Aula 11 torneamento introdu o parte 1
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 18

Aula 11 Torneamento - Introdução Parte 1 PowerPoint PPT Presentation


  • 66 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Processos de Fabricação I Prof. Jorge Marques dos Anjos. Aula 11 Torneamento - Introdução Parte 1. Conceito.

Download Presentation

Aula 11 Torneamento - Introdução Parte 1

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Aula 11 torneamento introdu o parte 1

Pontifícia Universidade Católica de Goiás

Departamento de Engenharia

Curso: Engenharia de Produção

Disciplina: Processos de Fabricação I

Prof. Jorge Marques dos Anjos

Aula 11

Torneamento - Introdução

Parte 1


Conceito

Conceito

  • O processo que se baseia no movimento da peça em torno de seu próprio eixo chama-se torneamento

  • É uma operação de usinagem que permite trabalhar peças cilíndricas movidas por um movimento uniforme de rotação em torno de um eixo fixo


Movimentos

Movimentos

  • Movimento de corte: relacionado à peça

  • Movimento de avanço: relacionado à ferramenta

  • Movimento de penetração: relativo a ferramenta – Profundidade de corte


Opera es

Operações

  • Superfícies cilíndrica internas e externas

  • Superfícies cilíndrica cônicas internas e externas


Opera es1

Operações

Machos e cossinetes


O torno mec nico universal

O Torno Mecânico Universal


Carros

Carros

f = carro principal (longitudinal); o carro transversal movimenta-se sobre ele.

e = carro transversal; o carro porta ferramentas movimenta-se sobre este.

i = carro porta ferramentas; permite rotação em torno de seu eixo

d = porta ferramentas; apoia-se no carro porta ferramentas, permite rotação.

j = cremalheira; quando engrenada ao fuso desloca o carro transversal com avanço uniforme e automático.

k = fuso: controla o avanço automático

l = vara: guia do carro transversal.


Etapas de um torneamento b sico

Etapas de um torneamento básico

  • Prender a peça na castanha

  • Prender a ferramenta no porta ferramentas

  • Localizar a posição vertical do eixo da peça (da castanha)

  • Localizar a face da peça (ponto mais alto)

  • Zerar o dial (disco graduado) do carro longitudinal.

  • Retornar a ferramenta

  • Regular o torno na velocidade de corte determinada

  • Ligar o torno

  • Aproximar a ferramenta, avançar a profundidade de faceamento desejada (normalmente 0,2 mm). O faceamento é necessário para formar um plano de referência.


Etapas de um torneamento b sico1

Etapas de um torneamento básico

  • Facear a peça.

  • Verificar se o faceamento removeu os relevos, garantiu o plano de referência.

  • Se necessário, repetir a operação de faceamento com novo avanço.

  • Medir o comprimento a ser usinado e marcar este local com a ferramenta encostando na peça em movimento. Nesta etapa pode aproveitar para zerar o carro transversal.

  • Aproximar a ferramenta e usinar com a profundidade de corte e avanço determinada.


Prendendo a pe a

Prendendo a peça

Placa


Prendendo pela superf cie externa

Prendendo pela superfície externa

  • Fixação é feita por meio da parte raiada interna das castanhas voltada para o eixo da placa universal


Prendendo pela superf cie interna

Prendendo pela superfície interna

  • Fixação é feita por meio da parte raiada externa das castanhas


Prendendo pe a em formato de disco

Prendendo peça em formato de disco

  • Usa-se castanhas invertidas


Faceamento

Faceamento

  • Localizar a altura: Usa-se o contra-ponta como referência.

  • Depois, toca-se na peça e Zera o anel graduado do carro longitudinal

  • Usina-se +/- 0,2 mm na face.


Marca o do comprimento

Marcação do comprimento

  • Realizar no material uma superfície plana perpendicular ao eixo do torno

  • Operação de 0,2 mm


Rota o do torno

Rotação do torno

  • Cálculo da rotação:

    = rotação por minuto (RPM)

    = velocidade de corte = (peça x ferram.)

    = Diâmetro (inicial, máximo) da peça


Opera o

Operação

  • Ligar o torno

  • Realizar o movimento de aproximação

  • Iniciar operação

  • Medir a peça

  • Repetir até chegar nas dimensões desejadas


V deo

Vídeo


  • Login