J2EE 1.4 (EJB 2.1)
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 60

J2EE 1.4 (EJB 2.1) Ago/2006 Softplan/Poligraph Alessandro Lemser PowerPoint PPT Presentation


  • 61 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

J2EE 1.4 (EJB 2.1) Ago/2006 Softplan/Poligraph Alessandro Lemser. Tópicos.

Download Presentation

J2EE 1.4 (EJB 2.1) Ago/2006 Softplan/Poligraph Alessandro Lemser

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

J2EE 1.4 (EJB 2.1)Ago/2006Softplan/PoligraphAlessandro Lemser


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

Tópicos

Introdução - Componentes - Tecnologias - Servidor de Aplicação - PublicaçãoCamadas - Apresentação - Lógica - PersistênciaEJBs - O que são - Requisitos - Como acessar - Tipos de EJBServicos de Middleware

Empacotamento


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

Introdução

J2EE - Java 2 Enterprise Edition É um padrão de industria para o desenvolvimento de aplicações do lado servidor portáveis, robustas, escaláveis e seguras.

Visa reduzir o custo e a complexidade de desenvolver serviços distribuídos, oferecendo um conjunto de APIs para dar suporte às tarefas que são comuns a este tipo de ambiente.


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

Introdução

Componentes→ Componentes Cliente: rodam na máquina do usuário (Swing, Applet). → Componentes WEB: JSP e Servlet que rodam em servidores. → Componentes EJB: Rodam em servidores.


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

Introdução

  • Tecnologias envolvidas

  • Existem várias tecnologias envolvidas na arquitetura. As mais visíveis num primeiro contato são:

    • JSP/Servlets

    • EJB

    • JNDI (Java Naming and Directory Interface)

    • JAX-RPC (Web Services)

    • JavaMail

    • JDBC


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

Introdução

  • Tecnologias envolvidas

  • Outras tecnologias utilizadas:

    • JAAS (Java Authorization & Authetication Services)::login e controle de acesso a recursos

    • JTS (Java Transaction Services)::serviço de transação distribuído compatível com Corba

    • JTA (Java Transaction API):: API de programação java para transações distribuídas

    • JMS (Java Message Service) :: protocolo para troca de mensagens

    • Outras...


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

Introdução

  • Servidor de Aplicação :: Container

  • Para que a arquitetura funcione, é necessário a existência de um servidor de aplicação compatível com a especificação J2EE.

  • O servidor de aplicação fornece vários serviços de forma implícita como gerência de transações, segurança, gerenciamento de recursos e persistência.

  • Adicionalmente, é comum que os servidores de aplicação ofereçam serviços de Clustering e/ou balanceamento de carga.

  • O JBOSS é um exemplo de servidor de aplicação que oferece os serviços acima citados e possui ainda um container WEB integrado, o Tomcat.


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

Introdução

  • Publicação

  • Uma aplicação J2EE precisa ser “publicada” (deploy) corretamente no servidor.

  • Os componentes que fazer parte da arquitetura, JSP/Servlets, EJBs e outros, devem ser “empacotados” e então publicados no servidor.

  • O servidor de aplicação precisa conhecer os componentes e suas características para poder gerenciá-los.

  • EJBs e componentes WEB possuem descritores de distribuição (Deployment Descriptors). Este componentes podem ser configurados de maneira declarativa.


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

Introdução

JBOSS

Deployment

JTA, JMS,DataSources, ...

Segurança,Clustering,Balanc. carga

fin.ear

sac.ear

Container EJB

TOMCAT(Container WEB)

meu.ear

cli.war


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

CamadasJ2EE 1.4 / EJB2.1


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

Camadas

  • Desenvolvimento em camadas

  • A diferença entre passar horas ou minutos inspecionando um código para realizar uma alteração, pode depender exclusivamente da maneira como os componentes e suas responsabilidades foram arranjadas.

  • A formatação dos dados para que os mesmos façam sentido para o usuário faz parte da camada de apresentação.

  • Aplicar ou não de uma taxa de juros sobre um determinado valor ou se o usuário tem desconto devido ao tempo de relacionamento, é responsabilidade da camada de negócio.

  • O armazenamento dos dados resultante de operações são de responsabilidade da camada de persistência.


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

Camadas

  • Camada de Apresentação

    • “Refere-se aos componentes que criam e interagem as interfaces com seus usuários” (Grabrick & Weiss, 2002).

    • Em um cenário J2EE, a camada de apresentação para a WEB é composta de JSPs e Servlets.

    • Têm a finalidade de apresentar ao usuário uma interface para interagir com o modelo. Suas responsabilidades se resumem a formatar a informação de uma maneira coerente para o usuário e, em algum momento, preparar os dados informados para enviar a camada de lógica de negócios .

    • Padrões relacionados: FrontController, BusinessDelegate, DTO, View Helpers, Intercepting Filter.


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

Camadas

  • Camada de lógica de negócios

  • É a responsável por implementar a funcionalidade da aplicação.

  • Abstrai da camada de apresentação o acesso a camada de modelo.

  • Processa a lógica da aplicação. No caso dos EJBs, os métodos deste podem ser entendidos como um serviço que o componente disponibiliza.

  • Se esta camada for distribuída, a mesma lógica pode servir a diversas aplicações.


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

Base de dados

Lógica da aplic.

Lógica da aplic.

Lógica da aplic.

Cliente desktop

Cliente WEB

Cliente Palmtop

Camadas

Aplicação em camadas com lógica não distribuída.

Servidor do bando de dados

Conexões JDBC


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

Base de dados

Conexões JDBC

  • Servidor de aplicação

Lógica da aplicação (Conatiner EJB)

Container WEB

IIOP

HTTP

RMI

HTTP

Cliente desktop

Cliente WEB

Cliente Palmtop

Camadas

Aplicação em camadas com lógica distribuída.

Servidor do bando de dados


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

Camadas

  • Camada de persistência

  • Responsável pelo acesso ao meio de armazenamento das informações.

  • Abstraida camada de lógica negócios o conhecimento sobre como e onde os dados são armazenados.

  • Atualmente as aplicações realizam um mapeamento das classe do modelo orientado a objeto para o modelo das bases de dados relacionais (mapeamento objeto-relacional).

  • Pode ser usado para persistência: Entity Beans*, Hibernate, iBatis, TopLink, JDBC usando padrão DAO.

    * Entity Beans no J2EE 1.4 possui sérias deficiências. Na versão Java EE 5 estas deficiências são resolvidas pela Java Persistence API (EJB3).


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

Camadas


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJBsJ2EE 1.4 / EJB2.1


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

  • Um Enterprise JavaBean (EJB) é um componente que fica no servidor que pode ser publicado em um ambiente multicamada distribuído (ROMAN, 2002).

  • A grosso modo, uma classe que é gerenciada por um container e que oferece métodos para que várias aplicações os chamem.

  • Formam o núcleo de uma aplicação distribuída.

  • Os EJBs são objetos CORBA. Portanto, são acessíveis via IIOP (Internet Inter-ORB Protocol) mesmo em clientes escritos em outras linguagens.

  • São sempre desenvolvidos em Java usando RMI-IIOP (modelo de programação Java que gera objetos CORBA).


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

  • Um Enterprise Javabean não é um tipo de “Javabean especial”.

  • Os EJBs precisam ser gerenciados pelo container e possuem um ciclo de vida definido. Existe um conjunto de regras para que eles possam ser executados.

  • Existem atualmente três tipos de EJB: Session Bean, Message Driven Bean e Entity Bean.

  • Os Session Beans estão divididos em Stateless e Statefull.

  • Não se instancia um EJB, mas sim, localiza-se a interface remota e chama-se seus métodos de negócio!


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

  • Classe Java simples que realiza transferências que deseja se tornar um EJB...

publicclass Banco {

publicvoid transferir(Conta cUm, Conta cDois, double valor) {boolean acessoOK = verificaPermissaoAcesso();if( !acessoOK ) {thrownew SemPermissaoException(“sem permissao”); } //abre transacao com banco

try { efetueTransferencia( cUm, cDois, valor ); //commit e fecha transação } catch (SaldoInsufienteException ex) { //rollback e fecha transaçãothrow ex; } }

}


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

Antes de mais nada, é necessário realizar umas verificações de segurança, devido a natureza da operação

  • Classe Java simples que realiza transferências que deseja se tornar um EJB...

publicclass Banco {

publicvoid transferir(Conta cUm, Conta cDois, double valor) {boolean acessoOK = verificaPermissaoAcesso();if( !acessoOK ) {thrownew SemPermissaoException(“sem permissao”); } //abre transacao com banco

try {

efetueTransferencia( cUm, cDois, valor ); //commit e fecha transação

} catch (SaldoInsufienteException ex) { //rollback e fecha transaçãothrow ex; } }

}


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

  • Classe Java simples que realiza transferências que deseja se tornar um EJB...

Não está aqui, mas é necessário iniciar uma transação!

publicclass Banco {

publicvoid transferir(Conta cUm, Conta cDois, double valor) {boolean acessoOK = verificaPermissaoAcesso();if( !acessoOK ) {thrownew SemPermissaoException(“sem permissao”); }//abre transacao com banco

try { efetueTransferencia( cUm, cDois, valor ); //commit e fecha transação

} catch (SaldoInsuficienteExceptionex) { //rollback e fecha transaçãothrow ex; } }

}


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

  • Classe Java simples que realiza transferências que deseja se tornar um EJB...

publicclass Banco {

publicvoid transferir(Conta cUm, Conta cDois, double valor) {boolean acessoOK = verificaPermissaoAcesso();if( !acessoOK ) {thrownew SemPermissaoException(“sem permissao”); } //abre transacao com banco

try {efetueTransferencia( cUm, cDois, valor );//commit e fecha transação

} catch (SaldoInsuficienteExceptionex) { //rollback e fecha transaçãothrow ex; } }

}

Realiza efetivamente a transferência entre contas e encerrar a transação.


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

  • Classe Java simples que realiza transferências que deseja se tornar um EJB...

publicclass Banco {

publicvoid transferir(Conta cUm, Conta cDois, double valor) {boolean acessoOK = verificaPermissaoAcesso();if( !acessoOK ) {thrownew SemPermissaoException(“sem permissao”); } //abre transacao com banco

try { efetueTransferencia( cUm, cDois, valor ); //commit e fecha transação

} catch (SaldoInsuficienteExceptionex) {//rollback e fecha transaçãothrow ex; } }

}

...se as coisas não forem bem, é necessário desfazer a operação com rollback e fechar a conexão.


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

  • Para se tornar um Session Bean e atender à chamadas remotas nossa classe devem atender aos seguintes requisitos*:

    • Implementar a Interface javax.ejb.SessionBean e implementar os métodos requeridos pela mesma.

    • Criar uma interface, que será conhecida como a interface remota, que deve estender a interface javax.ejb.EJBObject. Esta interface deve conter a assinatura dos métodos que a classe Banco deseja disponibilizar.

    • Criar uma outra interface, que será conhecida como home, que deve estender a interface javax.ejb.EJBHome. Com esta interface se obtém a interface remota.

    • Criar dentro do diretório META-INF, dois arquivos XML: ejb-jar.xml e jboss.xml. O último é particular do JBOSS. Cada servidor de aplicação define seu arquivo. Nestes arquivos devemos colocar informações a respeito de nosso EJB.

    • Empacotar o arquivo dentro de um JAR e publicar no servidor de aplicação.

*Na especificação EJB3 o processo é extremamente simplificado.


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

publicclass BancoBean implements SessionBean {

publicvoid transferir(Conta cUm, Conta cDois, double valor) { try { efetueTransferencia( cUm, cDois, valor ); } catch (SaldoInsufienteException ex) {throw ex; } } //metodos da interface SessioBean

publicvoid setSessionContext(SessionContext sc) {}

public void ejbRemove() {} public void ejbCreate() {}public void ejbActivate() {} public void ejbPassivate() {}

}


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

publicclass BancoBean implements SessionBean {

publicvoid transferir(Conta cUm, Conta cDois, double valor) { try { efetueTransferencia( cUm, cDois, valor ); } catch (SaldoInsufienteException ex) {throw ex; } } //metodos da interface SessioBean

publicvoid setSessionContext(SessionContext sc) {}

public void ejbRemove() {} public void ejbCreate() {}public void ejbActivate() {} public void ejbPassivate() {}

}

Método de negócio que será disponibilizado para clientes remotos...Para onde foi o controle de segurança e de transação???


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

publicclass BancoBean implements SessionBean {

publicvoid transferir(Conta cUm, Conta cDois, double valor) { try { efetueTransferencia( cUm, cDois, valor ); } catch (SaldoInsufienteException ex) {throw ex; } } //metodos da interface SessioBean

publicvoid setSessionContext(SessionContext sc) {}

public void ejbRemove() {} public void ejbCreate() {}public void ejbActivate() {} public void ejbPassivate() {}

}

Estes métodos são requeridos pela especificação.ejbPassivate e ejbActivate só fazem sentido para Statefull...


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

...a interface remota:

publicinterface BancoEJB extends EJBObject {

void transferir(Conta cUm, Conta cDois, double valor) throws RemoteException;

}

  • Na interface remota, estamos prometendo que o SessionBeanassociado a ela irá disponibilizar exatamente este método para clientes do mundo inteiro que tenham permissão para realizar a operação.


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

...a interface home:

publicinterface BancoHome extends EJBHome {

BancoEJB create() throws RemoteException, CreateException;

}

  • A interface home “cria” nossa interface remota, trazendo o Stub para o cliente.


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

...XMLs

[src] [br] [...] [META-INF] ejb-jar.xml jboss.xml

  • Os arquivos devem ficar dentro do diretório META-INF e devem dizer ao container “ o que nós temos pra ele...”.


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

ejb-jar.xml


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

jboss.xml

<jndi-name> indica o nome JNDI com que este EJB vai ser localizado. Pode ser qualquer coisa desde que não se repita..


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

Empacotamento...

  • Para a publicação no JBOSS, as classes junto com os arquivos XML devem ser empacotados em um arquivo JAR.

  • Gere o JAR e coloque o arquivo dentro do diretório [JBOSS_HOME]/server/default/deploy e inicie o servidor.

  • Durante o deploy, o servidor deve validar o JAR para ver se está de acordo com a especificação.


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

Como acessar o EJB?

  • JNDI

  • Associa um nome para a recursos computacionais.

  • Os recursos podem ser localizados de maneiras mas simples através de seu nome lógico.

  • Pense em um sistema de arquivos ou no sistema DNS.

  • É constituído de contextos: “java:/comp/env” é o contexto raiz para o JNDI. Um sub-contexto pode ser criado, como por exemplo o “br.com.softplan.curso.ejb” ou “a/b/meuContexto”.

  • JNDI fornece uma interface uniforme para acesso á vários sistemas de nomes e diretórios: LDPA, FileSistem, CORBA, RMI, Windows Registry


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

Como acessar o EJB?


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

Como acessar o EJB?

Pode ficar dentro de um arquivo chamado jndi.properties.

Quando o InitialContext é criado dentro do próprio servidor, essa codificação não é necessária.


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

Como acessar o EJB?

Se trata de uma referência remota em uma linguagem intermediaria.

É preciso fazer um narrow para a classe Java que desejamos obter.


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

Session Bean

  • Modelam processos de negócio (ROMAN, 2002).

  • Evitam que o cliente tenha acesso direto a camada de persistência.

  • Podem ou não manter seu estado / suas informações.

  • São divididos em Stateless Session Bean e Statefull Session Bean.


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

  • Stateless SessionBean

  • Podem possuir interfaces remotas (EJBObject, EJBHome) ou locais (EJBLocalObject, EJBLocalHome).

  • Os servidores de aplicação mantêm um pool de Statless SessionBean, e este pode crescer ou decrescer de acordo com a carga do servidor.

  • Pode estar em dois diferentes estados: não existente ou pronto.

  • Um Stateless SessionBean deve implementar os seguintes métodos, além dos definidos na interface Remote e/ou Home:- void ejbCreate();- void ejbRemove();- void ejbActivate(); //útil apenas para Statefull- void ejbPassivate(); //útil apenas para Statefull- void setSessionContext(SessionContext ctx);


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

Não existente

Class.newInstance()

setSessionContext()

ejbCreate()

ejbRemove()

pronto

Métodos de negócio

EJB

Ciclo de vida


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

  • Statefull SessionBean

  • Podem possuir interfaces remotas (EJBObject, EJBHome) ou locais (EJBLocalObject, EJBLocalHome).

  • Mantêm seu estado entre chamadas de métodos do usuário (carrinho de compras).

  • Os servidores de aplicação podem PASSIVAR um Statefull Session Bean e, quando necessário ATIVAR o mesmo.

  • Um Stateless SessionBean deve implementar os mesmos métodos de um Statefull, porém, para este são úteis os métodos:- void ejbActivate(); - void ejbPassivate();


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

<<interface>>

javax.ejb.EJBObject

<<interface>>

javax.ejb.SessionBean

<<interface>>

javax.ejb.EJBHome

<<interface>ClienteEJB

ClienteBean

<<interface>>ClienteHome

Void salve(Cliente cliente)

throws RemoteException;

publicsalve(Cliente cliente) {

dao.salve(cliente);

}//demais métodos obrig.

ClienteEJB create()

throws RemoteException,

CreateException;

ejb-jar.xml

O container irá verificar se o bean está respeitando a especificação!


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

<<interface>>

javax.ejb.EJBLocalObject

<<interface>>

javax.ejb.SessionBean

<<interface>>

javax.ejb.EJBLocalHome

<<interface>ClienteLocalEJB

ClienteBean

<<interface>>ClienteLocalHome

void salve(Cliente cliente);

voidsalve(Cliente cliente) {

dao.salve(cliente);

}//demais métodos obrig.

ClienteEJB create()

throws CreateException;

ejb-jar.xml

O container irá verificar se o bean está respeitando a especificação!


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

Message Driven

  • Modelam processos assíncronos. Respondem a eventos.

  • Agem somente quando recebem uma mensagem.

  • Não mantêm estado e não precisam de interfaces remotas nem locais.

  • Precisam estar registrados em um servidor de mensagens que atenda ao protocolo JMS – Java Message Service.

  • Podem estar registrados em tópicos (Topic) ou filas (Queue).

  • Mensagens enviadas para Queue são consumidas por ao menos um consumidor, já para Topic a mensagem é consumida por todos (broadcast).


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

Registra-se

Message Driven

MOM

MeuMDB

+ onMessage(Message msg);

É notificado

Publica uma mensagem...

Cliente


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

Registra-se

Message Driven

MOM

MeuMDB

+ onMessage(Message msg);

É notificado

public MeuMDB implements MessageDrivenBean, MessageListener {

publicvoid onMessage(Message m) { ObjectMessage om = (ObjectMessage) m; Order myOrder = (Order) om.getObject();

//inicia processo de compra }

/*Outros métodos requeridos pelainterface MessageDrivenBean/*

}

Publica uma mensagem...

Cliente


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

  • Entity Beans

  • São os componentes responsáveis pela persistência dos objetos. Realizam um mapeamento 1 para 1 com uma tabela no banco de dados.

  • Chamar ejbCreate em um Entity Bean, significa criar um novo registro numa tabela do banco de dados.

  • Chamar ejbRemove em um Entity Bean, significa remover um registro existente de uma tabela do banco de dados.

  • A persistência dos dados pode ser gerenciada pelo Container (CMP) (implícita) ou pode ser gerenciada pelo próprio Bean (BMP) explícita.


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

  • Entity Beans

  • Na especificação 2.1 esse tipo de EJB possui muitas deficiências com relação ao EJBQL, performance e questões de OO.

  • Era necessário uso de diversas estratégias para se conseguir performance como o Entity Bean, incluindo alguns padrões de projeto criados para contornar problemas deste tipo.

  • Na Softplan usa-se o Hibernate para realizar o mapeamento objeto-relacional.

  • Em um cenário futuro, talvez o Entity Bean seja incorporado ao framework da softplan.


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

Serviços de MiddlewareJ2EE 1.4 / EJB2.1


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

  • Serviços de MiddlewareEm uma aplicação comercial distribuída, é necessário um controle eficiente dos recursos utilizados pelo componentes.

  • Serviços implícitos

    A aplicação não precisa conter código de acesso a recursos externos (transações e segurança, por exemplo). Os recursos necessários são declarados externamente (XML).

  • Serviços explícitos

    Você escreve código na aplicação paraacessar uma determinada API para acessar banco de dados ou realizar controle de segurança.


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

Extraído do material da www.argonavis.com.br


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

Extraído do material da www.argonavis.com.br


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EmpacotamentoJ2EE 1.4 / EJB2.1


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

  • Um componente EJB deve ser empacotado em um arquivo JAR (Java Archive) para ser publicado no servidor de aplicação como já foi visto...

  • Se a aplicação tiver componentes WEB, a estrutura da aplicação WEB deve ser empacotada em um arquivo WAR (Web Archive).

  • Estes arquivos, o JAR e o WAR, “devem” ser empacotados em um único arquivo chamado EAR (Enterprise Archive).

  • O EAR gerado deve conter um arquivo descritor da aplicação distribuída chamado application.xml, dentro de um diretório chamado META-INF.


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

<application>

<display-name>Curso</display-name>

<module>

<ejb>curso.jar</ejb>

</module>

<module>

<web>

<web-uri>curso.war</web-uri>

<context-root>curso</context-root>

</web>

</module>

</application>

EJBs e demais classes da aplicação distribuída.

Caso exista módulo WEB


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

EJB

  • Deve ser informado ao JBOSS um arquivo XML que forneça informações sobre a conexão para a criação de um DataSource.

  • No diretório [JBOSS_HOME]/docs/examples/jca existem vários exemplos para vários banco.

  • No código do EJB o DataSource é localizado via seu nome JNDI.

<datasources>

<local-tx-datasource>

<jndi-name>CURSODS</jndi-name>

<connection-url>jdbc:oracle:thin:@server15:1521:derbades</connection-url>

<driver-class>oracle.jdbc.driver.OracleDriver</driver-class>

<user-name>sidercon</user-name>

<password>sistemas</password>

</local-tx-datasource>

</datasources>


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

...concluindo

  • Em uma aplicação EE, os EJBs formam o seu núcleo e provêm acesso remoto à seus serviços.

  • O servidor de aplicação têm um papel fundamental no fornecimento e gerenciamento dos recursos disponíveis.

  • Java EE 5 traz consigo a especificação EJB3, que simplifica bastante o trabalho de codificação de EJBs.


J2ee 1 4 ejb 2 1 ago 2006 softplan poligraph alessandro lemser

...concluindo

WEB Tier(Struts, JSF)

Business Tier(Session/Message Driven Beans)

DB Tier

(Oracle, DB2 ...)

Persistence Layer(Hibernate, Entity Beans)

SPW (Struts + EJB + Hibernate 3)


  • Login