Psicopedagogia uni bh 2009 t cnicas projetivas v nculo escolar jogos l.jpg
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 23

Psicopedagogia _ UNI-BH _ 2009 Técnicas Projetivas Vínculo Escolar Jogos PowerPoint PPT Presentation


  • 569 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Psicopedagogia _ UNI-BH _ 2009 Técnicas Projetivas Vínculo Escolar Jogos. Disciplina: Diagnóstico Psicopedagógico I Professora Maria da Consolação A. Oliveira Grupo: Lúcia – Luciana - Thais. Técnicas Projetivas.

Download Presentation

Psicopedagogia _ UNI-BH _ 2009 Técnicas Projetivas Vínculo Escolar Jogos

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Psicopedagogia uni bh 2009 t cnicas projetivas v nculo escolar jogos l.jpg

Psicopedagogia _ UNI-BH _ 2009Técnicas Projetivas Vínculo EscolarJogos

Disciplina: Diagnóstico Psicopedagógico I

Professora Maria da Consolação A. Oliveira

Grupo: Lúcia – Luciana - Thais


T cnicas projetivas l.jpg

Técnicas Projetivas

Tem como objetivo investigar os vínculos que o sujeito pode estabelecer em três grandes domínios: o escolar, o familiar e consigo mesmo, pelos quais é possível reconhecer três níveis em relação ao grau de consciência dos distintos aspectos que constituem o vínculo da aprendizagem.


Slide3 l.jpg

Sobre as provas projetivas, Weiss observa que:a maneira do sujeito perceber, interpretar e estruturar o material ou situação reflete os aspectos fundamentais do seu psiquismo. É possível desse modo, buscar relações com a apreensão do conhecimento como procurar, evitar distorce, omitir, esquecer algo que lhe é apresentado. Pode-se detectar, assim, obstáculos afetivos existentes nesse processo de aprendizagem de nível geral e especificamente escolar. (2003,P. 117)


Para sara pa n l.jpg

Para Sara Paín,

O que podemos avaliar por meio do desenho ou do relato é a capacidade do pensamento para construir uma organização coerente e harmoniosa e elaborar a emoção. Também permitirá avaliar a deteriorização que se produz no próprio pensamento.

O pensamento fala por meio do desenho onde se diz mal ou não se diz nada, o que oferece a oportunidade de saber como o sujeito ignora.

(1992, p. 61)


Visca observa que l.jpg

Visca observa que:

► A interpretação de cada técnica projetiva deve ser realizada em função do sujeito em particular;

► Não é necessário aplicar todas as provas e que é adequado utilizar somente aquelas que se considerem necessárias em função do que se observou;

► Observar que os critérios para interpretação devem

somar-se aos critérios gerais do diagnóstico para a

interpretação das provas.


Sele o das t cnicas projetivas por v nculos l.jpg

Seleção das técnicas projetivas por vínculos

► Vínculo escolar: Par Educativo – Eu com meus companheiros – A planta da sala de aula.

► Vínculo familiar: A planta da minha casa – Os quatro momentos do dia – Família Educativa

► Vínculo consigo mesmo: O dia do meu aniversário – Minhas férias – Fazendo o que mais gosta – O desenho em episódios.


Sele o das t cnicas projetivas por idade l.jpg

Seleção das Técnicas Projetivas por idade

  • 4 anos: O desenho em episódios.

  • 6 / 7 anos: Par Educativo – Os quatros momentos do dia – Família Educativa – O dia do meu aniversário – Minhas férias – Fazendo o que mais gosta.

  • 7 / 8 anos: As anteriores, e mais Eu com meus companheiros.

  • 8 / 9 anos: As anteriores, e mais A planta da sala de aula – A planta da minha casa.


Observa es para an lise das t cnicas projetivas l.jpg

Observações para análise das Técnicas Projetivas

  • O tamanho total do desenho.

  • O tamanho dos personagens.

  • Se o sujeito está presente nas cenas.

  • Quem não parece no desenho.

  • O distanciamento dos personagens.

  • Se utiliza a borracha durante o desenho.

  • Se não de senha pés e mãos.

  • Se faltam olhos, orelhas e boca.

  • Se o desenho está condizente ao que é pedido.

  • Se recusa desenhar ou escrever.


Posi o do desenho na folha l.jpg

Superior – exigente

Direita – progressivo

Superior direita - exigente progressivo

Central – equilibrado

(VISCA, 2008, p. 23)

Inferior – impulsivo

Esquerda – regressivo

Superior esquerda – impulsivo regressivo

Posição do desenho na folha


Slide10 l.jpg

Os desenhos deverão ser analisados dentro de um contexto geral e não de uma forma isolada.

Durante a aplicação das técnicas projetivas , podemos solicitar à criança que escreva algo sobre seu desenho, se a criança já estiver alfabetizada.

Caso seja percebida uma dificuldade muito acentuada, como trocas que caracterizam uma dislexia, por exemplo, poderemos realizar testes mais específicos de consciência fonológica e fazer uma investigação mais aprofundada, bem como indicá-lo para uma avaliação com outros especialistas.

Se a acriança não quiser escrever nada, não devemos forçá-la, pois estas provas envolvem uma situação muito ligada ao emocional.


Em todos os desenhos devemos ficar atentos ao l.jpg

Em todos os desenhos, devemos ficar atentos ao:

  • Título do desenho: por meio do título, também observamos o vínculo que se estabelece com a aprendizagem.

  • Relato: de acordo com Visca, o relato é uma projeção que denuncia o vínculo de aprendizagem – do próprio conteúdo; pela correspondência com o desenho; por sua relação com o título. Observe no relato os mecanismos de dissociação, negação e repressão utilizados.


Aplica o das t cnicas projetivas l.jpg

Aplicação das Técnicas Projetivas:

Vínculo Escolar: Eu com meus companheiros

  • Idade: sete a oito anos

  • Autora: Sara Bozzo De Shettini

  • Objetivo: Investigar os vínculo com os companheiros de classe.

  • Procedimento:

    Consigna: Gostaria que você se desenhasse com seus companheiros de classe.


Slide13 l.jpg

  • Após o desenho (Algumas perguntas relacionadas ao desenho);

  • Análise: tamanho total – tamanho do personagem principal – tamanho dos demais personagens – posição dos personagens – inclusão do docente – inclusão de pessoas de fora do grupo;

  • Comentários sobre os companheiros;

  • Título.


Aplica o das t cnicas projetivas14 l.jpg

Aplicação das Técnicas Projetivas:

Vínculo Escolar: Par Educativo

  • Idade: Seis a sete anos

  • Autora: Malvina Oris e María Luisa S. de Ocampo

  • Objetivo: Investigar os vínculos de aprendizagem do sujeito.

  • Procedimento:

    Consigna: Gostaria que você desenhasse duas pessoas: uma que ensina e uma que aprende


Slide15 l.jpg

  • Após o desenho (Algumas perguntas relacionadas ao desenho);

  • Análise: tamanho total do desenho – tamanho dos personagens – tamanho dos demais personagens – posição dos personagens – corpo – tamanho dos objetos – distância entre os personagens e o objeto de aprendizagem.

  • Perspectiva (Contextualização tridimensional);

  • Local da cena.


Aplica o das t cnicas projetivas16 l.jpg

Aplicação das Técnicas Projetivas:

Vínculo Escolar: A planta da sala de aula

  • Idade: oito a nove anos.

  • Autor: Desconhecido.

  • Objetivo: Investigar a representação do campo geográfico da sala e sua posição, real e desejada na mesma.

  • Procedimento:

    Consigna: Gostaria que você desenhasse a planta da sua sala de aula, como se você estivesse vendo-a de cima.


Slide17 l.jpg

  • Após o desenho (Algumas perguntas relacionadas ao desenho);

  • Análise: disposição da sala de aula – tamanho da sala de aula – localização na sala – elementos - ausência – representação das pessoas.

  • As aberturas (Frequentemente, o entrevistado faz comentários à medida que desenha);

    - Comentário sobre a aula.


Jogos l.jpg

Jogos

BRINCAR – NO PRIMEIRO MOMENTO:

  • Brincar é fundamental para o nosso desenvolvimento;

  • É a principal atividade das crianças quando não estão dedicadas às suas necessidades de sobrevivência;

  • A criança interagi em suas atividades físicas e

    fantasiosas;

  • Brincar é agradável, brinca-se pelo prazer de

    Brincar.


Slide19 l.jpg

MAS BRINCAR:

  • O brincar é sério, uma vez que supõe atenção e concentração em um foco;

  • Necessidade de disponibilidade,espaço,tempo, do corpo da criança e de seus conhecimentos,suas relações com pessoas, objetos e atividades.

    “Para nós brincar é a saudade ou a recuperação daquela criança que fomos um dia,que dava sua vida para as coisas pelo gosto e pelo valor que tinha em si mesmas, pelos benefícios ou pelas consequências inerentes ao próprio ato de sua realização.” (Macedo,2005,p.14 )


Slide20 l.jpg

JOGAR:

  • É mais importante que brincar, pois é um contexto de REGRAS E OBJETIVOS;

  • No jogo, ganha-se ou perde-se;

  • As delimitações são condições fundamentais para sua realização;

  • Jogar é uma brincadeira organizada,convencional, com papéis e posições demarcadas.

  • O jogo é uma brincadeira que evoluiu.

    “ A brincadeira é uma necessidade da criança; o jogo, uma de suas possibilidades à medida que nos tornamos mais velhos.” (Macedo,2005,p.15)


Slide21 l.jpg

Dimensão lúdica

Cinco indicadores de presença lúdica nos processos de aprendizagem:

1- terem prazer funcional;

2- serem desafiadoras;

3-criarem possibilidades ou disporem delas;

4-possuírem dimensão simbólica e;

5- expressarem-se de modo construtivo ou relacional.


Jogos22 l.jpg

Jogos

  • PEGA –VARETAS

  • TANGRAN

  • CONTE UM CONTO

  • IMAGEM E AÇÃO


Refer ncias l.jpg

Referências

MACEDO, Lino. Os jogos e o lúdico na aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2005

SAMPAIO, S. Manual Prático do Diagnóstico Psicopedagógico Clínico. Rio de Janeiro; Wak Editora, 2009. Páginas 99 a 110.

VISCA, J. Técnicas projetivas psicopedagógicas e pautas gráficas para sua interpretação. Buenos Aires:Visca & Visca Editores, 2008.


  • Login