Imperfei es estruturais e movimentos at micos
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 16

Imperfeições Estruturais e Movimentos Atômicos PowerPoint PPT Presentation


  • 122 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Imperfeições Estruturais e Movimentos Atômicos. Faculdade Campo Real Professor: Pedro Ribeiro Cebulski. Imperfeições Estruturais. Uma célula unitária pode mostrar a estrutura completa do cristal; Um mero pode mostrar a estrutura completa do polímero;

Download Presentation

Imperfeições Estruturais e Movimentos Atômicos

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Imperfei es estruturais e movimentos at micos

Imperfeições Estruturais e Movimentos Atômicos

Faculdade Campo Real

Professor: Pedro Ribeiro Cebulski


Imperfei es estruturais

Imperfeições Estruturais

  • Uma célula unitária pode mostrar a estrutura completa do cristal;

  • Um mero pode mostrar a estrutura completa do polímero;

  • Porém uma pequena fração da estrutura, normalmente inferior a 1% não é perfeita.


Lacuna vac ncia ou vazios

Lacuna (Vacância ou Vazios)

  • Falta de um átomo no estrutura cristalina ou a presença de uma impureza;

  • Facilita a difusão atômica;


Linear discord cias

Linear (Discordâcias)

  • Discordância em Cunha, uma linha de atomos fora de seu posicionamento ideal;

  • Escorregamento de um plano cristalino;


Fronteiras superf cies

Fronteiras (Superfícies)

  • Mais fácil de visualizar nas extremidades;

  • Cristais individuais são chamados de grãos;


Difus o at mica

Difusão Atômica

  • Movimentação dos átomos na estrutura;

  • Os átomos de um cristal só ficam estáticos no Zero absoluto (-273°C);

  • Conforme a temperatura se eleva, as vibrações térmicas facilitam a difusão atômica;

  • Podem ocorrer em cristais sem defeito pontuais.


Difus o at mica1

Difusão Atômica

  • Gases:

    • Muito rápida;

    • Exemplo Perfume (Interdifusão).

  • Líquidos:

    • Movimento dos átomos nos líquidos.

    • Rápidas, mas menos rápidas que as gasosas;

  • Sólidos;

    • Muito Lentas e necessita de alta energia.


  • Autodifus o

    Autodifusão

    • Troca de localização de átomos em um mesmo material;

    • Normalmente não é observada em material puro e monofásicos pois os átomos são todos idênticos;

    • Quanto maior ponto de fusão, maior a força necessária para movimentação atômica.


    Interdifus o

    Interdifusão

    • Troca de localização de átomos em materiais diferentes.

    • Exemplo tratamento térmico superficial em materiais (Ex: Cementação);

    • Ligas metálicas.


    Difus o at mica2

    Difusão Atômica

    • Fatores que favorecem o fluxo de átomos:

      • Baixo Empacotamento atômico;

      • Baixa densidade ou massa específica;

      • Raio atômico pequeno;

      • Ligações fracas (Van der Waals);

      • Baixo ponto de fusão;

      • Presença de imperfeições cristalinas.


    Difus o at mica3

    Difusão Atômica

    • Fatores que dificultam o fluxo de átomos:

      • Alto Empacotamento atômico;

      • Alta densidade ou massa específica;

      • Raio atômico grande;

      • Ligações fortes (iônicas e covalentes);

      • Alto ponto de fusão;

      • Alta qualidade cristalina.


    Difus o at mica4

    Difusão Atômica

    • Energia de Ativação;

      • Energia requerida para superar as “barreiras de energia”.

      • Átomos pequenos tem a energia de ativação menor do que os átomos grande.

      • Elevadas energias para átomos de alto ponto de fusão.

  • Difusão em anel:

    • 3 átomos;

    • 4átomos.


  • Coeficiente de difus o

    Coeficiente de Difusão

    • Leis de Fick;

    • Para estado estacionário; :

      • 1° LEI - O fluxo de átomos por unidade de área na unidade de tempo, é proporcional ao gradiente de concentração.

        • J = - D dC/dx

        • J - Fluxo de Átomos por unidade de Área (átomos/cm².s);

        • D - Coeficiente de difusão (cm²/s);

        • dC/dx – Gradiente de concentração;


    Coeficiente de difus o1

    Coeficiente de Difusão

    • Leis de Fick;

    • Para estado não estacionário;

      • 2° LEI - A velocidade diminui com a diminuição do gradiente de concentração.

        • dC/dt = D (d².C/dx²)

        • dC/dt – Variação da concentração no tempo;

        • D - Coeficiente de difusão (cm²/s);


    Exemplo de difus o

    Exemplo de Difusão


    Bibliografia

    Bibliografia

    • VAN VLACK, Lawrence – Princípio da Ciência dos Materiais;

    • CALLISTER, Willian – Introdução a Engenharia e

      Ciência dos Materiais;

    • www.cienciadosmateriais.org/

    • www.mspc.eng.br


  • Login