Meios de transmiss o item 2 2 tanenbaum cap 3 stallings
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 35

MEIOS DE TRANSMISSÃO Item 2.2 – Tanenbaum Cap. 3 – Stallings PowerPoint PPT Presentation


  • 112 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

MEIOS DE TRANSMISSÃO Item 2.2 – Tanenbaum Cap. 3 – Stallings. Profª Angélica da Silva Nunes. CONCEITOS. qualidade na transmissão: meio de transmissão características do sinal meios de transmissão: guiados: meio sólido - o próprio meio determina o limite da capacidade de transmissão

Download Presentation

MEIOS DE TRANSMISSÃO Item 2.2 – Tanenbaum Cap. 3 – Stallings

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Meios de transmiss o item 2 2 tanenbaum cap 3 stallings

MEIOS DE TRANSMISSÃOItem 2.2 – TanenbaumCap. 3 – Stallings

Profª Angélica da Silva Nunes


Conceitos

CONCEITOS

  • qualidade na transmissão:

    • meio de transmissão

    • características do sinal

  • meios de transmissão:

    • guiados: meio sólido - o próprio meio determina o limite da capacidade de transmissão

    • não guiados: meio não sólido - largura de banda do sinal emitido pela antena determina o limite da capacidade de transmissão

  • escolha do meio de transmissão:

    • taxa de dados

    • distância física


Exemplos de meios de transmiss o

EXEMPLOS DE MEIOS DE TRANSMISSÃO

  • meios de transmissão guiados (com fio)

    • par trançado

    • cabo coaxial

    • fibra óptica

  • meios de transmissão não guiados (sem fio)

    • microondas terrestres

    • microondas por satélite

    • ondas de rádio

    • infravermelho

    • bluetooth


Espectro eletromagn tico

ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO


Meios de transmiss o guiados

MEIOS DE TRANSMISSÃO GUIADOS


Cabeamento estruturado

CABEAMENTO ESTRUTURADO

  • definição: é um sistema aberto que permite a transmissão de qualquer serviço de comunicação através de um único sistema de cabeamento universal

  • primeiros sistemas proprietários:

    • IBM AS400 TWINAX 100 Ohm

    • ARCnet RG 62 Coaxial 93 Ohm

    • IBM3270 RG 62 Coaxial 93 Ohm

    • ETHERNET RG 58 Coaxial 50 Ohm

    • WANG RG 59 Coax Dual 75 Ohm


Por que cabeamento estruturado

POR QUECABEAMENTO ESTRUTURADO?

  • flexibilidade

  • suporte a diversos padrões de comunicação

  • melhoria do desempenho

  • mudanças, alterações e ampliações são feitas rapidamente


Normas

NORMAS

  • TIA/EIA 568 A: instalação de cabeamento de telecomunicações em edifícios comerciais

  • TIA/EIA 569 A: instalação de infra estrutura em edifícios comerciais

  • TIA/EIA 570-A: instalação de cabeamento de telecomunicações em edifícios residenciais e comerciais de pequeno porte

  • TIA/EIA 606: administração da infra-estrutura em edifícios comerciais

  • TIA/EIA 607: aterramentos e ligações p/ telecomunicações em edifícios comerciais

  • NBR 14565: procedimentos básicos para elaboração de projetos de cabeamento de telecomunicações para rede interna estruturada


Custo vs performance do cabo no sistema

CUSTO vs. PERFORMANCE DO CABO NO SISTEMA

  • custo de um projeto

    • 65% hardware

    • 15% software

    • 20% cabeamento estruturado

      • instalação

      • cabo

  • performance do sistema

    • 87% dos problemas existentes nas redes se originam no sistema de cabeamento.

    • problemas nos cabos e conectores

      • instalações deficientes

      • cabos de baixa qualidade


Caracter sticas dos cabos

CARACTERÍSTICAS DOS CABOS

  • atenuação: decibéis por quilômetro(dB/km)

  • intervalo de freqüência: hertz (Hz)

  • atraso: microsegundo por kilômetro (s/km)

  • taxa de dados: bits por segundo (bps)

  • distância dos repetidores: quilômetros (km)

  • diafonia (crosstalk) : decibéis (dB)

  • impedância: ohm ()


Cabo de par tran ado

CABO DE PAR TRANÇADO


Cabo de par tran ado1

CABO DE PAR TRANÇADO

  • mais barato e mais comum

  • dois pares de fios de cobre trançados em espiral

  • o trançamento é usado para evitar diafonia

  • podem conter vários pares de cabos

maior distância do trançamento – mais sujeito a diafonia

menor distância do trançamento – menos sujeito a diafonia


Par tran ado blindado stp e n o blindado utp

PAR TRANÇADO BLINDADO(STP) E NÃO-BLINDADO (UTP)

  • par trançado não-blindado (UTP)

    • fiação telefônica ordinária

    • baixo custo

    • fácil instalação – flexível

    • sujeito à interferência eletromagnética

  • par trançado blindado (STP)

    • mais caro

    • instalação mais difícil – rígido

    • proteção externa de metal reduz interferência eletromagnética


Par tran ado blindado stp e n o blindado utp1

PAR TRANÇADO BLINDADO(STP) E NÃO-BLINDADO (UTP)


Caracter sticas desejadas cabo par tran ado

CARACTERÍSTICAS DESEJADAS CABO PAR TRANÇADO

  • desbalanceamento capacitivo:baixo

  • atenuação: baixo

  • NEXT: alto

  • impedância:constante

  • SRL:alto


Meios de transmiss o item 2 2 tanenbaum cap 3 stallings

DESBALANCEAMENTO CAPACITIVO

  • capacitância diferente dos pares – velocidades diferentes

  • falhas de interpretação dos sinais

sinal balanceado

sinal desbalanceado


Atenua o

ATENUAÇÃO


Diafonia terminal next

DIAFONIA TERMINAL (NEXT)

  • interferência entre os pares do cabo

  • NEXT (Near-end Crosstalk): método de medição do crosstalk entre os pares

    • injeta-se sinal em um dos pares do cabo e mede-se o efeito que este sinal causa em cada um dos outros pares (em um cabo de 4 pares obtém-se 6 combinações)

    • o crosstalk de todas as combinações é medido e o pior resultado é o NEXT do cabo.


Srl structural return loss ou perda estrutural de retorno

SRL (STRUCTURAL RETURN LOSS) OU PERDA ESTRUTURAL DE RETORNO

  • variação da impedância na seção do cabo

  • falta de uniformidade no espaçamento entre os condutores

  • gera ruído no receptor

impedância uniforme

impedância não uniforme


Aplica es do par tran ado

APLICAÇÕES DO PAR TRANÇADO

  • meio mais comum

    • rede telefônica

    • entre o assinante e a central local (laço do assinante)

  • dentro de edificações

    • centrais de comutação privadas (PABX)

  • redes locais de computadores (LAN)

    • 10 Mbps a 1 Gbps


Caracter sticas de transmiss o

CARACTERÍSTICAS DE TRANSMISSÃO

  • analógica

    • amplificadores a cada 5km ou 6km

  • digital

    • repetidores a cada 2km ou 3km

  • distâncias limitadas

  • banda passante limitada (poucos MHz)

  • taxa de dados limitada (centenas de MHz)

  • susceptível à interferência e ruído


Desvantagens do par tran ado

DESVANTAGENS DO PAR TRANÇADO

  • susceptibilidade a ruídos (interferência eletromagnética)

    • fortes campos eletromagnéticos – motores, quadros de luz, geladeiras, lâmpadas fluorescentes etc.

    • campo eletromagnético impedirá o correto funcionamento naquele trecho da rede

  • solução:

    • cabo STP (blindado)

    • substituição por fibra óptica

  • taxa de dados limitada

  • maior atenuação do sinal


Categorias de cabos de par tran ado utp

CATEGORIAS DE CABOS DE PAR TRANÇADO UTP

  • especificações passadas (2001):


Categorias de cabos de par tran ado utp1

CATEGORIAS DE CABOS DE PAR TRANÇADO UTP

  • especificações atuais (2001):


Categorias de cabos de par tran ado utp2

CATEGORIAS DE CABOS DE PAR TRANÇADO UTP

  • tendências (2001):


Evolu o dos padr es

EVOLUÇÃO DOS PADRÕES


Desempenho por categoria

DESEMPENHO POR CATEGORIA


Conector rj 45

CONECTOR RJ 45

  • oito fios (4 pares) – cores diferentes

  • utiliza em suas pontas um conector do tipo RJ-45

  • possui 8 pinos, um para cada fio do cabo


Identifica o dos pinos

IDENTIFICAÇÃO DOS PINOS


Tipos de pinagem cabo utp cat 5 100 ohms

TIPOS DE PINAGEM CABO UTP CAT 5 100 OHMS


Pinagem cabo utp cat 5

PINAGEM CABO UTP CAT 5

  • na maioria dos casos apenas são usados dois pares

    • transmissão(TX): pinos 1 e 2

    • recepção (RX): pinos 3 e 6

  • a figura abaixo ilustra a comunicação entre dois nós

    CRUZAMENTO

    (CROSSOVER)

  • cabos "crossover" raramente são necessários porque os HUBs realizam internamente a troca de pares em cada uma das portas


Identifica o do tipo de cabo

IDENTIFICAÇÃO DO TIPO DE CABO

  • segure as duas extremidades do cabo

  • verifique a seqüência de cores de cada extremidade

  • direto (straight-through): as cores estão na mesma seqüência nas duas extremidades do cabo

  • cruzado (crossover): a cor do primeiro cabo à esquerda de uma das extremidades é igual à cor do terceiro cabo da outra extremidade


Acess rios

ACESSÓRIOS

CORDÃO RJ 45

TOMADA RJ 45

TAMPÕES

ESPELHOS


Cuidados no manuseio do par tran ado

CUIDADOS NO MANUSEIO DO PAR TRANÇADO

  • desfaça o trançamento do par: 1/2” (1,25 cm) para cabos de categoria 5

  • separe o condutor do par quando necessário

  • coloque no dispositivo de conexão


Cuidados no manuseio do par tran ado1

CUIDADOS NO MANUSEIO DO PAR TRANÇADO

  • raio de curvatura mínima dos cabos: 4 vezes o diâmetro do cabo (1” = 2,54 cm para par trançado)

  • evitar tensão excessiva no cabo

  • os cabos não devem ser fixados com excessiva pressão (cuidado com braçadeiras)


  • Login