Filos animais
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 33

FILOS ANIMAIS PowerPoint PPT Presentation


  • 87 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

FILOS ANIMAIS. Professor João Paulo. FILO PORIFERA. Constitu í do pelas esponjas  animais s é sseis (fixos) que vivem em ambiente aqu á tico. Existem esp é cies de á gua doce, mas a maioria é marinha. FILO PORIFERA.

Download Presentation

FILOS ANIMAIS

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Filos animais

FILOS ANIMAIS

Professor

João Paulo


Filo porifera

FILO PORIFERA

  • Constituído pelas esponjas  animais sésseis (fixos) que vivem em ambiente aquático.

  • Existem espécies de água doce, mas a maioria é marinha.

Professor: João Paulo


Filo porifera1

FILO PORIFERA

  • Corpo possui numerosos poros e é formado por várias células que, apesar de já apresentarem uma certa divisão de trabalho, têm alto grau de independência não formam tecidos, órgãos ou sistemas parazoários.

Professor: João Paulo


Filo porifera2

FILO PORIFERA

  • Assimétricos ou de simetria radial.

  • Ametaméricos.

Professor: João Paulo


Filo porifera3

FILO PORIFERA

  • Apresentam no ápice do corpo uma abertura denominada ósculo, que não corresponde à boca.

  • Internamente possuem uma cavidade chamada átrio ouespongiocele, que nãoé uma cavidade digestiva  digestão intracelular.

Professor: João Paulo


Filo porifera4

FILO PORIFERA

  • São animais filtradores.

  • Possuem internamente células flageladas – os coanócitos– que promovem a circulação orientada da água

    água penetra pelos poros, passa para a espongiocele e sai pelo ósculoobtenção de oxigênio, alimento e eliminação de resíduos.

Professor: João Paulo


C lulas encontradas nos por feros

Células encontradas nos poríferos

  • Coanócitos: células flageladas responsáveis pela movimentação da água trazendo partículas nutritivas e oxigênio.

  • Pinacócitos: células que revestem a esponja funciona como a epiderme.

  • Porócitos: célula dotada de um poro central que a atravessa de lado a lado. É pelo porócito que a água penetra no átrio.

  • Amebócitos: células responsáveis em originar todos os tipos de células das esponjas, sendo responsáveis pelo seu crescimento e capacidade de regeneração.

Professor: João Paulo


Tipos de esponjas

Tipos de esponjas

  • Ascon: esponja mais simples.

  • Sicon:dobramentos da parede corporal formam numerosos tubos radiais que possuem em seu interior um canal radial, onde se localizam os coanócitos. A espongiocele é reduzida e contém apenas pinacócitos.

  • Leucon:os dobramentos da parede são mais complexos  tipo morfológico mais especializado. Formam-se inúmeras câmaras flageladas, onde ficam os coanócitos  espongiocele mais reduzida  grande capacidade de filtrar a água  maior tamanho.

Professor: João Paulo


Elementos esquel ticos encontrados nos por feros

Elementos esqueléticos encontrados nos poríferos

  • Espículas calcárias

  • Espículas de sílica e fibras protéicas de espongina (flexíveis)

  • Espongina (ex.: esponjas de banho)

espículas de carbonato de cálcio

esponja de vidro com seu esqueleto silicoso

Rede de espongina (fibras de natureza protéica)

Professor: João Paulo


Filo porifera5

FILO PORIFERA

  • Sistema circulatório: ausente.

  • Sistema respiratório: ausente (trocas gasosas por difusão).

  • Sistema excretor: ausente.

  • Sistemas nervoso e sensorial: ausente

Professor: João Paulo


Filo porifera6

FILO PORIFERA

  • Reprodução: assexuada e sexuada.

  • Assexuada (brotamento, gemulação e fragmentação/ regeneração).

Professor: João Paulo


Filo porifera7

FILO PORIFERA

  • Sexuada fecundação interna e indireta; desenvolvimento externo e indireto (larva anfiblástula).

Professor: João Paulo


Import ncia m dica

Tedania ignis, uma espécie de esponja comum no Brasil e que causa acidentes.

IMPORTÂNCIA MÉDICA

  • Acidentes causados por esponjas:

     As esponjas produzem diferentes compostos de ação tóxica irritativa, que as protegem da ação de outros animais ou lhes conferem boa capacidade de inibir o crescimento de outros animais sobre seu corpo.

     A penetração da toxina na pele humana se deve em grande parte à presença de pequenas espículas do exoesqueleto que ao serem pressionadas perfuram a pele.

     Ocorre irritação da pele, resultando em inflamação. Podem surgir placas, que dão origem a bolhas ou pápulas, podendo haver intensa coceira ou mesmo dor local aplicar fita adesiva para retirar as espículas e tratar a região afetada com vinagre.

Professor: João Paulo


Import ncia econ mica

IMPORTÂNCIA ECONÔMICA

  • Podem ser usadas como esponja de banho.

  • Importância farmacológica  compostos químicos produzidos por esses organismos.

Professor: João Paulo


Filo cnidaria

FILO CNIDARIA

  • Está representado por hidras, medusas ou águas-vivas, corais e anêmonas-do-mar.

  • Existem basicamente dois tipos morfológicos de indivíduos:

     as medusas, que são livre-natantes

     os pólipos, que são sésseis

Professor: João Paulo


Filo cnidaria1

FILO CNIDARIA

  • Maioria: marinhos

  • Muitas espécies formam colônias:

    corais colônias sésseis

    caravelas colônias flutuantes

Professor: João Paulo


Filo cnidaria2

FILO CNIDARIA

  • Simetria radial

  • Diblásticos  organização do corpo em nível de tecidos

  • Protostômios

  • Ametaméricos

Professor: João Paulo


Filo cnidaria3

FILO CNIDARIA

  • Os pólipos e as medusas, formas aparentemente muito diferentes entre si, possuem muitas características em comum.

Professor: João Paulo


Filo cnidaria4

FILO CNIDARIA

  • Possuem um tipo de célula urticante denominada cnidócito apresenta uma organela especializada denominada nematocisto  cápsula que contém em seu interior um líquido rico uma substância protéica tóxica e urticante  defesa e captura de presa.

Professor: João Paulo


Filo cnidaria5

FILO CNIDARIA

  • Sistema nervoso: formado por uma rede difusa no corpo

  • Sistema sensorial:

    pólipos: células sensitivas da epiderme

    medusas: células sensitivas da epiderme e estruturas sensoriais especializadas:

     estatocistos: atuam como órgãos de equilíbrio (informam ao animal sobre a posição de seu corpo em relação à força gravitacional)

     ocelos: fotorrecepção

Professor: João Paulo


Filo cnidaria6

FILO CNIDARIA

  • Sistema digestório: incompleto (só apresentam boca)

  • Digestão: extra e intracelular

  • Sistema respiratório: ausente trocas gasosas por difusão.

  • Sistema excretor: ausente.

Professor: João Paulo


Filo cnidaria7

FILO CNIDARIA

  • Reprodução: sexuada e assexuada

  • Assexuada: brotamento e estrobilização

Professor: João Paulo


Filo cnidaria8

FILO CNIDARIA

  • Sexuada: fecundação interna ou externa e direta;desenvolvimento externo, direto ou indireto

  • Desenvolvimento direto:

Professor: João Paulo


Filo cnidaria9

FILO CNIDARIA

  • Sexuada: fecundação interna ou externa e direta;desenvolvimento externo, direto ou indireto (larva plânula).

  • Desenvolvimento indiretometagênese ou alternância de gerações.

Professor: João Paulo


Deslocamento dos cnid rios

Deslocamento dos cnidários

  • Póliposalguns são fixos e outros podem se deslocar (ex: hidra cambalhota)

Professor: João Paulo


Deslocamento dos cnid rios1

Deslocamento dos cnidários

  • Medusasjatopropulsão  os bordos do corpo se contraem e a água acumulada na face oral é expulsa em jato, provocando o deslocamento do animal no sentido oposto.

Professor: João Paulo


Filo cnidaria10

FILO CNIDARIA

Professor: João Paulo


Classe hydrozoa

Classe Hydrozoa

Hidra

Professor: João Paulo


Classe hydrozoa1

Classe Hydrozoa

Caravela-portuguesa

Professor: João Paulo


Classe scyphozoa

Classe Scyphozoa

Professor: João Paulo


Classe anthozoa

Classe Anthozoa

Professor: João Paulo


Import ncia ecol gica

IMPORTÂNCIA ECOLÓGICA

  • Recifes de corais:

     Proporcionam ambiente ideal para o desenvolvimento de fauna e flora muito características;

     Graças às condições de iluminação e transparência da água, os recifes de corais são localidades de alta produtividade biológica;

     De todas as comunidades de águas rasas tropicais, os recifes de corais são as mais ricas em biodiversidade;

     Devido a certas características da formação de recifes, geralmente existe nesses locais forte movimentação de água  permanente migração e imigração de micro e macro fauna e flora, nutrientes e elementos, da plataforma continental para o recife, e vice-versa.

Professor: João Paulo


Import ncia m dica1

Chironex fleckeri, água-viva que ocorre no litoral da Austrália e pode ser letal para o ser humano.

Physalia (caravela-portuguesa): pode causar fortes “queimaduras” em banhistas e pescadores.

IMPORTÂNCIA MÉDICA

  • Acidentes causados cnidários:

     São comuns ao redor do mundo, incluindo acidentes graves e com registro de fatalidades em alguns mares.

     Todos os cnidários possuem cnidócitos e são potencialmente perigosos para o ser humano sensibilidade ao efeito tóxico varia muito e pode estar associada a outro problema de saúde que a pessoa já apresente.

    Efeitos tóxicos: dor intensa, vermelhidão e inchaço da pele, alteração dos batimentos cardíacos, dificuldades na respiração, suor intenso, naúsea e vômitos. Ainda podem surgir efeitos alérgicos imediatos ou mais tardios.

Professor: João Paulo


  • Login