Análise e Projetos de Sistemas
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 38

Análise e Projetos de Sistemas Modelagem de Dados - I Prof. Jorge Manuel Lage Fernandes PowerPoint PPT Presentation


  • 43 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Análise e Projetos de Sistemas Modelagem de Dados - I Prof. Jorge Manuel Lage Fernandes. An á lise Estruturada de Sistemas. Conjunto de técnicas e ferramentas cujo objetivo é auxiliar na análise e definição de sistemas

Download Presentation

Análise e Projetos de Sistemas Modelagem de Dados - I Prof. Jorge Manuel Lage Fernandes

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


An lise e projetos de sistemas modelagem de dados i prof jorge manuel lage fernandes

Análise e Projetos de Sistemas

Modelagem de Dados - I

Prof. Jorge Manuel Lage Fernandes


An lise estruturada de sistemas

Análise Estruturada de Sistemas

  • Conjunto de técnicas e ferramentas cujo objetivo é auxiliar na análise e definição de sistemas

  • Conceito fundamental  construção de um modelo do sistema utilizando técnicas gráficas

  • A metodologia envolve a construção “top-down” do sistema por refinamentos sucessivos

  • Não é um método único aplicado constantemente por todos que a usam 

  • Foi e ainda é um método de modelagem de requisitos amplamente usado 


An lise estruturada

Análise Estruturada

  • Diferença entre Análise e Desenho

  • Ferramentas de Análise

    • Modelos

      • Diagramas, textos

  • Análise orientada a objetos

    • Centrada em casos de uso

  • Análise Estruturada


An lise estruturada1

Análise Estruturada

  • Modelos desempenham são fundamentais

    • Exemplos

      • Partituras musicais

        • Representação abstrata de uma música

      • Mapas

        • Representação abstrata de uma área geográfica

      • Fluxogramas

        • Representação abstrata de um conjunto de tarefas

    • Porque modelos são importantes?


An lise estruturada2

Análise Estruturada


An lise estruturada3

Análise Estruturada

  • Modelos para análise estruturada

    • Refletem diretamente linguagens estruturadas

      • Separação entre dados e funcionalidades

        • Registros (dados)

        • Funcionalidades (procedimentos e funções)

    • Modelos

      • Diagrama de fluxo de dados – DFD

      • Diagramas entidade relacionamento - DER

      • Dicionário de dados - DD


Modelo comportamental

Modelo Comportamental

  • Representa o comportamento do sistema.

  • O modelo comportamental é constituído basicamente de DFD e D.D.:

Modelo Comportamental

DFD

DD


An lise e projetos de sistemas modelagem de dados i prof jorge manuel lage fernandes

Abstração da Realidade


Dicion rio de dados

Dicionário de Dados

• Descrevendo o significado dos fluxos e depósitos mostrados nos diagramas de fluxo de dados.

• Descrevendo a composição de pacotes agregados de dados que se movimentam pelos fluxos.

• Descrevendo a composição dos pacotes de dados nos depósitos.

• Especificando os relevantes valores e unidades de partes elementares de informações dos fluxos de dados e depósitos de dados.

• Descrevendo os detalhes dos relacionamentos entre os depósitos realçados em um diagrama de entidades-relacionamentos.


Necessidade da nota o de dd

Necessidade da notação de DD

• Os elementos de dados complexos são

definidos em termos de elementos de dados

mais simples.

• Elementos de dados simples são definidos em termos das unidades válidas e dos valores que eles podem assumir.

• Necessidade de uma notação concisa e

compacta.


Nota o do dicion rio de dados

Notação do Dicionário de Dados

=é composto de

+e

( )opcional (pode estar presente ou ausente)

{ }iteração

[ ]escolha uma das opções alternativas

**comentário

@identificador (campo chaves) de um depósito

|separa opções alternativas na construção [ ]


Exemplo

Exemplo

nome = título-cortesia +

primeiro-nome +

(nome-intermediário) +

último-nome

Título-cortesia = [Sr.|Srta.|Sra.|Dr.|Prof.]

Primeiro-nome = {caractere-válido}

Nome-intermediário = {caractere-válido}

Último-nome = {caractere-válido}

Caracter-válido = [A-Z|a-z|0-9|’|-| |]


Defini es

Definições

• Uma definição de elemento de dados é

apresentada com o símbolo “=” (“definido como”

ou “é composto de” ou “significa”)

• Então, a notação A = B + C pode ser lida como:

– Sempre que dissermos A, queremos dizer B e C.

– A compõe-se de B e C.

– A é definido como B e C.


Diagramas de fluxo de dados dfd

Diagramas de Fluxo de Dados (DFD)

  • Técnica gráfica que descreve o fluxo de informaçãoe as transformações que são aplicadas à medida que os dados se movimentam da entrada para a saída

  • Um sistema baseado em computador é representado como uma transformação de informação

  • Um DFD pode ser entendido como uma rede que ilustra como circulam os dados no interior de um sistema.


An lise estruturada dfd

Análise Estruturada - DFD

  • DFD’s são compostos por...

    • Processos

      • Representado por um círculo, oval...

        • Possui um nome associado

          • Nome: verbo mais objeto associado

      • Representa uma tarefa a ser realizada

      • Exemplos de processos

Calcular

Salário

Receber

Pedidos

Atualizar

Saldo


An lise estruturada dfd1

Análise Estruturada - DFD

  • Fluxo

    • Representado por uma seta que...

      • Entra ou sai de um determinado processo.

    • Representa como dados fluem entre processos

    • Rotulados com o tipo da informação que levam

    • Exemplos

Atualizar

Saldo

Valor do Saque

Ler Valor

Saque


An lise e projetos de sistemas modelagem de dados i prof jorge manuel lage fernandes

Análise Estruturada - DFD

  • Fluxos

    • Tipos de fluxo

      • Entrada

      • Saída

      • Diálogo

      • Divergente

    • Exemplos

      • Entrada

Atualizar

Saldo

Valor do Saque


An lise e projetos de sistemas modelagem de dados i prof jorge manuel lage fernandes

  • Fluxos

    • Tipos de fluxos

      • Saída

Valor do Saque

Ler Valor

Saque

  • Diálogo

Consulta-Situação

Verificar

Situação

Verificar

Pedido

Resposta-sobre-situação


An lise e projetos de sistemas modelagem de dados i prof jorge manuel lage fernandes

Verificar

Rua

  • Fluxos

    • Tipos de fluxos

      • Divergentes

Rua

Verificar

Cidade

Cidade

Endereço do

cliente

Verificar

CEP

CEP


An lise e projetos de sistemas modelagem de dados i prof jorge manuel lage fernandes

Análise Estruturada - DFD

  • Depósito

    • Representa um conjunto de dados armazenado

    • Nome: Plural do valor armazenado

    • Tipos

      • Necessário

      • Implementação

    • Exemplo

Pedidos

Clientes


An lise e projetos de sistemas modelagem de dados i prof jorge manuel lage fernandes

Análise Estruturada - DFD

  • Terminador

    • Representam entidades externas ao sistema

    • Exemplos

      • Usuários

      • Outros sistemas

Sistema

Contábil

Balconista


D f d diagrama de fluxo de dados

D.F.D. – Diagrama de Fluxo de dados

Quadrado duplo = Entidade Externa/Origem ou destino de Dados.

Retângulo com cantos arredondados = Processo que transforma o Fluxo dos Dados.

Elipse = Processo que transforma o Fluxo dos Dados.

Retângulo aberto = Depósito de Dados

Seta ou vetor = Fluxo de Dados


An lise estruturada dfd2

Análise Estruturada - DFD


Diretrizes b sicas

Diretrizes Básicas

1) O DFD de nível 0 deve descrever o software como uma única bolha

2)O input e o output iniciais devem ser cuidadosamente anotados

3)O refinamento deve iniciar-se isolando-se possíveis processos, itens de dados e depósitos de dados a serem representados no próximo nível

4)Todas as setas e bolhas devem ser rotuladas com nomes significativos

5)A continuidade do fluxo de informação deve ser mantida de nível em nível.

6)Deve ser refinada uma bolha de cada vez.


An lise e projetos de sistemas modelagem de dados i prof jorge manuel lage fernandes

ESTRUTURA HIERÁRQUICA

DIAGRAMA DE CONTEXTO

VISÃO GERAL DO PROJETO

DIAGRAMA DETALHADO

1. 1

1. 2

2. 2

3. 2

1. 3

2. 1

3. 1

DESCR.

PROCESSO

1. 1

DESCR.

PROCESSO

1. 2

DESCR.

PROCESSO

1. 3

DESCR.

PROCESSO

2. 1

DESCR.

PROCESSO

2. 2

DESCR.

PROCESSO

3. 1

DESCR.

PROCESSO

3. 2

9


Exemplo cadastro de empresas

Exemplo – Cadastro de Empresas


Dfd n vel 0 diagrama de contexto

DFD nível 0 – Diagrama de Contexto


Dfd n vel 1

DFD Nível 1


Dfd n vel 2 explos o do processo p1

DFD Nível 2 – Explosão do Processo P1


Exemplo sistema para hotel

Exemplo: Sistema para hotel

  • Exemplo: Software para um hotel

    • Requisitos

      • Clientes podem reservar e cancelar reservas

      • Cancelar reserva caso cliente não venha

      • Registrar um cliente que fez uma reserva

      • Totalizar a conta de um cliente

      • Liberar o quarto para novas reservas após a saída


Exemplo sistema para hotel1

Exemplo – Sistema para hotel

  • Eventos

    • Cliente reserva/ou cancela um quarto

    • Cliente registra-se no hotel

    • Cliente dá saída no hotel

    • Cliente paga a conta

    • Sistema libera o quarto


Exemplo diagrama de contexto

Exemplo – Diagrama de contexto


Refinamento do fluxo de informa o

A

B

F

f6

V

f2

Z2

X

Z1

A

f7

Z

f1

f4

B

Z3

Y

f5

W

f3

X2

X

X1

Z

f41

f43

f45

Y2

Y1

Y

f42

f44

Refinamento doFluxo de Informação

O DFD de nível 0 é dividido em partições para revelar mais detalhes. A continuidade do fluxo de informação deve ser mantida


Dfd de n vel 0

DFD de Nível 0


Refinamento do processo p1

Refinamento do processo P1


Refinamento do processo p1 1

Refinamento do processo P1.1


An lise e projetos de sistemas modelagem de dados i prof jorge manuel lage fernandes

Razões clássicas para usar DFD, cf. (Aktas, 1987):

1. Ajudam o analista a:

  • Resumir a informação acerca de como funciona o sistema;

  • Compreender os componentes principais do sistema e a definir funções reutilizáveis;

  • Compreender as interdependências entre subsistemas;

  • Desenvolver eficientemente uma aplicação

    2. Um DFD é uma boa ferramenta de comunicação entre utilizadores e analistas. Esta comunicação é reconhecida como vital.

    3. Permite obter uma melhor estimativa dos recursos envolvidos no projeto global, em função dos recursos envolvidos em cada um dos processos.


Exerc cio

Exercício

  • Modelar um sistema utilizando:

    • Diagrama de Contexto

    • DFD Nível 0

    • DFD Nível 1

    • Sugestões de ferramentas:

      • Smartdraw

      • EDraw

      • MS Visio

      • Flowchart.com (aps_ace / aps_ace)


  • Login