Imagem nas infec es f ngicas
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 26

IMAGEM NAS Infecções fúngicas PowerPoint PPT Presentation


  • 210 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

IMAGEM NAS Infecções fúngicas. Dante Luiz Escuissato. IMAGEM NAS Infecções fúngicas em pacientes imunodeprimidos. Dante Luiz Escuissato. Infecções Fúngicas em Imunodeprimidos. A infecção por determinados agentes está associada a defeitos específicos da imunidade.

Download Presentation

IMAGEM NAS Infecções fúngicas

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Imagem nas infec es f ngicas

IMAGEM NAS Infecçõesfúngicas

Dante LuizEscuissato


Imagem nas infec es f ngicas em pacientes imunodeprimidos

IMAGEM NAS Infecçõesfúngicasempacientesimunodeprimidos

Dante LuizEscuissato


Infec es f ngicas em imunodeprimidos

InfecçõesFúngicasemImunodeprimidos

  • A infecção por determinados agentes está associada a defeitos específicos da imunidade.

  • Alteração da fagocitose e portadores de cateteres intravenosos: espécies de Aspergillus e Candida.

  • Anormalidades da imunidade associadas aos linfócitos T e à corticoterapia: Cryptococcus neoformans, Histoplasma capsulatum, Coccidioides immitis, Pneumocystis jiroveci e espécies de Candida.


Pneumocistose

Pneumocistose

  • A infecção pulmonar pelo Pneumocystis jiroveci caracteriza-se principalmente por áreas de atenuação em vidro fosco com distribuição simétrica e bilateral. Outros achados menos freqüentes são: consolidações bilaterais, espessamento de septos interlobulares, lesões císticas e nódulos.

Am J Roentgenol 2005;184:757-764


Pneumocistose1

Pneumocistose


Pneumocistose2

Pneumocistose

VF

VF


Imagens de tc em rela o ao tipo de infec o

  • Am J Roentgenol 2005;185:608-615.

  • Am J Roentgenol 2005;185:608-615.

  • Am J Roentgenol 2005;185:608-615.

Imagens de TC em relação ao tipo de infecção

Am J Roentgenol 2005;185:608-615


Sinal do halo

Sinal do Halo

Aspergillus sp

Fusarium sp


Imagem nas infec es f ngicas

Neste caso há o sinal do halo ao redor da massa do lobo superior direito. Qual diagnóstico você julga possível?

Pneumonia por Pseudomonas sp.


Pneumonia por staphylococcus aureus

Pneumonia porStaphylococcus aureus


Pneumonia por cmv

Pneumonia por CMV


Diagn stico diferencial do sinal do halo

Diagnóstico Diferencial do Sinal do Halo

  • Processos infecciosos

    • Infecções fúngicas (aspergilose pulmonar invasiva, candidíase pulmonar, mucormicose, fusariose)

    • Infecções virais e bacterianas

  • Neoplasias

    • Carcinoma bronquioloalveolar

    • Sarcoma de Kaposi

    • Metástases de angiossarcoma

  • Vasculites (Gr. de Wegener)

Br J Radiol 2005;78:862-865


Aspergilose pulmonar invasiva

AspergilosePulmonarInvasiva

  • RX: opacidades nodulares únicas ou múltiplas, lesões escavadas ou consolidações.

  • TC: consolidações ou nódulos, que podem ou não estar circundados por halo de atenuação em vidro fosco (sinal do halo).

Radiographics 2001;21:825-837

Braz J Infect Dis 2007;11:110-113


Aspergilose pulmonar invasiva1

AspergilosePulmonarInvasiva

  • Sinal do halo: 33-60% das lesões da API, desaparecendo em 1 semana (~75%). Fazer tomo até 5° dia do início do QC.

  • Outras infecções fúngicas com sinal do halo: mucormicose, candidíase e Fusarium sp.


Aspergilose pulmonar invasiva2

AspergilosePulmonarInvasiva


Aspergilose pulmonar invasiva3

AspergilosePulmonarInvasiva


Aspergilose pulmonar invasiva4

AspergilosePulmonarInvasiva


Candid ase

Candidíase

  • TC: nódulos (3mm a vários centrímetros em diâmetro), áreas de atenuação em vidro fosco e focos de consolidação.

  • Candidíase e a API se manifestam de modo semelhante em pacientes imunodeprimidos do ponto de vista da TC.

  • Sinal do halo e escavação nas lesões não são úteis para o diagnóstico diferencial.

Am J Roentgenol 2005;185:608-615

Radiology 2005;236:332-337


Candid ase x aspergilose

Candidíase X Aspergilose


Outras infec es f ngicas

OutrasInfecçõesFúngicas

  • Mucormicose (zigomicose): não há diferenças entre os achados de imagem encontrados na API e a mucormicose em pacientes imunodeprimidos.

  • Criptococose:um ou mais nódulos e massas (até 10cm de diâmetro), consolidações e infiltração reticulonodular difusa. Escavações nas lesões mais comum em imunodeprimidos, denotando doença mais grave. O sinal do halo também tem sido descrito nestes pacientes.


Criptococose

Criptococose


Evolu o das infec es f ngicas

Evolução das InfecçõesFúngicas

  • Poucos dados na literatura sobre evolução das lesões fúngicas pulmonares em imunodeprimidos.

  • Brodoefel e al.: número médio de lesões em 40 pacientes foi de 3. As lesões tiveram aumento de suas dimensões até o 9° dia, seguido por um período de estabilização e depois de regressão das lesões. (Am J Roentgenol 2006;187:404-413)

  • Escavações nas lesões pulmonares são um forte indício de evolução favorável.


Evolu o fusarium sp

Evolução – Fusarium sp

ANTES

DEPOIS


Evolu o fusarium sp1

Evolução - Fusarium sp

18/01

25/01


M todos de imagem

Métodos de Imagem

  • RX do tórax: meio de screening para pacientes com neutropenia e febre.

  • TC de alta resolução de tórax mostra lesões pulmonares que não eram visíveis no RX.

  • TCAR: útil no DDx de lesões pulmonares infecciosas e não-infecciosas

  • Nódulos >10mm e lesões com sinal do halo são suficientes para se presumir o diagnóstico de infecção fúngica, dentro de um contexto clínico apropriado


Obrigado

Obrigado!


  • Login