Xliii plen ria nacional do f rum dos conselhos estaduais de educa o fnce
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 17

XLIII PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE PowerPoint PPT Presentation


  • 50 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

XLIII PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE. “ O Futuro da Educação a Distância na Educação Básica” Francisco Aparecido Cordão [email protected] Dispositivos da LDB e DECRETOS sobre EAD.

Download Presentation

XLIII PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Xliii plen ria nacional do f rum dos conselhos estaduais de educa o fnce

XLIII PLENRIA NACIONAL DO FRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAO - FNCE

O Futuro da Educao a Distncia na Educao Bsica

Francisco Aparecido Cordo

[email protected]


Dispositivos da ldb e decretos sobre ead

Dispositivos da LDB e DECRETOS sobre EAD

  • Art. 80. O Poder Pblico incentivar o desenvolvimento e a veiculao de programas de ensino a distncia, em todos os nveis e modalidades de ensino, e de educao continuada.

    • A educao a distncia, organizada com abertura e regimes especiais, ser oferecida por instituies especificamente credenciadas pela Unio.

    • A Unio regulamentar os requisitos para a realizao de exames e registro de certificados e diplomas relativos a cursos de educao a distncia.

    • As normas para produo, controle e avaliao de programas de educao a distncia e a autorizao para sua implementao, cabero aos respectivos sistemas de ensino, podendo haver cooperao e integrao entre os diferentes sistemas.

    • A educao a distncia gozar de tratamento diferenciado, que incluir:

    • I - custos de transmisso reduzidos em canais comerciais de radiodifuso sonora e de sons e imagens e em outros meios de comunicao que sejam explorados mediante autorizao, concesso ou permisso do poder pblico (Redao dada pela Lei n 12.603, de 2012);

    • II - concesso de canais com finalidades exclusivamente educativas;

    • III - reserva de tempo mnimo, sem nus para o Poder Pblico, pelos concessionrios de canais comerciais.

  • Decreto n 5622/2005 - Regulamenta o art. 80 da Lei n 9.394/1996 LDB.

  • Decreto n 5.773/2006 - Dispe sobre o exerccio das funes de regulao, superviso e avaliao de instituies de educao superior e cursos superiores de graduao e sequenciais no sistema federal de ensino.


Decreto n 5622 2005 ead i

Decreto n 5622/2005 EAD I

  • O Decreto caracteriza a educao a distncia como modalidade educacional na qual a mediao didtico-pedaggica nos processos de ensino e aprendizagem ocorre com a utilizao de meios e tecnologias de informao e comunicao, com estudantes e professores desenvolvendo atividades educativas em lugares ou tempos diversos.

  • A educao a distncia organiza-se segundo metodologia, gesto e avaliao peculiares, para as quais dever estar prevista a obrigatoriedade de momentos presenciais para:

    • I - avaliaes de estudantes;

    • II - estgios obrigatrios, quando previstos na legislao pertinente;

    • III - defesa de trabalhos de concluso de curso, quando previstos na legislao pertinente; e

    • IV - atividades relacionadas a laboratrios de ensino, quando for o caso.

  • A educao a distncia poder ser ofertada nos seguintes nveis e modalidades educacionais:

    • I - educao bsica, nos termos do art. 30 do Decreto;

    • II - educao de jovens e adultos, nos termos do art. 37 da Lei no9.394/1996;

    • III - educao especial, respeitadas as especificidades legais pertinentes;

    • IV - educao profissional, abrangendo os seguintes cursos e programas:

      • tcnicos, de nvel mdio;

      • tecnolgicos, de nvel superior;

    • V - educao superior, abrangendo os seguintes cursos e programas:

      • sequenciais;

      • graduao;

      • especializao;

      • mestrado; e

      • e) de doutorado.


Decreto n 5622 2005 ead ii

Decreto n 5622/2005 EAD II

  • Compete ao Ministrio da Educao, mediante articulao entre seus rgos, organizar, em regime de colaborao, nos termos dos artigos 8o, 9o, 10 e 11 da Lei no 9.394, de 1996, a cooperao e integrao entre os sistemas de ensino, objetivando a padronizao de normas e procedimentos para, em atendimento ao disposto no art. 80 da LDB:

    • I - credenciamento e renovao de credenciamento de instituies para oferta de educao a distncia; e

    • II - autorizao, renovao de autorizao, reconhecimento e renovao de reconhecimento dos cursos ou programas a distncia.

    • Os atos do Poder Pblico, citados nos incisos I e II, devero ser pautados pelos Referenciais de Qualidade para a Educao a Distncia, definidos pelo Ministrio da Educao, em colaborao com os sistemas de ensino.

  • Os sistemas de ensino, em regime de colaborao, organizaro e mantero sistemas de informao abertos ao pblico com os dados de:

    • I - credenciamento e renovao de credenciamento institucional;

    • II - autorizao e renovao de autorizao de cursos ou programas a distncia;

    • III - reconhecimento e renovao de reconhecimento de cursos ou programas a distncia;

    • IV - resultados dos processos de superviso e de avaliao.

    • Pargrafo nico. O Ministrio da Educao dever organizar e manter sistema de informao, aberto ao pblico, disponibilizando os dados nacionais referentes educao a distncia.


Decreto n 5622 2005 ead iii

Decreto n 5622/2005 EAD III

  • O pedido de credenciamento da instituio dever ser formalizado junto ao rgo responsvel, mediante o cumprimento dos seguintes requisitos:

    • I - habilitao jurdica, regularidade fiscal e capacidade econmico-financeira, conforme dispe a legislao em vigor;

    • II - histrico de funcionamento da instituio de ensino, quando for o caso;

    • III - plano de desenvolvimento escolar, para as instituies de educao bsica, que contemple a oferta, a distncia, de cursos profissionais de nvel mdio e para jovens e adultos;

    • IV - projeto pedaggico para os cursos e programas que sero ofertados na modalidade a distncia;

    • VI- garantia de corpo tcnico e administrativo qualificado;

    • VI- corpo docente com as qualificaes exigidas na legislao em vigor e, preferencialmente, com formao para o trabalho com educao a distncia;

    • VII - apresentar, quando for o caso, os termos de convnios e de acordos de cooperao celebrados entre instituies brasileiras e suas co-signatrias estrangeiras, para oferta de cursos ou programas a distncia;

    • X - descrio detalhada dos servios de suporte e infraestrutura adequados realizao do projeto pedaggico, relativamente a:

      • instalaes fsicas e infraestrutura tecnolgica de suporte e atendimento remoto aos estudantes e professores;

      • laboratrios cientficos, quando for o caso;

      • plo de apoio presencial, como unidade operacional, no Pas ou no exterior, para o desenvolvimento descentralizado de atividades pedaggicas e administrativas relativas aos cursos e programas ofertados a distncia

      • bibliotecas adequadas, inclusive com acervo eletrnico remoto e acesso por meio de redes de comunicao e sistemas de informao, com regime de funcionamento e atendimento adequados aos estudantes de EAD.

    • O pedido de credenciamento da instituio para educao a distncia deve vir acompanhado de pedido de autorizao de pelo menos um curso na modalidade.(Redao dada pelo Decreto n 6.303, de 2007)


Decreto 5622 2005 ead iv

Decreto 5622/2005 EAD IV

  • Para os fins de que trata o Decreto, os projetos pedaggicos de cursos e programas na modalidade a distncia devero:

    • obedecer s diretrizes curriculares nacionais, estabelecidas pelo Ministrio da Educao e Conselho Nacional de Educao para os respectivos nveis e modalidades educacionais;

    • prever atendimento apropriado a estudantes portadores de necessidades especiais;

    • explicitar a concepo pedaggica dos cursos e programas a distncia, com apresentao de:

      • respectivos currculos;

      • nmero de vagas proposto;

      • sistema de avaliao do estudante, prevendo avaliaes presenciais e avaliaes a distncia;

      • descrio das atividades presenciais obrigatrias, tais como estgios curriculares, defesa presencial de trabalho de concluso de curso e atividades em laboratrios cientficos, bem como o sistema de controle de frequncia dos estudantes nessas atividades, quando for o caso.


Outros pareceres do cne sobre ead i

Outros Pareceres do CNE sobre EAD I

  • Parecer CNE/CEB n 15/1997 - Responde consulta sobre ensino fundamental e mdio (supletivo) com utilizao de metodologia de ensino a distncia.

  • Parecer CNE/CEB n 31/2000 - Consulta sobre ensino a distncia.

  • Parecer CNE/CEB n 10/2001 - Responde consulta sobre convnio entre instituies de educao profissional para ministrar cursos de educao tcnica profissional a distncia.

  • Parecer CNE/CEB n 28/2001 Consulta sobre a viabilidade de ministrar cursos de Ensino Fundamental e Mdio a distncia em outros Estados da Federao.

  • Parecer CNE/CEB n 41/2002 - Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educaoa Distncia na Educao de Jovens e Adultos e para a Educao Bsica na etapa do Ensino Mdio.

  • Parecer CNE/CEB n 31/2004 - Curso Normal de nvel mdio, na modalidade a distncia.

  • Parecer CNE/CEB n 17/2005 - Consulta sobre financiamento da Educao a Distncia, no ensino pblico, com recursos vinculados a que se refere o Artigo 212 da Constituio Federal.

  • Parecer CNE/CEB n 25/2008 - Consulta se os recursos do FUNDEB podem ser aplicados em programas de EAD para a Educao de Jovens e Adultos no nveis do Ensino Fundamental e do Ensino Mdio.

  • Parecer CNE/CEB n 12/2012 - define Diretrizes Operacionais sobre a oferta de cursos de Educao a Distncia em regime de cooperao entre os Sistemas de Ensino retornado do MEC sem homologao, para reviso do CNE.


Projeto de resolu o do parecer cne ceb 12 2012 articula o entre os sistemas para a oferta de ead

Projeto de Resoluo do Parecer CNE/CEB 12/2012: Articulao entre os Sistemas para a oferta de EAD

  • Art. 1 A presente Resoluo define Diretrizes Operacionais para a articulao dos sistemas de ensino da Unio, dos Estados e do Distrito Federal quanto oferta de cursos e programas de Educao de Jovens e Adultos e de Educao Profissional Tcnica de Nvel Mdio na modalidade Educao a Distncia (EAD).

  • Art. 2 As instituies do sistema federal de ensino devem se orientar pelas seguintes Diretrizes Operacionais:

  • I - Oferta de EAD no mbito da prpria Unidade Federada:

    • a) o credenciamento institucional para atuar na modalidade de Educao a Distncia ser de competncia dos rgos prprios do Ministrio da Educao e/ou do Conselho Nacional de Educao;

    • b) a primeira autorizao de funcionamento ser concedida pelos rgos prprios do sistema federal de ensino ou dos servios nacionais de aprendizagem, nos termos do art. 20 da Lei n 12.513/2011, ou pelos rgos prprios do MEC ou do CNE, quando for o caso;

    • c) na sequncia, os novos cursos e programas sero autorizados pelos rgos prprios do sistema federal de ensino.


Projeto de resolu o do parecer cne ceb 12 12 ii articula o entre os sistemas para a oferta de ead

Projeto de Resoluo do Parecer CNE/CEB 12/12-II: Articulao entre os Sistemas para a oferta de EAD

  • II - Oferta de EAD fora do mbito da Unidade da Federao:

    • a) se em instituies de ensino pblicas ou dos servios nacionais de aprendizagem, a abertura de polos de apoio presencial ser autorizada pelo rgo prprio da respectiva instituio vinculada ao sistema federal de ensino e comunicada ao MEC para fins de superviso educacional, bem como ao respectivo Conselho de Educao dos Estados ou do Distrito Federal, para o devido conhecimento;

    • b) se em instituies de ensino privadas, a abertura de polos de apoio presencial s poder ser autorizada aps a comunicao prvia e manifestao expressa do Conselho Estadual de Educao receptor, responsvel pela superviso educacional desses polos, em regime de colaborao.

  • Art. 3 As instituies de ensino privadas devem se orientar pelas seguintes diretrizes operacionais:

    • I - Oferta da EAD no mbito da prpria Unidade Federada:

      • a) atender ao disposto nas normas emitidas pelo rgo normativo do seu sistema de ensino;

      • b) o credenciamento da sede da instituio educacional para atuar na modalidade EAD e a correspondente autorizao de funcionamento de cursos e programas sero concedidos pelo Conselho Estadual de Educao e tero validade plena para atuao no mbito da prpria Unidade da Federao.


  • Projeto de resolu o do parecer cne ceb 12 12 iii articula o entre os sistemas para a oferta de ead

    Projeto de Resoluo do Parecer CNE/CEB 12/12-III: Articulao entre os Sistemas para a oferta de EAD

    • II - Oferta de EAD fora do mbito da Unidade da Federao:

      • a) a instituio educacional interessada em oferecer polos de apoio presencial fora da sua Unidade da Federao dever ter sua sede devidamente credenciada por parte do respectivo sistema de ensino ao qual se vincula, em sua Unidade da Federao e ter autorizao para a oferta de cursos e programas de Educao Profissional Tcnica de Nvel Mdio e Educao de Jovens e Adultos;

      • b) a autorizao para atuar em outras Unidades da Federao, com os mesmos cursos e programas j autorizados para a instituio educacional credenciada, depende da prvia autorizao do correspondente plano de expanso ou da respectiva reviso por parte do Conselho de Educao ao qual est jurisdicionada;

      • c) o Conselho Estadual de Educao, em regime de colaborao, entrar em contato com os Conselhos Estaduais de Educao das Unidades da Federao previstos no plano de expanso da instituio educacional, e encaminhar a esses Conselhos cpias dos atos de credenciamento institucional e de autorizao de funcionamento de cursos, com cpia dos correspondentes projetos pedaggicos;

      • d) condio essencial para a atuao em outra Unidade da Federao que os polos de apoio presencial sejam previamente vistoriados, com base em critrios estabelecidos em norma do sistema de ensino receptor e devidamente aprovados, por ato prprio, pelo rgo normativo desse sistema, sendo que o curso dever contar com as mesmas condies previstas no projeto pedaggico devidamente apreciado pelo Conselho Estadual de Educao de origem;

      • e) a superviso do polo de apoio presencial e o funcionamento do curso so de responsabilidade do sistema de ensino receptor em regime de colaborao com o sistema de ensino de origem;

      • f) a oferta irregular de curso em polo de apoio presencial situado em outra Unidade da Federao compromete a continuidade do projeto como um todo, inclusive na Unidade da Federao de origem, ficando o polo considerado irregular sujeito s sanes previstas nas normas prprias do sistema de ensino receptor, ao qual cabe comunicar o fato ao sistema de ensino de origem, para as devidas providncias.


    Projeto de resolu o do parecer cne ceb 12 12 iv articula o entre os sistemas para a oferta de ead

    Projeto de Resoluo do Parecer CNE/CEB 12/12-IV: Articulao entre os Sistemas para a oferta de EAD

    • Art. 4 Para atuao no mbito da Educao Profissional Tcnica de Nvel Mdio, a autorizao de funcionamento s ser concedida para cursos que estejam includos no mesmo eixo tecnolgico, no qual j atua a instituio educacional, desde que sejam comprovadas efetivas condies para o desenvolvimento das atividades de prtica profissional na prpria instituio ou em empresa com ela conveniada, bem como que demonstre ter plenas condies para a concretizao das atividades do correspondente estgio profissional supervisionado, quando for o caso.

    • Art. 5 Para a oferta de cursos e programas na Educao Bsica, em especial na Educao de Jovens e Adultos e na educao profissional tcnica de nvel mdio na modalidade EAD, exigida experincia educacional da instituio, bem como comprovao de possuir tecnologia educacional adequada para atuao em EAD.

    • Art. 6 A idade mnima para ingresso em cursos de Educao de Jovens e Adultos ou de Educao Profissional Tcnica de Nvel Mdio, na modalidade EAD, dever ser a de 18 (dezoito) anos completos, inclusive para o caso da EJA na etapa do Ensino Fundamental.

    • Art. 7 O Conselho Estadual de Educao que credenciar uma instituio educacional para ofertar cursos e programas na modalidade EAD deve, em ato prprio, fixar prazos para o funcionamento de polos de apoio presencial, sempre vinculados oferta de cursos j autorizados.

    • Art. 8 Para dar visibilidade e divulgao ao regime de colaborao entre os sistemas de ensino ser institudo, de conformidade com o art. 8 do Decreto n 5.622/2005, um sistema, de acesso ao pblico, que conter informaes atualizadas das instituies credenciadas com seus respectivos polos de apoio presencial e cursos autorizados, dos alunos matriculados e concluintes por curso e programa, dos resultados dos processos de superviso e de avaliao, e dos descredenciamentos, quando houver.


    Projeto de resolu o do parecer cne ceb 12 12 v articula o entre os sistemas para a oferta de ead

    Projeto de Resoluo do Parecer CNE/CEB 12/12-V: Articulao entre os Sistemas para a oferta de EAD

    • Art. 9 Na operacionalizao da implantao e implementao do regime de colaborao entre os sistemas de ensino, fundamental evidenciar a responsabilidade de cada sistema, garantindo aos Conselhos Estaduais de Educao receptores a legitimidade para acompanhar e fiscalizar o funcionamento dos polos autorizados para funcionarem em suas Unidades da Federao.

    • Art. 10 Deve ser dada garantia de aproveitamento de estudos realizados entre cursos presenciais e a distncia, devidamente autorizados e ofertados por instituies educacionais credenciadas e/ou conforme disciplinados pela legislao educacional vigente.

    • Art. 11 Ser permitida, a critrio de cada sistema de ensino, eventual aproveitamento de 20% (vinte por cento) da carga horria dos cursos presenciais ofertados no mbito da Educao Bsica, para ser desenvolvidos com a utilizao da metodologia de Educao a Distncia (EAD).

    • Art. 12. Os cursos tcnicos de nvel mdio oferecidos na modalidade de Educao a Distncia, no mbito da rea profissional da Sade, devem cumprir, no mnimo, 50% (cinquenta por cento) de carga horria presencial, sendo que, no caso dos demais eixos tecnolgicos, ser exigido um mnimo de 20% (vinte por cento) de carga horria presencial, nos termos das normas especficas definidas em cada sistema de ensino.

    • Art. 13 As diretrizes para o funcionamento de cursos e programas de Educao Profissional Tcnica de Nvel Mdio e de Educao de Jovens e Adultos na modalidade EAD guardam isonomia com as correspondentes Diretrizes Curriculares Nacionais definidas para os cursos presenciais, atendidas s especificidades exigidas para aquela modalidade.

    • Art. 14 O cumprimento destas Diretrizes Operacionais para a oferta de cursos e programas de Educao de Jovens e Adultos e de Educao Profissional Tcnica de Nvel Mdio na modalidade de Educao a Distncia, em regime de colaborao entre as Unidades da Federao, ser obrigatria a partir da publicao da Resoluo resultante da homologao deste Parecer.

    • Art. 15 Esta Resoluo entra em vigor na data de sua publicao, revogadas as disposies em contrrio, devendo ser assinada em conjunto com o Frum Nacional de Conselhos Estaduais de Educao.


    Xliii plen ria nacional do f rum dos conselhos estaduais de educa o fnce

    Pontos polmicos no Projeto de Resoluo do Parecer CNE/CEB 12/2012 que podero ser objeto de ALTERAES

    • Idade mnima de 18 anos para Educao de Jovens e Adultos, tanto no nvel do Ensino Fundamental, quanto no nvel do Ensino Mdio, embora possa ser mantida (???) para o ensino fundamental a idade mnima de 15 anos (dvida aps a EC n 59/2008).

    • Artigo 12 do Projeto de Resoluo prev que os cursos de EAD na rea da Sade cumpram no mnimo 50% de carga horria presencial e os demais cursos 20% presenciais.

    • Proposta de Comisso Especial do Frum de Conselhos: Os prprios estabelecimentos de ensino ofertantes de cursos na modalidade de EAD estabelecero, em seus respectivos Projetos Pedaggicos, os percentuais presenciais necessrios para cumprimento da formao visada.

    • Acrescentar que o plo considerado irregular ficar sujeito s sanses previstas nas normas prprias do Sistema de Ensino Receptor, ao qual cabe comunicar o fato ao Sistema de Ensino de Origem para eventuais sanses tambm nesse Sistema de Ensino.

    • Retirar a previso de Re-credenciamento, no unnime em todos os Sistemas de Ensino.

    • Polmica em torno do nome Educao Profissional e Tecnolgica seria prefervel adotar de imediato o nome Educao Tcnica de Nvel Mdio.

    • Como ficam os cursos de qualificao e especializao, presentes das DCNs da Ed. Profissional?

    • Garantir os procedimentos de aproveitamento de estudos entre cursos presenciais ou pela EAD, para fins de continuidade e concluso de estudos.

    • Aps receber a devida autorizao, no Conselho de origem, para ofertar EAD no mbito do seu Sistema de Ensino, de acordo com o respectivo Projeto Pedaggico, comunicar sua inteno ao Conselho do local onde pretende instalar plos, para anlise prvia das suas condies, encaminhando ao Conselho Local todos os documentos aprovados na origem.

    • A Instituio Educacional originalmente credenciada ser sempre a responsvel maior, que responder pelos atos praticados em seus plos e que levaram certificao profissional.


    Projeto de resolu o do parecer cne ceb 12 2012 articula o para a oferta de ead altera es

    Projeto de Resoluo do Parecer CNE/CEB 12/2012: Articulao para a oferta de EAD ALTERAES

    • Dois produtos foram encaminhados pela Consultora da UNESCO sobre a reviso da EAD, bem como um Documento preparado por Comisso Especial do Frum Nacional de Conselhos Estaduais de Educao

    • Dificuldades de coleta de dados, tanto em rgos pblicos ou privados, inclusive no mbito dos rgos prprios do MEC.

    • Foram identificadas trs categorias analticas no levantamento da UNESCO de indicaes para a oferta de cursos de educao profissional e tecnolgica na modalidade de educao a distncia, assim identificadas:

      • I. atividades realizadas de modo a distncia e atividades realizadas de modo presencial em cursos ofertados na modalidade de educao a distncia;

      • II. utilizao de tecnologias de modo a distncia e de modo presencial na educao profissional e tecnolgica;

      • III. carga-horria mnima a distncia e carga-horria mnima presencial de cursos ofertados na modalidade de educao a distncia. Algumas indicaes de referenciais e documentos normativos norteadores da oferta de cursos, bem como de recomendaes dos contextos e sujeitos participantes a respeito do objeto de estudo tambm compuseram este documento.

    • Previso:Fechamento da proposta na Plenria do Frum Nacional de Conselhos em Macap

    • Aprovao final na CEB/MEC em outro do corrente ano, para ser devidamente homologado.


    Xliii plen ria nacional do f rum dos conselhos estaduais de educa o fnce

    OFERTA DA EDUCAOPROFISSIONAL E TECNOLGICA NA EDUCAO A DISTNCIA E EXPANSO DA EDUCAO A DISTNCIA NA EDUCAO PROFISSIONAL E TECNOLGICA

    • De acordo com o Censo da Educao Bsica do INEP de 2012 (sem discriminar a modalidade educao a distncia e presencial):

    • Em relao s matrculas na educao profissional por reas profissionais, de um total de 1.362.200 matrculas (em 2011 era um total de 1.250.900 matrculas):

    • 313.604 (23,02% do total) foi na rea de Ambiente, Sade e Segurana; 8.025 (0,58% do total), na rea Desenvolvimento Educacional e Social; 268.510 (19,71% do total), na rea Controle e Processos Industriais; 249.092 (18,28% do total), na rea Gesto e Negcios;


    Xliii plen ria nacional do f rum dos conselhos estaduais de educa o fnce

    OFERTA DA EDUCAO PROFISSIONAL E TECNOLGICA NA EDUCAO A DISTNCIA E EXPANSO DA EDUCAO A DISTNCIA NA EDUCAO PROFISSIONAL E TECNOLGICA

    • 25.171 (1,84% do total), na rea Turismo, Hospitalidade e Lazer;

    • 173.902 (12,76% do total), na rea Informao e Comunicao;

    • 56.925 (4,17% do total), na rea Infraestrutura;

    • 2.454 (0,18% do total), na rea Militar;

    • 18.590 (1,36% do total), na rea Produo Alimentcia;

    • 34.191 (2,50% do total), na rea Produo Cultural e Design;

    • 21.666 (1,59% do total), na rea Produo Industrial;

    • 89.151 (6,54% do total), na rea Recursos Naturais;

    • 100.919 (7,40% do total), na rea Segurana do Trabalho.


    Xliii plen ria nacional do f rum dos conselhos estaduais de educa o fnce

    OFERTA DA EDUCAO PROFISSIONAL E TECNOLGICA NA EDUCAO A DISTNCIA E EXPANSO DA EDUCAO A DISTNCIA NA EDUCAO PROFISSIONAL E TECNOLGICA

    • 240.226 matrculas na Educao Profissional - Concomitante (em 2011 era um total de 188.572 matrculas);

    • 823.429, na Educao Profissional - Subsequente (em 2011, 804.615 matrculas);

    • 298.545 na Educao Profissional - Integrada (em 2011, 257.713 matrculas).


  • Login