Controvérsia: O aparelho de pressão positiva (PAP) pode oferecer elementos que aumentam a adesão ...
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 28

Marília Montenegro Cabral Médica da Clínica de Sono do Recife PowerPoint PPT Presentation


  • 36 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Controvérsia: O aparelho de pressão positiva (PAP) pode oferecer elementos que aumentam a adesão ao tratamento? Usar alívio de pressão, circuito aquecido, auto-PAP melhoram percentual de uso? NÃO. III Curso Nacional de SONO. Marília Montenegro Cabral Médica da Clínica de Sono do Recife

Download Presentation

Marília Montenegro Cabral Médica da Clínica de Sono do Recife

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Mar lia montenegro cabral m dica da cl nica de sono do recife

Controvérsia: O aparelho de pressão positiva (PAP) pode oferecer elementos que aumentam a adesão ao tratamento? Usar alívio de pressão, circuito aquecido, auto-PAP melhoram percentual de uso?

NÃO

III Curso Nacional de SONO

Marília Montenegro Cabral

Médica da Clínica de Sono do Recife

Professora Adjunto da Universidade de Pernambuco

29 março de 2014


Cpap padr o ouro para o tratamento da saos moderada a acentuada

CPAP – “padrão ouro” para o tratamento da SAOS moderada a acentuada

  • O CPAP é o tratamento da SAOS com maior eficácia clínica comprovada.

  • O benefício clínico significativo do CPAP é alcançado com o uso de no mínimo 4 horas durante 70% das noites/semana, idealmente durante a noite inteira ou superior a 7 horas.

  • Os índices de adesão ao CPAP oscilam entre 46 e 80%.

Douglas NJ, Am J RespirCritCareMed, 1999

Saunders NA, Am Ver RespirDis, 1991


Fatores envolvidos na ades o ao cpap fatores

Fatores envolvidos na adesão ao CPAPFatores

máscara / vazamento

aparelhos de

pressão positiva

sintomas nasais


Principais crit rios de inclus o da maioria dos estudos que avaliam a ades o ao cpap

Principais critérios de inclusão da maioria dos estudos que avaliam a adesão ao CPAP

  • Diagnóstico recente da SAOS (moderada a acentuada).

  • Nenhum contato anterior ao CPAP.

  • Idade acima de 20 anos.


Principais crit rios de exclus o da maioria dos estudos que avaliam a ades o ao cpap

Principais critérios de exclusão da maioria dos estudos que avaliam a adesão ao CPAP

  • Presença de comorbidades maiores associadas a SAOS tais como: DPOC com hipercapnia, doença neuromuscular e doença psiquiátrica.

  • Presença de cirurgias nasais prévias.

  • Trabalhadores de turnos.


Cpap c flex x cpap press o constante

CPAP C-Flex X CPAP pressão constante

  • Nilius G, Happel A, Domanski U, Ruhle KH. Pressure-reliefcontinuous positive airwaypressurevsconstantcontinuous positive airwaypressure: a comparison of efficacy and compliance. Chest 2006;130:1018-24.

  • Bakker J, Campbell A, Neill A. Randomized controlled trial comparing flexible and continuous positive airway pressure delivery: effects on compliance, objective and subjective sleepiness and vigilance. Sleep 2010;33:523-9.


Mar lia montenegro cabral m dica da cl nica de sono do recife

Sleep 2010;33:523-9


Mar lia montenegro cabral m dica da cl nica de sono do recife

Sleep 2010;33:523-9

Avaliação após 3 meses


Mar lia montenegro cabral m dica da cl nica de sono do recife

Conclusão: CPAP com pressão flexivel (C-flex) não é superior ao CPAP pressão constante em relação a adesão e eficácia.


Auto cpap x cpap press o fixa

Auto-CPAP X CPAP pressão fixa

  • Ayas NT, Patel SR, Malhotra A, et al. Auto-titrating versus standard continuous positive airway pressure for the treatment of obstructive sleep apnea: results of a meta-analysis. Sleep 2004;27:249-53.

  • Nolan GM, Doherty LS, Mc Nicholas WT. Auto-adjusting versus fixed positive pressure therapy in mild to moderate obstructive sleep apnoea. Sleep 2007; 30:189-94.


Mar lia montenegro cabral m dica da cl nica de sono do recife

Sleep 2011;34(8):1083-1092

Desenho do estudo: Trial Multicêntrico, randomizado e duplo-cego. Três grupos: (1) Auto-CPAP com A-flex, (2) Auto-CPAP por 14 dias seguido de CPAP pressão fixa e (3) CPAP pressão fixa.

Avaliação com 3 e 6 meses.


Ades o m dia de uso por noite semelhante entre os grupos

Adesão: média de uso por noiteSemelhante entre os grupos

Kushida CA, Sleep, 2011


Ndice de abandono semelhante entre os grupos

Índice de abandono Semelhante entre os grupos

*

* Percentual (número)

Kushida CA, Sleep, 2011


Mar lia montenegro cabral m dica da cl nica de sono do recife

Qualidade de sono, satisfação, conforto da máscara e benefício do tratamentoSemelhante entre os grupos

Kushida CA, Sleep, 2011


Press o e vazamento m dia de vazamento menor no grupo auto cpap com a flex

Pressão e VazamentoMédia de vazamento menor no grupo Auto-CPAP com A-flex

Kushida CA, Sleep, 2011


Conclus o auto cpap n o superior ao cpap convencional em rela o a ades o e efic cia

Conclusão: Auto-CPAP não é superior ao CPAP convencional em relação a adesão e eficácia.


Mar lia montenegro cabral m dica da cl nica de sono do recife

Chin K, Sleep 2013;36(2):229-236

Desenho do estudo: Randomizado, cego para os pacientes, cruzado, três grupos: (1) Auto-CPAP (2) Auto-CPAP com C-Flex e (3) Auto-CPAP com A-Flex. Avaliação com 3 meses; em seguida os pacientes dos grupos 2 e 3 trocam os aparelhos e os do grupo 1 trocam por Auto-CPAP com A-Flex. Nova avaliação com 3 meses (adesão e qualidade de vida).


Ades o entre os grupos com 3 meses de tratamento

Adesão entre os grupos com 3 meses de tratamento

hora/noite

Chin K, Sleep 2013


Mar lia montenegro cabral m dica da cl nica de sono do recife

Comparação entre os pacientes com adesão ao CPAP < 4 horas/noite

hora/noite

Chin K, Sleep 2013


Mar lia montenegro cabral m dica da cl nica de sono do recife

Ryan S, J ClinSleepMed, 2009

Desenho do estudo: Pacientes com diagnóstico recente de SAOS (IAH > 10/h) com sucesso na titulação e boa adaptação à mascara nasal. Randomização em três grupos: grupos: (1) CPAP seco, (2) CPAP com umidificador e (3) CPAP com Fluticasona nasal .

Avaliação com 4 semanas: adesão, qualidade de vida e frequência de sintomas nasais.


Mar lia montenegro cabral m dica da cl nica de sono do recife

Efeitos da umidificação aquecida e esteroide tópico na adesão ao CPAP, sintomas nasais e qualidade de vida (avaliação em 4 semanas)

Ryan S, J ClinSleepMed, 2009


Efeitos da umidifica o aquecida e esteroides t picos na ades o ao cpap avalia o em 4 semanas

Efeitos da umidificação aquecida e esteroides tópicos na adesão ao CPAP (avaliação em 4 semanas)

não houve diferença entre os grupos

Ryan S, J ClinSleepMed, 2009


Frequ ncia de sintomas nasais entre os 3 grupos cpap x cpap com umidificador x fluticasona nasal

Frequência de sintomas nasais entre os 3 grupos: CPAP X CPAP com umidificador X Fluticasona nasal

Ryan S, J ClinSleepMed, 2009


Mar lia montenegro cabral m dica da cl nica de sono do recife

Conclusões

  • O auto-CPAP e o CPAP com pressão flexível não são superiores ao CPAP convencional para tratamento inicial de pacientes com SAOS moderada a grave sem comorbidades.

  • A adição de umidificador e corticoide nasal ao CPAP para tratamento inicial da SAOS não aumenta a adesão ao tratamento.

  • A adição de umidificador ao CPAP para tratamento inicial da SAOS reduz a frequência de sintomas nasais.


Principais determinantes da ades o ao cpap

Principais Determinantes da Adesão ao CPAP

  • Educação sobre a doença e benefícios do tratamento.

  • Orientação de tratamento dos efeitos adversos (congestão nasal, boca seca, irritação da pele)

  • Presença de insônia e outras comorbidades.

  • Primeiro contato no exame de titulação.

  • Uso durante a primeira semana de tratamento.

  • Presença de fuga aérea durante a primeira semana de tratamento.

Bollig SM, RespirCare, 2010 Wallace DM, SleepBreath, 2012 Valentin A, Sleep, 2011


Programa de educa o para uso do cpap 84 de ades o em 6 meses de terapia

Programa de Educação para uso do CPAP84% de adesão em 6 meses de terapia

  • Informação sobre a doença e terapia com folheto impresso e vídeo.

  • Comunicação diária por telefone com profissional do programa na primeira semana.

  • Visitas programadas com 2 e 4 semanas; 3 e 6 meses (leitura do cartão do CPAP em cada visita).

  • Contato e resolução imediata dos eventos adversos.

Sin DD, Chest, 2002


Preditores de ades o ao cpap em pacientes com saos e doen a cardiovascular estudo save

Preditores de adesão ao CPAP em pacientes com SAOS e doença Cardiovascular (Estudo Save)

  • Percentual de uso de CPAP > 4 horas/noite

Chai-Coetzer CL, Sleep, 2013


Preditores de ades o ao cpap em pacientes com saos e doen a cardiovascular estudo save1

Preditores de adesão ao CPAP em pacientes com SAOS e doença cardiovascular (Estudo Save)

  • Análise Multivariada

Valor p

DP

Chai-Coetzer CL, Sleep, 2013


  • Login