O desaparecimento e recomposi o de im veis
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 38

O desaparecimento e recomposição de imóveis PowerPoint PPT Presentation


  • 58 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

O desaparecimento e recomposição de imóveis. a perda, a acessão e seus reflexos registais desta (breve análise comparatística entre o direito português e o direito brasileiro). Mónica Jardim e Margarida Costa Andrade. A perda da coisa enquanto modo de extinção do direito de propriedade.

Download Presentation

O desaparecimento e recomposição de imóveis

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


O desaparecimento e recomposi o de im veis

O desaparecimento erecomposição de imóveis

a perda, a acessão e seus reflexos

registais desta

(breve análise comparatística entre o direito português e o direito brasileiro)

Mónica Jardim e Margarida Costa Andrade


A perda da coisa enquanto modo de extin o do direito de propriedade

A perda da coisa enquanto modo de extinção do direito de propriedade

  • Perdatotal dacoisalevaàextinção do direito

    • Arts. 730.º/c)CCvPorte 1.499 CCvBras — a hipotecaextingue-se peloperecimentodacoisahipotecada

    • Art. 1476.º/d)CCvPorte 1.410 CCvBras — paraousufruto, masaplicáveisporremissãoaosdireitos de usoe de habitação

    • Art. 1536.º/e)CCvPort — paraodireito de superfície

  • A perdaparcialnãoafecta a subsistência do direito real, quesubsistetendoporobjecto a parte restante (cfr. regime jurídico do usufruto do qual se retiraumaregrageral)


  • O desaparecimento e recomposi o de im veis

    Mas, serápossívelfalaremperda de um imóvel?

    • Artigo 1344.º, n.º 1 CCv: “A propriedade dos imóveisabrangeoespaçoaéreocorrespondenteàsuperfície, bemcomoosubsolo, com tudooqueneles se contémenãoestejadesintegrado do domíniopor lei ounegóciojurídico.”


    O desaparecimento e recomposi o de im veis

    espaço aéreo

    superfície

    subsolo

    espaço aéreo

    superfície

    subsolo

    Qui dominus est soli, dominus est esque ad coelum et usque ad inferus


    O desaparecimento e recomposi o de im veis

    Mas:

    • Só uma pequena parte do subsolo é susceptível de ser possuída por alguém com exclusão dos demais, pelo que só essa parte poderá considerar-se integrada no domínio privado do dono da superfície

    • Há que contar com o que tenha sido desintegrado do domínio pela lei ou por negócio jurídico


    O desaparecimento e recomposi o de im veis

    • Art. 1.229 CCvBras

      “A propriedade do solo abrange a do espaço aéreo e subsolo correspondentes, em altura e profundidade úteis ao seu exercício, não podendo o proprietário opor-se a atividades que sejam realizadas, por terceiros, a uma altura ou profundidade tais, que não tenha ele interesse legítimo em impedi-las.”


    O desaparecimento e recomposi o de im veis

    antes

    A

    depois

    A (artigo 1344.º)


    O desaparecimento e recomposi o de im veis

    antes

    A

    depois

    A


    O desaparecimento e recomposi o de im veis

    • Se

      Prédio urbano Prédio rústico

      Direito de propriedadeNovo direito de

      extingue-sepropriedade


    O desaparecimento e recomposi o de im veis

    • Se Propriedade horizontal/condomínio edilício

    Antes

    Depois


    O desaparecimento e recomposi o de im veis

    antes

    A

    Mar/Rio

    depois

    A

    Mar/Rio

    artigo 202.º, n.º 2


    O desaparecimento e recomposi o de im veis

    B

    A

    C

    B

    C

    A


    Acess o

    Acessão

    • Dá-se a acessão quando com a coisa que é propriedade de alguém se une e incorpora outra coisa (alheia ou res nullius) que não lhe pertencia

    • Princípio segundo o qual o direito de propriedade tem a virtualidade de absorver tudo o que se vier a incorporar no seu objecto (vi et potestate rei nostrae)


    Acess o cont

    Acessão (cont.)

    Doisprincípiosdominamestamatéria:

    • A uniãoinseparávelde duasoumaiscoisaspertencentes a donosdiversos

    • A coisaqueacedeàoutratorna-se parte componenteouintegrantedesta

      Incorporação ≠ adjunção

      Critérioeconómicoenãomeramente material


    Acess o natural

    Acessão natural

    A acessão natural acontece quando a união e a incorporação resultam exclusivamente das forças da Natureza

    Princípio geral: pertencerá ao dono da coisa tudo o que a esta acrescer por efeito da Natureza


    Acess o natural avuls o

    Acessão natural — Avulsão

    Art. 1.251 CCvBras

    “Quando, por força natural violenta, uma porção de terra se destacar de um prédio e se juntar a outro, o dono deste adquirirá a propriedade do acréscimo, se indenizar o dono do primeiro ou, sem indenização, se, em um ano, ninguém houver reclamado.

    Parágrafo único. Recusando-se ao pagamento de indenização, o dono do prédio a que se juntou a porção de terra deverá aquiescer a que se remova a parte acrescida.”

    Art. 1329.º CCvPort

    “1. Se, poracçãonatural eviolenta, a correntearrancarquaisquerplantasoulevarqualquerobjectoouporçãoconhecida de terreno, earrojaressascoisassobreprédioalheio, odonodelas tem odireito de exigirquelhesejamentregues, contantoqueofaçadentro de seismeses, se antes nãofoinotificadoparafazer a remoção no prazojudicialmenteassinado.

    2. Não se fazendo a remoçãonosprazosacordades, éaplicávelodisposto no artigo [sobrealuvião].”


    O que temos em comum

    O que temos em comum

    • A avulsão resulta de uma força instantânea e violenta (inundação, tremor de terra, ciclobe, derrocada…) da Natureza

    • A aluvião resulta de um modo de actuação da Natureza imperceptível

    • A lei não pressupõe que se trate da afectação de um prédio inferior por um prédio superior — o prédio tem de ser alheio

    • A porção de terreno arrancada tem de ser conhecida ou identificável


    O que nos diferencia

    O que nos diferencia

    1) CCvBras

    • Reconduz a acessão a uma porção de terra

      CCvPort

    • A aquisição pode dar-se em relação a uma porção conhecida de terreno, plantas ou qualquer objecto


    O que nos diferencia cont

    O que nos diferencia (cont.)

    2) CCvBras

    • A avulsão é forma de acessão quando:

      • Caduca o direito de reclamar do proprietário do prédio empobrecido

      • O proprietário do terreno acrescido não consente que a porção de terra seja removida e se disponibiliza a indemnizar o proprietário do prédio empobrecido


    O que nos diferencia cont1

    O que nos diferencia (cont.)

    2-cont) CCvPort

    • prevê-se uma de duas soluções:

      • Concede ao dono do material o direito de o remover

      • Concede ao dono do terreno atingido o direito de exigir a remoção do mesmo material

        Prazo (peremptório e improrrogável): 6 meses (a partir da actuação das forças da natureza )

        Não há obrigação de indemnização quando nenhum dos direitos é exercido ou não é respeitado o prazo


    Teremos na avuls o uma verdadeira acess o natural

    Teremos na avulsão uma verdadeira acessão natural?

    • Se pode haver reclamação/reivindicação é porque há coisa autónoma (não há incorporação; não há expansão automática do direito de propriedade)

    • Segundo a lei brasileira, a aquisição verifica-se:

      • Quando o dono do terreno aumentado se prontifica a pagar a indemnização

      • Quando caduca o direito de reclamar, pela expiração do prazo de decadência

    • Segundo a lei portuguesa:

      • Só há aquisição quando não forem removidos os materiais conhecidos e arrastados


    Ent o que modo de aquisi o da propriedade aqui actua a favor do dono do pr dio enriquecido

    Então, que modo de aquisição da propriedade aqui actua a favor do dono do prédio “enriquecido”?

    • AntónioCarvalho Martins:

    • Abandono das coisasarrastadas (nãoreivindicaçãoequivale a animus derelinquenditácito)

    • Aquisiçãoporocupação

    • coisa móvel abandonada, que nunca teve dono

    • materialmente apreendida

    • animus occupandi tácito


    O desaparecimento e recomposi o de im veis

    • Esta posição pressupõe:

      coisa arrastada

      coisa móvel

      abandono

      ocupação

    Não parte componente

    do prédio, mas coisa autónoma

    De onde surge o novo direito de propriedade

    do proprietário empobrecido?

    Proprietário enriquecido fica com dois

    direitos de propriedade:

    — sobre o imóvel enriquecido

    — sobre a parte móvel ocupada


    Na nossa perspectiva

    Na nossa perspectiva:

    O legislador ficciona, durante 6 meses, que a parte do terreno arrastada ainda pertence ao prédio “empobrecido”, e assim admite a acção de reivindicação (direito de propriedade defendido como se objecto não “empobrecido”)

    Intentada a acção e julgada procedente, a parte arrastada volta ao terreno originário e a ficção termina (propriedade incólume)

    Decorridos 6 meses sem que intentada a acção

    Não há incorporação

    Legislador determina que o proprietário do prédio “enriquecido” adquira por acessão (ficciona parte componente)

    Incorporação

    Acessão

    Expansão da propriedade

    enriquecida


    O desaparecimento e recomposi o de im veis

    “a regra, pois, éque as terrasdesprendidascontinuam a pertenceraoproprietário do terreno do qual se desprenderam. Perde-a, porém, se odono do terrenoacrescidoquiserindenizar a avulsão. (…) O direito de reclamar, que a lei confereaoproprietário do terrenodiminuído, deve ser exercido (…) medianteacçãopropostapelointeressado no prazo de um ano, contado do diaemqueocorreu a avulsão. O prazoé de decadência. Se ninguémreclamardentro de um ano, a porção de terra considerar-se-ádefinitivamenteincorporadaaoterrenoonde se acha. Extingue-se odireito. Decorridooprazo final, oproprietário do terrenodesfalcadonãopodemaisagir contra odono do terrenoaumentado.”

    LuizEdsonFachin


    Reclama o reivindica o

    Reclamação/Reivindicação

    • Direito brasileiro: direito de reclamar não se traduz num propósito reivindicatório

    • Direito português: pressupõe um propósito reivindicatório (“direito de exigir que lhe sejam entregues”)

    • A reclamação e o direito de exigir a entrega podem ser exercidos extrajudcialmente


    Ac o de reivindica o

    Acção de reivindicação

    • Tem por objecto o reconhecimento do direito de propriedade

    • Pedidos:

      • Reconhecimento do direito de propriedade

      • Restituição da coisa

    • Prova do direito de propriedade

    • Sujeita a registo (art. 3.º, a) CRP)


    Destino dos direitos reais limitados

    Destino dos direitos reais limitados


    Hipoteca

    Hipoteca

    • Onerando o direito de propriedade empobrecido

      • Arts. 692.º CCvPort e 1.425, V, §1 CCvBras: caso a coisa se perca e o dono tenha direito a ser indemnizado, o credor conserva sobre o crédito respectivo ou as quantias pagas a título de indemnização a preferência que tinha sobre a coisa onerada

      • Arts. 701.º CCvPort e 1.425, I e IV CCvBras: reforço da hipoteca

    • Onerando o direito de propriedade enriquecido (no esquema, as propriedades dos srs. B e C):

      • Arts. 691.º CCvPort e 1.474 CCvBras: a hipoteca abrange as acessões naturais

      • Art. 720.º CCv: redução (voluntária ou judicial) da hipoteca


    Direito de usufruto

    Direito de usufruto

    • A perda total da coisa usufruída extingue o usufruto e a extinção do usufruto implica a extinção dos encargos constituídos pelo usufrutuário

    • Onerando o direito de propriedade empobrecido:

      • O usufruto continua sobre a parte restante e “passa ainda a recair” sobre o montante da indemnização

        indemnização

  • Onerando o direito de propriedade enriquecido:

    • O usufruto abrange as coisas acrescidas


  • Direitos de uso e habita o

    Direitos de uso e habitação

    • Extinguem-se pelos mesmos modos que o usufruto (arts. 1485.º CCvPort e 1.416 CCvBras)

    • Hipótese de rei mutatio e de destruição de edifício — não aplicação do regime jurídico do usufruto

    • Havendo lugar a indemnização, a solução mais criteriosa será a de atribuir ao usuário a parte que dessa indemnização possa competir ao seu direito (arts. 1484 CCvPort e 1.412 e 1.414 CCvBras)

    • Onerando o direito de propriedade enriquecido: valem as mesmas soluções do usufruto


    Direito de superf cie

    Direito de superfície

    • Onerando o direito de propriedade empobrecido:

      • Se o solo desaparecer ou se inutilizar, o direito de superfície extingue-se por impossibilidade de ser exercido

    • Onerando o direito de propriedade enriquecido:

      • Como o direito de superfície abrange a porção de terreno necessária à implantação da obra (art. 1525.º), o superficiário não será beneficiado pela avulsão

      • Se tiver por objecto a faculdade de fazer plantação, e não for definida a área, nada obstará a que dela beneficie

    Parte acrescida


    Servid es prediais

    Servidões prediais

    • Onerando o direito de propriedade empobrecido:

      • Extinguindo-se a parcela do terreno onerada com a servidão, extingue-se a servidão

      • Se servidão legal, pode ser constituída uma nova servidão se os pressupostos estiverem preenchidos

    • Onerando o direito de propriedade enriquecido:

      • Sem alterações


    Reflexos registais da avuls o

    Reflexos registais da avulsão

    • Ocorrendo a avulsão, como referimos, o titular do prédio enriquecido mantém o direito de propriedade que tinha, expandindo-se apenas o objecto ou os limites materiais de tal direito

    • Não surgindo um novo direito, mas ocorrendo “apenas” uma extensão do objecto do direito já existente, não há fundamento que justifique uma nova inscrição


    Reflexos registais da avuls o1

    Reflexos registais da avulsão

    • O registo terá, somente, de reflectir a modificação do objecto, no plano descritivo, sendo tal, obviamente, suficiente para que a situação jurídica publicitada passe a ser reportada ao objecto redefinido.

    • Em consonância, também deve ser alterada a descrição do prédio empobrecido, sob pena de passar a existir uma duplicação parcial.


    Reflexos registais da avuls o2

    Reflexos registais da avulsão

    • Quanto aos restantes direitos, quer recaiam sobre o prédio enriquecido, quer sobre o empobrecido, valerá a mesma ordem de ideias.

    • As respectivas inscrições mantêm-se incólumes, porque a alteração da descrição torna manifesto que o direito publicitado passou a ter por objecto o que foi redefinido e não o que existia à data da sua constituição.


    Reflexos registais da avuls o3

    Reflexos registais da avulsão

    • Nenhuma alteração à descrição predial poderá ocorrer sem que seja carreada para o registo a prova dos respectivos pressupostos, o que implicará uma acção judicial de reconhecimento, ou, caso o legislador o preveja, um reconhecimento extrajudicial.


    O desaparecimento e recomposi o de im veis

    FIM!

    • Grata pela atenção.


  • Login