EMULSÕES
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 28

EMULSÕES PowerPoint PPT Presentation


  • 92 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

EMULSÕES. SISTEMA HOMOGÊNEO  UMA ÚNICA FASE SOLUÇÕES - Dispersão molecular SISTEMA HETEROGÊNEO  DUAS OU MAIS FASES SUSPENSÕES  sólido em líquido EMULSÕES  líquido em líquido. Emulsões.

Download Presentation

EMULSÕES

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Emuls es

EMULSÕES

SISTEMA HOMOGÊNEO UMA ÚNICA FASE

SOLUÇÕES - Dispersão molecular

SISTEMA HETEROGÊNEO DUAS OU MAIS FASES

SUSPENSÕES sólido em líquido

EMULSÕES líquido em líquido


Emuls es

Emulsões

  • DEFINIÇÃO : É um sistema cuja a fase dispersa é composta de gotículas de um líquido distribuídas num veículo no qual é imiscível.

    Ou:

  • São produtos de aspecto leitoso resultante da dispersão de um líquido em outro, com o qual não seja miscível, ‘a custa de um agente emulsivo, cujo papel é de facilitar a formação e tornar estável o sistema disperso assim obtido.


Emuls es1

Emulsões

  • HISTÓRICO: a palavra emulsão vem de emulgeo que significa mungir

  • O termo Emulsão é aplicada a sistemas de aspecto leitoso.

  • As primeiras emulsões eram de origem natural

  • 1674 – Grew apresenta na Inglaterra o resultado de suas experiências emulsionando óleos com o auxílio de gema de ovo.

  • 1757 – French, farmacêutico londrino já usava além da gema, outros agentes tais como goma arábica e adraganta, xaropes, mel e mucilagem.


Emuls es2

Emulsões

  • FASES QUE COMPÕE A EMULSÃO:

  • INTERNA, CONTÍNUA OU DISPERSA

    EXTERNA, DESCONTÍNUA OU DISPERSANTE.

  • As emulsões são constituídas por uma fase oleosa e uma aquosa

  • As emulsões que têm a fase interna OLEOSA e a fase externa AQUOSA são chamadas de :

  • O/A – ÓLEO EM ÁGUA

  • As emulsões que têm a fase interna AQUOSA e a fase externa OLEOSA são chamadas de :

  • A/O – ÁGUA EM ÓLEO


Emuls es3

Emulsões

  • JUSTIFICATIVAS PARA O USO DAS EMULSÕES

  • Tornar possível a ingestão de óleos de gosto desagradável –

    veículo aromatizado e edulcorado

  • Diminuir a irritação provocada por fármacos sobre a pele

  • Permitir uma maior emoliência sobre a pele

  • Tornar possível administrar em uma única mistura, substâncias hidro e lipossolúveis

  • Tornar possível a administração venosa de lipídios em alimentação parenteral.


Emuls es4

Emulsões

DETERMINAÇÃO DO TIPO DE EMULSÃO

  • MISCIBILIDADE

    Emulsões óleo em água (O / A ) – Aceitam água na fase externa

    Emulsões água em óleo ( A / O ) – Aceitam óleo na fase externa

    2, ADIÇÃO DE CORANTES

    Corante hidrófilo – Coloração homogênea para emulsões O / A.

    3. MICROSCOPIA DE FLUORESCÊNCIA

    Emulsão O / A - fluorescência de alguns pontos

    Emulsão A / O – Fluorescência total da emulsão

    4. ENSAIO DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA

    Emulsões O / A – conduzem a corrente elétrica

    Emulsões A / O - Não conduzem a corrente elétrica


Emuls es5

Emulsões

TEORIA DAS EMULSÕES

1. Teoria da tensão superficial

OBS: Todos os líquidos tendem a assumir a forma que tenha a menor superfície exposta possível

Na gota a forma é esférica. Existem forças internas que tendem a favorecer a associação de moléculas para que a substância resista a deformação.

Se duas gotas, ou mais, do mesmo líquido entram em contato entre si, a tendência é de união ou coalescência , formando-se uma gota maior que tem superfície menor que a soma das superfícies das gotas reunidas.

Esta tendência pode ser medida e é uma força.

Quando o que circunda o líquido é o ar – TENSÃO SUPERFICIAL.


Emuls es6

Emulsões

Quando o líquido está em contato com outro líquido no qual seja insolúvel, a força que impede a fragmentação é chamada de TENSÃO INTERFACIAL.

As substâncias que conseguem reduzir essa resistência ‘a fragmentação em gotas são conhecidas como TENSOATIVOS.

Estas substâncias provocam a redução da tensão interfacial dos dois líquidos imiscíveis, reduzindo a força de repulsão entre eles e diminuindo a atração de cada um deles por suas próprias moléculas.


Emuls es7

Emulsões

  • 2. Teoria da cunha orientada

  • Camadas monomoleculares de agente emulsificante curvadas em torno de uma gotícula da fase interna da emulsão.

  • 3. Teoria plástica ou da película interfacial

  • O agente emulsivo orienta-se na interface óleo/água, circundando as gotículas da fase interna com uma fina película adsorvida na sua superfície.

  • Impede o contato e a coalescência

  • Obs : na realidade, é improvável que uma única teoria explique as formas pelas quais os muitos e variados tensoativos favorecem a formação da emulsão. Em uma única emulsão todas as teorias podem ser aplicadas.

  • NÃO HÁ DÚVIDA QUE CERTOS EMULSIVOS PODEM CUMPRIR TODAS AS TAREFAS


Emuls es8

Emulsões

  • CARACTERÍSTICAS DE UM AGENTE EMULSIONANTE

  • Inocuidade

  • Ausência de cor, odor e sabor fortes

  • Compatibilidade com os componentes

  • Garantia de estabilidade durante a validade

  • Moléculas anfifílicas de EHL ( HLB ) característico.


Emuls es9

Emulsões

  • CLASSIFICAÇÃO DOS AGENTES EMULSIFICANTES SEGUNDO SEU MECANISMO DE AÇÃO

  • 1. PRIMÁRIOS : Agem sobre a tensão superficial Ex: Polissorbato 80 ( Tween 80 )

  • 2. SECUNDÁRIOS : Interferem com a viscosidade da fase externa. Ex : Álcool cetílico, bentonita, Metilcelulose.


Emuls es10

Emulsões

  • CLASSIFICAÇÃO SEGUNDO SUA CARACTERÍSTICA QUÍMICA

  • SINTÉTICOS : Aniônicos , Catiônicos , Anfóteros, e não Iônicos.

    • Aniônicos

  • A.1. Sabões:

  • Alcalinos : sais de ac. Graxos ( C12 a C18 ) e cátions monovalentes ( Na, K , Nh4 ) . Ex :

  • Estearato de sódio [ CH3 (CH2) 16 COO - Na+

  • Metálicos : sais de ac. Graxos (C12 – C18 ) e cátions divalentes e trivalentes ( Ca , Mg , Al ). Estearato de cálcio

  • Bases orgânicas: trietanolamina Estearato de trietanolamina

  • A . 2 – Derivados sulfatados

  • Sais de sódio de ésteres sulfúricos de álcoois graxos Ex: Lauril sulfato de sódio. CH3 (CH2)10 CH2 OSO3 Na


Emuls es11

Emulsões

  • Catiônicos :

  • Sais de Amônio Quaternário . Ex: Cloreto de benzalcônio . Uso externo ( bactericida)

    • Anfóteros ; Comportamento aniônico ou catiônico em função do pH.

  • Ex: derivados da betaina

    [ R-CONH (CH )3 N+ (CH3)2 CHCOO- ]


  • Emuls es12

    Emulsões

    Não iônicos :

    Ésteres de sorbitano :

    Produtos da esterificação do Sorbitano com ácidos de elevado

    Peso Molecular.

    Ex: Spans. Spans 20, 40, 60, 80 ( natureza lipofílica )

    Ésteres do sorbitano Polihidroxilados ou Polissorbatos.

    Derivados dos Spans por introdução de radicais hidrofílicos – ( natureza hidrofílica )

    Ex: Tweens 20, 40, 60, 80


    Emuls es13

    Emulsões

    2.NATURAIS

    goma arábica e adraganta : Agar-agar : pectina

    Formam colóides hidrófilos na presença de água Emulsões O / A

    gelatina 0,5 % : caseína ; gema do

    ovo - Emulsões O / A

    colesterol ; lanolina – Emulsões A/O

    saponinas : emulsivos do tipo O/A

    ceras

    Alginato, pectina e gelose

    Lecitinas

    Sólidos finamente divididos : bentonita


    Emuls es14

    Emulsões

    MÉTODOS DE PREPARAÇÃO DAS EMULSÕES

    APLICAÇÃO DA NOÇÃO DE EHL

    Só os compostos em cuja a molécula existam grupos hidrófilos e lipófilos poderão ser adsorvidos ‘a superfície das duas fases que constituem a emulsão.

    A hidrofilia e a lipofilia desses compostos deverão ser equilibradas para não serem absorvidos por uma das fases.

    O perfeito equilíbrio não existe razão porque sempre haverá uma solubilidade maior em uma das fases.

    Se a diferença não for acentuada nós teremos uma atividade de superfície.


    Emuls es15

    Emulsões

    Em 1948 , Griffin introduziu a noção de Equilíbrio hidrófilo-lipófilo ( E H L ) – sistema para classificar, numericamente,um composto determinado segundo sua hidrofilia ou lipofilia.

    A noção vaga e empírica foi substituída por um critério mais preciso quando a substância é assinalada com um número que a inclui num grupo especial.


    Emuls es16

    Emulsões

    • As substâncias de EHL muito baixo são agentes antiespuma.

    • EHL de 3 a 9 – Emulgentes A/O

    • EHL de 8 a 16 – Emulgentes O/A

    • EHL de 7 a 9 - São agentes molhantes

    • EHL de 16 a 18 – São agentes solubilizantes

    • De acordo com a escala estabelecida, uma emulsão A/O deve ter um HLB de 3 a 8e as emulsões O/A deve,m ter um HLB de 8 a 16


    Emuls es17

    Emulsões


    Emuls es18

    Emulsões

    EHL - sistema para classificar numericamente um composto segundo suas características hidrofílicas e lipofílicas estabelecido por GRIFFIN.

    Cada emulsão tem um valor de EHL específico

    EHL - grandeza aditiva.

    EHL = 20 ( 1 - IS)

    IA

    O EHL dos emulgentes deve corresponder ‘a fórmula a ser preparada.

    Como pode ser calculado o EHL de vários emulgentes, na maioria dos

    casos, é relativamente fácil calcular o EHL de uma emulsão e escolher,

    depois o emulgente mais apropriado.


    Emuls es19

    Emulsões

    CLÁSSICOS :

    • CONTINENTAL ( GOMA SECA) - adição da F.E. à F.I. contendo tensoativo

    • INGLÊS ( GOMA ÚMIDA) - adição da F.I. à F.E. contendo tensoativo


    Emuls es20

    Emulsões

    HOJE ;

    1 ° Passo:Aquecer todos os componentes lipossolúveis à 75 ° C.

    2 ° Passo: Aquecer todos os componentes hidrossolúveis à 80 ° C.

    3 ° Passo: Adicionar uma fase em outra agitando.

    4 ° Passo : Adicionar o fármaco quando resfriar ( 30 ° C) e se necessário

    adicionar também corante e essência. Homogeneizar


    Emuls es21

    Emulsões

    • AGITAÇÃO

    • Manual - gral de porcelana de fundo plano e paredes verticais

    • Mecânica - vários modelos

    • AGITADORES


    Emuls es22

    Emulsões

    MOINHO COLOIDAL


    Emuls es23

    Emulsões

    • ESTABILIDADE DAS EMULSÕES

      FLOCULAÇÃO E FORMAÇÃO DE CREME;

  • Fase interna forma agregados que sedimentam ou sobem à superfície da emulsão em forma de creme.

  • Assim como para as suspensões , nas emulsões podemos aplicar os pricípios da lei de Stokes

  • 2 r 2 ( d1 - d2 ) g

  • V = --------------------------------

  • 9 


  • Emuls es24

    Emulsões

    • Relação d1 / d2 Velocidade de sedimentação Conseqüência

      d1 = d2 zero Homogeneidade d1 < d2 < zero Creme ‘a superfície d1 > d2 > zero Creme no fundo

    COALESCÊNCIA E SEPARAÇÃO DE FASES

    • Reagrupamento das gotículas na fase interna havendo separação de fases.


    Emuls es25

    Emulsões

    • CONTROLE DE QUALIDADE

    • Homogeneidade

    • pH

    • Viscosidade

    • Estabilidade


    Emuls es26

    Emulsões

    Este fenômeno indesejado pode acontecer por :

    Agente emulsificante inadequado

    Agente emulsificante insuficiente

    Temperatura

    Oxidações

    Decomposição microbiana do emulsificante

    Deslocamento do emulsificante

    Relação entre o volume das fases;

    Boa estabilidade Proporção da fase dispersa : 30 – 60 %

    Proporções maiores  inversão das fases


  • Login