execu o da terraplanagem
Download
Skip this Video
Download Presentation
EXECUÇÃO DA TERRAPLANAGEM

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 96

EXECU - PowerPoint PPT Presentation


  • 236 Views
  • Uploaded on

EXECUÇÃO DA TERRAPLANAGEM. Maquinas e Equipamentos. Matando a saudade. Serviços preliminares. 1 Instalação do canteiro de obras Função da dimensão da obra Proximidade de centros urbanos Tempo da obra Obs. Não compensa permitir que operários fiquem a cidade pois isso gera dificuldades.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'EXECU' - johana


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
execu o da terraplanagem

EXECUÇÃO DA TERRAPLANAGEM

Maquinas e Equipamentos

servi os preliminares
Serviços preliminares

1 Instalação do canteiro de obras

  • Função da dimensão da obra
  • Proximidade de centros urbanos
  • Tempo da obra
  • Obs. Não compensa permitir que operários fiquem a cidade pois isso gera dificuldades.
canteiro de obras
Canteiro de obras
  • Regra geral: localizar perto do centro de gravidade (área em planta) dos serviços. As construções devem ser econômicas e reaproveitáveis após a desmontagem do acampamento. Parâmetros que podem alterar a regra geral: dimensão da obra, proximidade de centro urbano, tempo de execução da obra, facilidades locais de energia elétrica e água potável, etc. Um canteiro deverá conter:
escritorio
Escritorio
  • restando os seguintes serviços gerais: apropriação (coleta de dados, classificação, ordenação e cálculo de despesas por categorias); comunicação entre o canteiro de serviço e a gerência; comunicação entre o canteiro e terceiros; ponto; pagamento de pessoal; organização, distribuição e pagamento de contas e sua contabilização em livro próprio; escrituração do livro "caixa" da obra; arquivamento de correspondência, fichário de máquinas , material de consumo, etc.
almoxarifado
Almoxarifado
  • responsável pela compra e distribuição de materiais, que se classificam em : materiais de consumo (combustíveis, óleos, graxas, alimentos, peças sobressalentes, etc.) , materiais de aplicação (cimento, cal, pedra, areia, etc.) e materiais permanentes (máquinas, móveis, grandes ferramentas, etc.).
oficinas de manuten o
Oficinas de manutenção
  • Para reparos ligeiros, pinturas, manutenção preventiva(revisão quinzenal de peças de alto desgaste, revisão de motores segundo especificações dos fabricantes). Como indicação, deve ter 36 m2 por máquina em serviço.
transportes
Transportes
  • Podem ser feitos em caminhões cobertos, com bancos, respeitada a legislação vigente, com todas as regras de segurança respeitadas e sempre gratuito; o transporte de pessoal graduado normalmente é feito em veículos menores, como utilitários ou automóveis.
servi os provis rios
Serviços provisórios
  • Em geral, no caso de obra rodoviária, obras de baixo custo, com plataformas de 4 a 5 metros. Procurar suavizar rampas de inclinação muito forte. Pequenos aterros, drenados, nas baixadas e onde houver solos de má qualidade. Bueiros para evitar inundações. Nas grandes obras, estradas de serviço podem necessitar plataformas maiores, com boa conservação e suporte
servi os provis rios1
Serviços provisórios
  • Executados sempre que, devido à baixa capacidade de suporte do sub-leito possa ocorrer recalque exagerado ou escorregamento lateral. No caso de estradas de serviço, não tem o requinte que será visto em "construção de aterros", mas devem ter boa capacidade de suporte e drenagem suficiente.
loca o topogr fica
Locação topográfica
  • O órgão rodoviário (DNIT, DER/PR, etc) fornece o eixo da estrada locado e piqueteado a cada 20 m, incluindo a marcação dos PC(pontos de curva), PT(ponto de tangência) e PI (ponto onde o prolongamento das retas se interceptam), devendo o empreiteiro acompanhar a execução desse trabalho a fim de esclarecer dúvidas.
loca o
locação
  • A marcação correta dos pontos de off-set é importante porque a correção de erros é muito onerosa. O erro máximo admissível na altura do off-set de corte é 10 cm. Superfícies côncavas ou convexas nos taludes de corte, ou nos de aterro, não são permitidas, nem são pagas modificações nos volumes previstos no projeto.
limpeza da faixa de ocupa o fatores
Limpeza da faixa de ocupação fatores
  • 1.     Porte e tamanho das árvores:
  • 2.    Uso final da terra:Estradas, barragens, reflorestamento, uso agrícola – exigências são diferentes em cada tipo de obra.
  • 3.    Condições do solo:Espessura da camada de terra vegetal, matéria orgânica, umidade, presença de matacões e blocos de rocha , influem na escolha dos equipamentos a serem usados.
limpeza da faixa de ocupa o fatores1
Limpeza da faixa de ocupação fatores
  • 4.    Topografia: grandes rampas, valetas, áreas pantanosas e de baixo suporte, formações rochosas – alteram a operação de alguns equipamentos.
  • 5.    Especificações da obra : tamanho da obra, prazo, disposição de entulho, exigências de conservação ambiental e dos solos
bulldozer
bulldozer

Posição reta

Angle dozer

t cnicas de carregamento
Técnicas de carregamento
  • Usar pusher sempre que scrapers tenham mais de 10 m3.  Equipamento com potência adequada, no auxílio do carregamento,  paga-se por si mesmo;
  • .     evitar congestionamento no corte. Área ampla.    É preferível excesso de pusher que atrasos;
  • .     escavar no sentido do transporte, rampas inclinadas nesse sentido (descendo) ;
tecnicas de carregamento
Tecnicas de carregamento
  • começar corte sem o pusher, até patinar. (reduz até 40% do tempo de carga);
  • .     cortar em faixas alternadas;
  • .     não usar velocidades elevadas no transporte: segurança;
  • .     sempre que possível, atacar dois aterros (e/ou cortes) ao mesmo tempo, para evitar retornos e manobras; ver "combinação de ciclos" mais adiante, em "transporte";
  • .     aproveitar ociosidade do pusher, escarificando (principalmente com material argiloso) ou fazendo a manutenção do piso da área de carregamento;
tecnicas de carregamento1
Tecnicas de carregamento
  • coroar (encher até o limite máximo) o motoscraper não significa aumentar a produtividade, pelo tempo que gasta;
  • espessura de corte: por experimentação, verificar com qual o tempo de carregamento é mais breve;
  • em terrenos muito compactos, deixar o motoscraper no neutro, e a força para o pusher.
  • só fazer o pusher em linha reta, jamais em curva;
  • ao final da carga, elevar lentamente a caçamba, para evitar degraus;
  • conferir o tempo ótimo de carregamento em toda mudança de condição do trabalho.
unidades escavo elevadoras
Unidades escavo-elevadoras
  • Escavam e carregam a unidade transportadora;
  • Possuem ciclo contínuo – diferente das escavo carregadoras que tem o cilco descontinuo.
  • Rampas devem ser favoraveis.
  • Uso em condições especiais
calculo dos volumes
Calculo dos volumes
  • O projeto de uma estrada deve ser escolhido de forma a harmonizar os elementos geométricos da planta e do perfil. O custo do movimento de terra é significativo em relação ao custo total da estrada, por isso, sempre que possível deve ser feito o equilíbrio entre volumes de cortes e aterros, evitando-se empréstimos e/ou bota-foras.
volumes
Volumes
  • Admite-se que o terreno varia de forma linear entre duas seções consecutivas, o que de certa forma para distância entre seções de 20 m não gera erros significativos. O processo consiste no levantamento das seções transversais em cada estaca inteira do traçado (estaca de 20 m).
calculo de volumes
Calculo de volumes
  • Vc = (Aci + Aci+1)xL/2
  • Va = (Aai + Aai+1) xL/2
  • para L = 20 m Vc = (Aci + Aci+1) x1
  • Va = (Aai + Aai+1)x10
  • Vc = volume de corte (m3)
  • Va = volume de aterro (m3)
  • Ac = área de corte da seção i (m2)
  • Ac = área de corte da seção i (m2)
  • L = distância entre seções (m)
quando o volume de corte maior que o do aterro vc va
Quando o volume de corte é maior que o do aterro: Vc > Va
  • Se a diferença puder ser compensada lateralmente não haverá necessidade de transporte. V=Va

Se V = Vc – Va = volume de corte do trecho entre seções que será escavado no corte e transportado para um aterro conveniente, estando, portanto, sujeito a transporte longitudinal.

quando o volume de aterro maior que o do corte va vc
Quando o volume de aterro é maior que o do corte: Va > Vc
  • Se a diferença puder ser compensada lateralmente não haverá necessidade de transporte. V=Vc
  • V = Va – Vc = volume de aterro do trecho com transporte longitudinal.
observa es
Observações
  • Custo de compensação dos volumes = custo de escavação + custo de transporte
  • Custo de não compensação = custo de escavação + custo de transporte para bota-fora + custo de escavação do material de empréstimo + custo de transporte de empréstimo.
calculo dos volumes acumulados
Calculo dos volumes acumulados
  • Convenção para medida de volumes:
  • • positiva para medida dos volumes de corte (+Vc)
  • • negativa para os volumes de aterros (- Va)
tabela de volumes
Tabela de volumes

Obs: PP = Ponto de passagem, onde terminam os cortes e começam os aterros.

tabela
Tabela
  • (1) estacas nos pontos onde foram levantados as seções transversais (estacas inteiras) estacas fracionárias quando o terreno é muito irregular, estacas do PP
  • (2) áreas de corte, medidas nas seções (m2)
  • (3) áreas de aterro, medidas nas seções (m2)
  • (4) = (Ai(corte) + Ai+1(corte))x10
  • (5) = (Ai(aterro) + Ai+1(aterro))x10
  • (6) produto da coluna (5) pelo fator de redução = (5) x (fr)
  • (7) volumes compensados lateralmente, que não estão sujeitos a transporte longitudinal = menor volume entre Va(corrigido) e Vc
  • (8) e (9) volumes sujeitos ao transporte longitudinal, compensação entre cortes e aterros = (Vc–Va(corrigido)) ou (Va(corrigido) – Vc)
  • (10) volume acumulado, resultado da soma algébrica acumulada dos volumes obtidos nas colunas (8) e (9) = (Vi+Vi+1)
diagrama de massas
Diagrama de massas
  • Representação gráfica dos volumes acumulados
  • • estudo da compensação cortes-aterros
  • • programação de bota-foras e empréstimos
  • • programação dos equipamentos
custo total de terraplenagem
Custo total de terraplenagem
  • CT = [(Ce.V + Ct.V.dm + V.Ccomp)+(Ce.Vbf + Ct.Vbf. dbf + Vbf.Ccomp)+(Ce.Vemp + Ct.Vemp.demp + +Vemp.Ccomp)]
  • onde: e = escavação
  • t = transporte
  • V: volume compensado longitudinalmente
  • bf = bota-fora
  • emp = empréstimo
  • Ce = custo de escavação = U$
  • Ccomp = custo de compactação = U$
  • Ct = custo de transporte
  • Vbf = volume de bota-fora
  • Vemp = volume de empréstimo
  • dm = distância média de transporte
  • demp = distância de empréstimo
  • det = distância econômica de transporte
marca o topogr fica de cortes
Marcação topográfica de cortes

Pontos importantes para a marcação piso em caso de erro oprejuizo será grande.

marca o topogr fica de cortes1
Marcação topográfica de cortes
  • Para marcação desses pontos é necessário conhecer:
  • Indicação para cada estaca das alturas de corte (linha vermelha);
  • Largura da plataforma;
  • Ângulo do talude de corte adotado.
execu o de corte
Execução de corte
  • Deve-se obter,alem dos dados da figura o ângulo de inclinação do terreno natural ;
  • Distancia horizontal do off set esquerdo e direito;
  • Diferença de contas entre o eixo e o offset esquerdo e direito.
controle topografico da execu o de cortes
Controle topografico da execução de cortes
  • A escavação prosegue ate as imediações das alturas He e Hd qdo se faz nova locação da plataforma inacabada do fundo do corte.
  • Em seguida faz-se o nivelamento, geralmente feito com a moto niveladora.
  • Obedecer sempre o ângulo de talude.
escava o de materiais de 1 categoria1
Escavação de materiais de 1ª categoria
  • Equipamentos utilizados
    • Trator de lâmina
    • Motoscraper
    • Carregadeiras e caminhões.
tecnicas de opera o com o escarificador
Tecnicas de operação com o escarificador
  • escarificar sempre em primeira marcha, e baixa velocidade ;
  • se possível, morro abaixo;
  • se o material apresentar camadas inclinadas, na direção da inclinação;
  • quando usado na carga por scraper, na direção de carga;
  • escarificar em profundidade uniforme;
  • colocar os porta dentes simétricos em relação ao centro da barra de ripper.
escarifica o3
Escarificação
  • Usados na escavação de materiais de segunda categoria, em rochas brandas, abrandando materiais de primeira categoria, etc.
  • São mais eficientes nos materiais muito consistentes que nos materiais brandos. Os de  comando hidráulico são mais precisos porém sofrem maior desgaste.
solos brejosos1
Solos brejosos

e) Após sua retirada acumula elevada quantidade de água.

f) Pode-se tentar o rebaixamento do lençol freático através dos métodos usuais;

g) Eventualmente esses solos permitem a passagem de trator de esteiras somente.

solos brejosos2
Solos brejosos
  • Equipamentos indicados
    • Escavadeiras sobre esteiras;
    • Retroescavadeiras com lança do tipo “drag line”; São lentas mas tem longo alcance.
metodo de escava o brejos
Metodo de escavação - brejos
  • Retirada do material de forma ordenada, através da abertura de caixas alternadas. Isso limita a quantidade de água e lodo a ser retirada;
  • Retirada de água com bombas;
  • Retirar lodo restante;
  • Reenchimento com material adequado.
reenchimento de valas
Reenchimento de valas
  • Imediatamente após remoção do lodo e da água deve-se lançar as primeiras camadas de solo, preferencialmente arenoso. Facilita a drenagem. Colchão de 50 cm;
  • Iniciar espalhamento do solos em camadas, da extremidade para o centro.
  • As primeiras camadas (até 1m) permanecem muito úmidas, mas devem ser compactadas mesmo assim.
aterros tipos de ocorr ncias
Aterros – tipos de ocorrências
  • Recalque por adensamento
aterros ocorrencias
Aterros - ocorrencias

Camada portante de baixa capacidade de suporte e com grande profundidade.

processos de consolida o de aterros
Processos de consolidação de aterros
  • Remoção do solo de má qualidade e substituição por material adequado;
  • Deslocamento material instável;
processos de consolida o de aterros1
Processos de consolidação de aterros
  • Deslocamento com explosivos;
  • Utilização de bermas de equilíbrio;
processos de consolida o de aterros2
Processos de consolidação de aterros
  • Utilização de drenos verticais de areia;
  • São construidos por sondas rotativas ou pela cravação de tubos com altura suficiente para atingir camada profunda de bom suporte, sendo material interno removido por jatos de água.
  • Uma camada de areia é lançada sobre o topo dos drenos, assim o adensamento é acelerado pela rápida perda de água e reduzindo o volume de vazios.
ad