Pneumonia adquirida na comunidade - Rotina
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 20

Natália Silva Bastos Ribas R1 pediatria/HRAS Orientador: Dr. Fabrício Monteiro www.paulomargotto.com.br Brasília, 22/1/2010 PowerPoint PPT Presentation


  • 92 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Pneumonia adquirida na comunidade - Rotina. Natália Silva Bastos Ribas R1 pediatria/HRAS Orientador: Dr. Fabrício Monteiro www.paulomargotto.com.br Brasília, 22/1/2010. Conceito . Quadro infeccioso que acomete o trato respiratório inferior. Fatores de risco . Desnutrição

Download Presentation

Natália Silva Bastos Ribas R1 pediatria/HRAS Orientador: Dr. Fabrício Monteiro www.paulomargotto.com.br Brasília, 22/1/2010

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Pneumonia na inf

Pneumonia adquirida na comunidade - Rotina

Natália Silva Bastos Ribas

R1 pediatria/HRAS

Orientador: Dr. Fabrício Monteiro

www.paulomargotto.com.br

Brasília, 22/1/2010


Conceito

Conceito

  • Quadro infeccioso que acomete o trato respiratório inferior.


Fatores de risco

Fatores de risco

  • Desnutrição

  • Baixo peso ao nascer

  • Idade

  • Permanência em creche

  • Pneumonias prévias

  • Baixa imunidade

  • Ausência de aleitamento materno

  • Variáveis ambientais

  • Baixo nível sócio-econômico

  • Outros


Etiologia

Etiologia


Etiologia1

Etiologia


Quadro cl nico

Quadro clínico

  • Precedida por um quadro de infecção viral alta

  • Taquipnéia fora do período febril

    • < 2 meses: FR>60 irpm

    • 2 a 12 meses: FR> 50 irpm

    • 1 a 5 anos: FR > 40 irpm

  • Desconforto respiratório

    • Tiragens

    • Batimento de asa de nariz

    • Retração de fúrcula

    • Uso de musculatura acessória


Quadro cl nico1

Quadro clínico

  • Bacteriana: tosse produtiva, febre alta, dor abdominal ou torácica, prostração, hiporexia.

  • Viral: início mais gradativo com cefaléia, mal estar, tosse não produtiva e febre.

    Atenção: Pneumonia afebril do lactente: instalação insidiosa, iniciando com coriza ou obstrução nasal, seguido por tosse, às vezes com paroxismos de aspecto coqueluchoide, taquipnéia leve ou moderada e preservação do estado geral (< 3 meses ).


Indica o de hospitaliza o

Indicação de hospitalização

  • < 2 meses: internar sempre.

  • Sat O2 < 92%, cianose.

  • Falha da terapêutica ambulatorial.

  • Dificuldade respiratória.

  • Apnéia intermitente.

  • Impossibilidade de se alimentar.

  • Doença grave concomitante.

  • Incapacidade da família em tratar o paciente em domicílio.

  • Sinal radiológico de gravidade.


Investiga o radiol gica

Investigação radiológica

  • Rx de torax:

    -confirma diagnóstico, avalia extensão e identifica complicações,

    -baixa acurácia para identificar etiologia,

    -não deve ser feito para controle de cura.


Investiga o laboratorial

Investigação laboratorial

  • Hemograma:

    -indicado se o paciente ficar internado.

  • PCR:

    -não é recomendado como rotina.

  • Hemocultura:

    -recomenda se em todos os pacientes internados.


Conduta geral

Conduta geral


Pneumonia na inf

  • O2 inalatório se:

  • tiragem subcostal grave,

  • taquipnéia,

  • gemência,

  • cianose central,

  • incapacidade de deglutição pela dificuldade respiratória,

  • SatO2< 92%.


Pneumonia na inf

  • Hidratação venosa no menor volume possível.

  • Cabeceira elevada.

  • Controle de temperatura, SatO2 e FR.


Tratamento

Tratamento

  • Ambulatorial:

  • cuidados gerais,

  • posologia correta do antibiótico,

  • antitérmicos,

  • Alimentação,

  • observar sinais de piora.


Tratamento domiciliar

Tratamento - domiciliar


Tratamento hospitalar

Tratamento - hospitalar


Complica es

Complicações

  • Derrame pleural (mais frequente).

  • Deve ser investigado quando há falha terapêutica após 48-72h de tratamento adequado.

  • Toracocentese indicada quando coleção maior que 10mm no Rx de torax em Laurell e enviar material para estudo.

  • Drenagem se empiema ou derrame pleural complicado.


Pneumonia na inf

  • Pneumatocele

  • Abscesso pulmonar


Crit rios de alta

Critérios de alta

  • Eupnéico.

  • Condições socioeconômicas adequadas.

  • Aceitando medicação oral.

  • Afebril há 48h.

  • SatO2 >92%.


Obrigada

Obrigada.


  • Login