Parnasianismo final de 1870 1922
Download
1 / 14

PARNASIANISMO (final de 1870 – 1922) - PowerPoint PPT Presentation


  • 93 Views
  • Uploaded on

PARNASIANISMO (final de 1870 – 1922). “A Arte pela Arte” “A Arte sobre a Arte”. CARACTERÍSTICAS. Cultivado na França e no Brasil, Apresenta:

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' PARNASIANISMO (final de 1870 – 1922)' - maxine


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
Parnasianismo final de 1870 1922

PARNASIANISMO(final de 1870 – 1922)

“A Arte pela Arte”

“A Arte sobre a Arte”


Caracter sticas
CARACTERÍSTICAS

  • Cultivado na França e no Brasil,

    Apresenta:

  • uma postura antirromântica, ou seja, uma espécie de reação contra os excessos emotivos do Romantismo,uma forma de negação ao individualismo ultrarromântico, considerado pouco objetivo e ridiculamente sentimental,

  • assuntos universais inspirados na Antiguidade Clássica e no Renascimento (fonte de inspiração) e também é uma espécie de oposição ao Romantismo, que era voltado ao medievalismo.

  • Valorização da objetividade temática, da impassibilidade e a impessoalidade, passam a encarar a poesia como um exercício da arte pela arte, ou seja, o culto à formana busca de atingir a perfeição.


  • Poesia com vocabulário refinado, geralmente na ordem indireta, que retrata episódios históricos, fenômenos da natureza e que descreve de forma prmenorizada objetos decorativos como vasos e bibelôs.

  • Devido ao conceito da arte pela arte, ou seja, a arte só serve para criar beleza, e do distanciamento dos problemas morais, sociais, políticos e religiosos essa poesia tornou-se fria e totalmente alienada.

  • Em total oposição ao amor espiritual e à mulher idealizada pelos Românticos, os Parnasianos cultivaram o amor mais carnal e a mulher passou a ser vista como um ser concreto. Vênus, a deusa da beleza na mitologia grega, por ser pagã, passou a ser considerada o modelo ideal da figura feminina.

  • Característica mais marcante é o culto à forma.


Alberto de oliveira 1857 1937

POESIA DESCRITIVA

IMPASSIVIDADE

O CULTO DA ARTE PELA ARTE

A EXALTAÇÃO DA ANTIGUIDADE CLÁSSICA

PERFEIÇÃO FORMAL

MÉTRICA RÍGIDA

LINGUAGEM EXTREMAMENTE TRABALHADA

ALBERTO DE OLIVEIRA(1857-1937)


Vaso ChinêsEstranho mimo aquele vaso! Vi-o, Casualmente, uma vez, de um perfumado Contador sobre o mármor luzidio, Entre um leque e o começo de um bordado.

Fino artista chinês, enamorado, Nele pusera o coração doentio Em rubras flores de um sutil lavrado, Na tinta ardente, de um calor sombrio.

Mas, talvez por contraste à desventura, Quem o sabe?... de um velho mandarim Também lá estava a singular figura.

Que arte em pintá-la! A gente acaso vendo-a, Sentia um não sei quê com aquele chim De olhos cortados à feição de amêndoa. Alberto de Oliveira


Vaso GregoEsta de áureos relevos, trabalhada De divas mãos, brilhante copa, um dia, Já de aos deuses servir como cansada, Vinda do Olimpo, a um novo deus servia.Era o poeta de Teos que o suspendiaEntão, e, ora repleta ora esvasada, A taça amiga aos dedos seus tinia, Toda de roxas pétalas colmada.Depois... Mas, o lavor da taça admira,Toca-a, e do ouvido aproximando-a, às bordasFinas hás de lhe ouvir, canora e doce, Ignota voz, qual se da antiga liraFosse a encantada música das cordas, Qual se essa voz de Anacreonte fosse. (Alberto de Oliveira


Raimundo correia 1859 1911

TEMAS TÍPICOS DA ESTÉTICA PARNASIANA: A NATUREZA, A PERFEIÇÃO FORMAL, A CULTURA CLÁSSICA

POESIA FILOSÓFICA, DE MEDITAÇÃO, MARCADA PELA DESILUSÃO E POR UM FORTE PESSIMISMO

RAIMUNDO CORREIA(1859 – 1911)


Mal secreto
MAL SECRETO PERFEIÇÃO FORMAL, A CULTURA CLÁSSICA

Se a cólera que espuma, a dor que moraN'alma, e destrói cada ilusão que nasce, Tudo o que punge, tudo o que devoraO coração, no rosto se estampasse;Se se pudesse, o espírito que chora,Ver através da máscara da face,Quanta gente, talvez, que inveja agoraNos causa, então piedade nos causasse!Quanta gente que ri, talvez, consigoGuarda um atroz, recôndito* inimigo,Como invisível chaga cancerosa!Quanta gente que ri, talvez existe,Cuja ventura única consisteEm parecer aos outros venturosa!"


As pombas
AS POMBAS PERFEIÇÃO FORMAL, A CULTURA CLÁSSICA

Vai-se a primeira pomba despertada...Vai-se outra mais...mais outra...enfim dezenasDe pombas vão-se dos pombais, apenasRaia sangüínea e fresca a madrugada...E à tarde, quando a rígida nortadaSopra, aos pombais de novo elas, serenas,Ruflando as asas, sacudindo as penas,Voltam todas em bando e em revoada...Também dos corações onde abotoam,Os sonhos, um por um, céleres voam,Como voam as pombas dos pombais;No azul da adolescência as asas soltam,Fogem...Mas aos pombais as pombas voltam,E eles aos corações não voltam mais...


Olavo bilac 1865 1918
OLAVO BILAC PERFEIÇÃO FORMAL, A CULTURA CLÁSSICA(1865-1918)

  • AUTOR DA LETRA DO HINO À BANDEIRA

  • TEMAS: O AMOR, O CULTO À PÁTRIA, A ADMIRAÇÃO PELO TRABALHO E PELO PROGRESSO, O CULTO AO SACRIFÍCIO E AO HEROÍSMO, A DOR DA SAUDADE, A TENTAÇÃO DO PECADO


L ngua portuguesa
LÍNGUA PORTUGUESA PERFEIÇÃO FORMAL, A CULTURA CLÁSSICA

Última flor do Lácio, inculta e bela, És, a um tempo, esplendor e sepultura: Ouro nativo, que na ganga impura A bruta mina entre os cascalhos vela...

Amo-te assim, desconhecida e obscura, Tuba de alto clangor, lira singela, Que tens o trom e o silvo da procela E o arrolo da saudade e da ternura! Amo o teu viço agreste e o teu aroma De virgens selvas e de oceano largo! Amo-te, ó rude e doloroso idioma, Em que da voz materna ouvi: "meu filho!" E em que Camões chorou, no exílio amargo, O gênio sem ventura e o amor sem brilho!


A um poeta
A UM POETA PERFEIÇÃO FORMAL, A CULTURA CLÁSSICA

Longe do estéril turbilhão da rua,Beneditino escreve! No aconchegoDo claustro, na paciência e no sossego,Trabalha e teima, e lima , e sofre, e sua!Mas que na forma se disfarce o empregoDo esforço: e trama viva se construaDe tal modo, que a imagem fique nuaRica mas sóbria, como um templo gregoNão se mostre na fábrica o suplicioDo mestre. E natural, o efeito agradeSem lembrar os andaimes do edifício:Porque a Beleza, gêmea da VerdadeArte pura, inimiga do artifício,É a força e a graça na simplicidade.


Ora direis ouvir estrelas
Ora (direis) ouvir estrelas! PERFEIÇÃO FORMAL, A CULTURA CLÁSSICA

XIII "Ora (direis) ouvir estrelas! Certo Perdeste o senso!" E eu vos direi, no entanto, Que, para ouvi-Ias, muita vez desperto E abro as janelas, pálido de espanto ... E conversamos toda a noite, enquanto A via láctea, como um pálio aberto, Cintila. E, ao vir do sol, saudoso e em pranto, Inda as procuro pelo céu deserto. Direis agora: "Tresloucado amigo! Que conversas com elas? Que sentido Tem o que dizem, quando estão contigo?" E eu vos direi: "Amai para entendê-las! Pois só quem ama pode ter ouvido Capaz de ouvir e de entender estrelas."


Fontes
FONTES PERFEIÇÃO FORMAL, A CULTURA CLÁSSICA

  • PEREIRA & PELACHIN, Helena Bonito e Marcia Maisa. Português Na trama do texto. Ensino Médio. Ed. FTD

  • TERRA, ERNANI. Português para o Ensino Médio. Vol. Único. Ed. Scipione

  • Imagens: www.macusp.com.br


ad