Divisão do sistema digestório
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 21

Divisão do sistema digestório PowerPoint PPT Presentation


  • 49 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Divisão do sistema digestório. Boca Faringe Esôfago Estômago Intestinos(delgado e grosso) Reto ânus. Tubo digestório – passagem do alimento. Glândulas salivares Fígado Pâncreas. Glândulas anexas – auxiliam na digestão. Processos digestivos

Download Presentation

Divisão do sistema digestório

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Divis o do sistema digest rio

Divisão do sistema digestório

Boca

Faringe

Esôfago

Estômago

Intestinos(delgado e grosso)

Reto

ânus

Tubo digestório – passagem do alimento

Glândulas salivares

Fígado

Pâncreas

Glândulas anexas – auxiliam na digestão


Divis o do sistema digest rio

  • Processos digestivos

  • Mecânicos: não alteram a composicão química do alimento. Ex: mastigação e emulsificação de gorduras pela bile.

  • Químicos: alteram a composição química dos alimentos (enzimas digestivas).

  • Boca

  • Os dentes, a língua e a saliva, que preparam o alimento para a digestão.

  • Os dentes reduzem os alimentos em pequenos pedaços, misturando-os à saliva, o que irá facilitar a futura ação das enzimas. A língua com seus receptores gustativos atuam no reconhecimento do sabor dos alimentos e também na deglutição do mesmo.


Divis o do sistema digest rio

Partes de um dente típico

Coroa

Colo

Raiz

Existem 20 dentes decíduos e 32 dentes permanentes em uma dentição completa.

Cárie – está relacionada à presença da bactéria Streptococcus mutans em função do acúmulo de alimento (açúcar) na superfície dos dentes. A proliferção da bactéria e produção de ácidos pela mesma, provocam o desgaste do esmalte, o que caracteriza a cárie.


Divis o do sistema digest rio

Faringe

Situada no final da cavidade bucal, é um canal comum aos sistemas digestório e respiratório: por ela passam o alimento, que se dirige ao esôfago, e o ar, que se dirige à laringe.

Esôfago

Canal que liga a faringe ao estômago, de aproximadamente 25cm. Possui parede dotada de músculos involuntários , que através de movimentos peristálticos conduzem bolo alimentar para o estômago.

Estômago

É uma bolsa de parede musculosa, localizada no lado esquerdo abaixo do abdome. É um órgão muscular que liga o esôfago ao intestino delgado.

As paredes do estômago esmagam a comida por meio de fortes contrações musculares.

O estômago possui glândulas (fossetas gástricas) na sua parede, que secretam um muco que a protege. Além disso, produzem o suco gástrico, (ácido clorídrico e pepsinogênio), com pH em torno de 2 que transformam o alimento numa pasta quase líquida chamada quimo.


Divis o do sistema digest rio

Intestino delgado

É um tubo com pouco mais de 6 m de comprimento por 4cm de diâmetro e pode ser dividido em três regiões: duodeno (cerca de 25 cm), jejuno (cerca de 5 m) e íleo (cerca de 1,5 cm).

Duodeno

Recebe secreções do fígados (bile), do pâncreas (suco pancreático) e de sua parede (suco entérico).

Bile – possui sais biliares e bicarbonato de sódio. Contribui para a alcalinização do duodeno e emulsificação de gorduras;

Suco pancreático – contém bicarbonato de sódio e enzimas

Suco entérico – contem enzimas (enteroquinase, peptidase, nucleotidase e dissacaridases.


Divis o do sistema digest rio

  • Absorção

  • Transferência de nutrientes do tubo digestório para o vasos sanguíneos ou linfáticos.

  • Estômago – absorção de álcool e glicose;

  • Intestino delgado – nas vilosidades intestinais, onde abaixo estão uma rede de capilares sanguíneos e capilares linfáticos. Ocorre absorção de moléculas por transporte ativo (glicose, aminoácidos, vitaminas e sai minerais) e transporte passivo, principalmente osmose (água). Esses nutrientes alcançam o capilares sanguíneos.

  • Os capilares linfáticos estão associados a absorção de gorduras, como moléculas de ácidos graxos e glicerol que entram nas células endocitose, onde elas voltam a se unir formando blocos denominados quilomicrons, que voltam aos capilares linfáticos. A linfa é lançada em vasos sanguíneos de grosso calibre próximos ao coração.

  • Intestino grosso – absorção de água e sais minerais proveniente dos alimentos e da parede do trato digestório durante a passagem do alimento.


Divis o do sistema digest rio

Eliminação de resíduos

O intestino grosso é responsável pela absorção de alguns nutrientes e certas vitaminas. É habitado por rica flora bacteriana importante, cujo trabalho consiste em dissolver os restos alimentícios não assimiláveis, reforçar o movimento intestinal e proteger o organismo contra bactérias estranhas, geradoras de enfermidades.

As fibras vegetais, principalmente a celulose, não são digeridas nem absorvidas, contribuindo com porcentagem significativa da massa fecal. Como retêm água, sua presença torna as fezes macias e fáceis de serem eliminadas.

O ânus apresentam dois anéis musculares, os esfíncteres, que controlam a saída de fezes.

Hormônios relacionados com o processo digestivo


Divis o do sistema digest rio

A secreção de suco gástrico é estimulado pelo nervo vago (SN), quando o alimento está na boca, preparando o estômago para realizar seu papel na digestão. Durante a digestão, ocorre a formação de certos hormônios.


Sistema respirat rio

Sistema Respiratório


Divis o do sistema digest rio

Sistema Respiratório

Responsável pela respiração pulmonar

MAS, O QUE É RESPIRAR?

A troca de gases realizada por nossos pulmões, que retiram oxigênio do ar e devolvem gás carbônico.

Mas por que motivo nós precisamos de oxigênio ??

Todos os seres vivos precisam de energia para sobreviver. Essa energia é obtida pela “queima”de certos nutrientes, como a glicose!!!

Nós obtemos a energia dos alimentos pelo processo da RESPIRAÇÃO CELULAR, realizada nas mitocôndrias, com a participação do GÁS OXIGÊNIO


Divis o do sistema digest rio

• Respiração celular: consiste na obtenção de energia pela reação dos nutrientes com o oxigênio. Ocorre nas células (dentro das mitocôndrias )

GLICOSE + O2 CO2 + água + ENERGIA

• Respiração pulmonar: consiste na troca de gases entre os pulmões e o ambiente: absorção do gás oxigênio do ar nos pulmões e na eliminação para o ambiente do gás carbônico retirado das células


Divis o do sistema digest rio

Sistema respiratório humano é constituído dos seguintes órgãos:

1. Nariz,

2. cavidade nasal,

3. faringe,

4. laringe,

5. traquéia,

6. brônquios,

7. bronquíolos,

8. alvéolos pulmonares

9. pulmões


Divis o do sistema digest rio

  • NARIZ

  • Órgão constituído de duas cavidades nasais separadas pelo septo nasal

  • Revestido pela mucosa nasal – rica em glândulas que produzem MUCO

  • A mucosa nasal contém também muitos PÊLOS, que juntamente com o MUCO,

  • ajudam na retênção de partículas de poeira e microorganismos que entram com o ar.

  • Além disso, o MUCO tem a função de umedecer e aquecer o ar Inspirado

  • 2- Faringe e Laringe

  • FARINGE: órgão que comunica cavidade nasal com a laringe. Função: permitir passagem tanto do alimento para o esôfago quanto do ar para a laringe.

  • Possui 3 seguimentos: nasofaringe, orofaringe e laringofaringe

  • Em sua mucosa existem células pertencentes ao sistema imunitário:

  • tonsilas faringianas (adenóides) e tonsilas palatinas (amígdalas). Relacionam-se a defesa do organismo contra microrganismos presentes no ar e nos alimentos.


Divis o do sistema digest rio

LARINGE: órgão que leva o ar para a traquéia. Local das pregas vocais (produção de sons com a expiração)

Quando engolimos os alimentos, a GLOTE (abertura da laringe) fica coberta pela EPIGLOTE, impedindo que o alimento chegue ao sistema respiratório.

Na laringe há também a úvula, que é uma válvula que impede a entrada de ar da cavidade nasal durante a deglutição e participa da fonação..


Divis o do sistema digest rio

3- Traquéia, brônquios, bronquíolos e alvéolos pulmonares

• Traquéia: órgão formado por uma série de anéis cartilaginosos. Internamente é revestida por um epitélio constituído por células produtoras de muco e por células ciliadas.

• Brônquios: bifurcação da traquéia. Se subdividem em ramificações

menores e finos: BRONQUÍOLOS. Estes terminam em pequenos

sacos: ALVÉOLOS PULMONARES – responsáveis pelas trocas gasosas (hematose).

4- Pulmões

Temos dois: direito e esquerdo

São órgãos elásticos, esponjosos e dividos em lobos. São protegidos pela caixa torácica (ossos e músculos) e ficam apoiados no músculo diafragma.

• Pleura: membrana que reveste os pulmões. Facilita a expansão e retração dos pulmões.


Divis o do sistema digest rio

Como respiramos?

A entrada e saída de ar dos pulmões dependem da ação de músculos

externos: o diafragma (separa a caixa torácica do abdome) e os músculos

intercostais(que movimentam as costelas)

1. INSPIRAÇÃO: ar atmosférico penetra pelo nariz e chega aos pulmões

2. EXPIRAÇÃO: o ar presente nos pulmões é eliminado para o ambiente externo

Expiração: relaxamento dos músculos,

diminui volume da caixa torácica,

aumento da pressão interna

Inspiração:contração dos músculos,

expansão da caixa torácica,

diminuição da pressão interna


Divis o do sistema digest rio

Cavidade Nasal

Ar rico em Oxigênio FILTRAGEM do ar

Faringe, Laringe,

Traquéia e brônquios

PASSAGEM do Ar

CO2

Trocas gasosas

HEMATOSE

Alvéolos pulmonares

PULMÕES

O2

PRODUÇAO DE

ENERGIA

SANGUE

CÉLULAS

RESÍDUO: CO2


Divis o do sistema digest rio

Regulação da Respiração

Os movimentos respiratórios são voluntários, mas na maior parte do tempo, não pensamos nem deliberamos sobre a realização desses movimentos, que acontecem de forma automática.

O controle dos movimentos respiratórios é feitos pelo centro respiratório, localizado no BULBO .

O bulbo tem a propriedade de analisar a bioquímica sanguínea e identificar a queda do pH pelo acúmulo de ácido carbônico, deste modo envia mensagem para os músculos respiratórios e coração para que aumentem a capacidade cardiopulmonar de eliminar gás carbônico.

- Aumento da concentração de CO2 resulta em diminuição de pH e aumento de rítmo respiratório.

- Diminuição da concentração de CO2 resulta em aumento de pH e diminuição de rítmo respiratório.

- Receptores da parede das carótidas e aorta: enviam informações sobre a concentração de O2 ao centro respiratório, provocando aumento (quando há redução da conc. De O2) ou diminuição (quando há elevação da conc. de O2) da ventilação pulmonar.


  • Login