slide1
Download
Skip this Video
Download Presentation
Mesa de Debates: Responsabilidades e cuidados Materiais e esterilização

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 35

Mesa de Debates: Responsabilidades e cuidados Materiais e esterilização - PowerPoint PPT Presentation


  • 72 Views
  • Uploaded on

1º Congresso Brasileiro de Manicures. Mesa de Debates: Responsabilidades e cuidados Materiais e esterilização. Maria Fatima dos Santos Cardoso Enfermeira Epidemiologista - Hospital Albert Einstein. Agente Infeccioso. Fonte de Infecção. Animada. sintomático. assintomático. FONTES. HIV.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' Mesa de Debates: Responsabilidades e cuidados Materiais e esterilização' - kennedy-wilder


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

1º Congresso Brasileiro de Manicures

Mesa de Debates: Responsabilidades e cuidadosMateriais e esterilização

Maria Fatima dos Santos Cardoso

Enfermeira Epidemiologista - Hospital Albert Einstein

slide3

Fonte de Infecção

Animada

sintomático

assintomático

slide4

FONTES

HIV

HCV / HBV

Sangue e derivados

Sêmen

Liquor

TODOS

os

Fluidos

Corporais

slide5

Fontes Inanimadas: RISCO

AR

SUP. FIXAS

ALIMENTAÇÃO

MATERIAIS E EQUIPAMENTOS

FONTES PARENTERAIS

slide6

Cadeia Epidemiológica

Mucosas, pele não íntegra, entre outros.

  • Transmissão:
  • contato
  • gotículas
  • aérea

Hospedeirosusceptível

microrganismos

Secreções, excretas, sangue e outros fluidos

slide10

RISCO PARA OS PROFISSIONAIS

HIV / HCV / HBV

Prevalência dos vírus na população de clientes atendidos

Inoculação de células infectadas

Probabilidade de infecção a partir de um evento

Estado imune do trabalhador

?

Sobrevivência em matéria orgânica ressecada:

HIV = até 3 dias(Resnick, L et al - JAMA, 255(14):1987-91;1986

HBV = até 1 semana(Bond, WW et al - Lancet, 1(8219): 550-1;1981

slide11

Medidas Preventivas

Desinfecção e Esterilização

de Materiais

slide12

egislação

  • Recomendação quanto ao uso de anti-sépticos,

desinfetantes e esterilizantes:

Portaria nº 15, de 23 de agosto de 1988, da Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde.

  • Recomendação sobre o funcionamento dos estabelecimentos

que exercem atividades de Podólogo:

Portaria nº11, de 16 de agosto de 1993, do Centro de

Vigilância Sanitária

classifica o dos artigos
Classificação dos Artigos
  • Críticos:penetram através da pele e mucosas adjacentes, tecidos sub-epiteliais e no sistema vascular ->esterilização

(alicates que tenham tido contato com sangue e secreções)

  • Semi-Críticos: contato com a pele não íntegra (restrito às camadas da pele) ou com mucosas íntegras ->desinfecção (médio ou alto nível) ou esterilização

(afastadores, alicates que NÂO tenham tido contato com sangue e secreções)

  • Não Críticos: contato com a pele íntegra do paciente ->limpeza ou desinfecção (baixo ou médio nível)

(Mesa de trabalho, produtos)

  • SPAULDING E H. Chemical disinfection of medical and surgical materials. In: BLOCK, S S. Disinfection,sterilization and preservation. Lea Fabiger. Philadelphia. 1968;517-531.
todo material ap s o contato com o organismo humano considerado contaminado

Todo material após o contato com o organismo humano é considerado contaminado.

Utilizar Equipamento de Proteção Individual (EPI) sempre que for manusear os materiais contaminados.

Lavar as mãos após retirar os EPIs.

GARNER J. Guideline for isolation precautions in hospitals. Infect Control HospEpidemiol. 1996;17:53-80.

slide17
Remoção da sujidade e/ou matéria orgânica de determinado material.
  • Fundamental -> A falha no procedimento de limpeza compromete a desinfecção e/ou esterilização dos materiais.
  • Métodos de limpeza:

- Manual (escova: cerdas macias)

- Lavadoras ultra-sônicas (vibração U-S na

água para remover a sujidade; ciclo: 30’)

detergente enzim tico
Detergente Enzimático
  • Os detergentes enzimáticos são compostos basicamente por enzimas, surfactantes e solubilizantes.
  • Remove a matéria orgânica, de 1 a 15’.
  • Materiais com ranhuras e orifícios de difícil acesso devem ser higienizados com o auxílio de um detergente enzimático.

KNEEDLER J A; DARLING M. Using an enzymatic detergent to prerinse instruments. AORN J. 1990; 51(5):1326- 32.

slide19
Enxágüe com água corrente e potável
  • Secagem -> pano limpo/seco; secadora de ar quente/frio; estufa (regulada para este fim).
slide21
Método capaz de eliminar muitos ou todos os microrganismos patogênicos, com exceção dos esporos.
  • Portaria nº11, de 16/8/1993, do CVS padroniza para desinfecção:

- solução de hipoclorito de sódio a 1% ou

- soluções de fenóis sintéticos.

hipoclorito de s dio 1 10000 ppm
Hipoclorito de Sódio 1%(10000 ppm)
  • Ação: vírus, bactérias, fungos e micobactéria.
  • Vantagens: ação rápida e baixo custo, pouco tóxico, fácil manuseio, desodorizante e não inflamável.
  • Desvantagens: corrosivo e descolorante (evitar contato com metais e mármore), uso limitado pela presença de matéria orgânica, irritante para mucosa, odor forte.
slide23

Hipoclorito de Sódio 1%

  • Desinfecção de artigos semi-críticos: 30’
  • Enxágüe abundante -> evitar irritação química devido a resíduos do produto
  • Estocar a solução em lugares fechados, arejados e escuros (frascos opacos)
fen is sint ticos
Fenóis Sintéticos
  • Ação: vírus (herpes simplex, VSR, HBV e HIV),

bactérias e fungos.

  • Desvantagens:

-> podem ser absorvidos por materiais porosos (plástico e borrachas), resíduos podem ser irritantes;

-> conta-indicação para materiais semi-críticos,ausência de dados sobre eficácia germicida (micobactericida e alguns fungos);

-> despigmentação da pele quando manipulado sem luvas.

glutaralde do
Glutaraldeído
  • Ação: vírus, bactérias, fungos, micobactérias e esporos.
  • Vantagens: ação rápida para desinfecção de alto nível (20’ - meio ambiente).
  • Desvantagens:impregnação de sangue e secreções se o artigo for imerso sujo, irritante para olhos, garganta e nariz.
slide27
Processo:
  • ativar o produto e/ou verificar se está dentro do prazo de validade (14 ou 28 dias).
  • colocar a solução em recipiente de plástico ou vidro com tampa.
  • validar a solução (fitas-teste)
  • observar o aspecto da solução: presença de depósitos, alteração da coloração e pH.
  • descartar a solução se houver inconformidade.
  • limpar, secar e imergir totalmente o material.
  • Enxaguar, flush com álcool 70%.
  • prover sala arejada (exaustão) e EPI (luvas grossas, avental impermeável, óculos e máscara para vapores orgânicos)
lcool et lico 70
Álcool etílico 70%
  • Ação: vírus, bactérias, fungos, tuberculicida.
  • Vantagens: ação rápida, fácil aplicação, compatível com metais.
  • Desvantagens: inflamável, evapora rápido

Processo:

  • tempo de exposição 10’ (aconselha-se 3 aplicações intercaladas pela secagem natural)
  • álcool 70%: mais tóxico para bactérias, evaporação mais lenta  poder bactericida do álcool em contato com os microrganismos.
slide30

Método capaz de eliminar todos os microrganismos patogênicos, inclusive os esporos.

  • Portaria nº11, de 16/8/1993, do CVS padroniza para esterilização:

- Estufa ou Forno de Pasteur

slide31

Estufa ou Forno de Pasteur

Esterilização por Calor Seco

equipamento
Equipamento:
  • termômetro que mostra a temperatura no interior da câmara;
  • termostato (programar a temperatura desejada);
  • lâmpada (situação de aquecimento ou estabilização da

temperatura interna);

  • não há controlador de tempo.

Processo:

  • transferência do calor através dos artigos (princípio da termodinâmica)
  • indicado para artigos de ponta ou de corte.
cuidados durante o processo
Cuidados durante o processo:
  • limpeza dos artigos;
  • aquecer previamente a estufa;
  • utilizar embalagens adequadas;
  • não colocar volumes grandes de material para não interferir na circulação do ar;
  • não sobrepor o artigos;
  • marcar o início do tempo de exposição quando o termômetro marcar a temperatura escolhida;
  • evitar que, dentro da câmara, o termômetro toque nos artigos;
  • não abrir a câmara durante a esterilização.
tempo de esteriliza o
Temperatura (0C)

180

170

160

Tempo de exposição*

30 minutos

1 hora

2 horas

Tempo de esterilização

* sem inclusão do tempo de aquecimento

evitar falhas observando
Evitar falhas, observando:
  • calibração e validação do equipamento (conhecer o ponto mais frio);
  • seleção de materiais que possuam boa condutibilidade térmica;
  • preenchimento da carga antes da marcação do tempo de exposição;
  • distribuição interna da carga: os materiais não devem tocar nas paredes, manter espaço entre eles (favorecer a circulação do ar);
  • adequação do invólucro com o tipo de material e processo (esterilização pelo calor seco).
ad