Hist ria
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 23

História PowerPoint PPT Presentation


  • 73 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

História. https://www.facebook.com/Prof.EvertonCorrea. A escrita egípcia. Prof. Everton da Silva Correa. A imagem abaixo foi feita entre os séculos XVI e XI a.C., a pedido de algum faraó. Detalhe de pintura do Livro dos mortos (c. 1069 a.C. – 945 a.C.).

Download Presentation

História

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


História

https://www.facebook.com/Prof.EvertonCorrea


A escrita egípcia

Prof. Everton da Silva Correa


A imagem abaixo foi feita entre os séculos XVI e XI a.C., a pedido de algum faraó.

Detalhe de pintura do Livro dos mortos (c. 1069 a.C. – 945 a.C.)


Nela há uma série de informações a respeito da antiga sociedade egípcia.


Na cena representada, os raios de sol dão vida a um morto.


Vamos observá-la com mais atenção.


Um dos aspectos que se destacam nessa imagem é um conjunto de sinais exibidos nas laterais do barco.

São caracteres da escrita desenvolvida pelos antigos egípcios.

Ela foi criada com finalidades religiosas, com o objetivo de ajudar na administração do império, registrar os fatos e comunicá-los a quem se encontrasse em regiões distantes.


Os primeiros sinais de escrita criado pelos egípcios ficaram conhecidos como hieróglifos. Foram inventados na época da unificação do Alto e do Baixo Egito, por volta de 3200 a.C.


Nesse tipo de escrita, o desenho de um olho, por exemplo, significava “olho”.

O desenho dos lábios de uma pessoa significava “boca”.

Essa escrita, chamada de hieroglífica, era composta de mais de mil caracteres.

Era usada principalmente em textos religiosos e em túmulos.


Apesar da grande quantidade de hieróglifos, os egípcios tinham dificuldade para escrever palavras abstratas, como “vida” e “sorte”, ou ações, como “pensar” e “fazer”.

A solução foi desenvolver um novo tipo de escrita, de modo a fazer com que alguns hieróglifos significassem também o som das palavras. Eram os chamados fonogramas.

O desenho de um antebraço, por exemplo, equivalia ao som da letra “a”. Já o desenho de um olho, nesse caso, representava o som de “ir”.


Escrita hierática

Para registros do cotidiano, negócios e questões administrativas, foi desenvolvida uma escrita mais simples, conhecida como hierática, que vigorou por mais de 2 mil anos. A maior parte dos textos egípcios que chegaram até nós foi elaborada nessa escrita hierática.

O Papiro Ebers é um dos tratados médicos mais antigos e importantes que se conhece.


O domínio da escrita estava restrito a um grupo pequeno de pessoas, formado pelos membros da família real, sacerdotes e funcionários conhecidos como escribas.

Escriba egípcio.


Cabia aos escribas controlar tudo o que era produzido no Egito, cuidar dos projetos de construção de obras públicas, administrar a mão de obra, fazer os cálculos dos impostos que os pastores e agricultores deveriam pagar.

O domínio da escrita era um conhecimento passado de pai para filho.


Os artistas egípcios costumavam representar os escribas em esculturas ou em pinturas nas paredes de pirâmides e sarcófagos.

Essas representações geralmente mostram o escriba com um papiro nas mãos.


O papiro era uma espécie de papel primitivo, feito de uma planta de mesmo nome e encontrada nos pântanos da região.

Para escrever nos papiros, os escribas utilizavam pincéis de junco e tintas pretas e vermelhas.

Veja a seguir como os antigos egípcios produziam o papiro.


Fazendo um papiro


Fazendo um papiro


Fazendo um papiro


Fazendo um papiro


Fazendo um papiro


FIM

AZEVEDO, Gislane Campos. Projeto Teláris: História. São Paulo: Ática, 2012. p. 79-80.


  • Login