Download
1 / 5

Relação entre a Magnitude e número de sismos - PowerPoint PPT Presentation


  • 43 Views
  • Uploaded on

Relação entre a Magnitude e número de sismos.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' Relação entre a Magnitude e número de sismos' - neil


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

Relação entre a Magnitude e número de sismos

Relação entre a magnitude de um sismo (escala a esquerda) e a energia liberada pelo sismo (escala a direita). Aproveita-se para fazer um comparativo entre as magnitudes de alguns sismos importantes (a esquerda) e eventos naturais e artificiais conhecidos por pessoas de outras áreas. Entre as duas curvas ilustrativas é apresentado o número de sismos que ocorrem anualmente no mundo para algumas magnitudes.


Relação Frequência-Magnitude de Gutenberg-Richter

A distribuição frequência-magnitude de eventos, conhecida como relação de Gutenberg-Richter, mostra a relação entre o número de eventos e suas magnitudes. Desta forma, a relação de Gutenberg-Richter é dada por:

Onde b é conhecido como parâmetro b e M é a magnitude (ou magnitude mínima) dos eventos. Essa relação é ajustada aos dados com magnitude maiores que MCUT é a magnitude que define o limiar de detectabilidade da rede sismográfica, ou seja, a magnitude mínima a partir da qual o catálogo sísmico pode ser considerado completo.


Parâmetro b

Ilustração da relação fre-quência x Magnitude para uma distribuição normal de sismos (curva azul com parâmetro b próximo de 1,0) e de um enxame sísmico (curva vermelha com parâ-metro b próximo 2,0). Os círculos exemplificam o limiar de detecção do grupo de estações sismográficas. A área vermelha e a azul indicam, que os enxames sísmicos em geral têm mais sismos pequenos e menos sismos grandes do que o comum.


Calculo do Parâmetro b para uma região da Terra

Atividade extra: Selecionar eventos sísmico em uma área retangular de lado 5o e calcular o parâmetro b. O exercício pode ser feito individualmente, em dupla ou em trio. Utilize o Excel!


ad