Telencéfalo
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 43

Telencéfalo , Sistema Límbico e Vascularização do SNC PowerPoint PPT Presentation


  • 187 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Telencéfalo , Sistema Límbico e Vascularização do SNC Prof. Dr. André Gustavo Fernandes de Oliveira Doutor em Neurociências e Comportamento – USP Professor Adjunto do Dep. de Anatomia – UFJF. Hemisférios e Lobos. 2 hemisférios: incompletamente separados

Download Presentation

Telencéfalo , Sistema Límbico e Vascularização do SNC

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Telenc falo sistema l mbico e vasculariza o do snc

Telencéfalo, Sistema Límbico e Vascularização do SNC

Prof. Dr. André Gustavo Fernandes de Oliveira

Doutor em Neurociências e Comportamento – USP

Professor Adjunto do Dep. de Anatomia – UFJF


Telenc falo sistema l mbico e vasculariza o do snc

Hemisférios e Lobos

2 hemisférios: incompletamente separados

3 pólos: frontal, occipital e temporal

3 faces: súpero-lateral, medial e inferior (base)


Telenc falo sistema l mbico e vasculariza o do snc

Giros delimitados por sulcos variáveis que ocultam 2/3 do córtex


Telenc falo sistema l mbico e vasculariza o do snc

Sulco central e giros pré e pós-central

Universidade Federal de Juiz de Fora


Telenc falo sistema l mbico e vasculariza o do snc

Universidade Federal de Juiz de Fora


Telenc falo sistema l mbico e vasculariza o do snc

centro cortical

da audição

Universidade Federal de Juiz de Fora


Telenc falo sistema l mbico e vasculariza o do snc

Universidade Federal de Juiz de Fora


Telenc falo sistema l mbico e vasculariza o do snc

Universidade Federal de Juiz de Fora


Telenc falo sistema l mbico e vasculariza o do snc

LOBO

LÍMBICO

um centro cortical do prazer

ou fusiforme

Universidade Federal de Juiz de Fora


Telenc falo sistema l mbico e vasculariza o do snc

Ventrículos laterais:

* Imagem após remoção do corpo caloso à “D”, teto dos cornos anterior e posterior.


Telenc falo sistema l mbico e vasculariza o do snc

Núcleos da base


N cleos da base

Núcleos da base

corpo amigdalóide


C rtex cerebral classifica o em reas

Córtex cerebral - classificação em áreas

  • Anatômica– divisão em sulcos, giros e lobos c/ pouca correlação funcional. Boa p/ localizar lesões.

  • Filogenética– arquicórtex (hipocampo),paleocórtex (úncus e giro para-hipocampal) e neocórtex (o restante), sendo as 2 primeiras associadas a olfação e comport. emocional.

  • Estrutural – histológica, c/ distribuição heterogênea em áreas citoarquiteturais, como as 52 de Brodmann (utilizadas em clínica e pesquisa).

  • Funcional – áreas heterogêneas especializadas (a seguir)


Telenc falo sistema l mbico e vasculariza o do snc

52 áreas de Brodmann


Telenc falo sistema l mbico e vasculariza o do snc

52 áreas de Brodmann


Classifica o das reas corticais

Classificação das áreas corticais

  • Funcional– divisão em áreas heterogêneas, com especializações funcionais, não compartimentos isolados e estanques (considerar plasticidade). Agrupadas em áreas:

  • de associaçãode projeção

  • secundáriasterciárias sensitivas motoras

  • céls. céls. sensitiva motora atividades granulares piramidaispsíquicassuperiores

primárias, ligadas

diretamente)

(unimodais, geralmente c/ a

área primária desta função)

(supramodais)


Reas de proje o prim rias sensitivas

Áreas de projeção (primárias) - sensitivas

  • Somestésica – giro pós-central (1, 2 e 3 de Brodmann). Somatotópica e desproporcional ao tamanho


Reas de proje o prim rias sensitivas1

Áreas de projeção (primárias) - sensitivas

  • Visual– nos lábios do sulco calcarino (17 de Brodmann)

  • Auditiva – giro temporal transverso anterior (de Heschl) (41 e 42 de Brodmann)


Reas de proje o prim rias sensitivas2

Áreas de projeção (primárias) - sensitivas

  • Vestibular – lobo parietal próximo a área somestésica, mais associada a propriocepção, p/ consciência de orientação espacial.

  • Olfatória – pequena no homem (≠ outros mamíferos), na parte anterior do úncus e giro para-hipocampal

  • Gustativa – porção inferior do giro pós-central, próximo à ínsula, adjascente à somestesia da língua (43 de Brodmann).


Reas de proje o prim rias motoras

Áreas de projeção (primárias) - motoras

  • Ocupa o giro pré-central (4 de Brodmann), c/ somatotopia semelhante à somestésica.


Reas de associa o

Áreas de associação

  • S/ relação direta c/ motricidade ou sensibilidade.

  • diagnóstico + difícil em lesões

  • Na filogênese, tornou-se maior que a de projeção no homem, relacionada c/ funções psíquicas.

  • sensitiva

  • secundária (II)

  • motora

  • Agrupadas em áreas

  • terciária (III)


Reas de associa o secund rias sensitivas

Áreas de associação secundárias- sensitivas

  • Somestésica II – no lóbulo parietal superior,

  • atrás da somestésica primária (5 e 7 de Brodmann).

  • 3Visual II – lobo occipital, adiante da visual

  • primária, e lobo temporal (18, 19, 20, 21 e 37 de Brodmann).

  • Auditiva II – lobo temporal, circundando a

  • auditiva primária(22 de Brodmann).


Reas de associa o secund rias

Áreas de associação secundárias

(a. somestésica)

(a. visual)

(a. auditiva)


Considera es sobre as reas de associa o secund rias sensitivas

Considerações sobre as áreas de associação secundárias sensitivas

  • Estas têm af. das áreas primárias (que detectam sensação: características do objeto), fazem a interpretação (gnosis: comparação c/ aspectos de sua existência) e repassam estas informações p/ áreas supramodais.

  • lesões = agnosias específicas (os pacientes não

  • reconhecem o estímulo somente com esta aferência)

  • Não são simétricas (≠ das primárias). Ex.: lesão na área auditiva secundária E = afasia, D = amusia.


Reas de associa o secund rias motoras

Áreas de associação secundárias - motoras

  • Adjascentes e relacionadas à área motora primária.

  • lesões = apraxias (análogas às agnosias sensoriais; o paciente é incapaz de executar determinados atos voluntários como uma sequência de movimentos, s/ déficit motor, por falha no “planejamento”)

  • São consideradas 3 áreas:

  • + motora suplementar – movs. aprendidos

  • + pré-motora – movs. novos

  • + de Broca – fala


Reas de associa o secund rias motoras1

Áreas de associação secundárias:motoras


Reas de associa o secund rias motoras2

Áreas de associação secundárias: motoras


Reas de associa o terci rias

Áreas de associação terciárias

  • Supramodais (s/ relação específica c/ as modalidades), recebem e integram todas as sensibilidades já elaboradas pelas outras áreas e elaboram estratégias comportamentais.

  • São descritas as áreas:

  • + pré-frontal

  • + temporoparietal

  • + límbicas


Reas de associa o terci rias rea pr frontal

Áreas de associação terciárias:área pré-frontal

  • Porção anterior não motora do lobo frontal, desenvolvida nos humanos (1/4 do córtex), c/ conexões complexas.

  • Funções:

  • controle do comportamento emocional junto ao hipotálamo e s. límbico.

  • manutenção da atenção junto à FR (lesão dificulta concentração e a fixação voluntária da atenção).

  • escolha de opções e estratégias + adequadas às situações físicas e sociais do indivíduo e a capacidade de alterá-las se necessário.


Reas de associa o terci rias rea temporoparietal

Áreas de associação terciárias:área temporoparietal

  • Compreende o lóbulo parietal inferior, c/ os giros angular e supra-marginal(39 e 40 de Brodmann).

  • Entre as áreas secundárias auditiva, visual e somestésica integra estas funções proporcionando percepção espacial e imagem corporal

  • lesões = desorientação espacial e síndrome da negligência

  • (lesões hemisf. D - em relação ao seu corpo ou ao espaço exterior)


Reas de associa o terci rias reas l mbicas

Áreas de associação terciárias:áreas límbicas

  • Compreendem o giro do cíngulo, o giro para-hipocampal e o hipocampo (além das áreas pré-frontal e septal, e áreas subcorticais como o corpo amigdalóide, corpos mamilares, tálamo, hipotálamo e nervos cranianos, que exercem a expressam a emoção).

  • Relacionadas principalmente c/ memória, comportamento emocional, processos motivacionais e regulação endócrina via SNA.


Reas de associa o terci rias reas l mbicas1

Áreas de associação terciárias:áreas límbicas


Telenc falo sistema l mbico e vasculariza o do snc

Áreas límbicas


Assimetria das fun es corticais

Assimetria das funções corticais

  • “Nousparlonsavecl’hemisphèregauche!”Broca (1864).

  • Os hemisférios são dominantes p/ cada função nas áreas de associação (≠ áreas de projeção), evidenciando a importância do corpo caloso.

  • 96% dos destros têm a

  • linguagem no hemisf. “E”

  • (70% dos canhotos têm à “D”),

  • correlação importante p/

  • neurocirurgiões evitarem

  • afasias, detectando o lado

  • da fala, ou pelo procedimento

  • de Wada(barbitúricoc/ efeito

  • anestésicorepentino e duração de 10min)


Vasculariza o do snc

Vascularização do SNC

  • Suprimento permanente e abundante de glicose e O2

  • Falta ≥ 7s = inconsciência; ≥ 5min. = lesão irreversível

  • Não há circulação linfática, mas há a liquórica, sem correspondência funcional ou anatômica.

  • Fluxo maior na subst. cinzenta (+ sinapses,+ atividade metabólica).


Vasculariza o do snc1

Vascularização do SNC

  • 2 sistemas exclusivos p/ o encéfalo (s/ ramos importantes no pescoço).

  • Anastomose em polígono

  • Paredes finas, propensas a hemorragias (túnica média c/ poucas fibras musculares).


Vasculariza o do snc2

Vascularização do SNC


Vasculariza o do snc3

Vascularização do SNC


Drenagem do snc

Drenagem do SNC

  • Não acompanha a arterial (é maior e mais calibrosa).

  • Drenam p/ os seios da dura-máter (bem como as extracranianas por meios das v. emissárias) de onde o sangue converge p/ as v. jugulares internas.

  • Paredes finas (s/ musculatura).

  • Sem válvulas (à favor da gravidade).

  • 2 sistemas (superficial e profundo) unidos por muitas anastomoses.


Telenc falo sistema l mbico e vasculariza o do snc

Obrigado!

[email protected]

Universidade Federal de Juiz de Fora


  • Login