Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto Hemodinâmica e Cardiologia Invasiva
Download
1 / 52

Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto Hemodinâmica e Cardiologia Invasiva - PowerPoint PPT Presentation


  • 106 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto Hemodinâmica e Cardiologia Invasiva. ANATOMIA E FLUXO CORONARIANO. CAUSA DE MORTE EM ADULTOS. ( 2000 ). Doença Coronária7.2 milhões Câncer6.3 Doença Cerebrovascular4.6 Infecções do Trato respiratório Inferior3.9

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha

Download Presentation

Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto Hemodinâmica e Cardiologia Invasiva

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto Hemodinâmica e Cardiologia Invasiva

ANATOMIA E FLUXO CORONARIANO


CAUSA DE MORTE EM ADULTOS

( 2000 )

Doença Coronária7.2 milhões

Câncer6.3

Doença Cerebrovascular4.6

Infecções do Trato respiratório Inferior3.9

Tuberculose3.0

DPOC2.9

Diarréia (incluindo disenteria)2.5

Malária2.1

AIDS1.5

Hepatite B 1.2

Datasus


PREVISÃO ALARMANTE


HISTÓRICO

  • Galeno, em 1551, ao escrever “De Venarum et Arteriarum Dissectione Liber”, deu nome às artérias coronárias;


HISTÓRICO

  • Desde o século XVI, devido aos trabalhos de Vesalius, Falópio e Riolan, que se conhece os troncos coronarianos principais;


HISTÓRICO

  • Bons anfiteatros apareceram no século XVI;

  • Nessa época, Jeronimo Fabricio de Acqua Pendendte ( 1537 – 1609) iniciou o ensino clássico de Anatomia Humana, em Pádua, com demonstração em cadáveres;


HISTÓRICO

  • Thebesius, em 1716, parece ter sido o primeiro a registrar a existência das duas artérias coronárias;


HISTÓRICO

  • Fim do século XVII e início do XVIII, Frederick Ruysch, usando injeções vasculares, conseguiu peças anatômicas excelentes;


Mason Sones Jr

  • No início, a aortografia era realizada com a injeção de grandes volumes de contraste (50-60ml) na raiz da aorta;

  • Depois, passou-se a injetá-lo durante a diástole;

  • Em 1958, Arnulf tentou uma melhor injeção após parada cardíaca com acetilcolina;

  • Outros métodos foram tentados;

  • Até a cateterização seletiva, conseguida por Mason Sones Jr em 1959;


HISTÓRICO

No Brasil, José Eduardo M. R. Sousa, em Novembro de 1966, realizou a primeira coronariografia.


INTRODUÇÃO

  • O coração humano é irrigado pelas coronárias direita e esquerda;

  • Origem: 0,7 - 1 cm acima das cúspides aórticas;

  • Situam-se na superfície epicárdica e dão ramos para o interior do miocárdio;

  • Há 4.000 capilares/mm2;

  • Os esfíncteres exercem função reguladora;


ANATOMIA E FISIOLOGIA CORONÁRIA

FLUXO SANGUÍNEO E CONSUMO DE O2 – INDIVIDUO NORMAL AO REPOUSO

ml/min/g ml/min %DC consO2 ml/m consO2%

CORAÇÃO 0,82434 a 5% 27 11%

CÉREBRO 0,5 795 12% 46 20%

RINS 4,0 1188 18% 16 7%

INTESTINO 0,3 1529 23% 58 25%

MÚSCULOS 70 30%

CORAÇÃO = 300 g – 0,5% do peso corporal


ANATOMIA CORONARIANA

9,5 - 13,5 mm

9,8 cm

9,3 cm

14,7 cm

CASS E BARI


ANATOMIA CORONARIANA


CORONÁRIA DIREITA

  • Nasce no seio de Valsava direito ( 97% ) e acompanha o sulco atrioventricular direito;

  • Atravessa a “crux cordis” e se divide;

  • Dá origem a 4 - 5 ramos ventriculares;

  • Artéria do nó sinusal em 55% dos casos;

  • Irriga toda parede livre do VD, 1/3 posterior do septo, parede inferior do VE e todo átrio direito;


CORONÁRIA DIREITA

Serviço de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista

Hospital de Base - SJRP


Detalhes da Coronária Direita

  • Freqüentemente nasce nos terços superior e médio do seio de valsava direito;

  • Em 23% dos casos, há mais de um óstio no seio aórtico direito;

  • Artéria do cone nasce em óstio próprio em 20 a 50% dos casos;

  • Artéria sinusal geralmente é ramo da CD em 60% dos casos;

  • Ramos ventriculares: 2 - 5

  • DP, em 80 - 90% dos casos, nasce da CD;

  • VP: 1- 3 e irrigam a parede posterior do ventrículo esquerdo;


CORONÁRIA ESQUERDA

  • Constituída por um curto segmento (tronco), que depois se divide em DA e CX;

  • Irriga todo o átrio esquerdo, os 2/3 anteriores do septo, a margem esquerda da parede livre do VD e a parede anterior e lateral do VE;


CORONÁRIA CIRCUNFLEXA

  • Nasce na porção distal do TCE;

  • Forma um ângulo de 90° com DA;

  • Pode dar origem a DP;

  • Ramos atriais;

  • Ramos póstero-laterais;

  • Ramos pósteros-inferiores;


Artéria Circunflexa e incidências


Serviço de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista

Hospital de Base - SJRP


CORONÁRIA DESCENDENTE ANTERIOR

  • Percorre todo o sulco interventricular anterior até o ápice;

  • Ramos perfurantes septais (3 a 6);

  • Ramos diagonais (1 a 5 ) irrigando a parede ântero-lateral do VE;

  • Pode apresentar ramos mais desenvolvidos que confundem-se com a DA;


Descendente Anterior e incidências


Descendente Anterior e incidências


DOMINÂNCIA CORONARIANA

  • Dominância CD : 85% casos - ultrapassa a “crux cordis” e dá origem a Descendente Posterior (DP) e Ventricular Posterior (VP);

  • Dominância CX : 8% casos - Descendente Posterior e Ventriculares Posteriores originam-se da porção distal de CX. (CD não envia sangue para VE);

  • Codominância: 7% casos - Coronária Direita origina a DP e a CX origina a VP e, eventualmente, pode dar origem a outra DP;


DOMINÂNCIA DIREITA


DOMINÂNCIA ESQUERDA


PADRÃO BALANCEADO


IRRIGAÇÃO DO SISTEMA DE CONDUÇÃO

  • Nódulo sinusal : 60% CD; 37% CX; 3% CD + CX

  • Nódulo átrioventricular : 90% CD; 10% CX

  • Feixe de His e Ramo Esquerdo: irrigado pelas artérias Descendente Anterior e Posterior, através de seus ramos septais;

  • Ramo Direito : DA e coronária direita;

  • Ramo ântero-superior-esquerdo: DA 40%, CD 10%, dupla 50%

  • Ramo póstero-inferior-esquerdo: CD 50%, dupla 40%, DA 10%

MORTALIDADE PÓS-IAM COM BLOQUEIOS: BRD+BDASE: 23%, BRD: 21%, BRE: 10%


DRENAGEM VENOSA

  • Veias de Tebésius : (menor) drenam diretamente para o VD e AD (pouca importância);

  • Veias Cardíacas Direitas: drenam quase todo sangue que irriga o VD (para o AD);

  • Seio Venoso: veias superficiais drenam para a grande e as pequenas veias cardíacas anteriores, que, por sua vez, desembocam no seio coronário;


Drenagem venosa


Drenagem venosa


CIRCULAÇÃO COLATERAL

  • Circulação que se estabelece entre dois vasos sem rede capilar intermediária;

  • Intracoronária ou intercoronária;

  • Condições normais: 40 microns, mas nas DAC são visíveis pela angiografia e de valor funcional considerável;


CIRCULAÇÃO COLATERAL

  • Obstrução coronariana de 90% ou mais induz o rápido aumento das colaterais;

  • Podem desaparecer com restauração do fluxo;

  • Fluxo pode variar de 8 a 36% do fluxo normal;

  • 28 - 50% das oclusões não têm déficit mecânico ventricular;

  • Na DA sempre há isquemia com oclusão do vaso;

  • Para ser protetora; deve estar presente antes da oclusão;


CIRCULAÇÃO COLATERAL

  • Grau 0 - ausente;

  • Grau 1 - CC precária: vaso ocluído com leve opacificação;

  • Grau 2 - CC moderada: vaso ocluído opacificado incompletamente;

  • Grau 3 - CC importante: vaso ocluído opacificado até ponto estenótico;

  • Capacidade – manter necessidades metabólicas ao repouso;

    manter viabilidade miocárdica pós-obstrução;

    Baroldi – 44% pacientes com 1 a 2 vasos ocluídos – sem

    evidência IAM

CIRCULAÇÃO COLATERAL MÁXIMA EQUIVALE A OBSTRUÇÃO DE 75%


FLUXO CORONARIANO

  • No homem, é em média 225ml/min;

  • 70 - 90ml/100g/min;

  • Representa 4 - 5 % do DC;

  • Equivale a 0,8ml /g de miocárdio;

  • Consumo é 8 - 10ml/100g/min;

  • Alta extração de oxigênio: Ssv 30% e PO2 de 18 -20 mmHg;

  • Capaz de aumentar o fluxo em 5 - 6 vezes;


FLUXO CORONARIANO


ASPECTOS ANÁTOMO-FUNCIONAIS

  • Artérias epicárdicas com ramos para miocárdio;

  • Rede de arteríolas e capilares;

  • Esfíncteres pré-capilares que regulam o fluxo sanguíneo;

  • 3.500 capilares/mm2;

  • 1/3 encontra-se aberto;


RESISTÊNCIA

  • Arteríolas – 60%

  • Capilares – 15%

  • Veias – 15%

  • Artéria epicárdicas – 10%


RESISTÊNCIA CORONARIANA


FLUXO CORONARIANO


DETERMINANTES DO FSC

FSC = PAo – PAD

RESISTÊNCIA

R = L X N

PI x R4

L= DISTÂNCIA

N= VISCOSIDADE

PI= 3,14

R= RAIO


DIÂMETRO DAS LESÕES


FLUXO CORONARIANO

  • Relação entre gradiente de pressão e resistência;

  • Variação principal relacionada ao calibre do vaso;

  • Influenciado por vários fatores;

  • Variação durante o ciclo cardíaco;

FSC = PAo – PAD

RESISTÊNCIA


RESERVA CORONÁRIA

Capacidade da circulação coronária em fornecer ao miocárdio, quando necessário, uma quantidade de fluxo adicional de sangue oxigenado.


DIÂMETRO X FLUXO


REGULAÇÃO DO FLUXO CORONÁRIO

  • Depende da diferença de pressão e da resistência das coronárias;

  • Influenciado por fatores extrínsecos e intrínsecos;


REGULAÇÃO DO FLUXO CORONÁRIO

Fatores neuro - humorais;

Fatores metabólicos;


REGULAÇÃO DO FLUXO CORONARIANO

RECEPTORES CAROTÍDEOS

METABÓLITOS ATIVOS

ACETILCOLINA

PO2

PCO2

ÁCIDO LÁTICO

HISTAMINA

ALFA E BETA-2

Angiotensina II

ELETRÓLITOS

HORMÔNIO TIREOIDEANO

ADENOSINA

BETA-1


Referências bibliográficas

  • Hemodinâmica e Angiocardiografia: obtenção de dados, interpretação e aplicações clínicas/ Leslie Aloan - São Paulo: Editora Atheneu, 1990.

  • Hemodinâmica e Angiocardiografia : interpretação clínica/ Wilson A. Pimentel – São Paulo: Sarvier, 1988

  • Cardiac catheterization, angiography, and intervention/ Grossman´s: 7ª edição – 2006

  • Tratado de Doenças Cardiovasculares/ Braunwald – 7ª edição. Elsevier, 2006


ad
  • Login