Institucionalização da Avaliação
Download
1 / 19

Institucionaliza o da Avalia o em Sa de Suplementar: um complemento indispens vel - PowerPoint PPT Presentation


  • 83 Views
  • Uploaded on

Institucionalização da Avaliação em Saúde Suplementar: um “complemento” indispensável*. * Houaiss,2001: complementar (se), concluir (se), aperfeiçoar ( ant. de “iniciar” ). Mesa Redonda 4 - Avaliação em Saúde

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Institucionaliza o da Avalia o em Sa de Suplementar: um complemento indispens vel' - keely


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
Slide1 l.jpg

Institucionalização da Avaliação em Saúde Suplementar: um “complemento” indispensável*

*Houaiss,2001:complementar (se), concluir (se), aperfeiçoar (ant. de “iniciar”)


Slide2 l.jpg

Mesa Redonda 4 - Avaliação em Saúde

“Processos de avaliação em saúde se inscrevem como uma das estratégias de Qualificação da Atenção à Saúde, e no Brasil, também no setor da saúde suplementar”... “deve contemplar dois(três)eixos de análise que são complementares e podem ser assim compreendidos:

O primeiro,Avaliação de Sistemas de Saúde, considerando sua estrutura, seus processos e resultados...

O segundo,Avaliação de Serviços de Saúde, diz respeito à aferição das operadoras de planos de saúde quanto à gestão do cuidado à saúde aos seus beneficiários”...


Slide3 l.jpg

O terceiro, Institucionalização da Avaliação, comosistema organizado de ação (similar a programas, sistemas, serviços etc), visando, através deprocessos avaliatórios (Auditoria, Monitoramento, Pesquisa),modificar/melhorar uma situação-problema (influência, utilidade, consequências, efetividade ou eficiência da avaliação em saúde).


Slide4 l.jpg

A AVALIAÇÃO ENQUANTO SISTEMA ORGANIZADO DE AÇÃO

Contexto

Trajetória previsível

de um problema

Efeitos

Tomada de decisão

Trajetória

desejada

Utilidade potencial dos resultados da avaliação

Informações e julgamentos

Práticas

Práticas

Atores

Atores

Estrutura simbólica

Estrutura Organizacional

Processos

Estrutura física

Recursos

Adaptado de Contandriopoulos et al . 2000


Slide5 l.jpg

Institucionalização da Avaliação

(processos avaliatórios)

Monitoramento

Auditoria

Pesquisa


Slide6 l.jpg

  • Distinguindo monitoramento x “avaliação”: periódico x episódico; foco nos produtos e resultados imediatos x efetividade e impacto (efeitos esperados e imprevistos de ações compartilhadas e/ou competitivas, com maior alcance populacional, espacial e temporal); avaliadores internos x presença necessária de avaliadores externos, com incorporação de dados que extrapolam as informações de rotina para incluir outros estudos e investigações. Monitoramento x vigilância: foco nas intervenções x danos e riscos.


Slide7 l.jpg

Auditoria –Contrôle (OECD/DAC- 2002)

Atividade de controle destinada a valorizar e melhorar as operações de uma organização, ajudando a organização a atingir seus objetivos, proporcionando uma abordagem sistemática e disciplinada para avaliar e melhorar a eficácia da gestão de riscos, o controle e os processos de governo. Deve-se distinguirauditoria reguladora (financeira), centrada no cumprimento dos estatutos e regulações aplicáveis, da auditoria de desempenho,que se preocupa também com a pertinência, a economia, a eficiência e a eficácia (às vezes similar à apreciação ou avaliação da performance).


Slide8 l.jpg

Pesquisa Avaliativa-- julgamento ex-post de uma intervenção, usando métodos científicos, geralmente (?) para a tomada de decisão(Contandriopoulos et al. 1997 e 2001).Pesquisa - forma de comunicação estruturada para compartilhar conhecimento - combinando dados e teoria, que se distingue do monitoramento (produção de informação; não de conhecimento). Trostle,1999.


Slide9 l.jpg

Institucionalização da avaliação pressupõe:

  • Alinhamento entre monitoramento, auditoria e pesquisa;

  • O conhecimento e o respeito às normas profissionais (código de ética dos avaliadores e gestores);

  • O uso imperativo dos padrões de qualidade em avaliação;

  • A análise contextualizada das intervenções complexas;

  • e) O necessário diálogo entre o (inter)nacional e o nível local;

  • f) Intercâmbio de conhecimentos entre « comunidades de práticas » (avaliativas e gerenciais)

  • g) Foco na Utilidade


Slide10 l.jpg

FOCO na Utilidade

Como as informações produzidas pela avaliação mudam a prática dos atores ?

Como os atores podem, com as informações fornecidas pela avaliação, elaborar um julgamento sobre uma situação, da qual eles fazem parte, e o que seria necessário para sair do statu quo ?


Slide11 l.jpg

AVALIANDO A AVALIAÇÃO (exemplo)

SITUAÇÃO PROBLEMÁTICA

Melhorar a eficiência do sistema de cuidados

Pertinência dos objetivos

Impacto

EFEITOS

Mudança no processo de decisão dos atores

OBJETIVOS

Melhorar as decisões dos atores na alocação de recursos

Efetividade

Eficiência

Pertinência e coerência do dispositivo de avaliação

Informações sobre os custos e vantagens das ações avaliadas

Credibilidade dos resultados

Credibilidade do processo

Credibilidade do dispositivo de avaliação

DISPOSITIVO DE AVALIAÇÃO ECONÔMICA

Recursos, cronograma, orçamento, participacipação dos atores e pilotagem

Implantação

CONTEXTO

Contandriopoulos, 2006


Exemplo de tr com foco na utilidade l.jpg
Exemplo de TR com “Foco na utilidade”*

Objetivo Geral : maximizar o potencial local na sua capacidade de realizar.. as investigações necessárias à melhoria da qualidade dos serviços prestados... realçando o papel do grupo de avaliadores internos, cuja participação vai do delineamento das questões à utilização das informações produzidas e... que vêm na avaliação um instrumento de Educação Continuada.

Objetivos Específicos...

  • qualificar o coordenador do grupo avaliador local com a formação metodológica requerida para sua função;

  • exemplificar concretamente para o corpo técnico-administrativo qual a importância da avaliação para incorporação e o uso do conhecimento científico na maior efetividade dos serviços de saúde;

  • elaborar, sempre com o apoio do grupo local, o relatório final do estudo com as cnclusões e recomendações julgadas pertinentes à uma estratégia de desenvolvimento... coerente com sua missão institucional.

*Perspectiva privilegiada pelo Centro de Pesquisas para o Desenvolvimento Internacional, do Canadá, como fomento à linha de investigação em Sistemas e Serviços de Saúde (CRDI,1990).


Slide13 l.jpg

Ex. Caminhos da influência de uma agência (HTA*)

RESULTADOS

(Des)Incentivos

  • Relatórios

  • Demanda/interesse

  • Mensagem

  • Incerteza

  • Controvérsia

Macro: Política de saúde

Meso: Gerenciamento da organização

PRODUTOS

Micro: Prática clínica

  • Agência

  • Mandato

  • Recursos

  • Estrutura

  • Gerenciamento

  • Ambiente institucional

  • Órgãos regulatórios

  • Escola [ou órgão colegiado?] de médicos/enfermeiros

  • Sindicatos de fornecedores de cuidados com a saúde

  • Grupos de pacientes e consumidores

  • Atividades

  • Disseminação

  • Produtos intermediários

  • Relacionamentos

  • Discussão de problemas

Usuários

  • Outros “inputs” da tomada de decisões

  • Informação/conhecimento/crenças

  • Retenções/interesses

  • Necessidades/preferências

*Health Technology Assessment -Lehoux et al. 2000


Slide14 l.jpg

  • Diretrizes gerais para Institucionalizar a Avaliação

  • Unidade de avaliação capaz de coordenar e apoiar projetos, em colaboração com os atores das ações avaliadas e instituições acadêmicas, o que demandaria:

  • designação de um “coordenador” responsável por garantir o uso complementar das informações de auditoria, monitoramento e pesquisas;

  • uma equipe encarregada de compartilhar as informações com os diversos interessados;

  • designação de um pequeno grupo interdisciplinar de pesquisadores-consultores, que dê assistência permanente ao processo de gestão;

  • um esforço de capacitação, do nível central ao local, em diferentes graus de complexidade, que permita aostaff dos programas se familiarizar com os principais métodos de pesquisa e dê aos pesquisadores uma orientação das abordagens de gestão, conhecendo ambos seus papéis.


Slide15 l.jpg

Exemplo de gestão da avaliação

Agência HTA

Relatórios

Atividades

Que efeitos são gerados a

partir de nossos relatórios ?

A nossa agência promove uma cultura da avaliação?

Dossiês

*Ferramentas de monitoramento (disseminação, coleta de dados e feedback)

1. Visão dos atores3. Maturação de questões

2. Configuração sócio-política

*Web site; relatório sobre influências ( tb as não observadas); diário de dossiês; Delphi sobre uso de informações; (des)incentivos; atualizações de relatórios etc


Slide16 l.jpg

Como fazer uma avaliação “utilizável e utilizada” (Influente) são tópicos familiares e preocupações perenes para os avaliadores em geral (particularmente ligados às avaliacões de tecnologias e cuidados desaúde) mas devemos considerar os desafios e limites desta pretensão se não tentarmos continuamente responder, também como questões de pesquisaavaliativa, às seguintes indagações*:

*“As consequências da avaliação” (Conferência AEA ,2006 -20° aniversário)


Slide17 l.jpg

  • Entre as possíveis consequências da avaliação quais (e em que circunstâncias) nós estamos buscando- e por quê?

  • Que evidências existem sobre as atuais consequências de nosso trabalho?

  • Quais são os efeitos inesperados (não intencionais) ou “externalidades” de nossos estudos (por exemplo, certos programas ou serviços apresentam maiores riscos, ou vantagens, por terem sido avaliados)?

  • Quais são as consequências das avaliações passadas sobre nossa prática atual e/ou futura de avaliadores?

  • Como as consequências das avaliações encomendadas e já concluidas vêm se refletindo na nossa cultura organizacional?


Slide18 l.jpg

Influências da avaliação em que circunstâncias) nós estamos buscando- e por quê?(Ex. foco no desenvolvimento organisacional)

Não-intencionais

Intencionais

Processo

Resultados

Processo

Resultados

Imediatas

Mútua compreensão dos participantes, atitude positiva em relação à avaliação, interesse de pessoas relevantes em ampliar seu conhecimento

Criação de um mapa do processo, definição de indicadores de eficácia, argumentos para solicitar recursos, produção de planejamento interno e de documentos de treinamento, mudança de sistemas gerenciais (planejamento estratégico, gerenciamento de qualidade, escalas de satisfação)

Abordagens “participativas”

Crescimento do conhecimento dos participantes

Fim de ciclo

Catálogo de recomendações para atingir melhorias, revisão das linhas-mestras da auto-avaliação

Consciência das falhas gerenciais

Avaliações seguintes são mais bem-feitas

Longoprazo

Rebolloso et al. 2005


Slide19 l.jpg

Conhecimento não é suficiente em que circunstâncias) nós estamos buscando- e por quê?; nós devemos aplicar

Conscientização não é suficiente; nós devemos realizar.

( Goethe; In Evaluation Handbook – Kellog’s – 2000)

Zulmira M. A. Hartz:Professora –Pesquisadora convidada do Departamento de Medicina Social e Preventiva e Groupe de Recherche Interdisciplinaire en Santé (DMSP-GRIS) da Universidade de Montreal; consultora do CAA/DAB Min. da Saúde ([email protected])


ad