slide1
Download
Skip this Video
Download Presentation
VIGOV

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 19

VIGOV - PowerPoint PPT Presentation


  • 94 Views
  • Uploaded on

VIGOV. Projetos de Engenharia para o PAC - Requisitos. Projetos de Engenharia para o PAC - Requisitos. PREMISSAS, NÍVEL DE ATUAÇÃO E DESAFIOS 44ª Assembleia Nacional da ASSEMAE 07.05.2014. PREMISSAS.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' VIGOV' - kizzy


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

VIGOV

Projetos de Engenharia para o PAC - Requisitos

slide2

Projetos de Engenharia para o PAC - Requisitos

PREMISSAS, NÍVEL DE ATUAÇÃO E DESAFIOS

44ª Assembleia Nacional da ASSEMAE

07.05.2014

slide3

PREMISSAS

Universalização do acesso aos serviços de saneamento pressupõe a participação expressiva do setor público.

Universalizar tais serviços deve abranger não só financiamento ou repasse de verbas públicas, mas também instituição de marcos regulatórios coerentes e fortalecimento do controle social.

A atuação do governo federal entende fortalecer as reponsabilidades locais, pois não detém governabilidade sobre o ente público federado.

Atuação local pressupõe, ainda, a capacidade institucional de contratar e executar bons projetos.

slide4

AÇÕES DO PAC 2

Em três anos do PAC 2, foram selecionados 4.312 empreendimentos de saneamento, dos quais 58% estão contratados.

Essas ações representam R$ 24,5 bilhões em novos investimentos que incluem obras de esgotamento sanitário, saneamento integrado* e manejo de resíduos sólidos.

*exclui ações de saneamento englobadas em drenagem, respostas a riscos/desastres, mobilidade e contenções de encostas.

Os projetos selecionados no PAC 2 beneficiarão

3.498 municípios em todos os estados. Desses empreendimentos, 47% estão em obras.

slide6

ATUAÇÃO DA CAIXA

Em apoio à infra-estrutura, englobando financiamentos e repasses, a CAIXA tem uma carteira ativa de R$ 138 bilhões de reais. Do total de contratos, 6% referem-se unicamente às ações de saneamento, excetuadas aquelas nas quais há sombreamento com outros temas. Somente em verbas de OGU tais contratos somam R$ 40,0 bilhões.

Desde 2007 a CAIXA investiu com recursos próprios, repassou ou financiou com recursos de terceiros cerca de R$ 50 bilhões em saneamento e infraestrutura urbana diretamente ligada aos temas do PLANSAB.

A seleção atual do PAC 2, divulgada no final de 2013, premia 310 projetos de saneamento com valor total de investimento de R$ 10,5 bilhões.

Além destes recursos, a CAIXA aplica 2% do seu lucro anual em um fundo próprio, o FSA, para ações de sustentabilidade ambiental e social.

cliente governo carteira ativa
Cliente Governo – Carteira Ativa

TOTAL

R$ 138,1 Bilhões

40.772Operações

FINANCIAMENTO

REPASSE

R$69,5 Bilhões

39.007Operações

R$68,6 Bilhões

1.765Operações

Base DEZ/2013

slide8

GESTOR

(ministérios, agências)

CAIXA

(agente mandatário)

TOMADOR DO RECURSO

(estados, municípios, concessionárias)

Define diretriz e efetiva o planejamento, a regulação, a normatização e a gestão da aplicação de recursos federais

elabora projetos, orçamentos e fiscaliza as obras, em consonância com os projetos aprovados, observando as restrições legais

analisa projetos e orçamentos, com vistas a garantir a correta aplicação do recurso e a conclusão do objeto contratado.

Foco:

Foco:

Foco:

NORMATIZAÇÃO

REALIZAÇÃO

ENQUADRAMENTO

realizam auditorias para controle da aplicação do recursos.

Foco:

ÓRGÃOS DE CONTROLE

(TCE, CGU, TCU)

CONTROLE

slide9

PROCEDIMENTO PARA ACESSO AOS RECURSOS DO PAC

ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO

ENVIO DE PROPOSTAS VIA INTERNET

ENQUADRAMENTO/HABILITAÇÃO DAS PROPOSTAS

APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS TÉCNICOS NO MCIDADES

SELEÇÃO DAS PROPOSTAS

INTERFACE CAIXA

APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTAÇÃO PARA ASSINATURA DE TERMO DE COMPROMISSO

ATENDIMENTO DE EVENTUAIS PENDÊNCIAS NA DOCUMENTAÇÃO

AGUARDAR APROVAÇÃO TÉCNICA P/ PUBLICAÇÃO DA LICITAÇÃO

slide10

PREOCUPAÇÕES DA CAIXA NA GARANTIA DA QUALIDADE PROJETUAL

Orientação aos Compromissários nas fases de elaboração de projetos, contratação do crédito, execução e prestação de contas, em relação ao desenvolvimento das exigências de programa e preenchimento de modelos.

Fomentar ações de pesquisas aplicadas (novas tecnologias e avaliações) em especial as voltadas para tecnologias que reduzam os custos de implantação, operação e manutenção.

Articular, quando couber, a atividade projetual com ações que visem à redução de emissão de gases de efeito estufa enquadrados como projetos de MDL no âmbito do Protocolo de Quioto, o manejo da construção e demolição e a preservação de mananciais.

slide11

CONCEPÇÃO

ADEQUAÇÃO AOS OBJETIVOS DO PROGRAMA/AÇÃO

Conclusão quanto àVIABILIDADE TÉCNICAdo empreendimento

COMPATIBILIDADE COM A CIDADE/REGIÃO

ADEQUAÇÃO DE CUSTOS

CONSTRUTIBILIDADE/EXEQÜIBILIDADE TÉCNICA

PRAZOS

ATENDIMENTO À LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E URBANÍSTICA ATESTADA PELA EMISSÃO DE DOCUMENTAÇÃO DE APROVAÇÃO E RESPONSABILIDADE TÉCNICA

slide12

DOCUMENTAÇÃO A CARGO DO PROPONENTE

Os documentos técnicos básicos são constituídos de:

  • Carta Consulta/Proposta/Consulta Prévia;
  • QCI ou QUF no caso de operações estruturadas;
  • Justificativa do empreendimento;
  • Peças gráficas;
  • Memorial Descritivo;
  • Especificações Técnicas;
  • Cronograma Físico Financeiro;
  • Orçamento Discriminado.
slide13

ATIVIDADES TÉCNICAS DE ENGENHARIA REALIZADAS PELA CAIXA NAS AÇÕES DE SANEAMENTO

  • Análise para fins de enquadramento da proposta, conforme critérios definidos pelo Gestor do Programa.
  • Verificação Preliminar.
  • Análise Ambiental ou Socioambiental, conforme o programa.
  • Análise técnica de engenharia do empreendimento, parcial ou total.
  • Acompanhamento do empreendimento.
  • Análise de reprogramação para alteração contratual.
  • Avaliação de resultados do empreendimento, conforme o programa.
slide14

ASPECTOS DE ENGENHARIA VERIFICADOS NOS PROJETOS

  • O atendimento aos pré-requisitos de enquadramento.
  • A compatibilidade entre as peças técnicas apresentadas na solicitação e demais apresentadas a posteriori.
  • A viabilidade da operação (aspectos técnicos) e as condicionantes que a possam comprometer.
  • A identificação de pendências com prazos para atendimento.
  • Se o projeto permite a visão global da obra e identificação dos elementos constitutivos; se informa soluções técnicas globais e localizadas.
  • Se as peças técnicas identificam os tipos de serviços a executar, e os materiais e equipamentos a incorporar à obra.
slide15

ALGUMAS DIRETRIZES DE PROJETO

  • OEstudo de Concepção e o Projeto Básico sempre constituem-se na primeira etapa para definição dos sistemas.
  • Devem garantir a funcionalidade plena para projetos de redes, o que no caso de esgoto contempla o tratamento e destinação final dos efluentes.
  • Sempre que um empreendimento provocar mudanças nas condições de vida da população, faz-se necessário o desenvolvimento de Trabalho Socioambiental.
  • AContratada deverá buscar a padronização das unidades operacionais a serem projetadas.
  • Deverão ser buscadas soluções criativas com a utilização de tecnologias adequadas à realidade local, a custos compatíveis com a capacidade de pagamento e custos de manutenção;
  • Deverão guardar compatibilidade com o Plano Diretor Municipal, com o Plano de Saneamento Básico, com o Plano de Bacia hidrográfica e Planos de Desenvolvimento Regional, quando existentes.
slide16

DESAFIOS À CONCLUSÃO DA ANÁLISE E TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS

Compromissário modifica o objeto do Financiamento ou Repasse

Irregularidade cartorial da área de intervenção

Inexistência de estudos básicos, como histórico de demanda.

Excessiva demora do compromissário em realizar os ajustes de projeto solicitados

Inexistência de licenças, outorgas e aprovações

Licitação em inconformidade com legislação

Ênfase nos projetos de engenharia, esquecendo que o componente Trabalho Social pode fazer parte do empreendimento

slide17

DESAFIOS À CONCLUSÃO DA ANÁLISE E TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS

Deficiência da fiscalização local em relação ao aceite de projetos e/ou serviços

Pouca atenção ao equacionamento dos impactos negativos da implementação, ainda que temporários

Modificação do contrato de projetos, até mesmo na etapa de obras, sem comunicação ao Ministério Gestor

Valor calculado pela fiscalização do compromissário incompatível com o avanço projetual.

Não prestação de contas – 20% dos contratos

Inadequação ou Inexistência de parâmetros de custos – necessidade de publicação de sistemas de custos adotados – Decreto 7.983/2013, Artigo 6⁰