Dist cias e partograma
Sponsored Links
This presentation is the property of its rightful owner.
1 / 30

Distócias e Partograma PowerPoint PPT Presentation


  • 1020 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Daniel Damiani, 2011. Distócias e Partograma. Disciplina de Saúde da Mulher, 2011. IAMSPE. Mecanismo Natural do Parto. Distócias. Palavra originada do grego: dustokia . Significado: mal parto; parto anormal, difícil.

Download Presentation

Distócias e Partograma

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Daniel Damiani, 2011

Distócias e Partograma

Disciplina de Saúde da Mulher, 2011.

IAMSPE


Mecanismo Natural do Parto


Distócias

  • Palavra originada do grego: dustokia.

  • Significado: mal parto; parto anormal, difícil.

  • Anormalidade(s) do(s) mecanismo(s) do parto que interferem na evolução fisiológica do mesmo.

  • EUTÓCIA: originado do grego, eutokia.

  • Significado: parto harmonioso, parto normal.


Classificação das Distócias

  • Distócia do Trajeto.

    • Canal Vaginal

    • Estreitos.

  • Distócia do Objeto.

    • Distócias Fetais.

  • Distócia do Motor.

    • Distócias Funcionais (uterinas).


Distócias de Trajeto

  • Trajeto Mole:

    • Colo Uterino:

      • Edema (sequela de parto ou cirurgia)

      • Rigidez (partos, cicatrizes, radioterapia)

      • Aglutinação (há esvaecimento porém sem dilatação)

      • Distopias (prolapso uterino)

      • Miomas, Carcinomas

    • Vagina:

      • Septos, Cistocele, Retocele

      • Neoplasias: mioma, carcinoma, sarcoma

      • Rigidez

      • Estenoses

    • Vulva:

      • Varizes, cistos, abscessos de Bartholin, estenoses, alterações do hímen, hematomas e condilomas.


Distócias de Trajeto

  • Trajeto Duro:

    • Avaliação dos diâmetros:

      • Promontório: <12cm

      • Diâmetro Biciático: <10cm

      • Ângulo Subpúbico: <120°

    • Avaliação do tipo de pelve:

      • Platipelóide (5%)

      • Andróide (20%)

      • Ginecóide (50%)

      • Antropóide (25%)


Distócias de Trajeto

  • Trajeto Duro:

    • Desproporção Céfalo-Pélvica:

      • Biparietal > 9,8cm.

      • Descida fica interrompida.

      • Leva a cefalohematoma.


Distócias do Objeto

  • Apresentação Pélvica:

    • Incompleta (90%):

    • Completa:

      (10%)

  • Apresentação Córmica


Distócias do Objeto

  • DistóciaBisacromial:

    • Encravamento do ombro anterior acima do púbis mas também o ombro posterior pode ficar retido acima do promontório.

    • Manobra de Mc Roberts

    • Episiotomia.

    • Anestesia.

    • Rotação Fetal.

    • Fratura de Clavícula.


Distócias Funcionais

  • Hiperatividade Uterina:

    • Parto Taquitócito ou Precipitado = > 5 contrações/min.

  • Hipoatividade Uterina:

    • Atividade uterina ineficiente.

    • Atonia ou Hipotonia.

    • Hipertonia:

      • Com Obstrução: defletida de 2° grau e desproporção céfalo-pélvica.

      • Sem Obstrução: DPP.

Distócias Funcionais: importante causa de cesárea!!!


Distócias Funcionais

  • Distócias Cervicais Primárias (aglutinação):

    • Colo esvaece mas não dilata.

    • Etiologia ??

    • Hipoplasia congênita do orifício interno do colo.

  • Falso Trabalho de Parto:

    • Contração sem dor: Braxton-Hicks.

    • Provável inflamação.

    • Não há dilatação e esvaecimento.

    • Não há sangramento ou saída de muco.


Partogramas

  • Representação gráfica da evolução do trabalho de parto.

  • Relaciona dilatação do colo (cm) com o tempo (h) e planos De Lee (-5 a +5).

  • Em geral: quando a dilatação não esta ocorrendo adequadamente pensamos em problemas do “motor”!

  • Quando houver parada da descida com dilatação do colo, pensamos em desproporção CP!


Partogramas

  • Existe evidência científica (nível A) do valor da utilização do partograma na condução do trabalho de parto.


Partogramas

Fase

Ativa

Curva Hiperbólica

Período Pélvico

Curva Sigmóide

Fase Latente


Partograma: Períodos

  • Fase Latente (Período Preparatório):

    • Amolecimento do colo.

    • Apagamento do colo.

    • Início da dilatação.

    • Duração:

      • Nulípara: 16-20h

      • Multípara: 12-16h

    • Disfunção:

      • Fase Latente Prolongada.


Partograma: Períodos

  • Fase Ativa:

    • Aumento da velocidade de dilatação.

    • Velocidade:

      • Nulípara: 1,2cm/h

      • Multípara: 1,5cm/h

    • Duração:

      • Nulípara: 3,4h

      • Multípara: 1,5h

    • Disfunções:

      • Fase Ativa Prolongada.

      • Parada Secundária da Dilatação.

      • Parto Precipitado ou Taquitócito.


Partograma: Períodos

  • Período Pélvico:

    • Exploração do trajeto pélvico e expulsão.

    • Duração: 1-2h.

    • Disfunção:

      • Parada Secundária da Descida.

      • Prolongamento da Descida.


Partograma

ZONA 1

ZONA 2

ZONA 3

PARTO VAGINAL


Partograma


Partograma

  • Iniciar registro gráfico na fase ativa do trabalho de parto: 2-3 contrações eficientes em 10 minutos com dilatação maior ou igual a 3cm.

  • Toques Vaginais: a cada 1-2h no ápice da contração. Avaliar a dilatação, altura da apresentação, bolsa e cor do líquido amniótico.


Aplicação Clínica

  • Partograma Normal


Aplicação Clínica

  • Parto Precipitado ou Taquitócito:

  • Dilatação, descida e expulsão do feto em tempo menor ou igual a 4h.

  • Complicações: laceração do trajeto e embolia do LA.

  • Conduta:

  • Monitorar feto.

  • Revisão do canal de parto.


Aplicação Clínica

  • Fase Latente Prolongada

  • Condução:

  • Repouso em casa.

  • Evitar ocitócitos.

  • Tranquilizar família.


Aplicação Clínica

  • Período de Dilatação Prolongada (Fase Ativa): dilatação <1cm/h.

  • Etiologia:

  • Desprop. CP;

  • Contração Ineficiente;

  • Defeito da posição da Apresentação

Amniotomia

Deambulação

Ocitocina


Aplicação Clínica

  • Parada Secundária da Dilatação

Mesma dilatação após 2 toques com intervalo de 2h!

Zona 2-3 de Philpott

Etiologia:

- Desprop. CP Absoluta = Cesárea!

- Desprop. CP Relativa = Assinclitismo, Deflexão, Variedade transversa.


Aplicação Clínica

  • Prolongamento da Descida:

  • Descida progressiva mas excessivamente lenta após dilatação completa.

  • Etiologia:

  • Contratilidade uterina deficiente.

  • Despropor. CP.

  • Conduta:

  • Expectante.

  • Ocitocina, Amniotomia, Fórceps.

  • Cesárea na DCP.


Aplicação Clínica

  • Parada Secundária da Descida:

  • Parada da descida por pelo menos uma hora após o início da mesma.

  • Etiologia:

  • DCP.

  • Conduta:

  • - DCP Absoluta = Cesárea.


Partogramas – Conclusões:

  • Monitorização do trabalho de parto.

  • Detecção precoce das distócias, fundamental para queda da mortalidade materno-fetal.

  • Simplicidade e utilidade prática.

  • Torna intervenções mais criteriosas.


Referências Bibliográficas

  • Zugaib M, Bittar RE. Protocolos Assistenciais – 3ª Edição, Cap 74, Página 677-682.

  • Leveno KJ, et al. Manual de Obstetrícia de Williams – Complicações na Gestação. 22ª Edição, Cap 14, Página 120-139.

  • Ministério da Saúde.

    http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/file/SPP_arquivos/comite_mort_mat_infant/partograma/5partograma.pdf


  • Login