Hymenolepis nana
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 31

Hymenolepis nana Hymenolepis diminuta PowerPoint PPT Presentation


  • 146 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Hymenolepis nana Hymenolepis diminuta. OBJETIVO :  Estuda a classificação, morfologia, biologia, ações patogênicas, diagnóstico, epidemiologia, profilaxia e tratamento. Hymenolepis nana. CLASSIFICAÇA0 FILO  Platyelminthes

Download Presentation

Hymenolepis nana Hymenolepis diminuta

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Hymenolepis nana hymenolepis diminuta

Hymenolepis nana

Hymenolepis diminuta


Hymenolepis nana hymenolepis diminuta

  • OBJETIVO :

     Estuda a classificação, morfologia,

    biologia, ações patogênicas, diagnóstico,

    epidemiologia, profilaxia e tratamento.


Hymenolepis nana

Hymenolepis nana

CLASSIFICAÇA0

FILO  Platyelminthes

CLASSE  Cestoda

FAMILIA  Hymenolepididae

GÊNERO Hymenolepis

ESPÉCIES  Hymenolepis nana

 Hymenolepis diminuta


Hemenolepis nana

Hemenolepis nana

MORFOLOGIA

Verme adulto3 a 5 cm de comprimento

Escólex  4 ventosas e uma única fileira de acúleos

Estróbilo100 a 200 proglotes (mais largos que longos)

OvosIncolores e transparentes, 2 membranas

(externa - delgada e interna - translúcida),

2 mamelões filamentosos e embriã exacanto

Larva cisticercóide


Hymenolepis nana1

Hymenolepis nana

HÁBITAT

 Intestino delgado Principalmente

no íleo e jejuno do homem


Hymenolepis nana2

Hymenolepis nana

CICLO EVOLUTIVO

Monoxênico

 Heteroxênico


Hymenolepis nana3

Hymenolepis nana

TRANSMISSÃO

 Ingestão de ovos

 Ingestão de larvas

 Autoinfecção interna


Hymenolepis nana4

Hymenolepis nana

AGENTE TRANSMISSOR

 Pulgas e coleópteros


Hymenolepis nana5

Hymenolepis nana

PATOGENIA

 Congestão da mucosa intestinal, pequenas ulcerações,

infiltração linfocitária e eosinofilia.

 Manifestações clínicas Normalmente assintomático,

vômitos, complicações gastrointestinais.

 Crianças  Agitação, dor abdominal, insônia, perda de peso, irritabilidade, diarréia, raramente ocorrendo sintomas nervosos, representados por ataques epileptifor-

mes, com perda de conciência e convulsões.


Hymenolepis nana6

Hymenolepis nana

DIAGNÓSTICO

  • Clínico Dificil de ser feito (sempre que aparecer

    crianças apresentando subitamente manifestações

    abdominais, inquietação ou ataques epileptiformes,

    é recomendável que se faça um exame de fezes).

     Parasitológico Parasitológico de fezes

    de rotina.


Hymenolepis nana7

Hymenolepis nana

PROFILAXIA

 Higiene individual

 Uso de privadas ou fossas

 Uso de aspirador de pó

 Identificação e tratamento precoce dos doentes

 Combate aos coleópteros e pulgas existentes em ambiente doméstico.


Hymenolepis nana8

Hymenolepis nana

  • EPIDEMIOLOGIA

     Cosmopolita

     Mais frequente nas regiões de clima temperado

    (nesses países em regiões mais frias)

     A incidência aumenta dos 2 aos 9 anos

     Incide mais nas cidades que nas zonas rurais

     Incidência maior em creches, escolas, orfanatos


Hymenolepis nana9

Hymenolepis nana

TRATAMENTO

 Praziquantel

 Niclosamida

 Nitazoxanida


Hymenolepis nana10

Hymenolepis nana

  • PRAZIQUANTEL  Dose oral de 25mg/kg

    intervalada de 10 dias. Esse intervalo

    é importante porque o medicamento

    só atua contra as formas adultas e não

    sobre as larvas cisticercóides.

    NICLOSAMIDA Dose de 2 g para

    adultos e 1g para crianças, em 2 vezes

    com intervalo de 10 dias.


Hymenolepis diminuta

Hymenolepis diminuta

Verme adulto30 a 40 cm

Escolex 4 ventosas, sem rostro e sem acúleos

Ovo  Maior que o H. nana, não possui filamentos

polares com cor amarelo-castanha

Ciclo heteroxênico

Parasito de ratos, acidentalmente o homem

Diagnóstico  Encontro dos ovos nas fezes

O verme é eliminado 2 meses após a infecção


Hymenolepis nana hymenolepis diminuta

Enterobíase


Hymenolepis nana hymenolepis diminuta

  • A enterobíase, enterobiose ou oxiurose,

    é a verminose intestinal devido ao

    Enterobius vermicularis. Mais conhecido

    popularmente como oxiúrus. A infecção

    costuma ser benígna, mas incômoda,

    pelo intenso prurido anal que produz e

    por suas complicações, sobretudo em

    crianças.


Hymenolepis nana hymenolepis diminuta

  • OBJETIVO :

     Estudar a classificação, morfologia,

    biologia, ações patogênicas, diagnóstico,

    epidemiologia, profilaxia e tratamento.


Enterobius vermicularis

Enterobius vermicularis

  • CLASSIFICAÇÃO :

  • Classe  Nematoda

  • Ordem  Oxyurida

  • Família  Oxyuridae

  • Gênero  Enterobius

  • Espécie  Enterobius vermicularis


Enterobius vermiculares

Enterobius vermiculares

MORFOLOGIA

MACHO  Mede cerca de 5 mm X 0,2 mm com

espículo presente

FÊMEA  Mede cerca de 1 cm X 0,4 mm

OVO  Mede cerca de 50 μm X 20 μm, aspecto

de “D”, membrana dupla lisa e transpa-

rente. Larva formada.


Enterobius vermiculares1

Enterobius vermiculares

  • HÁBITAT

     Machos e fêmeas vivem no ceco e apêndice. As fêmeas

    repletas de ovos, são encontradas na região perianal.

    Em mulheres, às vêzes pode-se encontrar  vagina,

    útero e bexiga.

     CICLO BIOLÓGICO

     Tipo monoxênico


Enterobius vermicularis1

Enterobius vermicularis

  • TRANSMISSÃO

     Heteroinfecção

     Auto-infecção externa (oral) ou direta

     Auto-infecção interna (retal)

     Auto infecção externa,anal ou

    retroinfecção.


Enterobius vermicularis2

Enterobius vermicularis

  • PATOGENIA

     Na maioria dos casos assintomático.

     Prurido anal (noturno  Perda de sono e nervosismo)

     Enterite catarral

     Presença nos órgãos genitais femininos  vaginite,

    ovarite e salpingite.


Enterobius vermicularis3

Enterobius vermicularis

  • DIAGNÓSTICO CLÍNICO

     Prurido anal noturno

  • DIAGNÓSTICO LABORATORIAL

     Exame de fezes e swab anal


Enterobius vermicularis4

Enterobius vermicularis

  • EPIDEMIOLOGIA

     Parasito de ambientes domésticos e coletivos

    fechados. Fatores responsáveis:

     Somente a espécie humana alberga o parasito;

     Fêmeas eliminam ovos na região perianal;

     Ovos em poucas horas se tormam infectantes;

     Ovos resistem até 3 semanas em ambientes

    domésticos;

     Hábito de se sacudir roupas de cama.


Enterobius vermicularis5

Enterobius vermicularis

  • PROFILAXIA

     Tratamento de todas as pessoas parasitadas

     Corte rente das unhas

     Roupa de dormir e de cama não devem ser

    sacudidas e sim enroladas e lavadas em água

    fervente


Enterobius vermicularis6

Enterobius vermicularis

  • TRATAMENTO Mesmo tratamento para o

    Ascaris lumbricoides

     Pamoato de pirantel (Combantrim e Piranver)

    Mebendazol (Pantelmim, Panfugan, Sirbem)

     Albendazole (Zentel)

     Ivermectina (Revectina)


  • Login