slide1
Download
Skip this Video
Download Presentation
Coordenadoria de Controle de Doenças – CCD/SES /SP

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 27

Coordenadoria de Controle de Doenças – CCD/SES /SP - PowerPoint PPT Presentation


  • 89 Views
  • Uploaded on

Programa Sentinela de Vigilância Epidemiológica da Doença Meningocóccica e Meningites causadas por S. pneumoniae e H. influenzae. Coordenadoria de Controle de Doenças – CCD/SES /SP Centro de Vigilância Epidemiológica “Prof Alexandre Vranjac”

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' Coordenadoria de Controle de Doenças – CCD/SES /SP' - kieve


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

Programa Sentinela de Vigilância Epidemiológica da Doença Meningocóccica e Meningites causadas por S. pneumoniae e H. influenzae

Coordenadoria de Controle de Doenças – CCD/SES/SP

Centro de Vigilância Epidemiológica “Prof Alexandre Vranjac”

Divisão de Doenças de Transmissão Respiratória – CVE/CCD/SES/SP

Subsistema de Vigilância Epidemiológica em Âmbito Hospitalar – CVE/CCD/SES/SP

Instituto Adolfo Lutz – CCD/SES/SP

Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo

Secretaria Municipal de Saúde de Campinas

Faculdade de Saúde Pública - USP

Universidade de Pittsburgh-Pensylvania/EUA

t picos
Epidemiologia das meningites em São Paulo

Vigilância das meningites e Programa Sentinela

Resultados

Conclusões

Passos futuros

Referências

Tópicos
introdu o
Meningite bacteriana de etiologia indeterminada

Em 2006, 41,5% das meningites bacterianas notificadas no SINAN

(Carvalhanas et al, Meningites bacterianas.BEPA, 2005. 2(17): p. 15-26.)

Introdução
slide5

DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL DE CASOS DE MENINGITE POR ETIOLOGIA, ESTADO DE S. PAULO, 2006

N= 9.322

FONTE : SINAN / D.D.T. / CVE

(DADOS EM 20/08/2007)

distribui o percentual de casos de meningites bacterianas por etiologia estado de s paulo 2006
DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL DE CASOS DE MENINGITES BACTERIANAS POR ETIOLOGIA, ESTADO DE S. PAULO, 2006

N= 4.661

FONTE : SINAN / D.D.T. / CVE

(DADOS EM 20/08/2007)

incid ncia e letalidade da doen a meningoc cica estado de s paulo 2000 a 2007
INCIDÊNCIA E LETALIDADE DA DOENÇA MENINGOCÓCICA ESTADO DE S. PAULO , 2000 A 2007

FONTE: SINAN / D.D.T.R. / CVE

DADOS EM 27/08/2008.

incid ncia e letalidade das meningites por streptococcus pneumoniae estado de s o paulo 2000 a 2007
INCIDÊNCIA E LETALIDADE DAS MENINGITES POR Streptococcus pneumoniae, ESTADO DE SÃO PAULO , 2000 a 2007

FONTE: SINAN / D.D.T.R. / CVE

DADOS EM 27/08/2008

slide9
INCIDÊNCIA E LETALIDADE DAS MENINGITES POR Haemophilus influenzae b EM MENORES DE 5 ANOS DE IDADE, ESTADO DE SÃO PAULO , 1990 A 2007

FONTE: SINAN / D.D.T.R. / CVE

DADOS EM 27/08/2008

doen a meningoc cica distribui o percentual por sorogrupo estado de s paulo 1990 a 2007
DOENÇA MENINGOCÓCICA: DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL POR SOROGRUPO,ESTADO DE S. PAULO, 1990 A 2007

FONTE: SINAN / D.D.T.R. / CVE

DADOS EM 27/08/2008

objetivos
Objetivos

Geral

Implementar o sistema de vigilância das meningites

Específicos

1-Aumentar a especificidade do sistema para o diagnóstico laboratorial das meningites bacterianas causadas por NM, Hib e SPN.

2- Aprimorar a qualidade dos dados do sistema de informação.

3- Monitorar a prevalência dos sorogrupos de NM utilizando PCR em tempo real.

4- Avaliar o impacto da introdução do uso de PCR em tempo real para o aprimoramento da vigilância epidemiológica das meningites.

m todos
Métodos

Estratégias de Vigilância

Rotina

Surtos

Baseada em Unidades Sentinela

Segue o fluxo de rotina da VE das meningites

Ficha de Investigação de Casos

programa sentinela
Programa Sentinela

CRITÉRIOS DE INCLUSÃO PARA UNIDADES SENTINELA:

Núcleo Hospitalar de Vigilância Epidemiológica

Capacidade laboratorial instalada no hospital para: quimiocitológico de líquor, cultura de líquor e de sangue e aglutinação pelo látex

Acondicionamento de material sob refrigeração

Fluxo estabelecido de envio de amostras de soro e líquor para o Instituto Adolfo Lutz

Adesão (São Paulo e Campinas)

Município de São Paulo:

Instituto de Infectologia Emílio Ribas

Casa de Saúde Santa Marcelina

Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo

Hospital da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo

Hospital Regional Sul

Hospital Mandaqui

Hospital São Paulo

Hospital Cármino Caricchio (Tatuapé)

Hospital Infantil Menino Jesus

Hospital Estadual do Grajaú

Município de Campinas:

Hospital das Clínicas da Universidade de Campinas

Hospital Celso Pierro da Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Hospital Municipal Mario Gatti

fluxograma de vigil ncia
Fluxograma de Vigilância

Notificação Investigação

Investigação Epidemiológica – FIE -SINAN

Caso suspeito

Coleta de sangue e LCR

Bacterioscopia, cultura, látex

Quimiocitológico sugere meningite bacteriana provável

Amostra LCR

Amostra soro

Cepa isolada

Retorno dos resultados para Unidades Sentinela e VE do Estado e Municípios

IAL: CIE, PCR em tempo real*

IAL: Sorogrupo, sorotipo, outros

m todos1
Métodos

Definições de Caso

Suspeito de meningite:

Crianças acima de um ano e adultos com febre, cefaléia intensa, vômitos em jato, rigidez da nuca, sinais de irritação meníngea (Kernig, Brudzinski), convulsões e/ou petéquias na pele ou conjuntivas

Crianças abaixo de um ano de idade: irritabilidade, abaulamento de fontanela

Caso provável de meningite bacteriana:

Todo caso suspeito cujos resultados de exames laboratoriais apresentem um ou mais dos seguintes achados em LCR:

Aspecto turvo

Celularidade aumentada, com predomínio de células polimorfonucleares

Glicose diminuída e/ou proteína aumentada

Bacterioscopia positiva para BGN ou DGP

m todos2
Métodos

Definições de Caso

Caso confirmado de meningite bacteriana:

Resultado positivo em um ou mais dos seguintes exames:

Cultura de LCR ou sangue

CIE em LCR ou soro

Aglutinação pelo látex em LCR

Todo caso suspeito de meningite com história de vínculo epidemiológico com caso confirmado laboratorialmente

No caso de doença ou meningite meningocócica: presença de DGN em LCR ou em raspado de lesão petequial

Meningococcemia

Quadro de mal estar súbito com febre alta, calafrios e prostração acompanhados de exantema eritematoso e macular que evolui rapidamente para exantema petequial, com ou sem meningite

coleta de amostras cl nicas
Coleta de Amostras Clínicas

Alguns serviços realizam raspado de lesão petequial

  • Hospitais Sentinelas
  • Técnicas laboratoriais de biologia molecular: Laboratório de Meningites e Pneumonias Bacterianas do IAL
    • Reações em Cadeia de Polimerase - PCR:
      • Ensaio “multiplex” de PCR em tempo real para detecção dos genes ctrA (NM), bexA (HI) e lytA (SPN)
        • Amostras positivas para ctrA: genogrupagem
slide19

MENINGITES : DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL POR ETIOLOGIA, ESTADO DE S. PAULO, 2007

N=12085 casos

FONTE : SINAN / D.D.T.R. / CVE

(DADOS EM 27/08/2008)

slide20

MENINGITES : DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL POR ETIOLOGIA, ESTADO DE S. PAULO, 2006 - 2007

2007

2006

N=12085

N= 9.322

FONTE : SINAN / D.D.T.R. / CVE

(DADOS EM 27/08/2008)

distribui o percentual de casos de meningites bacterianas por etiologia estado de s paulo 2006 2007
DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL DE CASOS DE MENINGITES BACTERIANAS POR ETIOLOGIA, ESTADO DE S. PAULO, 2006-2007

2006

2007

N=3164

N= 4.661

FONTE : SINAN / D.D.T.R. / CVE

(DADOS EM 27/08/2008)

doen a meningoc cica distribui o percentual por sorogrupo estado de s paulo 1990 a 20071
DOENÇA MENINGOCÓCICA: DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL POR SOROGRUPO,ESTADO DE S. PAULO, 1990 A 2007

FONTE: SINAN / D.D.T.R. / CVE

DADOS EM 27/08/2008

slide23

Sensibilidade do PCR em tempo real “multiplex” em relação à cultura positiva de LCR ou sangue,

Jun/2007 a Mai/2008, São Paulo e Campinas-SP

FONTE: IAL Central CCD SES-SP

DADOS EM 1/10/2008

slide24

Impacto da introdução do PCR em tempo real no diagnóstico laboratorial das meningites bacterianas e na sorogrupagem da doença meningocócica, Estado de S. Paulo e municípios de São Paulo e Campinas, 2006 e 2007

FONTE: SINAN / D.D.T.R. / CVE DADOS EM 20/10/2008

conclus es
Conclusões

Aumento da identificação etiológica das meningites bacterianas

Redução da proporção de meningites bacterianas não especificadas

Identificação de surtos de doença meningocpocica sorogrupo C, com intervenção em “tempo real”, vacinação de população de maior risco em comunidades

Integração da vigilância municipal, núcleos hospitalares de epidemiologia, laboratório e vigilância estadual

Agilidade no fluxo de informação, com o resultado de exames laboratoriais positivos para município e estado

Alcance da meta pactuada no PAP-VS para as meningites bacterianas confirmadas por critério laboratorial

Necessidade de supervisão constante nos hospitais sentinelas, notificação, investigação clínica e laboratorial

Garantir o acondicionamento adequado das amostras

obrigada
OBRIGADA

Ana Freitas Ribeiro

CVE – Diretoria Técnica – (11) 30668741

[email protected]

ad