Fisioterapia no trm l.jpg
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 37

FISIOTERAPIA NO TRM PowerPoint PPT Presentation


  • 498 Views
  • Updated On :
  • Presentation posted in: General

FISIOTERAPIA NO TRM. Msc. Geraldo Magella Teixeira FISIOTERAPEUTA. CONSIDERAÇÕES ANATÔMICAS. A medula espinhal no adulto possui cerca de 45 cm; A cauda eqüina localiza-se na parte baixa do canal vertebral formada pelas raízes dos nervos espinhais. CONSIDERAÇÕES ANATÔMICAS.

Related searches for FISIOTERAPIA NO TRM

Download Presentation

FISIOTERAPIA NO TRM

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Fisioterapia no trm l.jpg

FISIOTERAPIA NO TRM

Msc. Geraldo Magella Teixeira

FISIOTERAPEUTA


Considera es anat micas l.jpg

CONSIDERAÇÕES ANATÔMICAS

  • A medula espinhal no adulto possui cerca de 45 cm;

  • A cauda eqüina localiza-se na parte baixa do canal vertebral formada pelas raízes dos nervos espinhais.


Considera es anat micas3 l.jpg

CONSIDERAÇÕES ANATÔMICAS

Formação da coluna vertebral

  • São 33/34 vértebras divididas da

    seguinte forma:

    • 7 cervicais

    • 12 torácicas

    • 5 lombares

    • 5 sacrais

    • 4/5 coccígeas


Coluna vertebral l.jpg

COLUNA VERTEBRAL


Coluna vertebral5 l.jpg

COLUNA VERTEBRAL

1) Corpo Vertebral Lombar2) Disco intervertebral3) Raiz nervosa4) Foramen de Conjugação

5) Apófise Espinhosa6) Sacro7) Coccix


Trm traumatismo raqui medular l.jpg

TRM – Traumatismo Raqui-Medular

Lesão Traumática da raq e medula espinhal resultando em um comprometimento temporário ou permanente das funções neurológicas.

ASIA – American Spinal Injury Association


Epidemiologia l.jpg

Epidemiologia

No Brasil

Incidência: de 70 a 90 casos/mil de habitantes

Nº casos/ano: 8.000

Custo: 300 milhões de reais/ano

Sexo: preferencialmente masculino

Faixa etária: entre 15 e 40 anos

FONTE: DNR/2007


Etiologia l.jpg

Etiologia

  • Acidente automobilístico

  • Quedas de nível

  • Mergulho em água rasa

  • Ferimento por arma de fogo ou branca

TRM


Slide9 l.jpg

TRAUMA RAQUIMEDULARFISIOPATOLOGIA

LesõesPrimárias representa o dano tecidual causado exatamente nahoradotrauma, sendo caracterizada por contusão, hemorragia, isquemia, lesão vascular.

LesõesSecundárias

  • Inicia-se após a instalação da primária, causando extensão do dano celular/tecidual.

  • É mediada pela ativação de reações inflamatórias, isquêmicas e/ou edemas.


Slide10 l.jpg

FISIOPATOLOGIA

  • LesõesCompletas– Perda sensitiva e motora completa abaixo do nível da lesão.

  • LesõesIncompletas – Existe algumafunção sensitiva ou motora preservada distalmente à lesão.

PROGNÓSTICO


Slide11 l.jpg

LESÕES

  • NEURÔNIO MOTOR SUPERIOR

    • Espasticidade

    • Estado de contração da mm. Vesical (Detrussor da urina)

    • Alterações renais relacionadas ao refluxo

    • Pior prognóstico MOTOR

  • NEURÔNIO MOTOR INFERIOR

    • Lesão radicular

    • Flacidez

    • Dilatação vesical (Alt. Relaxamento esfincteriano)

    • Infecções de repetição

    • Melhor prognóstico MOTOR


Slide12 l.jpg

TRAUMA RAQUIMEDULARCLASSIFICAÇÃO- FRANKEL

A – Motricidade e Sensibilidade Ausentes

B – Motor Ausente, com Sensibilidade Presente

C – Motor Presente, mas não útil ( grau II ou III ), Sensibilidade Presente

D – Motor Presente ( grau IV ), e Sensibilidade Normal

E – Motricidade e Sensibilidade Normais


Slide13 l.jpg

Quadro Clínico

Choque Medular

Representa uma cessação transitória de toda atividade neurológica (motora, sensitiva e autonômica) abaixo da lesão, provavelmente relacionado a um distúrbio de neurotrasmissores.

  • Anestesia

  • Paralisia Flácida

  • Alterações do SNA (Vasodilatação paralítica, Anidrose)

  • Alterações esfincterianas

  • Alterações sexuais


Slide14 l.jpg

Quadro Clínico

Retorno da Atividade Medular Reflexa

  • Anestesia e Paralisia

  • Hipotensão postural

  • Disreflexia autonômica

  • Alterações esfincterianas

  • Bexiga neurogênica

  • Disfunção intestinal

Fase de ajustamento


Sequela l.jpg

SEQUELA


S ndromes medulares medula central l.jpg

Síndromes MedularesMedula Central

  • Principalmente na região cervical;

  • Comprometimento maior dos membros superiores que dos inferiores.


S ndromes medulares medula anterior l.jpg

Síndromes MedularesMedula Anterior

  • Ocorre preservação da propriocepção e perda da função motora e sensibilidade dolorosa.


S ndromes medulares medula posterior l.jpg

Síndromes MedularesMedula Posterior

  • Perda da sensibilidade profunda.


S ndromes medulares brown s quard l.jpg

Síndromes MedularesBrown-Séquard

  • Perda da função motora e proprioceptiva do lado da lesão e perda da sensibilidade a dor e a temperatura do lado oposto.


S ndromes medulares cauda eq ina l.jpg

Síndromes MedularesCauda Eqüina

Lesão isolada dos nervos espinhais da cauda eqüina. QC depende da raiz atingida:

Paresia de membros inferiores;

Arreflexia;

Distúrbio da sensibilidade;

Dupla Incontinência.


Fisioterapia l.jpg

FISIOTERAPIA


Fisioterapia x fun o l.jpg

FISIOTERAPIA X FUNÇÃO

  • NMS

  • NMI

Tônus;

Reflexo;

Trofismo;

Sensibilidade;

Bexiga;

Alterações renais;

Alteração da mecânica ventilatória;

Distúrbios circulatórios;

Alterações sexuais;

Alterações miostoarticulares;

Úlceras de pressão;

FUNÇÃO


Fisioterapia o olhar l.jpg

FISIOTERAPIA...O OLHAR!

  • Manutenção de posturas funcionais;

  • Cinesioterapia;

  • Fisioterapia respiratória;

  • Vigilância dos esfíncteres;

  • Treino para aquisição de posturas mais altas;

  • Orientação à família;

  • Treino das capacidades residuais;

  • Treino de função (transferências);

  • Ortostatismo;

  • Prescrição e treino de órteses;

  • Readaptação escolar/profissional

  • Reinserção social, esportes, lazer.


Reabilita o sexual do lesado medular l.jpg

REABILITAÇÃO SEXUAL DO LESADO MEDULAR


Slide25 l.jpg

EREÇÃO MASCULINA

X

PERFORMANCE FEMININA

REPRESENTAÇÃO SOCIAL


Breve hist rico l.jpg

BREVE HISTÓRICO:

  • 529 pacientes com LM constataram que 96% deles nunca haviam tentado desenvolver atividades sexuais e que 100% se preocupavam com a questão (Masters e Johson’s ,1966);

  • 632 paraplégicos com mais de 1 ano de lesão e descobre que 82% dos homens se pudessem escolher entre voltar a andar ou restabelecer a sua função sexual normal, escolheriam a segunda opção (Cole, 1970).


Slide27 l.jpg

  • Equipes de saúde sentem-se desconfortáveis para desenvolver trabalhos com a questão. (Cole, 1971)

  • 1987: Helen Stohl resolve pousar nua em revista masculina para provar que as mulheres com incapacidade física não são assexuadas.

  • É importante ter em mente que, embora o ato sexual tenha se modificado significativamente após a Lesão Medular, o desejo sexual e a sexualidade ainda estão presentes e são uma parte importante da constituição do indivíduo e do seu processo de reabilitação¨ (Bors, 1960)


Ere o peniana l.jpg

EREÇÃO PENIANA:

  • Ereção psicogênica;

  • Ereção reflexogênica;

  • Ereção noturna.


Slide30 l.jpg

  • EJACULAÇÃO;

  • ORGASMO;

  • GRAVIDEZ E PARTO.


Um pouco do processo de reabilita o l.jpg

UM POUCO DO PROCESSO DE REABILITAÇÃO...

  • Equipe interdisciplinar;

  • Intervenções Psicoterapêuticas;

  • Terapêutica medicamentosa;

  • Higienização;

  • Educação em saúde.


E a fisioterapia l.jpg

Mecanoterapia;

Crioterapia;

Massoterapia;

Cinesioterapia

E A FISIOTERAPIA...


Posicionamentos l.jpg

POSICIONAMENTOS:


Reabilita o sexual do lesado medular36 l.jpg

REABILITAÇÃO SEXUAL DO LESADO MEDULAR

E agora.....

Como fica o sexo do Lesado medular?

O sexo do lesado medular não fica.

CONTINUA!


Obrigado l.jpg

OBRIGADO!


  • Login