Economia
Download
1 / 22

economia - PowerPoint PPT Presentation


  • 95 Views
  • Uploaded on

economia. Demanda, oferta e equilíbrio de mercado. Teoria do valor-utilidade.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' economia' - missy


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
Economia

economia

Demanda, oferta e equilíbrio de mercado


Teoria do valor utilidade
Teoria do valor-utilidade

  • Contrapõe-se à chamada teoria do valor-trabalho, desenvolvida pelos clássicos. Ela diz que o valor de um bem se forma por sua demanda, isto é, pela satisfação que o bem representa para o consumidor. Ela é portanto, subjetiva e considera que o valor nasce da relação do homem com os objetos.


Teoria valor trabalho
Teoria valor-trabalho

  • Considera que o valor de um bem se forma do lado da oferta, por meio dos custos do trabalho incorporados ao bem. Os custos de produção eram representados basicamente pelo fator mão-de-obra, em a terra era praticamente gratuita(abundante) e o capital pouco significativo. (observem o calendário...).



Complemento entre teorias
Complemento entre teorias relação social entre homens, dependendo do tempo produtivo(em horas) que eles incorporam na produção de mercadorias. Nesse sentido, a teoria do valor-trabalho é objetiva(depende dos custos de produção).

  • A teoria do valor-utilidade veio complementar a teoria do valor-trabalho, pois não era mais possível predizer o comportamento dos preços dos bens apenas com base nos custos da mao-de-obra(ou mesmo custos em geral) sem considerar o lado da demanda(padrão de gostos, hábitos, renda, e outros).


  • Além disso, a teoria do valor-utilidade permitiu distinguir o valor de uso do valor de troca de um bem. O valor de uso é a utilidade que ele representa para o consumidor. O valor de troca se forma pelo preço no mercado, pelo encontro da oferta e da demanda do bem.

  • O que vamos estudar vai ser baseado na teoria do valor-utilidade.


Utilidade total e utilidade marginal
Utilidade total e utilidade marginal o valor de uso do valor de troca de um bem.

  • Ao final do século passado, alguns economistas elaboram o conceito de utilidade marginal e dele derivam a curva da demanda e suas propriedades. Tem-se que a utilidade total tende a aumentar quanto maior a quantidade consumida do bem ou serviço. Entretanto, a utilidade marginal, que é a satisfação adicional(na margem) obtida pelo consumo de mais uma unidade do bem, é decrescente, porque o consumidor vai perdendo a capacidade de percepção da utilidade proporcionada por mais uma unidade do bem, chegando a saturação.


Exemplo
exemplo o valor de uso do valor de troca de um bem.

  • Água é mais importante e mais barato. (utilidade marginal)

  • Diamante menos importante, mais caro.(utilidade total)

  • Primeiro copo d ‘agua cheio (alta satisfação)

  • A partir do terceiro o grau de satisfação vai caindo ate chegar a saturação.

  • Quanto mais diamante maior o grau de satisfação.


Demanda de mercado
Demanda de mercado o valor de uso do valor de troca de um bem.

  • A demanda ou procura pode ser definida como a quantidade de certo bem ou serviço que os consumidores desejam adquirir em determinado período de tempo.


... o valor de uso do valor de troca de um bem.

  • A demanda depende de variáveis que influenciam a escolha do consumidor. São elas: o preço do bem ou serviço, o preço dos outros bens, a renda do consumidor e o gosto ou preferência do indivíduo. Para estudar-se a influencia isolada dessas variáveis utiliza-se a hipótese do coeteris paribus, ou seja, considera-se cada uma dessas variáveis afetando separadamente as decisões do consumidor.


Pre o e quantidade
Preço e quantidade o valor de uso do valor de troca de um bem.

  • Há uma relação inversamente proporcional entre a quantidade procurada e o preço do bem, coeteris paribus. É a chamada lei geral da demanda.


Curva de procura demanda
Curva de procura(demanda) o valor de uso do valor de troca de um bem.

  • A curva inclina-se de cima para baixo, no sentido da esquerda para direita, refletindo o fato de que a quantidade procurada de determinado produto varia inversamente com relação a seu preço, coeteris paribus.


Qd f p
Qd o valor de uso do valor de troca de um bem. =f(P)

  • Matematicamente, a relação entre a quantidade demandada Qd é uma função f do preço P, isto é, depende do preço p.


Outras vari veis que afetam a demanda de um bem
Outras variáveis que afetam a demanda de um bem. o valor de uso do valor de troca de um bem.

  • A demanda de uma mercadoria não é influenciada apenas por seu preço. Existe uma série de outras variáveis que também afetam a procura.



Bem normal
Bem normal pela renda dos consumidores, pelo preço dos bens substitutos(ou concorrentes), pelo preço dos bens complementares e pelas preferências ou hábitos dos consumidores.

  • Se a renda dos consumidores aumenta e a demanda do produto também.


Bem inferior
Bem inferior pela renda dos consumidores, pelo preço dos bens substitutos(ou concorrentes), pelo preço dos bens complementares e pelas preferências ou hábitos dos consumidores.

  • A demanda por esses bens, varia em sentido inverso às variações da renda; por exemplo, se o consumidor fica mais rico, diminuirá o consumo de carne de segunda e aumentará o consumo de carne de primeira.


Bens superiores ou de luxo
Bens superiores ou de luxo pela renda dos consumidores, pelo preço dos bens substitutos(ou concorrentes), pelo preço dos bens complementares e pelas preferências ou hábitos dos consumidores.

  • Se o consumidor ficar mais rico, demandará mais produtos de maior qualidade.


Bens de consumo saciado
Bens de consumo saciado pela renda dos consumidores, pelo preço dos bens substitutos(ou concorrentes), pelo preço dos bens complementares e pelas preferências ou hábitos dos consumidores.

  • Quando a demanda do bem não é influenciada pela renda dos consumidores.

  • Ex: arroz, farinha, sal.


Coeteris paribus
Coeteris paribus pela renda dos consumidores, pelo preço dos bens substitutos(ou concorrentes), pelo preço dos bens complementares e pelas preferências ou hábitos dos consumidores.

  • A demanda de uma bem ou serviço também pode ser influenciada pelos preços de outros bens e serviços.

  • Quando há uma relação direta entre preço de um bem e quantidade de outro, coeteris paribus, eles são chamados de bens substitutos ou concorrentes, ou ainda sucedâneos.


Bens complementares
Bens complementares pela renda dos consumidores, pelo preço dos bens substitutos(ou concorrentes), pelo preço dos bens complementares e pelas preferências ou hábitos dos consumidores.

  • O aumento no preço da carne deve elevar a demanda de peixe, tudo o mais constante. Quando há uma relação inversa entre o preço de um bem e a demanda de outro.

  • Ex: preço de carros x gasolina

  • Gravata x camisa social


Bem de giffen
Bem de Giffen pela renda dos consumidores, pelo preço dos bens substitutos(ou concorrentes), pelo preço dos bens complementares e pelas preferências ou hábitos dos consumidores.

  • Exceção à lei da demanda: com o aumento relativo do seu poder aquisitivo, as pessoas reduzem o consumo e demandam outros.

  • Marca de grife que passa a ser comum.

  • Carros de luxo (quanto mais caro e tradicional mais desejado ele fica).


ad