Gera o da base de dados l gica
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 15

Geração da base de dados lógica PowerPoint PPT Presentation


  • 49 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Geração da base de dados lógica. A ferramenta de transformação do modelo EA para o modelo relacional converte: Entidade -> tabela Atributos -> colunas Identificadores únicos primários -> chaves primárias Extremos das associações -> chaves externas

Download Presentation

Geração da base de dados lógica

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Gera o da base de dados l gica

Geração da base de dados lógica

  • A ferramenta de transformação do modelo EA para o modelo relacional converte:

    • Entidade -> tabela

    • Atributos -> colunas

    • Identificadores únicos primários -> chaves primárias

    • Extremos das associações -> chaves externas

  • Cada execução transforma os objectos incluídos no conjunto a transformar (run set), criando os novos ou modificando os já existentes

    • É possível especificar quais as acções a executar (Run Options)


Gerador da base de dados

Gerador da base de dados


Correspond ncias das tabelas

Correspondências das tabelas


Controlar a transforma o

Controlar a transformação


Objectos a transformar

Objectos a transformar


Heran a

Herança


Implementa o supertype

Implementação “supertype”


Implementa o supertype1

Implementação “supertype”

Uma única tabela com todos os atributos.

Vantagens:

O esquema da BD fica simplificado.

O acesso aos dados é mais simples porque só está envolvida uma tabela.

Desvantagens:

Todas as colunas das tabelas interiores (subtipos) devem permitir valores NULL.

A manutenção dos subtipos tem que ser feita por programa.


Implementa o explicit subtype

Implementação “explicit subtype”

Seleccionar apenas as tabelas do subtipo e não a do supertipo.


Implementa o explicit subtype1

Implementação “explicit subtype”

Uma tabela para cada subtipo. Os subtipos contêm os atributos do supertipo.

Vantagens:

As colunas obrigatórias dos subtipos já não podem ter valores NULL.

Já não é necessário distinguir os subtipos recorrendo a programação.

Desvantagens:

Os registos do supertipo já não podem ser mantidos de forma independente.

Perguntas sobre o supertipo têm que percorrer todas as tabelas dos subtipos.


Implementa o implicit subtype

Implementação “implicit subtype”


Implementa o implicit subtype1

Implementação “implicit subtype”

Uma tabela para cada subtipo e uma para o supertipo. Os subtipos contêm os atributos do supertipo.

Vantagens:

As instâncias do supertipo podem ser acedidas de forma independente.

Os atributos obrigatórios dos subtipos são mapeados para colunas de preenchimento obrigatório.

Já não há necessidade de distinguir os subtipos programaticamente.

Desvantagens:

Apagar/alterar registos no supertipo envolve apagar/alterar os registos correspondentes nos subtipos.

O número de objectos a manter na BD é maior.

Repetir colunas em várias tabelas resulta em maiores gastos de memória.


Implementa o arc

Implementação “arc”

Feita em dois passos.

1º passo:

-Criar todas as tabelas (supertipo e subtipos).

-Em “Run Options” apagar as opções “Columns”, “Keys” e “indexes”.

-Correr o comando.


Implementa o arc1

Implementação “Arc”

2º passo:

Depois de criar as tabelas é necessário correr novamente o “Database Design Transformer” para criar as colunas e as chaves estrangeiras necessárias para implementar o arco entre as tabelas.

-Seleccionar a opção Arc nos subtipos.

-Em “Run options” seleccionar as opções “columns”, “keys” e “indexes”.

-Correr o comando.


Implementa o arc2

Implementação “Arc”

Uma tabela para cada subtipo e uma tabela para o supertipo. Os subtipos não contêm os atributos do supertipo.

Vantagens:

As operações de inserção/remoção só terão que ser executadas na tabela correspondente.

O espaço de disco é usado de forma mais eficiente.

Desvantagens:

A existência do arco sobre as chaves externas significa que o supertipo só pode estar associado a um subtipo.

Perguntas sobre atributos do supertipo e do subtipo obrigam a uma operação de JOIN.


  • Login