Capital social semin rio porto alegre
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 21

Capital Social Seminário Porto Alegre PowerPoint PPT Presentation


  • 40 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Capital Social Seminário Porto Alegre. Resumo

Download Presentation

Capital Social Seminário Porto Alegre

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Capital social semin rio porto alegre

Capital SocialSeminário Porto Alegre


Capital social semin rio porto alegre

Resumo

Neste artigo, pretende-se apresentar as experiências de participação político-social que a população ijuiense empreendeu na estruturação da Cotrijuí e do Movimento Comunitário de Base (MCB), com o apoio ideológico e estrutural da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras (FAFI) no final da década de 1950 e início dos anos 60. A conjuntura político-econômica da época era de transformações, o que exigiu da elite política de Ijuí, bem como de uma ampla parcela da população, tomada de decisões efetivas na solução dos problemas locais.


Munic pio de iju localiza o

Município de Ijuí – Localização


Coloniza o funda o de iju

Colonização/fundação de Ijuí

  • Antes de 1890: indígenas (guaranis) e caboclos nativos

  • Depois de 1890: imigrantes (europeus) e descendentes de imigrantes das Colônias Velhas (São Leopoldo, Santa Cruz e Silveira Martins): italianos, alemães, poloneses, húngaros, austríacos, suecos, letos, espanhóis, libaneses e árabes, japoneses... (na época já se falavam dezenove idiomas na região, o que significava uma verdadeira “Babel” para a época) – O sermão do padre Cuber era repetido em quatro línguas diferentes (polonês, italiano, alemão e português)

  • A fundação da colônia: Ijuhy foi criada oficialmente em 19 de outubro de 1890


A evolu o da economia

A evolução da economia

1º Fase (antes de 1890): subsistência(agricultura antiga)

2º Fase (1900-1949): policulturas e industrialização(lavoura tradicional)

3º Fase (1950-1979): modernização(mecanização na agricultura, binômio trigo e soja, uso de insumos modernos e de alta produtividade (trator, automotriz), indústria voltada ao binômio trigo e soja, agricultura capitalista, cooperativismo rural (Cotrijui), êxodo rural e crescente população urbana) (crise do modelo a partir da década de 80)

4º Fase (1980-2005): prestações de serviçosEducação nos três níveis (CEAP, Coração de Jesus e UNIJUÍ) e Saúde (Hospitais de Caridade, UNIMED e Bom Pastor), Diversificação da agricultura (leite, peixe...)


O pib de iju

O PIB DE IJUÍ

(IBGE/2000)


Matrizes da cultura pol tica ijuiense

Matrizes da cultura política ijuiense

1º O coronelismo: 1912-1938 – características:

  • Absoluto domínio do coronel

  • Uso da violência contra desafetos e adversários

  • Manipulação das eleições (inscrições até a apuração)

  • Interligação de informações entre os coronéis da região

  • Ex. Antonio Soares de Barros (Cel. Dico) comerciante e chefe político municipal, pertencente ao Partido Republicano Rio-Grandense (PRR até 1933 e, PRL até 1937)

    2º Integralismo: 1933-1959 (camisas-verdes) movimento expressivo até a consolidação do trabalhismo, chegando a eleger Lothar Friedrich como prefeito, além de uma boa representação na Câmara de Vereadores (oposição política ao coronelismo)

    3º Trabalhismo (1945-até hoje) – o êxito das práticas populistas: educação, saúde, emprego e direitos trabalhistas aliado a um salário com bom poder aquisitivo... Beno Orlando Burmann


Experi ncias de empoderamento comunit rio

EXPERIÊNCIAS DE EMPODERAMENTO COMUNITÁRIO

A COTRIJUÍ

A Cotrijuí (Cooperativa Regional Tritícola Serrana Ltda) foi fundada em 1957 por um grupo de 16 granjeiros que começavam a investir na lavoura de larga escala, principalmente com a produção do trigo e da soja.[1] Telmo Rudi Frantz, ao estudar a Cotrijuí, dividiu-a em cinco períodos distintos: da fundação 1957 até 1962, o período da afirmação (instalação e infra-estrutura); de 1962 a 1966, o período da dificuldade financeira – crise da economia brasileira; de 1966 a 1973, o período da expansão inicial junto com o “milagre econômico brasileiro”; de 1973 a 1978, o período de maior expansão; e, por último, no início dos anos 80, a profunda crise[1] A Cotrijuí chegou a ser a maior cooperativa singular do Brasil (CORADINI e FREDERICQ, 1981, p.85).


Capital social semin rio porto alegre

O Movimento Comunitário de Base (MCB)

  • FAFI: criação e sustentação do MCB na região

  • Curso de extensão 400 a 500 pessoas participavam das palestras semanais (estudantes, profissionais liberais...)

  • Proposta de criação de alguma entidade no município:,Um verdadeiro exemplo de empoderamento comunitário, Ijuí viu florescer, no início dos anos 60, o (MCB), nascido da realidade da população local, a partir de ação de extensão extensionista da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ijuí (FAFI).

  • Contexto histórico: década de 50 empobrecimento – declínio da agricultura tradicional, êxodo rural; novos valores, novas idéias


Defini o de mcb

Definição de MCB

  • Lastreado na Encíclica Mater et Magister que prevê reformas moderadas na sociedade

  • Podemos definir o MCB como um modelo de trabalho comunitário construído com base na experiência religiosa dos capuchinhos e centrado na idéia da dignidade e valor da pessoa humana e na pedagogia do pequeno grupo e da participação. Nos grupos e associações - e nos demais momentos da vida -, as pessoas são estimuladas a reconhecerem-se, encontrarem-se e confrontarem-se como iguais.


N veis de interesse pelo mcb

Níveis de interesse pelo MCB

Figura elaborado pelo autor a partir da pesquisa de TRINDADE, 1970.


Intensidade de participa o no mcb

Intensidade de participação no MCB

Figura elaborado pelo autor a partir da pesquisa de TRINDADE, 1970.


Percep o da dire o da influ ncia do mcb

Percepção da direção da influência do MCB

Figura elaborado pelo autor a partir da pesquisa de TRINDADE, 1970.


Percep o do efeito da participa o no mcb

Percepção do efeito da participação no MCB

Figura elaborado pelo autor a partir da pesquisa de TRINDADE, 1970.


Finalidade do mcb

Finalidade do MCB

Figura elaborado pelo autor a partir da pesquisa de TRINDADE, 1970.


Avalia o da natureza do mcb

Avaliação da natureza do MCB

Figura elaborado pelo autor a partir da pesquisa de TRINDADE, 1970.


Meios para a solu o dos problemas locais

Meios para a solução dos problemas locais

Figura elaborado pelo autor a partir da pesquisa de TRINDADE, 1970.


Capital social semin rio porto alegre

ANTUNES, Paulo Bessa. Direito Ambiental. 2ed. Amplamente Reformulado. 14ª ed., Rio de Janeiro: Atlas, 2012.

Amaral, Diogo Freitas, Ciência Política, vol I ,Coimbra,1990 

AQUINO, Rubim Santos Leão de . et al. História das Sociedades Americanas. 7 ed. Rio de Janeiro: Record, 2000.

ARANHA, Maria Lúcia. Filosofando: Introdução á Filosofia. São Paulo: Moderna, 1993.

ARRUDA, José Jobson de A. e PILETTI, Nelson. Toda a História. 4 ed. São Paulo: Ática, 1996.ASCENSÃO, José de Oliveira. Breves Observações ao Projeto de Substitutivo da Lei de Direitos Autorais. Direito da Internet e da Sociedade da Informação. Rio de Janeiro: Ed. Forense, 2002.

BRANCO JR., Sérgio Vieira. Direitos Autorais na Internet e o Uso de Obras Alheias. Ed. Lúmen Júris, 2007.

BUZZI, Arcângelo. Introdução ao Pensar. Petrópolis; ed. Vozes, 1997.CAPEZ, Fernando. Curso de Direito Penal. V. 2, Parte Especial. 10. Ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

CERQUEIRA, João da Gama. “Tratado da Propriedade Industrial”, vol. II, parte II. Revista Forense: Rio de Janeiro, 1952.

CHAUÍ, Marilena. Convite á Filosofia. São Paulo,10ª. Ed.,Ática,1998.

COTRIM, Gilberto. História Global: Brasil e Geral. 6 ed. São Paulo: Saraiva, 2002.

CRETELLA JÚNIOR, José. Curso de Direito Administrativo. Rio de Janeiro: Forense, 2003.

DEON SETTE, MARLI T. Direito ambiental. Coordenadores: Marcelo Magalhães Peixoto e Sérgio Augusto Zampol

DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro: teoria das obrigações contratuais e extracontratuais. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 1998, v. 3.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. São Paulo: Atlas, 2005.

COELHO, Fábio Ulhoa. Curso de direito comercial. 6. ed. São Paulo: Saraiva, 2002, v. 1, 2 e 3.

REFERÊNCIAS


Capital social semin rio porto alegre

FERRAZ JUNIOR, Tercio Sampaio. Introdução ao Estudo do Direito: técnica, decisão, dominação. 6.ed. São Paulo: Atlas, 2008.

FIORILLO, Celso Antonio Pacheco. Curso de Direito Ambiental Brasileiro. 13ª ed., rev., atual. E compl. – São Paulo :Saraiva, 2012.

FRAGOSO, Heleno Cláudio. Lições de direito penal: especial. 11. ed. atual. por Fernando Fragoso. Rio de Janeiro : Forense, 2005.

GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil Brasileiro, vol I: Parte Geral. São Paulo: Saraiva, 2007

GAGLIANO, Plablo Stolze & PAMPLONA FILHO, Rodolfo. Novo curso de direito civil, v. 1 - 5 ed. São Paulo: Saraiva. 2004.

GRINOVER, Ada Pellegrini et al.Código Brasileiro de Defesa do Consumidor comentado pelos autores do anteprojeto. 8. ed. rev., ampl. e atual. Rio de Janeiro: FU, 2004.

JESUS, Damásio E. de. Direito Penal – V. 2 – Parte Especial dos Crimes Contra a Pessoa a dos Crimes Contra o Patrimônio. 30 ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

LAKATOS,  Eva Maria. Introdução à Sociologia. São Paulo: Atlas, 1997

LAKATOS, E. M. & MARCONI, M. A. Sociologia Geral. São Paulo: Atlas, 1999

MARQUES, Claudia Lima. Contratos no Código de Defesa do Consumidor: o novo regime das relações contratuais.4. ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: RT, 2004.

MARTINS FILHO, Ives Gandra da Silva. Manual de direito e processo do trabalho. 18.ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

MARTINS, Sérgio Pinto.Direito do Trabalho. 25.ed. São Paulo: Atlas, 2009.

MARTINS, Carlos Benedito.  O que é Sociologia.  Rio de Janeiro: Zahar, 1988

MEDAUAR, Odete. Direito Administrativo Moderno. São Paulo: RT, 2001.

MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. São Paulo: Malheiros, 1996.

MIRABETE, Julio Fabbrini. Processo penal. 18. ed. – São Paulo: Editora Atlas, 2006.

REFERÊNCIAS


Capital social semin rio porto alegre

MORAES, de Alexandre. Direito Constitucional. São Paulo: Atlas, 2004.

PEIXINHO, Manoel Messias. Os princípios da Constituição de 1988. Rio de Janeiro: Lúmen Júris, 2001.

Piçarra, Nuno, A separação dos poderes como doutrina e princípio constitucional: um contributo para o estudo das suas origens e evolução, Coimbra, Coimbra Editora, 1989 

NUCCI, Guilherme de Souza. Manual de processo penal e execução penal. 3. ed. – São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2007.

PEREIRA, Caio Mario da Silva. Instituições de direito civil, v.1. Rio de Janeiro: Forense. 2004.

POLETTI, Ronaldo. Introdução ao Direito. 4. ed., São Paulo: Saraiva, 2010..

PRADO, Luiz Regis. Curso de direito penal brasileiro. 11. ed. São Paulo : RT, 2007, v. 2.

REALE, Miguel. Lições Preliminares de Direito. 27.ed São Paulo: Saraiva, 2006.

REQUIÃO, Rubens. Curso de direito comercial. 8. ed. São Paulo: Saraiva, 1977, v. 1 e 2.

RUSSOMANO, Mozart Victor. Comentários à Consolidação das Leis do Trabalho. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2005.

SELL, Carlos Eduardo. Sociologia Clássica . Itajai: EdUnivali, 2002

VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito Civil (Parte Geral), v.1 – 3 ed. São Paulo: Atlas. 2003.

REFERÊNCIAS

ATENÇÃO

Parte deste material foi coletado na internet e não foi possível identificar a autoria. Este material se destina para fins de estudo e não se encontra completamente atualizado.


Capital social semin rio porto alegre

_________________Obrigado pela atenção!!

Acimarney C. S. Freitas – Advogado – OAB-BA Nº 30.553

Professor de Direito do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Bahia – IFBA – campus de Vitória da Conquista

Diretor do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Bahia – IFBA – campus de Brumado.

Bacharel em Teologia

Especialista em Direito Educacional - FTC

Especialista em Educação Profissional e de Jovens e Adultos - IFBA

Mestrando em Filosofia - UFSC

Email: [email protected]

Facebook: Ney Maximus

FIM


  • Login