Fundação Oswaldo Cruz
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 25

Élida Azevedo Hennington [email protected] PowerPoint PPT Presentation


  • 96 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Fundação Oswaldo Cruz Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública Disciplina Estratégias de Investigação em Saúde, Trabalho e Ambiente Seminário “Saúde e Trabalho em Saúde”. Gestão do trabalho e produção de saúde: práticas de humanização no Instituto de Pesquisa Clínica Evandro Chagas.

Download Presentation

Élida Azevedo Hennington [email protected]

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Lida azevedo hennington elida hennington ipec fiocruz br

Fundação Oswaldo Cruz

Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública

Disciplina Estratégias de Investigação em Saúde, Trabalho e Ambiente

Seminário “Saúde e Trabalho em Saúde”

Gestão do trabalho e produção de saúde: práticas de humanização no Instituto de Pesquisa Clínica Evandro Chagas

Élida Azevedo Hennington

[email protected]


Introdu o

Introdução

  • Esta pesquisa tem como base a Política Nacional de Humanização (PNH, 2003) que preconiza a construção de redes cooperativas, solidárias e comprometidas com a produção de saúde, estimulando o protagonismo de sujeitos e coletivos e sua co-responsabilidade nos processos de gestão e atenção à saúde


Humanizasus e os trabalhadores da sa de

HumanizaSUS e os trabalhadores da saúde

  • A PNH traz para o centro do debate a necessidade de inclusão e valorização da força de trabalho em saúde, ator fundamental na implementação de políticas públicas

  • A política ressalta a preocupação com o desenvolvimento e capacitação dos trabalhadores e com o atendimento de suas necessidades pessoais e de trabalho


O sus e a gest o dos processos de trabalho

O SUS e a gestão dos processos de trabalho

  • Persistência de um modelo fragmentado e verticalizado dos processos de trabalho

  • Cultura institucional centralizadora e autoritária

  • Fragilidade das relações entre os diferentes profissionais com repercussões no trabalho em equipe multiprofissional e interdisciplinar


Objetivo geral

Objetivo Geral:

  • Analisar a gestão dos processos de trabalho e o desenvolvimento de práticas humanizadoras no âmbito do IPEC, propondo intervenções que potencializem o cumprimento de sua missão


Objetivos espec ficos

Objetivos específicos

  • Verificar a implementação de ações e práticas humanizadoras no âmbito do Instituto;

  • Apreender a percepção de gestores e trabalhadores sobre a gestão dos processos de trabalho e o modelo de atenção à saúde;

  • Conhecer necessidades, interesses e desejos de gestores e trabalhadores referentes aos processos de gestão e produção de saúde;

  • Analisar processos de trabalho e a cultura institucional de gestão destes processos;

  • Construir propostas e fomentar ações e práticas humanizadoras de forma participativa.


Aspectos ticos

Aspectos éticos

  • Termo de Consentimento Livre e Esclarecido

  • Autorização para Uso de Imagem

  • Guarda do material produzido pelo período de 5 anos

  • Resultados apresentados e discutidos com os participantes e junto à Direção do Instituto

  • Divulgação de resultados para a comunidade científica

  • Projeto de pesquisa aprovado pelo CEP/IPEC em 1º de agosto de 2007 (Parecer 033/2007)


Percurso metodol gico

Percurso metodológico

  • Pesquisa qualitativa assentada nos preceitos da PNH e que utiliza o referencial da Ergologia de Schwartz para refletir a respeito da gestão dos processos de trabalho e do papel dos trabalhadores na construção de mudanças na organização de saúde a partir da análise cultural e da gestão dos processos de trabalho, na perspectiva da pesquisa-intervenção


Categorias

Categorias

  • Humanização em saúde

  • Missão institucional

  • Gestão dos processos de trabalho

  • Atividade

  • Situação de trabalho

  • Trabalho imaterial

  • Trabalhador da saúde


T cnicas de pesquisa

Técnicas de pesquisa

  • Levantamento documental

  • Observação

  • Diário de campo

  • Entrevista em profundidade e/ou Grupo-dispositivo


Ipec l cus de pesquisa

Ipec: lócus de pesquisa

  • Origem: Hospital de Manguinhos (1918)

  • 1941: Hospital Evandro Chagas

  • 1986: início processo de reestruturação – pesquisa clínica multiprofissional

  • 1999: Centro de Pesquisa Hospital Evandro Chagas

  • 2002: Instituto de Pesquisa Clínica Evandro Chagas

  • Nº de trabalhadores: cerca de 730 trabalhadores entre servidores públicos e terceirizados


Ipec atividades desenvolvidas

Ipec: atividades desenvolvidas

  • Pesquisas e ensaios clínicos

  • Atividades assistenciais: hospital de referência em doenças infecciosas

  • Ensino: pós-graduação stricto (mestrado e doutorado)e lato sensu (especialização, residência médica, aperfeiçoamento e capacitação)


Estrutura organizacional resumo

Estrutura organizacional (resumo)

  • Direção

  • Vice-direção de Ensino; Pesquisa Clínica e Serviços de Referência; Gestão e Desenvolvimento Institucional

  • Departamento de Administração

  • Centro Hospitalar: internação, ambulatório, hospital-dia

  • Laboratórios


Instituto de pesquisa cl nica evandro chagas

Instituto de Pesquisa Clínica Evandro Chagas

  • Visão: “ser reconhecido no âmbito nacional e internacional pela sua excelência em pesquisa clínica em doenças infecciosas”

  • Missão: “contribuir para a melhoria das condições de saúde da população brasileira através de ações integradas de pesquisa clínica, desenvolvimento tecnológico, ensino e assistência de referência na área de doenças infecciosas”


Diagn stico preliminar

Diagnóstico preliminar

  • Nº significativo de acidentes de trabalho com material biológico e absenteísmo elevado entre trabalhadores de enfermagem

  • Queixas à Ouvidoria: falhas na oferta de medicamentos, demora no atendimento ambulatorial e na coleta de exames, mudanças de profissionais responsáveis pelo atendimento, reclamações internas (trabalhadores) sobre gestão do trabalho no setor de enfermagem


Crit rios para sele o de reas setores

Critérios para seleção de áreas / setores:

  • Motivação e adesão à proposta de pesquisa

  • Disponibilidade da equipe

  • Impacto direto na atenção aos usuários (atividades estratégicas; atividades-fim)

  • Contexto político-administrativo


Referencial te rico metodol gico

Referencial teórico-metodológico

  • Abordagem ergológica de Yves Schwartz: dispositivo de três pólos

Pólo das exigências éticas e epistemológicas

Mundo do Trabalho

Pólo epistêmico

Pólo do(s) saber(es) dos trabalhadores


O trabalho em sa de

O trabalho em saúde

  • É um trabalho que produz serviços, objetos e procedimentos, e produz também afetos e relações, acentuando contradições num cenário mercantilista – é bem público

  • Este labor se mostra particular ao lidar com o humano, capaz de originar sentimentos de prazer e satisfação e também sofrimento e desgaste


O trabalho em sa de1

O trabalho em saúde

  • Não é possível o total controle e uma antecipação de todas as circunstâncias e peculiaridades de um trabalho como a atenção à saúde

  • As "brechas das normas" colocam em evidência que sempre haverá a possibilidade da transgressão

  • O trabalho em saúde é um universo de microtransgressões: é um ambiente propício ao questionamento do prescrito, do poder


O trabalho em sa de2

O trabalho em saúde

  • O trabalho em saúde, voltado para a prestação de assistência, pode ser caracterizado como “imaterial” ou “afetivo”

  • A produção/reprodução de afetos inerente ao processo de trabalho torna-se uma produção biopolítica

  • Trata-se de alicerce necessário para a acumulação capitalista no contemporâneo mas também possui o potencial para o fomento de circuitos autônomos e libertadores


A ergologia e a gest o dos processos de trabalho

A ergologia e a gestão dos processos de trabalho

  • Schwartz considera que gerir o trabalho vivo como hierarquização de atos e objetivos e tomada de decisões baseadas em valores, torna necessária a fuga de procedimentos estereotipados e a abertura de espaço das negociações dos usos de si – usos de si por outros (das normas econômicas às instruções operacionais, dimensionadas por instâncias públicas ou privadas) e usos de si por si (o que revela compromissos microgestionários, articulados à experiência das situações de trabalho), na esfera individual e coletiva


Trabalhador da sa de

Trabalhador da saúde

  • Como seres pensantes e deliberantes, os trabalhadores da saúde arbitram e fazem escolhas: é o uso de si – a eleição entre valores diferentes e até contraditórios

  • Toda produção no trabalho é ressingularizada; é uma renormalização parcial em torno de si

  • Deve-se conviver e apreender essa dinâmica na organização das práticas e serviços de saúde, nesse espaço de microtransgressões e de rupturas


A humaniza o em sa de e a gest o dos processos de trabalho

A humanização em saúde e a gestão dos processos de trabalho

  • A humanização perpassa pela inclusão do trabalhador da saúde num processo transformador, numa articulação entre os pólos disciplinar, epistemológico e ético e dos sujeitos

  • A gestão dos processos de trabalho faz pressupor o conhecimento e a consideração não só das questões macrossociais, políticas, econômicas, mas também de saberes e fazeres produzidos e legitimados no cotidiano dos trabalhadores e na concretude de suas práticas nesses espaços microtransgressores, fonte de criatividade e também de resistência


A ergologia e o trabalho em sa de

A ergologia e o trabalho em saúde

  • As lógicas de subordinação existem mas jamais serão suficientes para aniquilar as subversões normalizantes

  • O trabalho em saúde deve ser analisado em sua complexidade e reconhecido numa perspectiva libertadora, no seu papel na vida das pessoas e na defesa da vida


Toda pesquisa uma aposta

Toda pesquisa, uma aposta...

  • Talvez a melhor forma de enfrentar a exploração do trabalhador seja o resgate de poder dos próprios trabalhadores sobre o seu processo de trabalho de modo a atenuar os seus efeitos deletérios. É conhecer o trabalho, as atividades, discutir sobre elas, refletindo e agindo para mudanças. É tornar possível a participação na tomada de decisões no âmbito dos ambientes produtivos. É enfrentar conflitos e buscar consensos no cotidiano, integrando redes e assumindo responsabilidades e compromissos com o coletivo. É preciso resgatar fundamentalmente espaços de negociação que propiciem a construção de laços de solidariedade


  • Login