Paeg e milagre econ mico
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 21

PAEG E MILAGRE ECONÔMICO PowerPoint PPT Presentation


  • 70 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

PAEG E MILAGRE ECONÔMICO. Profa. Eliana Tadeu Terci Economia Brasileira. PAEG - Plano de Ação Econômica do Governo. A crise: PIB caiu de 7,3% em 1961 para 5,4% em 1962 e 0,6% em 1963, chegando a 3,1% em 1964. estagflação: inflação + desequilíbrio externo + estagnação

Download Presentation

PAEG E MILAGRE ECONÔMICO

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Paeg e milagre econ mico

PAEG E MILAGRE ECONÔMICO

Profa. Eliana Tadeu Terci

Economia Brasileira


Paeg plano de a o econ mica do governo

PAEG - Plano de Ação Econômica do Governo

  • A crise: PIB caiu de 7,3% em 1961 para 5,4% em 1962 e 0,6% em 1963, chegando a 3,1% em 1964. estagflação: inflação + desequilíbrio externo + estagnação

  • golpe militar – combate gradual da inflação + expansão das exportações (64-67) + retomada do crescimento (68-73)

  • PAEG (1964-66) (Campos – Planejamento e Bulhões – Fazenda)

  • Regime de exceção: ausência de correlação democracia e desenvolvimento e alta correlação autoritarismo e reforma econômica.

  • Diagnóstico: atenuar a inflação de 144% a.a. causada pelo déficit governamental, pelo excesso de demanda e pelos aumentos demagógicos de salários


Paeg plano de a o econ mica do governo1

PAEG - Plano de Ação Econômica do Governo

  • Objetivo: “inflaçãocorretiva” = problema de desajuste nos preços relativos de contratos de longo prazo (salários, tarifas, câmbio) → conflitodistributivo

  • Diagnóstico do PAEG: somente salários não estavam defasados!!

  • compromisso de salvar o país do caos, corrigir a inflação sem provocar  acentuada da renda agregada ou “crise de estabilização”.

  • instrumentos clássicos de controle da inflação:

    i) ajuste fiscal:  receita (arrecadação e ajuste tarifários) e  no gasto público

    ii)  gradativa da expansão dos meios de pagamento

    iii) controle do crédito ao setor privado e

    iv) arrocho salarial (reajuste abaixo da inflação)


Paeg plano de a o econ mica do governo2

PAEG - Plano de Ação Econômica do Governo

  • Reforma tributária:

  • Reforma tributária: ↑ arrecadação e racionalizar o sistema – ↑ dos indiretos = ISS, ICM, ampliação da base de arrecadação do IR, criação de mecanismos de isenção (estimular poupança e aplicações financeiras) e criação do FPEM

  • Reforma regressiva e centralizadora - arrecadação passou de 16% do PIB (1963) para 21% (1967)


Paeg plano de a o econ mica do governo3

PAEG - Plano de Ação Econômica do Governo

  • Reforma financeira: objetivo dotar do SFB de mecanismos de financiamento não inflacionários, ↑ eficiência e ↑ poupança.

  • criação do Banco Central e Conselho Monetário Nacional - executar a política monetária (restringir a expansão dos meios de pagamento) → proteger os ativos da inflação (modelo norteamericano)

  • i) criação de mecanismos de correção monetária a ORTN para financiamento do déficit público (não inflacionário) e correção monetária para títulos privados - indexação

  • ii) ampliação do grau de abertura ao capital externo (IDE): facilitação da contratação de empréstimos externos pelas empresas nacionais, bancos (resolução 63 do Bacen) e facilitação da remessa de lucros

  • iii) criação do SFH e do BNH


Paeg plano de a o econ mica do governo4

PAEG - Plano de Ação Econômica do Governo

  • Política salarial:

  • Criação do FGTS – poupançaforçada

  • Fórmula de reajuste: média do aumento do CV (24 meses) + aumento estimado de produtividade (ano anterior) + metade da média inflacionária prevista (ano seguinte)

  • Arrocho salarial provocado pela fórmula somou 26,7% (65-67)

  • Cenário: AI-5, proibição do direito de greve


Paeg plano de a o econ mica do governo5

PAEG - Plano de Ação Econômica do Governo

  • Economia entre 1964-67:

    i) txs. de crescimento moderadas: 4,2% (64-67) e 2,9% (64-65);

    ii) inflação ficou acima das metas;

    iii) controle da expansão monetária – errático assim como a inflação

    iv) ajuste fiscal – próximo do previsto – 4,3% PIB (1963) ↓ 0,3% 1971.

    v) saldo da BP – IDE + empréstimos de correção (simpatia dos EUA pelo regime)

    vi) reforma financeira embora lenta criou mecanismo de endividamento interno

    vii) política salarial – bastante restritiva (correção pela média) (80-81)


Milagre

Milagre

  • expectativa desenvolvimentista - 1968 – PED – 4 prioridades:

    a) estabilização gradual de preços centrada nos custos e não na demanda sem fixação de metas;

    b) fortalecimento da empresa privada;

    c) consolidação da infraestrutura a cargo do governo → apoio nas estatais (financiada com empréstimos) → concilia investimentos públicos e redução do déficit primário

    d) ampliação do mercado interno → endividamento das famílias


Milagre1

Milagre

  • Tx. média de crescimento do PIB = 11% a.a.

  • Tx. de investimento alcançou 20% (1973)

  • Inflação em declínio!

  • Milagre: crescimento e emprego sem inflação; crescimento econômico sem comprometimento da BP. Como?

  • i) Inflexão da política anti-inflacionária com ênfase nos custos → crescimento com base na capacidade ociosa (graças ao stop and go 64-68);

    ii) políticas fiscal e salarial mantidas → ↓ salários reais;

    iii) inflexão na política monetária, fiscal e creditícia com mecanismos de controle de preços, tarifas e juros (Conep/CIP), juros (Bacen)

    iv) política agrícola (BB) → expansão da produção sem aumento de preços;

    v) política de minidesvalorizações cambiais → preservar a BC


Milagre2

Milagre

  • Fontes do crescimento:

  • Retomada do investimento público em infraestrutura

  • Aumento do investimento das estatais (criação de subsidiárias)

  • Demanda por bens duráveis (↑ 23,6% no período)

  • Construção civil (SFH-BNH)

  • Crescimento das exportações (↑ comércio internacional, melhoria nos termos de troca, subsídios e incentivos e minidesvalorizações cambiais): Importações passaram de 5,4% a 8,6% do PIB (1967-73)

  • Financiamento externo via mercado de eurodólares (resoluções 63 e 64 do Bacen captação de recursos externos pelos bancos comerciais e BNDE para repasse as empresas locais)


Milagre3

Milagre

  • Aprofundamento da estratégia de desenvolvimento associado e dependente que caracteriza a era Vargas, com a diferença profunda de que o Milagre reforçou a liderança no setor de bens de consumo mantendo a dependência tecnológica e acentuado desequilíbrio setorial:

  • Descompasso entre o crescimentos dos diversos setores, bens de capital a reboque dos demais, bens leves e agricultura com desempenhos modestos: gargalos na oferta + pressões inflacionárias

  • Crescimento foi alimentado pelas importações de bens de capital facilitas pelo CDI

  • Agricultura de exportação cresce mais que a de alimentos

  • Endividamento externo: fenômeno financeiro ou estratégico (viabilizador do crescimento )?


Milagre4

Milagre

  • Esforço exportador: endividamento externo exigia um  das exportações de 25% aa, considerado impossível → desequilíbrio externo e endividamento crescente → dependência do sistema financeiro internacional

  • Produção de bens de consumo duráveis → concentração de renda → privilégio ao mercado de consumo:

  • salário mínimo no período 1964-1967  42%, sendo durante o PAEG -25,2% e durante o Milagre -15,1%

  • 1972 - 50% dos assalariados recebiam até 1sm; 22% entre 1 e 2 SMS e 75,3% até 2sms

  • salário do pessoal ocupado na produção  10% (1964-74), enquanto os mais qualificados  6,3% (1964-72).


Milagre5

MILAGRE

  • Auge em 1973 – PIB = 14% desaquecimento e crise do petróleo.

  • Contradição → defasagem dos ritmos de acumulação → novo pacote de investimentos em bens de capital

  • desafio: criar condições de financiamento

  • Retomada da inflação: crise do petróleo ou desequílibrio setorial ?


Referencias bibliogr ficas

Referencias Bibliográficas

  • BAER, W. A economia brasileira. SP. Nobel, 1996. Reimpresso em 2004.

  • GREMAUD, A.P.; VASCONCELOS, M.A.S.; TONETO JR, R. Economia Brasileira Contemporânea. 4ª ed. S. Paulo: Atlas, 2002.

  • HERMANN, J. Reformas, EndividamentoExterno e o “Milagre” Econômico (1964-1973). In, GIAMBIAGGI, F. et all. Economia Brasileira Contemporânea (1945-2004). Rio de Janeiro – Editora Campus Elsevier. 2005.

  • SOUZA, L. E. S. A ditadura militar e Paeg (1964-1967). In, PIRES, M.C. Economia Brasileira: da Colônia ao Governo Lula. S. Paulo: Saraiva, 2010.


  • Login