGIME DE RESPONSABILIDADE AMBIENTAL

  • Portugal deve transpor a Directiva 2004/35/CE, de 21 de Abril, relativa à responsabilidade ambiental em termos de prevenção e reparação de danos ambientais, até 30 de Abril de 2007, que implica a tomada de decisão sobre um conjunto de questões também relevantes em matéria de competitividade, nomeadamente:

  • utilização [obrigatória] e/ou incentivo ao desenvolvimento de garantias financeiras (ex. seguros, fundos)

  • definição do regime de responsabilidade partilhada

  • tratamento de “danos órfãos”

  • tratamento de danos transfronteiriços

  • coexistência/articulação com o actual regime de responsabilidade civil

  • articulação entre as várias autoridades competentes dos Estados-Membros

  • [...]


Ambiente ordenamento do territ rio e competitividade das na es

AMBIENTE NÃO SE AFIRMA COMO UM EFECTIVO FACTOR DE VANTAGEM COMPETITIVA NACIONAL

Impacto do Ambiente na competitividade (2002)

Índice de regulamentação ambiental

Vietname

Fonte: Michael Porter: “Ranking national environmental regulation and performance: A leading indicator of future competitiveness?”

Índice de competitividade corrente

Instrumentos de política de ambiente exigentes induzem à excelência e eficiência económica, estimulam a inovação e permitem obter ganhos de competitividade: “hipótese Porter”. Entenda-se regulação ambiental no sentido amplo, incluíndo política fiscal.


Ambiente ordenamento do territ rio e competitividade das na es

PRÁTICAS VOLUNTÁRIAS DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA PODEM AFIRMAR-SE COMO FACTORES DE VANTAGEM COMPETITIVA

Índice Nacional de Responsabilidade Corporativa vs Índice de Crescimento Competitivo

Índice de Crescimento Competitivo do World Economic Forum (2002)

Portugal

Fonte: Responsible Competitive Index, 2003, Aligning Corporate Responsibility and the competitiveness of nations

Índice de Nacional de Responsabilidade Corporativa


Ambiente ordenamento do territ rio e competitividade das na es

TERRITÓRIO MUITO FOCADO EM DUAS METRÓPOLES E CRESCIMENTO POUCO ORDENADO. QUESTÕES CHAVE - ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

1

Território muito focado nas duas principais metrópoles, com um desenvolvimento desequilibrado que se reflecte no esvaziamento e abandono de muitas zonas rurais

Elevada complexidade, pulverização e sectorização de planos e estratégias, que configura um labirinto, não transparente, de condicionantes e dificulta a acção dos cidadãos e dos agentes económicos

Crescimento urbano extensivo, com a degradação de zonas suburbanas e periurbanas em enormes contínuos urbanizados, contribuindo para uma má qualidade da paisagem urbana e da vida nas cidades, desvalorizando a existência de espaços verdes, corredores ecológicos e espaços públicos, em claro favor de uma construção massificada e de uma utilização pouco racional das infraestruturas

Deficiente ordenamento rural, marcado por um povoamento disperso, incapaz de potenciar oportunidades e de optimizar níveis de serviço de infraestruturas e equipamentos

Deficiente ordenamento florestal, com escassa ou nula manutenção, que tem contribuído para as vagas de grandes incêndios estivais

Inexistência de um quadro vocacionado para o reforço da eficácia das diversas políticas públicas com incidência territorial, nomeadamente na captação de projectos que se configurem como pólos de desenvolvimento económico e de fixação das populações

Inconsequência das apostas públicas em vectores de desenvolvimento que implicam opções de ocupação e uso do solo, como é exemplarmente o caso do Turismo

2

3

4

5

6

7


Ambiente ordenamento do territ rio e competitividade das na es

29%

15%

23%

4%

Área Metro. do Porto

2%

22%

19%

18%

2%

13%

11%

12%

< 5% população total

Área Metro. de Lisboa

7%

6% a 10% da população total

9%

15% a 20% da população total

7%

5%

> 21% da população total

3%

1%

44% DA POPULAÇÃO PORTUGUESA ESTÁ LOCALIZADA NAS ÁREAS METROPOLITANAS DO PORTO E DE LISBOA – CONCENTRAÇÃO POPULACIONAL DIFICULTA UM CRESCIMENTO EQUILIBRADO DAS REGIÕES

Concentração da população (% da população total do país)

Distribuição da população no território português (2004)

Principais metrópoles europeias (2005)

Portugal

Reino Unido

1)

2)

Luxemburgo

Bélgica

França

3)

Espanha

Madeira

Itália

Holanda

Açores

Alemanha

1) Dados relativos a 20042) Dados relativos a 20023) Dados relativos a 1999

Fonte: INE; Websites


Iii linhas de orienta o para o futuro

III. Linhas de Orientação para o Futuro


Ambiente ordenamento do territ rio e competitividade das na es

GANHAR COMPETITIVIDADE EXIGE UM ESFORÇO COMUM E PARTILHADO POR PARTE DO ESTADO, EMPRESAS E INDIVÍDUOS, QUE CAPITALIZE, COM AMBIÇÃO, A DOTAÇÃO NACIONAL DE RECURSOS NATURAIS E PERFIL TERRITORIAL

Portugal deve reconhecer os seus recursos naturais e culturais e o seu perfil territorial como factores de diferenciação e de competitividade, procurando soluções criativas e modernas para a sua exploração e promovendo o desenvolvimento de clusters integrados.


Ambiente ordenamento do territ rio e competitividade das na es

GANHAR COMPETITIVIDADE EXIGE UM ESFORÇO COMUM E PARTILHADO POR PARTE DO ESTADO, EMPRESAS E INDIVÍDUOS, QUE CAPITALIZE, COM AMBIÇÃO, A DOTAÇÃO NACIONAL DE RECURSOS NATURAIS E PERFIL TERRITORIAL

Aos decisores de política cabe:

  • Definir claramente um rumo, apontar perspectivas e estabelecer metas

  • Fomentar o conhecimento e a criação de capacidade e competência

  • Assumir o mercado como o motor das iniciativas e promover o seu adequado funcionamento

  • Conceder incentivos aos utilizadores finais

  • Encorajar a disseminação de informação útil aos stakeholders, nomeadamente aos consumidores

  • Garantir a eficácia na aplicação dos instrumentos de políticas públicas


Ambiente ordenamento do territ rio e competitividade das na es

GANHAR COMPETITIVIDADE EXIGE UM ESFORÇO COMUM E PARTILHADO POR PARTE DO ESTADO, EMPRESAS E INDIVÍDUOS, QUE CAPITALIZE, COM AMBIÇÃO, A DOTAÇÃO NACIONAL DE RECURSOS NATURAIS E PERFIL TERRITORIAL

Às empresas cabe:

  • Integrar o ambiente e o território como uma variável de negócio e não exclusivamente na gestão da sua imagem e reputação corporativa

  • Adoptar uma atitude dinâmica e pró-activa, encarando upgrades no desempenho ambiental como oportunidades (de inovar no produto/processo, reduzir custos totais, melhorar WTP do consumidor,…)

  • Apostar no território como factor diferenciador na consolidação de uma imagem e de uma marca

  • Desenvolver uma compreensão abrangente dos impactos ambientais ao longo da cadeia de valor do produto

  • Melhorar os sistemas de informação para monitorizar os aspectos ambientais do negócio, e integrar os riscos estratégicos materiais nos processos e sistemas de controlo empresarial

  • Disseminar informação útil aos stakeholders[internos e externos]


Ambiente ordenamento do territ rio e competitividade das na es

CINCO VECTORES DE ACTUAÇÃO A PRIVILEGIAR

Implementar um novo paradigma energético e consolidar a economia do (baixo) carbono

1

Promover a eco-eficiência como estímulo à inovação e modernização

Aplicar o regime de responsabilidade ambiental, com recurso a sistemas de garantia financeira

2

3

Melhoria do Ambiente

Ordenamento

Território e da

Competitividade

Promover a sustentabilidade na gestão empresarial e das instituições, e na identificação de novos mercados

Integrar os processos de ordenamento do território com o planeamento estratégico de infra-estruturas e transportes, integrando-os ao nível do planeamento municipal

4

5


Ambiente ordenamento do territ rio e competitividade das na es

COMO SE OPERACIONALIZA ESTA VISÃO?

ENERGIA E ECONOMIA DE BAIXO CARBONO

1

  • Apostar em sistemas de oferta de energia difusos, de proximidade entre a produção e o consumo

  • Promover, com determinação e voluntarismo, o aproveitamento de recursos endógenos e a optimização do consumo, incentivando o mercado da “eficiência energética”

  • Desenvolver novos modelos para a procura de energia [e de mobilidade], que incentivem a implementação de medidas de redução de consumo nos sectores difusos, nomeadamente nos transportes:

    • promover a mobilidade não motorizada, novas tecnologias de motorização e a comunicação à distância;

    • melhorar a utilidade dos serviço de transporte público (passageiros e mercadorias) e promover o seu uso;

    • adequar fiscalidade, tarifas, normas de utilização e de informação ao público aos comportamentos desejados […]

  • Alterar a política fiscal, que transmite sinais erróneos à desejável política sectorial

Implementar um

novo modelo

energético e

consolidar a

economia de

[baixo] carbono


Ambiente ordenamento do territ rio e competitividade das na es

COMO SE OPERACIONALIZA ESTA VISÃO?

ENERGIA E ECONOMIA DE BAIXO CARBONO

1

  • Utilizar o fundo português de carbono como instrumento de incentivo à implementação de projectos, em Portugal, que demonstrem reduzir, de forma custo-eficaz, as emissões de gases com efeito de estufa, e equacionar, inclusivamente, a criação de mecanismos domésticos - tipo desenvolvimento limpo - que permitam investimentos sectoriais cruzados para redução de emissões

  • Comunicar, informando agentes económicos e cidadãos que a energia só tenderá a valorizar-se, mesmo em termos relativos, pelo que é ilusório tentar distorcer o mercado, não reflectindo a evolução dos custos e escamoteando componentes adicionais como o CO2, ou criando a expectativa de que a liberalização, só por si, vai conseguir travar o aumento real dos preços

  • Mobilizar os cidadãos para a resolução do problema das alterações climáticas, (in)formando e criando os incentivos (inclusive financeiros/fiscais) se necessários à alteração dos seus comportamentos.

Implementar um novo modelo energético e consolidar a economia de [baixo] carbono


Ambiente ordenamento do territ rio e competitividade das na es

COMO SE OPERACIONALIZA ESTA VISÃO?

RACIONALIDADE, PRODUTIVIDADE E BEM-ESTAR NA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS

2

  • Investir na comunicação, para reabilitação/revitalização do conceito e reconstrução da forma como é percepcionado pelos mercados e pela sociedade

  • Incentivar uma maior sofisticação no design de produtos, maior eficiência nos processos, maior eficácia na performance, [...], privilegiando o recurso a instrumentos económicos e a articulação/sinergias com instrumentos de política ambiental e sectorial já existentes, bem como instrumentos de informação como a atribuição de labels ecológicos a produtos e serviços

  • Investir e promover a investigação interdisciplinar. A investigação deverá estar ligada aos temas da inovação, governo das empresas, relações industriais e cadeia de valor

  • Incentivar a disponibilização de informação aos stakeholders (inclusive financeiros) e a melhoria dos sistemas de monitorização dos aspectos ambientais do negócio das empresas (caracterização do nível de eco-eficiência, conhecimento da dimensão económica dos aspectos ambientais; identificação de potenciais benefícios económicos; gestão integrada dos riscos ambientais, de negócio, financeiros...)

  • Incentivar/dinamizar iniciativas ambientais à escala de clusters, a fim de partilhar custos e melhorar a eficácia através da disseminação da implementação no cluster

Promover a eco

eficiência como

estímulo à inovação

e modernização


Ambiente ordenamento do territ rio e competitividade das na es

COMO SE OPERACIONALIZA ESTA VISÃO?

GESTÃO DE RISCO AMBIENTAL E ECOLÓGICO

3

  • Encetar um processo participado de transposição da directiva, que envolva os diferentes stakeholders - é necessário garantir a clareza de objectivos, conceitos e responsabilidades, a flexibilidade nas abordagens às diferentes tipologias de dano e a adequada integração com outras políticas e instrumentos ambientais e sectoriais

  • Iniciar a construção da infraestrutura necessária à aplicação eficaz da directiva atendendo, inclusivamente, aos processos, procedimentos e canais de reporte de informação ambiental já existentes e utilizados pelos operadores abrangidos pela directiva; é fundamental garantir a simplicidade da administração, inclusive para aumentar a probabilidade de enforcement

  • Garantir uma estrutura de oferta [de garantias financeiras] favorável. O sector financeiro, em particular o segurador, deve preparar-se para responder a uma eventual solicitação do mercado (e da política), em matéria de disponibilidade de garantias financeiras para danos ambientais

  • Dinamizar a ligação universidade/ empresas na área da responsabilidade ambiental e suas ligações com as práticas de gestão, contribuindo para a inovação e para formação de recursos qualificados

Aplicar o regime de

responsabilidade

ambiental, com

recurso a sistemas

de garantia

financeira


Ambiente ordenamento do territ rio e competitividade das na es

COMO SE OPERACIONALIZA ESTA VISÃO?

GESTÃO E ECONOMIA SUSTENTÁVEIS

4

  • Identificar objectivos políticos e matrizes de referência que permitam ao sector privadodesenvolver boas práticas de gestão

  • Comprometer-se com linha orientadoras/convenções internacionais

  • Criar incentivos fiscais para actividades promotoras de Responsabilidade Corporativa

  • Promover e coordenar os vários stakeholders (ministérios, associações, universidades e empresas) com vista à criação conjunta de ferramentas práticas, a serem utilizadas pelas PMEs

  • Incentivar investimentos que minimizem impactes ambientais e sociais ao longo da sua cadeia de valor, explicando a importância do princípio da precaução na gestão do risco empresarial

  • Definir prioridades socioeconómicas em que o sector privado possa liderar

  • Desenvolver o conceito de Regiões Sustentáveis promovendo a interacção dos vários agentes de forma a realçar o cluster competitivo da região

  • Divulgar junto das Universidades, Empresas e Associações, os programas europeus associados à promoção de práticas de Responsabilidade Corporativa

  • Incentivar escolas de negócios, universidades e outros meios de ensino a incorporar as práticas de Responsabilidade Corporativa e os seus tópicos nos seus programas curriculares, principalmente nos cursos associados aos futuros gestores

Promover a

sustentabilidade

na gestão e na

identificação de

novos mercados


Ambiente ordenamento do territ rio e competitividade das na es

COMO SE OPERACIONALIZA ESTA VISÃO?

ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E INFRAESTRUTURAS

5

  • Definir uma estratégia de ordenamento do territóriocom orientações programáticas de cariz nacional e regional a integrar nos processos de planeamento municipal que devem funcionar como plataforma de síntese das diversas orientações supra definidas

  • Simplificar os vários planose estratégias sectoriais por forma a reduzir o seu número e a minorar a respectiva fragmentação/complexidade

  • Desburocratizar os procedimentos de decisão, racionalizando a tramitação e minimizando o número de organismos intervenientes (clarificando as suas responsabilidades e âmbito de actuação)

  • Promover uma nova geração de planos, com soluções de parametrização normativa susceptíveis de garantir ganhos de plasticidade e de operatividade essenciais à dinâmica das oportunidades

  • Dotar a decisão administrativa da sensibilidade necessária à gestão dos tempos e das oportunidades

Integrar os processos de ordenamento do território com o planeamento estratégico de infra-estruturas e transportes, integrando-os ao nível do planeamento Municipal


Ambiente ordenamento do territ rio e competitividade das na es

COMO SE OPERACIONALIZA ESTA VISÃO?

ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E INFRAESTRUTURAS

5

  • Dotar os planos de ordenamento de mecanismos de follow up da implementação e de indicadores e objectivos quantificados que assegurem a sua adequada monitorização, bem como a efectiva aferição da eficácia no dispêndio dos recursos financeiros públicos

  • Criar sistemas alternativos de gestão de conflitos, designadamente centros de arbitragens especializados

  • Desenvolver uma Estratégia de Desenvolvimento dos Transportes e Infra-estruturas nacionais alinhada com os desígnios e ordenamento e desenvolvimento territorial do país (ex: PEIT – Espanha)

Integrar os processos de ordenamento do território com o planeamento estratégico de infra-estruturas e transportes, integrando-os ao nível do planeamento Municipal


  • Login