Virologia
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 39

VIROLOGIA PowerPoint PPT Presentation


  • 126 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

VIROLOGIA. O ESTUDO DOS VÍRUS. CARACTERÍSTICAS VIRAIS. São acelulares São parasitas intracelulares obrigatórios Apresentam DNA ou RNA Possuem um capsídeo protéico O parasitismo é específico São estruturas SUPRAMOLECULARES. QUANDO ESTÃO PARASITANDO:.

Download Presentation

VIROLOGIA

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Virologia

VIROLOGIA

O ESTUDO DOS VÍRUS


Caracter sticas virais

CARACTERÍSTICAS VIRAIS

  • São acelulares

  • São parasitas intracelulares obrigatórios

  • Apresentam DNA ou RNA

  • Possuem um capsídeo protéico

  • O parasitismo é específico

  • São estruturas SUPRAMOLECULARES


Quando est o parasitando

QUANDO ESTÃO PARASITANDO:

  • Os vírus apresentam capacidade reprodutiva

  • Têm capacidade mutacional e evolutiva.

  • Utilizam o metabolismo da célula hospedeira.


Vir on

Viríon

  • A partícula viral, quando fora da célula hospedeira, é chamada de vírion. Cada espécie de vírus apresenta vírions de formatos diferentes.

  • O Vírion é uma partícula viral completa, consistuida por DNA ou RNA cercado por uma proteína. Constitui a forma infectiva do vírus.


V rus t picos

VÍRUS TÍPICOS


Classifica o viral

Classificação Viral

  • Classe I - DNA de banda (ou fita) dupla.

  • Classe II - DNA de banda simples.

  • Classe III - RNA de banda dupla.

  • Classe IV - banda simples de RNA positivo (isto é, o RNA é imediatamente traduzido pelos ribossomas, actuando como se fosse RNA mensageiro).

  • Classe V - banda simples de RNA negativo (é necessário transcrever a banda em RNA mensageiro).

  • Classe VI - banda simples, positiva, de RNA, com DNA como intermediário na formação das proteínas (retrovírus).

  • Classe VII - banda dupla de DNA com um RNA intermediário na replicação (Hepadnavírus).


Classifica o dos v rus quanto ao tipo de cido nucl ico

CLASSIFICAÇÃO DOS VÍRUS QUANTO AO TIPO DE ÁCIDO NUCLÉICO

Vírus com DNA.

DNA RNA  Proteína

Ex.: Bacteriófago

Poxvírus (Varíola)

Herpesvírus

Hepadnavírus (HepatiteB)

Papovavírus (HPV)


Virologia

Vírus com RNA.

RNA  Proteínas

Ex.: Influenza (Gripe)

Rabdovírus(Raiva)

Filovírus(Ebola)

Reovírus(Encefalite)

Flavivírus(Hepatite C)

Paramixovírus(Sarampo,caxumba)


Virologia

Vírus com RNA e Transcriptase Reversa

RNA DNA RNA PROTEÍNAS.

Ex.: HIV

HTLV-1

HTLV -2


Reprodu o viral

REPRODUÇÃO VIRAL

CONSIDERAÇÃO INICIAL

DEVIDO A AUSÊNCIA DE UM METABOLISMO PRÓPRIO OS VÍRUS DEVEM PARASITAR A CÉLULA HOSPEDEIRA E UTILIZAR TODA A SUA MAQUINARIA BIOSSINTÉTICA.


Tipos de reprodu o nos bacteri fagos

TIPOS DE REPRODUÇÃO NOS BACTERIÓFAGOS

LISOGÊNICO – o metabolismo da bactéria não é interferido podendo mesmo contaminada se reproduzir normalmente.

LÍTICO – o DNA viral comanda o metabolismo da bactéria e com a formação de novos vírus a célula hospedeira sofre uma lise, liberando novos vírus


Etapas para o processo reprodutivo

ADSORÇÃO

PENETRAÇÃO

ECLIPSE

DESNUDAMENTO

MATURAÇÃO

LIBERAÇÃO

ETAPAS PARA O PROCESSOREPRODUTIVO


Ciclos virais

Ciclos Virais


Detalhe da penetra o

DETALHE DA PENETRAÇÃO


Ataque bacteri fago

ATAQUE BACTERIÓFAGO


O hiv

O HIV

O AGENTE ETIOLÓGICO DA SÍNDROME DA IMUNO-DEFICIÊNCIA ADIQUIRIDA, EM SERES HUMANOS.


Reprodu o do hiv

REPRODUÇÃO DO HIV


Reprodu o do hiv1

REPRODUÇÃO DO HIV


S ndrome da imunodefici ncia adquirida

CAUSADA PELO HIV

ESTE VÍRUS PROPORCIONA A DIMINUIÇÃO DO TEOR DE LINFÓCITOS T4 NO ORGANISMO

O ORGANISMO FICA VULNERÁVEL A DIVERSAS PATOLOGIAS

SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA


Virologia

Disseminação da AIDS


Sintomas

SINTOMAS

  • FEBRE

  • INFLAMAÇÃO DOS LINFONODOS

  • ERUPÇÕES NA PELE, NA BOCA E ÓRGÃOS GENITAIS

  • DIARRÉIA E DORES ABDOMINAIS

  • FALTA DE APETITE E PERDA DE PESO

  • NÁUSEA E VÔMITOS


Progress o

Progressão


Virologia

Sinais e Sintomas

Manifestações cutâneas


Virologia

Sarcoma de Kaposi

Linfadenopatia generalizada

Herpes

Sinais e Sintomas


Transmiss o do hiv

TRANSMISSÃO DO HIV

PODE OCORRER POR VÁRIOS FLUIDOS CORPORAIS CONTAMINADOS

Sangue

Sêmen

Secreção vaginal

Liquido cefalorraquidiano

Liquido amniótico

Leite materno


Testes mais usados

TESTES MAIS USADOS

ELISA – indica a presença de anticorpos

WESTERN – BLOTTING – identifica anticorpos específicos

Obs.: tanto o Elisa quanto o Western-Blotting podem dá resultados falsos


Elisa

ELISA

  • ELISA (Enzyme Linked Immuno Sorbent Assay) é um testeimunoenzimático que permite a detecção de anticorpos específicos no plasmasanguíneo.


Western blotting

WESTERN - BLOTTING

  • Um Western-blotting é um método em biologia molecular/bioquímica para detectar proteínas em um homogenato (células bem trituradas) ou um extrato de um tecido biológico.


Tratamento

Tratamento

  • O tratamento da aids é feito com medicamentos anti-retrovirais, drogas que inibem a reprodução do HIV no sangue. À associação desses medicamentos com fins terapêuticos é dado o nome de Terapia Anti-retroviral (TARV), popularmente conhecida como "coquetel".


Tratamento1

Tratamento

  • A TARV conta com 17 medicamentos que estão divididos em quatro classes:

  • os inibidores de transcriptase reversa análogos de nucleosídeos.

  • os inibidores de transcriptase reversa não análogos de nucleosídeos.

  • os inibidores de protease .

  • os inibidores de fusão .


Var ola

Varíola

  • A vacina antivariólica é preparada a partir de vírus vivo em suspensão, obtido por vacinação de carneiros e bovinos. É apresentada na forma liofilizada, acompanhada de ampola diluente, em base glicerinada.


Virologia

HPV

  • O condiloma acuminado é uma lesão na região genital, causada pelo Papilomavirus Humano (HPV). A doença é também conhecida como crista de galo, figueira ou cavalo de crista.


Virologia

HPV

  • A Vacina Quadrivalente contra o HPV protege contra quatro tipos do vírus – o 6, 11, 16 e 18 -, que são responsáveis por 70% dos casos de câncer do colo de útero e por 90% das verrugas genitais e está indicada em mulheres entre 9 e 26 anos de idade.


Gripe su na

Gripe Suína

  • A gripe suína ou gripe porcina é uma doença causada pelo vírusH1N1, uma combinação das cepas dos vírus suíno, aviário e humano. A contaminação se dá do porco contaminado ou objetos contaminados para o humano.


Citomegalov rus

Citomegalovírus

  • O citomegalovírus (CMV) pertence à família do herpesvírus, a mesma dos vírus da catapora, herpes simples, herpes genital e do herpes zoster.

  • Discreto mal-estar e febre baixa até doenças graves que comprometem o aparelho digestivo, sistema nervoso central e retina.

  • Nunca abandona o organismo da pessoa infectada. Permanece em estado latente e qualquer baixa na imunidade do hospedeiro pode reativar a infecção.

  • Presença de DNA e RNA.


Dengue

Dengue

  • A Dengue é uma virose, ou seja, uma doença causada por vírus. O vírus (família flaviridae) é transmitido para uma pessoa através da picada da fêmea contaminada do mosquito Aedes Aegypti.


Dengue1

Dengue

  • A doença pode se manifestar de duas formas: a dengue clássica e a dengue hemorrágica.

  • Dengue Clássica: os sintomas são mais brandos. A pessoa doente tem febre alta, dores de cabeça, nas costas e na região atrás dos olhos.


Dengue2

Dengue

  • Dengue hemorrágica (ocorre quando a pessoa pega a doença por uma segunda vez): a doença manifesta-se de forma mais grave. Nos primeiros cinco dias os sintomas são semelhantes ao do tipo clássico.

  • A partir do quinto dia, alguns doentes podem apresentar hemorragias em vários órgãos e choque circulatório. Pode ocorrer também vômitos, tontura, dificuldades de respiração, dores abdominais intensas e contínuas e presença de sangue nas fezes.


Tratamento2

Tratamento

  • Para o caso da dengue clássica, não existe um tratamento específico. Os sintomas são tratados e recomenda-se repouso e alimentação com muitas frutas, legumes e ingestão de líquidos.

  • Já no caso mais grave da doença, a hemorrágica, deve haver um rigoroso acompanhamento médico em função dos possíveis casos de agravamento com perdas de sangue e choque circulatório.


  • Login