fisioterapia no trm
Download
Skip this Video
Download Presentation
FISIOTERAPIA NO TRM

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 37

FISIOTERAPIA NO TRM - PowerPoint PPT Presentation


  • 597 Views
  • Uploaded on

FISIOTERAPIA NO TRM. Msc. Geraldo Magella Teixeira FISIOTERAPEUTA. CONSIDERAÇÕES ANATÔMICAS. A medula espinhal no adulto possui cerca de 45 cm; A cauda eqüina localiza-se na parte baixa do canal vertebral formada pelas raízes dos nervos espinhais. CONSIDERAÇÕES ANATÔMICAS.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'FISIOTERAPIA NO TRM' - liam


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
fisioterapia no trm

FISIOTERAPIA NO TRM

Msc. Geraldo Magella Teixeira

FISIOTERAPEUTA

considera es anat micas
CONSIDERAÇÕES ANATÔMICAS
  • A medula espinhal no adulto possui cerca de 45 cm;
  • A cauda eqüina localiza-se na parte baixa do canal vertebral formada pelas raízes dos nervos espinhais.
considera es anat micas3
CONSIDERAÇÕES ANATÔMICAS

Formação da coluna vertebral

  • São 33/34 vértebras divididas da

seguinte forma:

      • 7 cervicais
      • 12 torácicas
      • 5 lombares
      • 5 sacrais
      • 4/5 coccígeas
coluna vertebral5
COLUNA VERTEBRAL

1) Corpo Vertebral Lombar2) Disco intervertebral3) Raiz nervosa4) Foramen de Conjugação

5) Apófise Espinhosa6) Sacro7) Coccix

trm traumatismo raqui medular
TRM – Traumatismo Raqui-Medular

Lesão Traumática da raq e medula espinhal resultando em um comprometimento temporário ou permanente das funções neurológicas.

ASIA – American Spinal Injury Association

epidemiologia
Epidemiologia

No Brasil

Incidência: de 70 a 90 casos/mil de habitantes

Nº casos/ano: 8.000

Custo: 300 milhões de reais/ano

Sexo: preferencialmente masculino

Faixa etária: entre 15 e 40 anos

FONTE: DNR/2007

etiologia
Etiologia
  • Acidente automobilístico
  • Quedas de nível
  • Mergulho em água rasa
  • Ferimento por arma de fogo ou branca

TRM

slide9

TRAUMA RAQUIMEDULARFISIOPATOLOGIA

LesõesPrimárias representa o dano tecidual causado exatamente nahoradotrauma, sendo caracterizada por contusão, hemorragia, isquemia, lesão vascular.

LesõesSecundárias

  • Inicia-se após a instalação da primária, causando extensão do dano celular/tecidual.
  • É mediada pela ativação de reações inflamatórias, isquêmicas e/ou edemas.
slide10

FISIOPATOLOGIA

  • LesõesCompletas– Perda sensitiva e motora completa abaixo do nível da lesão.
  • LesõesIncompletas – Existe algumafunção sensitiva ou motora preservada distalmente à lesão.

PROGNÓSTICO

slide11

LESÕES

  • NEURÔNIO MOTOR SUPERIOR
    • Espasticidade
    • Estado de contração da mm. Vesical (Detrussor da urina)
    • Alterações renais relacionadas ao refluxo
    • Pior prognóstico MOTOR
  • NEURÔNIO MOTOR INFERIOR
    • Lesão radicular
    • Flacidez
    • Dilatação vesical (Alt. Relaxamento esfincteriano)
    • Infecções de repetição
    • Melhor prognóstico MOTOR
slide12

TRAUMA RAQUIMEDULARCLASSIFICAÇÃO- FRANKEL

A – Motricidade e Sensibilidade Ausentes

B – Motor Ausente, com Sensibilidade Presente

C – Motor Presente, mas não útil ( grau II ou III ), Sensibilidade Presente

D – Motor Presente ( grau IV ), e Sensibilidade Normal

E – Motricidade e Sensibilidade Normais

slide13

Quadro Clínico

Choque Medular

Representa uma cessação transitória de toda atividade neurológica (motora, sensitiva e autonômica) abaixo da lesão, provavelmente relacionado a um distúrbio de neurotrasmissores.

  • Anestesia
  • Paralisia Flácida
  • Alterações do SNA (Vasodilatação paralítica, Anidrose)
  • Alterações esfincterianas
  • Alterações sexuais
slide14

Quadro Clínico

Retorno da Atividade Medular Reflexa

  • Anestesia e Paralisia
  • Hipotensão postural
  • Disreflexia autonômica
  • Alterações esfincterianas
  • Bexiga neurogênica
  • Disfunção intestinal

Fase de ajustamento

s ndromes medulares medula central
Síndromes MedularesMedula Central
  • Principalmente na região cervical;
  • Comprometimento maior dos membros superiores que dos inferiores.
s ndromes medulares medula anterior
Síndromes MedularesMedula Anterior
  • Ocorre preservação da propriocepção e perda da função motora e sensibilidade dolorosa.
s ndromes medulares medula posterior
Síndromes MedularesMedula Posterior
  • Perda da sensibilidade profunda.
s ndromes medulares brown s quard
Síndromes MedularesBrown-Séquard
  • Perda da função motora e proprioceptiva do lado da lesão e perda da sensibilidade a dor e a temperatura do lado oposto.
s ndromes medulares cauda eq ina
Síndromes MedularesCauda Eqüina

Lesão isolada dos nervos espinhais da cauda eqüina. QC depende da raiz atingida:

Paresia de membros inferiores;

Arreflexia;

Distúrbio da sensibilidade;

Dupla Incontinência.

fisioterapia x fun o
FISIOTERAPIA X FUNÇÃO
  • NMS
  • NMI

Tônus;

Reflexo;

Trofismo;

Sensibilidade;

Bexiga;

Alterações renais;

Alteração da mecânica ventilatória;

Distúrbios circulatórios;

Alterações sexuais;

Alterações miostoarticulares;

Úlceras de pressão;

FUNÇÃO

fisioterapia o olhar
FISIOTERAPIA...O OLHAR!
  • Manutenção de posturas funcionais;
  • Cinesioterapia;
  • Fisioterapia respiratória;
  • Vigilância dos esfíncteres;
  • Treino para aquisição de posturas mais altas;
  • Orientação à família;
  • Treino das capacidades residuais;
  • Treino de função (transferências);
  • Ortostatismo;
  • Prescrição e treino de órteses;
  • Readaptação escolar/profissional
  • Reinserção social, esportes, lazer.
slide25
EREÇÃO MASCULINA

X

PERFORMANCE FEMININA

REPRESENTAÇÃO SOCIAL

breve hist rico
BREVE HISTÓRICO:
  • 529 pacientes com LM constataram que 96% deles nunca haviam tentado desenvolver atividades sexuais e que 100% se preocupavam com a questão (Masters e Johson’s ,1966);
  • 632 paraplégicos com mais de 1 ano de lesão e descobre que 82% dos homens se pudessem escolher entre voltar a andar ou restabelecer a sua função sexual normal, escolheriam a segunda opção (Cole, 1970).
slide27
Equipes de saúde sentem-se desconfortáveis para desenvolver trabalhos com a questão. (Cole, 1971)
  • 1987: Helen Stohl resolve pousar nua em revista masculina para provar que as mulheres com incapacidade física não são assexuadas.
  • É importante ter em mente que, embora o ato sexual tenha se modificado significativamente após a Lesão Medular, o desejo sexual e a sexualidade ainda estão presentes e são uma parte importante da constituição do indivíduo e do seu processo de reabilitação¨ (Bors, 1960)
ere o peniana
EREÇÃO PENIANA:
  • Ereção psicogênica;
  • Ereção reflexogênica;
  • Ereção noturna.
slide30
EJACULAÇÃO;
  • ORGASMO;
  • GRAVIDEZ E PARTO.
um pouco do processo de reabilita o
UM POUCO DO PROCESSO DE REABILITAÇÃO...
  • Equipe interdisciplinar;
  • Intervenções Psicoterapêuticas;
  • Terapêutica medicamentosa;
  • Higienização;
  • Educação em saúde.
e a fisioterapia
Mecanoterapia;

Crioterapia;

Massoterapia;

Cinesioterapia

E A FISIOTERAPIA...
reabilita o sexual do lesado medular36
REABILITAÇÃO SEXUAL DO LESADO MEDULAR

E agora.....

Como fica o sexo do Lesado medular?

O sexo do lesado medular não fica.

CONTINUA!

ad