A lingu stica saussuriana
Download
1 / 10

A linguística saussuriana - PowerPoint PPT Presentation


  • 86 Views
  • Uploaded on

A linguística saussuriana. Ferdinand de Saussure (1857/1913).

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' A linguística saussuriana' - korene


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
A lingu stica saussuriana

A linguística saussuriana


Ferdinand de saussure 1857 1913
Ferdinand de Saussure(1857/1913)

  • Seu livro Cuors de LinguistiqueGénéral(Curso de Lingüística Geral - CLG), resultou na compilação dos escritos e anotações feitas para suas aulas, por três de seus discípulos mais importantes: Charles Bally, Albert Sechehaye e Albert Riedlinger.

  • Trata-se, portanto, de uma obra póstuma e que não teve a devida revisão feita pelo autor dos escritos.

  • Saussure é considerado o ‘pai’ da Linguística moderna e seus postulados teóricos um divisor de águas no que se refere ao estudo científico da linguagem.


A doutrina de saussure
A Doutrina de Saussure

“A lingüística, jamais se preocupou em determinar a natureza de seu objeto de estudo. Ora, sem essa operação elementar, uma ciência é incapaz de estabelecer um método para si própria”.

Saussure fez um esquema que, na sua opinião, é a forma racional que deve assumir o estudo linguístico:

RELAÇÕES ASSOCIATIVAS

(= PARADIGMÁTICAS)

RELAÇÕES SINTAGMÁTICAS

SINCRONIA

LÍNGUA

DIACRONIA

FALA


A teoria do signo ling stico
A Teoria do Signo Lingüístico

SIGNIFICANTE ARBITRARIEDADE

  • SIGNO PRINCÍPIOS

    SIGNIFICADO DO SIGNO LINEARIDADE

  • Para Saussure, o signo linguístico é formado pela “união do sentido e da imagem acústica”.

  • O que o autor chama de “sentido” é o mesmo que conceito/idéia, é uma representação mental, e o que ele chama de “imagem acústica” não é o som material, puramente físico, mas a impressão psíquica desse som.


  • Saussure considera que “sentido” é a mesma coisa que conceito ou idéia, ou seja, a representação mental de um objeto ou da realidade social em que nos situamos. Sendo o conceito, sinônimo de significado.

  • Assim sendo, pode-se dizer que o signo linguístico é uma entidade psíquica de duas faces, representadas na figura abaixo:

Conceito - domus

Imagem acústica - /kaza/


Tipos de sinais
TIPOS DE SINAIS conceito ou idéia, ou seja, a representação mental de um objeto ou da realidade social em que nos situamos. Sendo o conceito, sinônimo de significado.

  • A Semiologia distingue dois tipos de sinais: os naturais e os convencionais.

  • Os sinais naturais diferencia-se dos sinais convencionais por se manifestarem, em forma de indício (físico), como a fumaça, trovoada, rastros, cheiros, sons, etc. Ou em forma de sintoma (fisiológico): a pulsação, dor, febre, fome, suor, espasmos, etc.

  • Enquanto que os convencionais se mostram mais complexos e pressupõe a existência de uma cultura já estabelecida. Podendo apresentar-se sob a forma de:

  • Ícone – é imagístico: foto, desenho, estátua, (não-arbitrário)

  • Símbolo – a cruz/cristianismo, cobras entrelaçadas/medicina (semi-arbitrário).

  • Signo – a palavra (é totalmente arbitrário, segundo Saussure).


Indício conceito ou idéia, ou seja, a representação mental de um objeto ou da realidade social em que nos situamos. Sendo o conceito, sinônimo de significado. (físico): fumaça, rastros, sons

NATURAL

  • Sintoma (fisiológico): pulsação, febre

    TIPOS DE SINAIS

  • Ícone (motivado): estátua, foto

    Símbolo (intermédio) balança =

    justiça

    Signo (imotivado): a palavra

CONVENCIONAL


Uma cr tica teoria do signo
Uma crítica á teoria do signo conceito ou idéia, ou seja, a representação mental de um objeto ou da realidade social em que nos situamos. Sendo o conceito, sinônimo de significado.

  • Do mesmo modo que outras postulações saussurianas, também esta tem sido alvo da crítica de alguns linguísticas contemporâneos.

  • A mais importantes delas refere-se ao fato de Saussure,em virtude de encarar o signo como uma entidade bifacial, não ter incluído um terceiro termo – a coisa significada –na sua teoria.

  • Na teoria saussuriana Na teoria de Ogden e Rchards

  • sdo pensamento ou referência

    ste ‘coisa’ símbolo referente


  • Segundo seus contraditores à teoria do signo conceito ou idéia, ou seja, a representação mental de um objeto ou da realidade social em que nos situamos. Sendo o conceito, sinônimo de significado.linguístico, em vez de apenas Significante e Significado proposta por Saussure, deveria ser acrescentada uma complementação, que seria a coisa significada/real.

  • A crítica é pertinente, pois o triângulo apresentado por Ogden e Richards reintroduz a coisa significada, ou melhor dizendo, a realidade sociocultural, a qual, quer seja considerada extralinguistica ou não, não pode ser deixada de lado pela Semântica.

  • O filósofo e linguista M. Bakhtin, ‘resolveu’ esse problema acrescentando em seus postulados teóricos, o fato de o signo linguístico ter também um caráter ideológico, portanto, em dadas situações ele pode ser: arbitrário, semi-arbitrário ou intencional.


Cr ticas ao princ pio da arbitrariedade
Críticas ao Princípio da Arbitrariedade conceito ou idéia, ou seja, a representação mental de um objeto ou da realidade social em que nos situamos. Sendo o conceito, sinônimo de significado.

  • Alguns dos críticos de Saussure destacaram que o signo, na sua totalidade, não é tão arbitrário como pretendia o mestre, porque uma das suas faces (o significante) não poderia combinar-se arbitrariamente com a sua segunda face (o significado) correspondente em outra língua.

  • Por Exemplo: o inglês/(teacher) não poderia jamais tornar-se o significante do significado português “Professor”, porque não abrange todos os sentidos e nuances que nós, falantes do português, fazemos de “professor”.


ad