Dimens o tr gica
Download
1 / 11

Dimensão Trágica - PowerPoint PPT Presentation


  • 84 Views
  • Uploaded on

Dimensão Trágica. Nos Maias. A tragicidade da acção. A acção de Os Maias apresenta algumas características da tragédia clássica. São particularmente relevantes as seguintes: O destino (Ananké)

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' Dimensão Trágica ' - hawa


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

A tragicidade da ac o
A tragicidade da acção

A acção de Os Maias apresenta algumas características da tragédia clássica. São particularmente relevantes as seguintes:

O destino (Ananké)

  • Guimarães simboliza o Destino, pois é ele que traz a verdade sobre o parentesco entre Carlos da Maia e Maria Eduarda.

  • Simbolicamente, Guimarães , aparece vestido de negro, anunciando também o luto da família.


A peripécia (Peripeteia)

  • Carlos da Maia vem a saber que mantém uma relação incestuosa com Maria Eduarda.

    O sofrimento (Pathos)

  • Descoberta da identidade de Maria Eduarda.

    A catástrofe (Catastrophé)

  • Morte de Afonso da Maia;

  • Separação de Carlos da Maia e Maria Eduarda.


Ac o tr gica
Acção trágica

  • Ao nível estrutural

    O autor realiza, ironicamente, uma crítica à sociedade da época, fustigando a apatia e a debilidade da mentalidade nacional. Esta debilidade da mentalidade nacional, conduz as personagens a uma certa acção trágica, pois elas são influenciadas pelo meio em que se inserem.


  • Ao nível da acção

    Momento em que Afonso da Maia vê Maria Monforte pela primeira vez, é de salientar:

Na Toca:

Maria Eduarda é influenciada pelo ambiente físico provocado pela decoração desse espaço, sentido que o seu futuro será “confuso e escuro”, o que leva á situação incestuosa e o sofrimento causado.

  • Na primeira noite de amor entre Carlos e Maria Eduarda, a qual se dá precisamente na Toca, dá-se uma grande trovoada a pressagiar um mau ambiente que se criaria resultante deste incesto.


  • Ao nível do espaço físico

    O Ramalhete

    É apresentado numa primeira fase com um espaço frio e desolado, estéril e abandonado, que ao nível simbólico, representa a ideia de morte . Após um período de vida e de esplendor, o Ramalhete surge, após a tragédia, como um espaço nostálgico conotado com a perda e com a morte.

    Decoração do Ramalhete

    • O ramo de girassóis que ornamenta a casa simboliza a atitude do amante, que como um girassol, se vira continuamente para olhar o ser amado, o girassol associa-se à incapacidade de ultrapassar a paixão e a falta de receptividade do ser amado, ligando-se assim a Pedro e a Carlos.

    • Os móveis do escritório de Afonso estão cobertos de panos brancos que são comparados a mortalhas com que se envolvem cadáveres, prenunciam já a morte que se abaterá na família Maia.


Casa de Maria Eduarda

  • “Vaso do Japão onde murchavam três lírios brancos”: as flores que representam a morte física de Maria Eduarda Runa e de Maria Monforte e a morte moral e espiritual de Maria Eduarda Maia.

  • A decoração da Toca

    • Cabeça degolada,”dentro de um prato de cobre” (Cap. XIII, pág. 433-434). Este tipo de decoração sinistra provocará, em Maria Eduarda um sentimento de receio em relação á sua vida futura.

    • A enorme coruja a olhar, com ar sinistro, o seu leito de amor (a coruja é considerada uma ave de mau agoiro, que surge aqui para pressagiar um futuro sinistro para este amor.


  • Ao nível dos discursos do narrador e de algumas personagens

    Discurso do narrador

    • A conotação da palavra “Toca”, que, literalmente significa abrigo para animais, apontando desde logo para o carácter animalesco do relacionamento amoroso entre Carlos e Maria Eduarda.

    • Através do discurso do narrador que é relevada a satisfação que Carlos sente pela semelhança entre o seu nome e o de Maria Eduarda, assim como a associação que este faz entre a bondade natural do avô e a de Maria Eduarda.


Discurso das personagens

  • Ega afirma que Carlos “há-de acabar numa tragédia infernal” (Cap. VI, pág. 152);

  • Comentário da ministra da Baviera (Corrida de Cavalos) a Carlos “Méfiez-vous(…)heureux au jeu…” (Cap. X, pág. 336), ou seja, felicidade no jogo infelicidade no amor;

  • A reflexão de Carlos, em diálogo com Craft como resposta ao facto de o inglês afirmar que algo de bom deveria ter acontecido a Carlos. Carlos diz que “A gente, Craft, nunca sabe se o que lhe sucede é, em definitivo, bom ou mau”, ao que Craft acrescenta: “Ordinariamente é mau” (Cap. X, pág.344);

    • Maria Eduarda, durante as conversas com Carlos, faz alguns comentários e análises que aproximam Carlos de sua mãe.


Ao n vel da linguagem e do estilo
Ao nível da linguagem e do estilo

O advérbio de modo

Na frase pronunciada por Ega: “(…) estais ambos insensivelmente, irresistivelmente, fatalmente marchando um para outro! “(Cap. VI, pág. 152). Traduz a irremediabilidade de um destino que tem de ser cumprido.

O adjectivo

Na fala do narrador, focalizado em Ega: “Ega escutava-o (…) e agora só pelo modo como Carlos falava daquele grande amor, ele sentia-o (…) o seu irreparável destino” (Cap. XII, pág. 417). Traduz a ideia de aprisionamento ao destino.


A Dimensão trágica nos Maias é realçada assim pelo simbolismo, que aponta a negatividade das personagens, no espaço físico, na acção, nos discursos do narrador e das personagens, da linguagem e do estilo. O que provoca a fatalidade do destino da família Maia, ao longo da obra.