UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 35

ESTENOSE AÓRTICA PowerPoint PPT Presentation


  • 148 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA. ESTENOSE AÓRTICA. ADMAR MORAES DE SOUZA 2011. VALVA AÓRTICA NORMAL. ESTENOSE AÓRTICA Tipos:. VALVAR. SUB-VALVAR. SUPRA-VALVAR. ESTENOSE AÓRTICA VALVAR Etiologia. Congênita: - Unicúspide

Download Presentation

ESTENOSE AÓRTICA

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Estenose a rtica

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA

ESTENOSE AÓRTICA

ADMAR MORAES DE SOUZA

2011


Estenose a rtica

VALVA AÓRTICA NORMAL


Estenose a rtica tipos

ESTENOSE AÓRTICATipos:

VALVAR

SUB-VALVAR

SUPRA-VALVAR


Estenose a rtica valvar etiologia

ESTENOSE AÓRTICA VALVAREtiologia

Congênita: - Unicúspide

- Bicúspide

- Tricúspide

Adquirida: - Reumática

- Degenerativa calcificada

- Outras


Estenose a rtica etiologia

ESTENOSE AÓRTICAEtiologia

Unicúspide


Estenose a rtica etiologia1

ESTENOSE AÓRTICAEtiologia

Valva Aórtica

Bicúspide


Estenose a rtica etiologia2

ESTENOSE AÓRTICAEtiologia

Reumática


Estenose a rtica etiologia3

ESTENOSE AÓRTICAEtiologia


Estenose a rtica fisiopatologia i

ESTENOSE AÓRTICAFisiopatologia ( I )

Obstruções graduais do VE : Hipertrofia VE

DC mantido

Alterações diastólicas (PD2 elevada)

- Complacência reduzida

Massa VE aumentada

Rigidez muscular


Estenose a rtica cora o normal corte transversal

ESTENOSE AÓRTICACoração normal - corte transversal


Estenose a rtica fisiopatologia

ESTENOSE AÓRTICA Fisiopatologia


Estenose a rtica fisiopatologia ii

ESTENOSE AÓRTICAFisiopatologia ( II )

Obstrução crítica do VE:

Gradiente sistólico médio  40mmHg

( em DC normal)

Orifício valvar:

< 1,0 cm2 em adulto

< 0,6 cm2/m2


Estenose a rtica fisiopatologia iii

ESTENOSE AÓRTICAFisiopatologia ( III )

Depressão da performance ventricular:

- Hipertrofia inadequada

- Depressão da contratilidade

- Redução do DC, Vol. Ejeção

e gradiente VE-Ao


Estenose a rtica fisiopatologia iv

ESTENOSE AÓRTICAFisiopatologia ( IV )

Balanço O2 Miocárdico

Oxigenação miocárdica inadequada (s/DAC)

 Consumo O2: Massa VE 

Pressão sistólica VE 

Tempo de ejeção 

 Oferta O2:

Compressão coronária (pressão VE )

 gradiente Ao-VE diástole ( PD2 VE)

Tempo diastólico 


Estenose a rtica fisiopatologia v

ESTENOSE AÓRTICAFisiopatologia ( V )

ESTENOSE AÓRTICA

Obstrução via de saída do VE

PS do VE

 TE do VE

 PD2 do VE

 Pressão Ao

 Massa VE

 Oferta O2

miocárdio

 MVO2

Miocárdio

 Tempo

diastólico

Disfunção VE

Isquemia Miocárdica

Falência do VE


Estenose a rtica

ESTENOSE AÓRTICA

Manifestações cardíacas:

- Angina

- Síncope

- Dispnéia

Manifestações pré-terminais:

- FA, Hipertensão pulmonar

- Hipertensão venosa sistêmica


Estenose a rtica1

ESTENOSE AÓRTICA

Exame Físico - Pulso carotídeo


Estenose a rtica2

ESTENOSE AÓRTICA

Exame Físico

Aorta bicúspide

Ausculta

Estenose leve

Estenose severa


Estenose a rtica3

ESTENOSE AÓRTICA

Diferenças entre idosos e jovens

Idoso

Jovem

Reumática, Congênita

Etiologia

Degenerativa

------

Dças associadas

HA, DPOC, Coronária

Angina (+ comum),

Síncope e ICG

Clínica

ICG (+ comum),

Angina e Síncope.

Exame Físico

Pulso corotídeo

Pode ser amplo

“Parvus et tardus”

Sopro sistólico

Musical, baixa inten-

sidade, área apical,

irradiação axilar.

Área aórtica,

irradiação para pescoço.

Hipertensão sistólica

Pode  pressão de

pulso

Raro; pequena pressão

de pulso

“Click ejeção

Raro

Comum

FA

Freqüente

Raro


Estenose a rtica4

ESTENOSE AÓRTICA

85% E Ao severas = SVE

Alterações ST-T na hipertrofia severa

Padrão de “ pseudo-infarto” ântero-septal

SAE = 80% E Ao severas

Eletrocardiograma


Estenose a rtica5

ESTENOSE AÓRTICA

Eletrocardiograma


Estenose a rtica6

ESTENOSE AÓRTICA

RX de Tórax

PA


Estenose a rtica7

ESTENOSE AÓRTICA

RX de Tórax

Perfil


Estenose a rtica8

ESTENOSE AÓRTICA

ECOCARDIOGRAMA


Estenose a rtica9

ESTENOSE AÓRTICA

DOPPLERECOCARDIOGRAMA

P = 4V2

P= 4.4,52

P = 4. 20,25

P = 81mmHg


Estenose a rtica10

ESTENOSE AÓRTICA

GRADIENTE DE

PRESSÃO


Estenose a rtica11

ESTENOSE AÓRTICA

EQUAÇÃO DA CONTINUIDADE

A1 x V1 = A2 x V2

ÁREA VALVAR AÓRTICA

ESTENOSE SEVERA < 1,0cm2

ESTENOSE MODERADA – 1,0 a 1,5cm2

ESTENOSE LEVE > 1.5cm2


Estenose a rtica12

ESTENOSE AÓRTICA

- Severidade da obstrução

- Avaliar função VE

- Valvopatia associada

- Coronariopatia

Estudo Hemodinâmico


Estenose a rtica13

ESTENOSE AÓRTICA

Estudo Hemodinâmico


Estenose a rtica14

ESTENOSE AÓRTICA


Estenose a rtica15

ESTENOSE AÓRTICA

Manejo Clínico

Assintomáticos:

- Vigiar aparecimento de sintomas

- Doppler Eco para avaliar severidade:

- Leve : controle em 2 anos.

- Severas:

-- ECG, RX, Eco: 6-12 meses

-- Evitar atividade física ou atlética

- Profilaxia de endocardite infecciosa


Estenose a rtica16

ESTENOSE AÓRTICA

Tratamento cirúrgico

- Troca valvar

- Indicações:

- E Ao severa com sintomas.

- Assintomática com progressiva

redução da função VE e Cardiomegalia

Braunwald: Heart Disease, 1997. W.B. Saunders


Estenose a rtica17

ESTENOSE AÓRTICA

Tratamento cirúrgico

Fatores de risco para mortalidade

- Classe funcional

- Função VE

- Arritmia ventricular pre-operatória

- I Ao associada

- Idade

- Coronariopatia associada


Estenose a rtica18

ESTENOSE AÓRTICA

Valvoplastia por cateter - balão

Útil em crianças com E Ao congênita

E Ao calcificada: Reestenose em 6 meses

a 50%.

Indicação: recusa de cirurgia

risco cirúrgico extremo


  • Login