Dist cias e partograma
Download
1 / 30

Distócias e Partograma - PowerPoint PPT Presentation


  • 1138 Views
  • Uploaded on

Daniel Damiani, 2011. Distócias e Partograma. Disciplina de Saúde da Mulher, 2011. IAMSPE. Mecanismo Natural do Parto. Distócias. Palavra originada do grego: dustokia . Significado: mal parto; parto anormal, difícil.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' Distócias e Partograma' - makani


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
Dist cias e partograma

Daniel Damiani, 2011

Distócias e Partograma

Disciplina de Saúde da Mulher, 2011.

IAMSPE



Dist cias
Distócias

  • Palavra originada do grego: dustokia.

  • Significado: mal parto; parto anormal, difícil.

  • Anormalidade(s) do(s) mecanismo(s) do parto que interferem na evolução fisiológica do mesmo.

  • EUTÓCIA: originado do grego, eutokia.

  • Significado: parto harmonioso, parto normal.


Classifica o das dist cias
Classificação das Distócias

  • Distócia do Trajeto.

    • Canal Vaginal

    • Estreitos.

  • Distócia do Objeto.

    • Distócias Fetais.

  • Distócia do Motor.

    • Distócias Funcionais (uterinas).


Dist cias de trajeto
Distócias de Trajeto

  • Trajeto Mole:

    • Colo Uterino:

      • Edema (sequela de parto ou cirurgia)

      • Rigidez (partos, cicatrizes, radioterapia)

      • Aglutinação (há esvaecimento porém sem dilatação)

      • Distopias (prolapso uterino)

      • Miomas, Carcinomas

    • Vagina:

      • Septos, Cistocele, Retocele

      • Neoplasias: mioma, carcinoma, sarcoma

      • Rigidez

      • Estenoses

    • Vulva:

      • Varizes, cistos, abscessos de Bartholin, estenoses, alterações do hímen, hematomas e condilomas.


Dist cias de trajeto1
Distócias de Trajeto

  • Trajeto Duro:

    • Avaliação dos diâmetros:

      • Promontório: <12cm

      • Diâmetro Biciático: <10cm

      • Ângulo Subpúbico: <120°

    • Avaliação do tipo de pelve:

      • Platipelóide (5%)

      • Andróide (20%)

      • Ginecóide (50%)

      • Antropóide (25%)


Dist cias de trajeto2
Distócias de Trajeto

  • Trajeto Duro:

    • Desproporção Céfalo-Pélvica:

      • Biparietal > 9,8cm.

      • Descida fica interrompida.

      • Leva a cefalohematoma.


Dist cias do objeto
Distócias do Objeto

  • Apresentação Pélvica:

    • Incompleta (90%):

    • Completa:

      (10%)

  • Apresentação Córmica


Dist cias do objeto1
Distócias do Objeto

  • DistóciaBisacromial:

    • Encravamento do ombro anterior acima do púbis mas também o ombro posterior pode ficar retido acima do promontório.

    • Manobra de Mc Roberts

    • Episiotomia.

    • Anestesia.

    • Rotação Fetal.

    • Fratura de Clavícula.


Dist cias funcionais
Distócias Funcionais

  • Hiperatividade Uterina:

    • Parto Taquitócito ou Precipitado = > 5 contrações/min.

  • Hipoatividade Uterina:

    • Atividade uterina ineficiente.

    • Atonia ou Hipotonia.

    • Hipertonia:

      • Com Obstrução: defletida de 2° grau e desproporção céfalo-pélvica.

      • Sem Obstrução: DPP.

Distócias Funcionais: importante causa de cesárea!!!


Dist cias funcionais1
Distócias Funcionais

  • Distócias Cervicais Primárias (aglutinação):

    • Colo esvaece mas não dilata.

    • Etiologia ??

    • Hipoplasia congênita do orifício interno do colo.

  • Falso Trabalho de Parto:

    • Contração sem dor: Braxton-Hicks.

    • Provável inflamação.

    • Não há dilatação e esvaecimento.

    • Não há sangramento ou saída de muco.


Partogramas
Partogramas

  • Representação gráfica da evolução do trabalho de parto.

  • Relaciona dilatação do colo (cm) com o tempo (h) e planos De Lee (-5 a +5).

  • Em geral: quando a dilatação não esta ocorrendo adequadamente pensamos em problemas do “motor”!

  • Quando houver parada da descida com dilatação do colo, pensamos em desproporção CP!


Partogramas1
Partogramas

  • Existe evidência científica (nível A) do valor da utilização do partograma na condução do trabalho de parto.


Partogramas2
Partogramas

Fase

Ativa

Curva Hiperbólica

Período Pélvico

Curva Sigmóide

Fase Latente


Partograma per odos
Partograma: Períodos

  • Fase Latente (Período Preparatório):

    • Amolecimento do colo.

    • Apagamento do colo.

    • Início da dilatação.

    • Duração:

      • Nulípara: 16-20h

      • Multípara: 12-16h

    • Disfunção:

      • Fase Latente Prolongada.


Partograma per odos1
Partograma: Períodos

  • Fase Ativa:

    • Aumento da velocidade de dilatação.

    • Velocidade:

      • Nulípara: 1,2cm/h

      • Multípara: 1,5cm/h

    • Duração:

      • Nulípara: 3,4h

      • Multípara: 1,5h

    • Disfunções:

      • Fase Ativa Prolongada.

      • Parada Secundária da Dilatação.

      • Parto Precipitado ou Taquitócito.


Partograma per odos2
Partograma: Períodos

  • Período Pélvico:

    • Exploração do trajeto pélvico e expulsão.

    • Duração: 1-2h.

    • Disfunção:

      • Parada Secundária da Descida.

      • Prolongamento da Descida.


Partograma
Partograma

ZONA 1

ZONA 2

ZONA 3

PARTO VAGINAL



Partograma2
Partograma

  • Iniciar registro gráfico na fase ativa do trabalho de parto: 2-3 contrações eficientes em 10 minutos com dilatação maior ou igual a 3cm.

  • Toques Vaginais: a cada 1-2h no ápice da contração. Avaliar a dilatação, altura da apresentação, bolsa e cor do líquido amniótico.


Aplica o cl nica
Aplicação Clínica

  • Partograma Normal


Aplica o cl nica1
Aplicação Clínica

  • Parto Precipitado ou Taquitócito:

  • Dilatação, descida e expulsão do feto em tempo menor ou igual a 4h.

  • Complicações: laceração do trajeto e embolia do LA.

  • Conduta:

  • Monitorar feto.

  • Revisão do canal de parto.


Aplica o cl nica2
Aplicação Clínica

  • Fase Latente Prolongada

  • Condução:

  • Repouso em casa.

  • Evitar ocitócitos.

  • Tranquilizar família.


Aplica o cl nica3
Aplicação Clínica

  • Período de Dilatação Prolongada (Fase Ativa): dilatação <1cm/h.

  • Etiologia:

  • Desprop. CP;

  • Contração Ineficiente;

  • Defeito da posição da Apresentação

Amniotomia

Deambulação

Ocitocina


Aplica o cl nica4
Aplicação Clínica

  • Parada Secundária da Dilatação

Mesma dilatação após 2 toques com intervalo de 2h!

Zona 2-3 de Philpott

Etiologia:

- Desprop. CP Absoluta = Cesárea!

- Desprop. CP Relativa = Assinclitismo, Deflexão, Variedade transversa.


Aplica o cl nica5
Aplicação Clínica

  • Prolongamento da Descida:

  • Descida progressiva mas excessivamente lenta após dilatação completa.

  • Etiologia:

  • Contratilidade uterina deficiente.

  • Despropor. CP.

  • Conduta:

  • Expectante.

  • Ocitocina, Amniotomia, Fórceps.

  • Cesárea na DCP.


Aplica o cl nica6
Aplicação Clínica

  • Parada Secundária da Descida:

  • Parada da descida por pelo menos uma hora após o início da mesma.

  • Etiologia:

  • DCP.

  • Conduta:

  • - DCP Absoluta = Cesárea.


Partogramas conclus es
Partogramas – Conclusões:

  • Monitorização do trabalho de parto.

  • Detecção precoce das distócias, fundamental para queda da mortalidade materno-fetal.

  • Simplicidade e utilidade prática.

  • Torna intervenções mais criteriosas.


Refer ncias bibliogr ficas
Referências Bibliográficas

  • Zugaib M, Bittar RE. Protocolos Assistenciais – 3ª Edição, Cap 74, Página 677-682.

  • Leveno KJ, et al. Manual de Obstetrícia de Williams – Complicações na Gestação. 22ª Edição, Cap 14, Página 120-139.

  • Ministério da Saúde.

    http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/file/SPP_arquivos/comite_mort_mat_infant/partograma/5partograma.pdf