Universidade Estadual de Maringá
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 63

Acadêmicas: Aline A. S. Vila Real ra :59782 PowerPoint PPT Presentation


  • 37 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Universidade Estadual de Maringá Departamento de Odontologia Fundamentos Pré-Clínicos V – Terapêutica Microbiota Oral. Acadêmicas: Aline A. S. Vila Real ra :59782 Camila M. Burbello ra :58985 Mariana S. Boleta ra :60108

Download Presentation

Acadêmicas: Aline A. S. Vila Real ra :59782

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Acad micas aline a s vila real ra 59782

Universidade Estadual de MaringáDepartamento de OdontologiaFundamentos Pré-Clínicos V – TerapêuticaMicrobiota Oral

Acadêmicas: Aline A. S. Vila Real ra:59782

Camila M. Burbellora:58985

Mariana S. Boleta ra:60108

Prof.Dr.: Gustavo JacobucciFarah


Introdu o

Introdução

  • Crianças desde as primeiras horas de vida adquirem uma série de M.O. que vão compor a microbiota bucal indígena;

  • Cavidade oral: uma das principais áreas de interações microbianas – grande variedade e quantidade de M.O. que nela habita, bem como pelas suas características anatômicas e fisiológicas.


  • Introdu o1

    Introdução

    • Interação dinâmica

      M.O. Hospedeiro

      Simbiose ou antibiose.

    • Contato diário dos M.O. com a boca;

    • M.O. permanecem inconstantes na cavidade oral:

      • Presença ou ausência de dentes;

      • Infecções orais;

      • Administrações de algumas drogas.


    Introdu o2

    Introdução

    • Cada tipo bacteriano habita determinado compartimento da boca .

    • Os principais nichos da microbiota:

      • Superfície coronária dos dentes;

      • Membranas Mucosas;

      • Saliva;

      • Dorso da língua;

      • Sulco Gengival.


    Cocos gram positivos

    Cocos Gram-positivos

    • Enterococcus;

    • Staphylococcus;

    • Micrococcus;

    • Peptostreptococcus;

    • Peptococcus;

    • Streptococcus:

      • S. Viridans;

      • S. Salivarius;

      • S. Sanguis;

      • S. Mutans;

      • S. Mitis;

      • S. Milleri;

      • S. Oralis;

      • S. Gordonii;

      • S. Vestibularis;

      • S. Pyogenes;

      • S. Pneumoniae;


    Classifica o dos streptococcus

    Classificação dos Streptococcus

    • S. Viridans;

    • S. Salivarius;

    • S. Sanguis;

    • S. Mutans;

    • S. Mitis;

    • S. Milleri;

    • S. Oralis;

    • S. Gordonii;

    • S. Vestibularis;

    • S. Pyogenes;

    • S. Pneumoniae;


    Cocos gram positivos1

    Cocos Gram-positivos

    • Streptococcus

      • Aeróbicos facultativos.

      • Predomina na cavidade oral desde o nascimento até a morte do indivíduo;

      • Também estão presentes no intestino, pele ou trato respiratório superior.


    Cocos gram positivos2

    Cocos Gram-Positivos

    • Streptococcus

      • Transmissão:

        • Por contato com outras pessoas (espirros e tosse) ou com objetos.

      • Cepas patogênicas de Streptococcus agrupadas de acordo com:

        • Comportamento;

        • Características químicas;

      • Cada grupo tende a produzir tipos específicos de infecções, sinais clínicos e sintomas.


    Cocos gram positivos3

    Cocos Gram-positivos

    • Streptococcusmutans:

      • Principal fator de desenvolvimento de cáries devido à produção de ácido láctico que desmineraliza o esmalte dentário - etapa inicial da doença cárie-(acidogênico e acidúrico).


    Cocos gram positivos4

    Cocos Gram-positivos

    • Streptococcusviridans

      • Maioria das espécies encontradas na cavidade oral;

      • S. viridanssão presentes nos dentes e podem causar abscessos dentários ou endocardite;


    Cocos gram positivos5

    Cocos Gram-positivos

    • Streptococcusviridans

      • Infecções orais:

        • Penicilina G:BENZETACIL®-1.200.000u dose única intramuscular. Dose pediátrica para crianças lactentes e crianças com menos ou até 27kg-300.000 a 600.000u como dose única intramuscular.

        • Penicilina V:PEN-VE-ORAL®posologia adulto - 125 a 500mg a cada 6 ou 8horas. Dose pedriátrica(até 12 anos) e lactantes:2,5 a 9,3mg/kg a cada 4horas.

        • Cefalosporina:CEFACLOR®posologia adulto-250 a 500mg a cada 8horas. Dose pediátrica e lactantes com mais de 1 mês-6,7 a 13,4mg/kg a cada 8 horas.

        • Eritromicina:ILOSONE®posologia adultos-250mg a cada 6 horas. Dose pediátrica-15 a 50 mg/kg a cada 12 horas.


    Cocos gram positivos6

    Cocos Gram-positivos

    • Streptococcussanguis

      • Encontrado no sangue de pacientes com endocardite bacteriana subaguda;

      • Espécie mais isoladas da placa dental: no início da formação e em superfícies dentárias não cariadas.


    Cocos gram positivos7

    Cocos Gram-positivos

    • Streptococcusmilleri

      • Colônias pequenas;

      • Tem sido isoladas de processos infecciosos purulentos na cavidade oral e de abscesso cerebrais e hepáticos;

        • Penicilina G(BENZETACIL®);

        • Penicilina V(PEN-VE-ORAL®);

        • Cefalosporina(CEFACLOR®);

        • Azitromicina:ASTRO®posologia adulto-500mg dia durante 3 a 5 dias. CONTRA-INDICADO:crianças menores de 3 anos.


    Cocos gram positivos8

    Cocos Gram-positivos

    • Streptococcuspyogenes

      • Não são encotrados na microbiota oral de indivíduos sadios;

      • Frequentemente associados a quadros infecciosos da orofaringe (faringite e amigdalite);

      • Possibilidade do isolamento do S. pyogenesem pacientes portadores assintomáticos – reservatórios – disseminação do M.O. para indivíduos susceptíveis às infecções;

        • Penicilina G benzatina (BENZETACIL®);

        • Penicilina V(PEN-VE-ORAL®,);

        • Cefalosporina(CEFACLOR®);

        • Eritromicina(ILOSONE®).


    Cocos gram positivos9

    Cocos Gram-positivos

    • Peptostreptococcus

      • Anaeróbicos estritos;

      • Espécie mais isolada na cavidade oral é o Peptostreptococcusanaerobius, principalmente na placa dental subgengival, em associação ou não com doença periodontal e de quadros de infecção endodôntica.

        • Penicilina G(BENZETACIL®);

        • Penicilina V(PEN-VE-ORAL®);

        • Cefalosporina(CEFACLOR®);

        • Azitromicina(ASTRO®).


    Cocos gram positivos10

    Cocos Gram-positivos

    • Staphylococcus

      • Aeróbios facultativos;

      • Não predominam cavidade oral de indivíduos sadios;

      • Colonizadores da pele e mucosa nasofaringe.


    Cocos gram positivos11

    Cocos Gram-positivos

    • Staphylococcus

      • S. aureusé considerado o Streptococcus mais patogênico – produz enzimas e toxinas, e tem maior resistência a agentes antimicrobianos;

      • Geralmente há reinfecção em áreas próximas – importância da assepsia local;

      • S. aureuspodem ser isolados de quadros de faringite, amigdalite, sinusite, osteomielite da face e abscessos dentários.


    Cocos gram positivos12

    Cocos Gram-positivos

    • Staphylococcus

      • Penicilase-negativo:

        • PeniciliaG (BENZETACIL®);

        • Penicilina V(PEN-VE-ORAL®);

        • Cefalosporia(CEFACLOR®);

      • Penicilinase-positivo:

        • Cefalosporia(CEFACLOR®);

        • Clindamicina(DALACIN-C®);

      • Meticilina-resistente:

        • VancomicinaCLORIDRATO DE VANCOMICINA®posologia adulto-500mg a cada 6 horas.


    Cocos gram negativos

    Cocos Gram-negativos

    • Neisseria

      • Aeróbicos;

      • Várias espécies colonizam, em baixa concentração, as mucosas do trato respiratório superior e da cavidade oral, incluindo o dorso da língua;


    Cocos gram negativos1

    Cocos Gram-negativos

    • Veillonella

      • Anaeróbios;

      • V. parvula e V. alcalescenscolonizam a mucosa do trato respiraório superior e as superfícies da cavidade oral, como:dorso da língua, saliva e sulco gengival;

        • Ampicilina:AMPICIL®-posologia adulto-250 a 500mg a cada 6 horas. Dose pediátrica:lactentes e crianças até 20kg-12,5mg/kg a cada 6 horas.


    Bastonetes gram positivos

    Bastonetes Gram-positivos

    • Lactobacillus

      • Geralmente anaeróbicos facultativos;

      • Espécies encontradas na cavidade oral:

        • Homofermentativas (produzem principalmente o ácido láctico):

        • L. casei

        • L. acidophilus

        • Heterofermentativas (produzem vários ácidos orgânicos, etanol e gás carbônico):

        • L. fermentum

        • L. cellobiosus

        • L. brevis

        • L. buchnerisão encontrados na cavidade oral.


    Bastonetes gram positivos1

    Bastonetes Gram-positivos

    • Lactobacillus

      • Acidogênicos (produtores de ácidos orgânicos) e acidúricos ( resistem ao nível de acidez) – importante papel na etiologia da cárie dentária, explicando a longa sobrevivência do L. cansei na dentina cariada;


    Bastonetes gram positivos2

    Bastonetes Gram-positivos

    • Actynomices

      • Anaeróbios facultativos;

      • A. israelli, A. viscosuse A. naeslundii:

        • Colonizadores primários da placa dental supragengival;

        • Potencial patogênico na cárie de superfície de raiz;

        • Doença periodontal;

        • Formação de abscessos na mucosa da cavidade oral, na lingua e na face;

        • Doença pulmonar.

      • Penicilina G(PEN-VE-ORAL®)

      • Ampicilina(AMPICIL®)


    Bastonetes gram positivos3

    Bastonetes Gram-positivos

    • Corynebacterium

      • Aeróbio facultativo;

      • Espécie mais significativa desse gênero para a cavidade oral é o C. matruchotii;

      • Frequentemente observados na microscopia da placa dental supragengival, revelando-se com o citoplasma calcificado durante o processo de formação do cálculo dentário.


    Bastonetes gram positivos4

    Bastonetes Gram-positivos

    • Eubacterium

      • Anaeróbios estritos;

      • Espécies mais encontradas na cavidade oral são: E. saburreume o E. alactolyticeumisolados com frequência a partir da placa dental supragentgival.


    Bastonetes gram negativos encontrados na cavidade oral

    Bastonetes Gram-negativosEncontrados na cavidade oral:

    • Porphyromonas;

    • Prevotella;

    • Haemophilus;

    • Eikenella;

    • Selenomonas;

    • Wolinella e

    • Campylobacter.


    Bastonetes gram negativos

    Bastonetes Gram-negativos

    • Fusobacterium

      • Anaeróbios;

      • Encontrados tanto na placa dental supragengival como na subgengival;

      • Espécie mais comum na cavidade oral é o F. nucleatum;

      • F. periodonticumtambém tem sido isolada na cavidade oral, geralmente associada à doença periodontal ou infecção endodôntica;

        • Penicilina G(BENZETACIL®);

        • Clindamicina:DALACIN-C®posologia adulto-600 a 900mg a cada 6/8horas.


    Bastonetes gram negativos1

    Bastonetes Gram-negativos

    • Leptotrichia

      • Anaeróbios;

      • A espécie mais encontrada na boca é L. buccalisisolada com freqüência na placa dental supra gengival.


    Bastonetes gram negativos2

    Bastonetes Gram-negativos

    • Bacteroides

      • Geralmente anaeróbios;

      • Variedades de habitats, incluindo o sulco gengival (placa dental subgengival), esgoto sanitário, trato intestinal e de secreções purulentas em diversas infecções humanas;

        • Penicilina G(BENZETACIL®);

        • Cloranfenicol(CLORANFENICOL®)posologia adulto-12,5mg/kg a cada 6 horas.

        • Clindamicina(DALACIN-SE®);


    Bastonetes gram negativos3

    Bastonetes Gram-negativos

    • Actinobacillus, Capnocytophaga

      • Aeróbias facultativas que habitam a mucosa oral;

      • A. actinomycetemcomitanse C. sputigena– muito estudadas por causa da relação etiologica com uma forma agressiva da D.P., a periodontite juvenil localizada e abcessos.

        • Tetraciclina (TETREX®) posologia adulto-250 a 500mg a cada 6 horas

        • Cloranfenicol(CLORANFENICOL®)posologia adulto-12,5mg/kg a cada 6 horas.


    Bastonetes gram negativos4

    Bastonetes Gram-negativos

    • Treponema

      • Aeróbios estritos;

      • Cavidade oral: T. denticola, T. macrodentium, T. socranskye T. vincentii - Espiroquetas;

      • Associação de T. denticola com evolução da D.P.;

      • Espécie patogênica: T. pallidum – ag etiológico da sifilis só encontrada na cavidade oral em indivíduos com lesões 1ª e 2ª.


    Acad micas aline a s vila real ra 59782

    • Além das bactérias outros M.O. podem ser encontrados na cavidade oral:

      • Leveduras – Candidaalbicans;

      • Protozoários – TrichomonastenaxeEntamoebagingivalis;

      • Vírus – participação questionável – transitórios, exceto vírus herpes: identificado na saliva de pequena percentagem de indivíduos assintomáticos;

      • Mycoplasma: 82,7% saliva;

        93,7% placa dental coronária;

        13,9% em lesões de cárie.


    Placa dental

    Placa Dental


    Placa dental supragengival

    Placa Dental Supragengival

    • Fase inicial: predominância de sp.aeróbicas;

    • Com o desenvolvimento da placa há um aumento da sua espessura, favorecendo a multiplicação de M.O. anaeróbios - bacilos Gram-negativos(áreas + profundas).


    Placa dental subgengival

    Placa Dental Subgengival

    • Sulco gengival sadio: Gram-positivos:

      • Streptococcus e Actinomyces

    • Gengivite: Gram-negativos:

      • Fusobacteriumnucleatum

    • Periodontite avançada: bacilos Gram-negativos e M.O espiralados anaeróbios:

      • Bacteroides, F. nucleatum e T. denticola


    Placa dental subgengival1

    Placa Dental Subgengival

    • A medida que a doença periodontal progride:

      • Cocos e Bacilos Gram-positivos

      • Bacilos Gram-negativos e M.O. espiralados.


    Principais m o envolvidos no desenvolvimento dos diferentes tipos de les es de c rie

    Principais M.O. envolvidos no desenvolvimento dos diferentes tipos de lesões de cárie


    Influ ncia da microbiota e dieta dos pais na determina o do risco de c rie na crian a

    Influência da microbiota e dieta dos pais na determinação do risco de cárie na criança


    Agress o microbiana e doen a periodontal

    Agressãomicrobiana e doença periodontal

    • NÃO existedoença periodontal de naturezainflamatóriasem a presença de m.o.;

    • Principal fonte: complexamicrobiotadacavidade oral, principalmente a do sulcogengival;


    Acad micas aline a s vila real ra 59782

    • Evidênciasdaimportância dos m.o. nasalteraçõesperiodontais:

      • Supressão de habitos de higiene oral aumenta a concentraçãomicrobiananamargem e sulcosgengivais – gengivite;

      • Os sinais e sintomasda GUNA –gengiviteulcerativanecrozanteaguda- sãoatenuados com administração de antibióticoscomopenicilina,tetraciclinaoumetronidazol.


    Acad micas aline a s vila real ra 59782

    • Loe et. Al. demonstraram a participaçãodaplacabacteriananadoença periodontal:

      1º)Rigorosaprofilaxiadentária;

      2º)Abandono de recursos de higiene oral por 21 dias.

      3°)Acompanhamentodaformação de placanamargemgengivalatravés de bacterioscopia

      *Resultado: depósitoconstituídoprincipalmenteporcocos e célulasdescamadas e algunsbacilos Gram-positivosformasfilamentosas formasespiraladas e vibriões  GENGIVITE


    Participa o microbiana nas infec es da polpa dental e do peri pice

    Participaçãomicrobiananasinfecçõesdapolpa dental e do periápice.

    células

    substância fundamental

    Polpa dental fibras

    vasossanguíneos e linfáticos

    nervos


    Acad micas aline a s vila real ra 59782

    Esterilidadeemcondiçõesnormais

    fatoresfísicos,químicos e biológicos

    Contaminação e proliferaçãomicrobiana


    Acad micas aline a s vila real ra 59782

    • Vias de acesso dos M.O. a polpa dental e aoperiápice

      • trauma,intervenções,cáries;

      • Canalículos de dentinacortadaoucariada;

      • Sulcogengival –ligamento periodontal;

      • Dentesadjacentesinfectados;

      • Correntesanguínea –bacteriemiaou septicemia


    Refer ncias bibliogr ficas

    Referências Bibliográficas

    • Neidle, E. A. et al. Farmacologia e Terapêutica para dentistas. Ed Guanabara Koogan, 3ª edição p. 412-446.

    • Vade-mércum de medicamentos. 14ª ed, 2008/2009

    • Uzeda, M. Microbiologia Oral. Ed Guanabara Koogan, 2002, 126p.


    Obrigada

    Obrigada!


  • Login