Ciclo urbano das guas
Sponsored Links
This presentation is the property of its rightful owner.
1 / 78

Ciclo urbano das águas PowerPoint PPT Presentation


  • 138 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Ciclo urbano das águas. Ciclo de utilização humana das águas. Ciclo urbano das águas. Ciclo natural das águas. Ciclo da água. Ciclo urbano das águas. Fluxo linear de massa em um sistema sanitário tradicional em países industrializados FONTE: Adaptado de OTTERPOHL et al, 1997.

Download Presentation

Ciclo urbano das águas

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Ciclo urbano das águas


Ciclo de utilização humana das águas

Ciclo urbano das águas

Ciclo natural das águas

Ciclo da água


Ciclo urbano das águas


Fluxo linear de massa em um sistema sanitário tradicional em países industrializados FONTE: Adaptado de OTTERPOHL et al, 1997


Fluxo circular de massa em um possível sistema sanitário sustentável. FONTE: Adaptado de OTTERPOHL et al, 1997


Usos Gerais da Água

Usos Domésticos


Usos múltiplos da água (Fonte B: http://res2.agr.gc.ca)


Usos antrópicos

  • Uso humano p/ ingestão, higiene e usos domésticos

  • Irrigação de culturas agrícolas

  • Uso industrial, em comércio, em serviços e outros setores

  • Usos urbanos em regas de jardins, lavagens de ruas, etc.

  • Manejourbano de águaspluviais

  • Produção de energia

  • Pesca


Necessidade de Água: Consumo médio d’água por atividade doméstica

Atividade (unidade) Necessidade (litros)

  • Banho de ducha 40 - 80

  • Banho de banheira 150 - 200

  • Lavagem de louça 5 -15

  • Máquina de lavar roupa 80 - 120

Fonte: Armand,1998


Usos antrópicos

  • Aqüicultura e hidroponia

  • Diluição de esgotos

  • Controle de inundações

  • Regularização de escoamento

  • Navegação

  • Recreação

  • Paisagismo

  • Turismo

  • Contemplação


Usos no Lazer


Usos naturais

  • Manutenção de ecossistemas e biodiversidade

  • Regulação climática


Harmonia Paisagística


Usos Industriais

Caldeiras


Necessidade de Água: Consumo médio para outros produtos

Produto Necessidade

(litros)

  • 1 l de gasolina 10

  • 1 Kg de açúcar 100

  • 1 Kg de papel 250

  • 1 Kg de alumínio 100.000

Fonte: Armand,1998, e Freitas, 1998


Usos na Agricultura

Irrigação


Necessidade de Água: Consumo médio na indústria agroalimentar

Produto Necessidade

(Kg) (Litros)

  • Trigo 900

  • Milho 1.400

  • Arroz 1.910

  • Carne de frango 3.500

  • Carne de boi 100.000

Fonte: Armand,1998, e Freitas, 1998


Usos na Piscicultura

Usos na Navegação


Consumo de Água no Mundo

Fonte: World Respirces Institute, ONU.1999


Consumo residencial


Consumo rural


Consumo na agricultura


Consumo industrial


Consumo per capita médio total de água nos diferentes continentes


Tomaz (2000) sub-divide uso da água para consumo em três categorias

  • Consumo residencial: relativo a residências unifamiliares e edifícios multifamiliares;

  • Consumo comercial:relativo a restaurantes, hospitais, serviços de saúde, hotéis, lavanderias, auto-posto, lava-rápidos, clubes esportivos, bares, lanchonetes e lojas;

  • Consumo público:relativo aos edifícios públicos, escolas, parque infantil, prédios de unidade de saúde pública, cadeia pública e todos os edifícios municipais, estaduais e federais existentes.


TENDÊNCIAS DO CRESCIMENTO DA POPULAÇÃO MUNDIAL E DO CONSUMO DE ÁGUA


O consumo de água em áreas urbanas também pode ser classificado nos seguintes segmentos:

  • Residencial - apresenta variação proporcional à variação populacional, acompanhando a expansão urbana.

  • Não residencial(comercial + industrial de pequeno porte + público) - apresenta variação proporcional à variação populacional, acompanhando a expansão urbana.

  • Grandes consumidores - não possui relação direta com o crescimento demográfico ou a expansão urbana.


Consumo de água residencial

  • Pode constituir mais da metade do consumo total de água nas áreas urbanas.

  • Região metropolitana de São Paulo = 84,4% do consumo total urbano (incluindo também o consumo em pequenas indústrias).

  • Vitória ~ 85% desse total (dados da CESAN de 2002 e 2003)


CONSUMO DE ÁGUA NAS REGIÕES METROPOLITANAS

Fonte: Oliveira, 1999


Consumo diário per capita

  • O índice mais comum relativo ao uso da água em áreas urbanas

  • Expresso em litros por habitante por dia (L/hab.dia).


Consumo per capita médio de água e por economia em cada região geográfica no Brasil, sem considerar a parcela referente às perdas

FONTE: PMSS (2003)


OUTROS ÍNDICES DE CONSUMO (RESIDENCIAL)

  • Consumo por metro quadrado de área de construção (litros/m²);

  • Consumo mensal por unidade residencial (m³/ unidade.mês).


FATORES QUE INFLUENCIAM NO CONSUMO

  • Porte da cidade, atividades comerciais e industriais;

  • Clima;

  • Sistema de coleta e tratamento de esgotos sanitários;

  • Qualidade, disponibilidade e custo da água;

  • Nível socioeconômico da população (IDH);

  • Pressão na rede de distribuição (vazamentos);

  • Existência de controle de consumo.


Consumo per capita mínimo

  • Agenda 21  meta de fornecimento de água tratada para 2005  40 litros (ONU, 1992).

  • Banco Mundial e Organização Mundial da Saúde  suprimento mínimo de 20 a 40 litros/pessoa.dia.

  • GLEICK (1999)  50 litros/pessoa.dia (tabela).


Consumo per capita mínimo (Gleick, 1999)

FONTE: GLEICK (1999)


Estudo de Caso:

Edifícios residenciais em Vitória

Bairros de Mata da Praia e Jardim da Penha

Dissertação  PPGEA

Luiz Carlos Rodrigues

GRUPO BASC – MATA DA PRAIA


GRUPO 1 - SECO – 9 (NOVE) AMOSTRAS;

GRUPO 2 - BASC – 5 (CINCO) AMOSTRAS;

GRUPO 3 - SIMIC – 4 (QUATRO) AMOSTRAS.

Jardim da Penha e Mata da Praia

18 amostras (edifícios residenciais)  três grupos:


Jardim da Penha e Mata da Praia

SECO = válvula; s/ hidr. ........ BASC = cx acoplada, s/ hidr. ...... SIMIC = cx acoplada + hidr.


Jardim da Penha e Mata da Praia

SECO = válvula; s/ hidr. ........ BASC = cx acoplada, s/ hidr. ...... SIMIC = cx acoplada + hidr.


Consumo diário por dormitório (m³ / dormitório . dia)

SECO

BASC

SIMIC


Consumo diário por habitante (M³ / hab . dia)

SECO

BASC

SIMIC


Consumo diário por m² de área de construção privativa

(m³ / m² . dia)

SECO

BASC

SIMIC


Percentuais de redução de consumo dos grupos SIMIC e BASC em relação ao grupo SECO


CONSTATAÇÕES

  • O consumo residencial é o que possui maior relevância nas regiões metropolitanas;

  • As válvulas de descarga e as antigas bacias sanitárias situam-se entre os principais responsáveis pelos maiores percentuais de consumo de água residencial; e

  • O sistema de medição individualizada em edifícios, pode proporcionar reduções significativas no consumo de água residencial.


Consumo de água residencial

  • Uso interno

    • Higiene pessoal,

    • Descarga de banheiros,

    • Consumo

    • Limpeza

  • Uso externo

    • irrigação de jardins,

    • lavagem de áreas externas,

    • lavagem de veículos

    • Piscinas

    • outros.


  • Consumo de água residencial


    A água destinada ao consumo humano pode ter dois fins distintos:

    • Usos potáveis - higiene pessoal, para beber e na preparação de alimentos, que exigem água de acordo com os padrões de potabilidade.


    • Usos não potáveis - lavagem de roupas, carros, calçadas, irrigação de jardins, descarga de vasos sanitários, piscinas, etc. Esses usos podem prever a utilização de fontes alternativas de água, independentes do sistema público de abastecimento de água.


    CONSUMO INTERNO

    EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS EM SÃO PAULO

    Fonte: Revista brasileira de saneamento (USP), 2002


    EUA – Brown;Caldwell, 1986

    EUA – AWWAR, 1998

    CONSUMO INTERNO

    Fonte: Tomaz, 2000


    Fonte: Tomaz, 2000

    (Dinamarca, Jensen, 1991)

    CONSUMO INTERNO

    Fonte: Water Services

    Association of Australia,

    2004 (Sydney, Austrália,

    1998)


    Distribuição do consumo de água em edificações domiciliares


    CONSUMO DOMÉSTICO DE ÁGUA


    CONSUMO DOMÉSTICO DE ÁGUA

    Valores de consumo doméstico de água nos Estados Unidos, SEM e COM

    PRÁTICAS DE CONSERVAÇÃO de água


    ÁGUA PARA USO PÚBLICO


    Estimativa de consumo per capita diário com base no uso racional da água


    O modelo de serviços públicos associados ao abastecimento e manejo de águas residuárias e pluviais, originado basicamente a partir da primeira revolução industrial, tem sido desenvolvido com base no atendimento das necessidades humanas e, de certa maneira, ignorando que o ciclo urbano é apenas um sub-ciclo do ciclo da água na natureza (Coombes, P. J. e Kuczera, G., 2000).


    Princípios alternativos para o uso urbano das águas

    • A busca pela sustentabilidade no ciclo urbano da água compreende o uso das mais variadas práticas possíveis de conservação e novas medidas orientadas por critérios que confiram sustentação ambiental.

    • Um esforço recente vem sendo empreendido no sentido de se adaptar os conceitos de produção mais limpa, originados no setor industrial, ao ciclo urbano da água.


    Minimização

    • Utilizar a água de melhor qualidade para os usos que a exijam.


    Minimização

    • Buscar fontes alternativas de água, tais como águas residuárias para reúso ou aproveitamento de águas pluviais.


    Minimização

    • Utilizar menor quantidade de água para executar as mesmas atividades, quer seja por mudança de processos ou formas de uso como pelo emprego de aparelhos economizadores ou tecnologias apropriadas.


    Separação

    • Não misturar águas que exijam graus diferenciados de tratamento como águas contendo gorduras, águas contendo material fecal e águas contendo nutrientes. Sob esse princípio vislumbram-se possibilidades diversas de simplificação do tratamento, diminuição de custos de tratamento, reaproveitamento facilitado de substâncias, realocação de recursos para investimentos, etc.


    Separação

    • Não misturar efluentes de origem doméstica com efluentes de origem industrial, medida que se apóia no fato de que as características do esgoto doméstico variam em faixas bem mais delimitadas que aquelas observadas para os esgotos industriais.


    Reutilização

    • Exploração das diversas formas de reúso de esgotos, desde as formas mais simples, como utilização direta da água residuária gerada até o reúso após tratamento e pós-tratamento de esgoto.

    • Um simples exemplo ilustra o princípio: a água utilizada na máquina de lavar roupas pode ser utilizada na lavagem de pátios e veículos e após algum grau de tratamento servir à descarga de bacias sanitárias.


    Reutilização

    • Tirar vantagem das possibilidades de utilização dos efluentes em usos que requeiram características nele presentes. Por exemplo: utilização de esgotos ricos em nutrientes para irrigação controlada.


    Reutilização

    • Hierarquizar ciclos de utilização da água, separando-os segundo a qualidade e quantidade exigidas em cada um deles. Dessa forma é possível estabelecer procedimentos para tratar e dispor corretamente no próximo ciclo, apenas a água que não puder ser utilizada em um ciclo de grau superior de exigência.


    O saneamento ecológico - ECOSAN

    • Os sistemas tradicionais de saneamento produzem um fluxo linear de materiais, causando acumulação e mistura do ciclo da água com o ciclo de alimentos.

    • Esse sistema adota a premissa de que os nutrientes eliminados nas excretas humanas não têm valor significativo, e devem ser descartados (ESREY et al, 1998).


    Fluxo linear de massa em um sistema sanitário tradicional em países industrializados FONTE: Adaptado de OTTERPOHL et al, 1997


    O saneamento ecológico (ECOSAN)

    • O saneamento ecológico prevê a separação das diferentes formas de águas residuárias nas suas origens, com o objetivo de valorizá-las.


    Fluxo circular de massa em um possível sistema sanitário sustentável. FONTE: Adaptado de OTTERPOHL et al, 1997


    O saneamento ecológico (ECOSAN)

    • A segregação de águas residuárias na escala residencial permite soluções diferenciadas para o gerenciamento de água e de resíduos em ambientes urbanos, aumentando a eficiência da reciclagem de água e de nutrientes, permitindo ao mesmo tempo uma redução no consumo de energia em atividades de saneamento (OTTERPOHL, 2001).


    2

    3

    1

    5

    4

    Lodo

    Agricultura

    Lodo

     Suprimento de água convencional, a partir da rede pública.

    Coleta e aproveitamento de água de chuva a partir do telhado da edificação;

     Coleta, tratamento e reúso das águas cinzas na descarga de vasos sanitários;

     Coleta, tratamento e reúso de águas amarelas (urina) na agricultura;

     Coleta, tratamento e reúso das águas negras na agricultura;


    O saneamento ecológico (ECOSAN)

    • Embora esta prática experimente aceitação crescente em vários países, não há soluções de consenso consolidadas e um amplo espaço para o desenvolvimento de tecnologia de separação e tratamento de fezes e urina persiste atualmente.


    1985 – CONSELHO ECONÔMICO E SOCIAL DAS NAÇÕES UNIDAS – Política de gestão para áreas carentes de recursos hídricos.

    “A NÃO SER QUE EXISTA GRANDE DISPONIBILIDADE, NENHUMA ÁGUA DE BOA QUALIDADE DEVE SER UTILIZADA PARA USOS QUE TOLEREM ÁGUAS DE QUALIDADE INFERIOR”

    Esgotos de origem doméstica, águas de drenagem, etc..

    TRATAMENTO

    Fontes alternativas para uso menos restritivos

    BRAGA, 2002


    TIPOS DE REUSO

    ESGOTOS DOMÉSTICOS

    ESGOTOS INDUSTRIAIS

    URBANO

    RECREAÇÃO

    AQUICULTURA

    AGRICULTURA

    INDUSTRIAL

    NÃO POTÁVEL

    RECARGA DE AQUÍFEROS

    OUTROS

    POTÁVEL

    PROCESSOS

    ESQUI AQUÁTICO, CANOAGEM, ETC.

    NATAÇÃO

    PESCA

    DESSEDENTAÇÃO DE ANIMAIS

    CULTURAS INGERIDAS CRUAS

    POMARES E VINHAS

    FORRAGENS, FIBRAS E GRÃOS

    CULTURAS INGERIDAS APÓS PROCESSAMENTO

    BRAGA, 2002


  • Login