slide1
Download
Skip this Video
Download Presentation
Curso de Formação de Oficiais

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 51

Curso de Formação de Oficiais - PowerPoint PPT Presentation


  • 104 Views
  • Uploaded on

Academia de Polícia Militar Senador Arnon de Mello. Curso de Formação de Oficiais. CFO I - 2013. Língua Brasileira de Sinais. Instrutor | Wagner Soares de Lima. Wagner Soares | Contatos. Contato pessoal [email protected] yahoo.com.br Envio de atividades

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' Curso de Formação de Oficiais' - ginger


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

Academia de Polícia MilitarSenador Arnon de Mello

Curso de Formação de Oficiais

CFO I - 2013

Língua Brasileira de Sinais

Instrutor | Wagner Soares de Lima

slide2

Wagner Soares|Contatos

Contato pessoal

[email protected]

Envio de atividades

[email protected]

(82) 9905-1891 – Tim

(82) 8860-0992 – Oi

slide3

Blog | Cidadão SSP

cidadaossp.wordpress.com/cfp

facebook.com/CidadaoSSP

slide4

Antes de Libras...

... falemos de Polícia.

slide5

Realizo pesquisas sobre o processo de formação de novos policiais, tentando conhecer e entender melhor tudo aquilo que não se pode explicar de fora. Na trajetória dos novos policiais estes serão testados pela sedução de todos os totalitarismos, serão cercados por todas as tentativas de opressão. Eles só terão forças, dentro de si, capazes de mantê-los dignos e íntegros, se, desde cedo, houver aprendido a recusarem a alienação e a conhecerem a força da liberdade

Ronilson de Souza Luiz

Capitão da PMMT

Doutor pela PUC-SP

O futuro daspolícias

slide6

O impacto sobre a vida de indivíduos e comunidades, exercido por um policial militar é, pois, sempre um impacto extremado e simbolicamente referencial para o bem ou para o mal-estar da sociedade brasileira.

[...]

De qualquer forma, o zelo pelo respeito e a decência dos quadros policiais não cabe apenas ao Estado, mas aos próprios policiais, os maiores interessados em participarem de instituições livres de vícios, valorizadas socialmente e detentoras de credibilidade.

LUIZ, Ronilson de Souza. O futuro das polícias. Revista Espaço Acadêmico, n. 71, ano IV, abril de 2007.

Disponível em

http://www.espacoacademico.com.br/071/71luiz.htm

Acesso em 23 de out. 2013.

slide7

Insisto, pesquiso, estudo e trabalho para que os novos policiais saiam das escolas de formação sabendo que a polícia deve dar prioridade máxima à prestação de serviço aos cidadãos, não aos governantes; a polícia deve ser responsabilizada perante a lei em toda e qualquer circunstância; a polícia deve proteger os direitos humanos e a polícia deve ser transparente nas suas atividades.

LUIZ, Ronilson de Souza. O futuro das polícias. Revista Espaço Acadêmico, n. 71, ano IV, abril de 2007.

Disponível em

http://www.espacoacademico.com.br/071/71luiz.htm

Acesso em 23 de out. 2013.

slide8

O Estado mais que aparelho é um local de exercício de poder, que pode agregar ou desagregar, prover ou desamparar, todos aqueles que dele mais necessitam, portanto, os discursos de seus integrantes, que são servidores públicos, não devem produzir, ainda que indiretamente, mais exclusão social.As polícias são, a meu ver, o verdadeiro termômetro das democracias.

Ronilson de Souza Luiz

Capitão da PMMT

Doutor pela PUC-SP

O futuro daspolícias

slide10

Acessibilidade

Acessibilidade significa permitir que pessoas com deficiências ou mobilidade reduzida participem de atividades que incluem o uso de produtos, serviços e informação. Bem como, a inclusão e extensão do uso destes por todas as parcelas presentes em uma determinada população, visando sua adaptação e locomoção, eliminando as barreiras.

Acountibility

Responsabilidade Social

slide11

Acessibilidade

Acountibility

obrigação de membros de um órgão administrativo ou representativo de prestar contasa instâncias controladoras ou a seus representados. Outro termo usado numa possível versão portuguesa é responsabilização

Responsabilidade Social

slide12

Acessibilidade

Acountibility

as empresas decidem, numa base voluntária,contribuir para uma sociedade mais justa e para um ambiente mais limpo. Com base nesse pressuposto, a gestão das empresas não pode e não deve, ser norteada apenas para o cumprimento de interesses dos proprietários

Responsabilidade Social

slide13

“Policiamento inteligente significa que é possível reduzir o problema da criminalidade se você tem o público do seu lado. É simples assim.

E como se faz isso?

Você presta ao público o serviço que o público pede a você que preste.”

David Bayley

slide15

Acessibilidade

Em alguns casos, o grande impeditivo da efetiva inclusão das pessoas com deficiência na sociedade, apesar da eliminação das barreiras físicas, é o preconceito.

A piorviolência é opreconceito

slide16

Acessibilidade

Os tipos de barreiras que impedem o acesso das pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida:

slide17

Barreiras Físicas

São as que impedem fisicamente a pessoa com deficiência de acessar, sair e permanecer em determinado local como escada, portas estreitas que impedem a circulação de cadeira de rodas, elevadores sem controles em Braille, portas automáticas sem sinalização visual para deficientes auditivos. Podem ainda se dividir em barreiras arquitetônicas, urbanísticas de transporte e comunicação.

http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/pessoa_com_deficiencia

slide18

Barreiras Sistêmicas

Relacionadas a políticas formais e informais. Ao modo que funcionam os processos organizacionais, não adaptados às necessidades especiais.

Por exemplo: escolas que não oferecem apoio em sala de aula para alunos com deficiência, bancos que não possuem tratamento adequado para pessoas com deficiência.

Detran exigir prova de CNH somente escrita sem intérprete.

http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/pessoa_com_deficiencia

slide19

Barreiras Atitudinais

Relacionados ao comportamento: Preconceitos, estigmas e estereótipos sobre pessoas com deficiência, como, por exemplo, achar que a deficiência é contagiosa, discriminar com base na condição física, mental ou sensorial etc.

http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/pessoa_com_deficiencia

slide21

O que é Libras?

A LIBRAS é a língua da comunidade surda brasileira.

Língua de Sinais Brasileira

Tem suas regras gramaticais próprias, possibilitando assim, o desenvolvimento linguístico da pessoa surda, favorecendo o seu acesso aos conhecimentos existentes na sociedade.

Língua de sinais usada nos centros urbanos brasileiros

slide22

O que é Libras?

Univesp

9’ 21”

slide23

Libras não é...

Libras não é linguagem de sinais.

Libras não são gestos.

Libras não é mímica.

slide24

Mímica

Arte de imitar, de exprimir o

pensamento por meio de gestos

Gesticulação que procura traduzir os

pensamentos ou sentimentos

slide25

Pantomima

É um teatro gestual que

faz o menor uso possível de palavras

e o maior uso de gestos. É a arte de

narrar com o corpo. É uma

modalidade cênica que se diferencia

da expressão corporal e da dança,

basicamente é a arte objetiva da

mímica, é um excelente artifício para

comediantes, cômicos, clowns, atores e bailarinos.

slide26

Gestos

Movimento do corpo,

especialmente da cabeça e dos

braços, para exprimir ideias.

Movimentos da fisionomia, da

cabeça e dos braços, com que o

orador comenta ou dramatiza o

discurso.

slide27

Libras não é universal

Assim como as pessoas ouvintes em países

diferentes falam diferentes línguas, também as pessoas surdas por toda parte

do mundo usam línguas de sinais diferentes.

slide28

Libras não é universal

LIBRAS

LGP

Surdos

Língua GestualPortuguesa

Língua Brasileira de Sinais

Ouvintes

PORTUGUÊS

slide29

Comunidade Surda

Surdo-mudo

Surdo não necessariamente é mudo

slide30

Surdo não é mudo

É comum ouvirmos de pessoas leigas a expressão “surdo-mudo”.

Aqui há um equívoco que precisa ser esclarecido. O pensamento parece lógico: é de senso comum que aprendemos a falar ouvindo.

Logo, se não ouvem, os surdos não aprendem a falar. (Será?)

slide31

Surdo não é mudo

Mas o termo “mudo” não surge necessariamente dessa relação. Mudo é aquele que não faz uso de seu aparelho fonador para a fala ou qualquer outra manifestação vocal. Pessoas ou crianças psicóticas, por exemplo, podem apresentar mudez como um sintoma de sua alteração psíquica.

slide32

Surdo não é mudo

A terminologia “mudo” relacionada aos surdos nasceu na antiguidade, quando se acreditava que uma pessoa só teria condição de humanidade se houvesse a fala. Foi preciso a comprovação científica de que o surdo possui uma laringe funcional para que se começasse a acreditar em seu potencial para falar e, ainda assim, a Língua de Sinais exerce, por aqueles surdos que não possuem a linguagem oral, a mesma função de linguagem que a fala, sendo forma legítima e natural de comunicação e expressão de pessoas surdas.

slide33

Comunidade Surda

Assim, retire do seu vocabulário a expressão “surdo-mudo” e passe a se referir às pessoas com perda de audição somente como surdos.

slide35

Por queLibraspara Polícia?

Exigência Legal

Necessidade de desempenhar bem a atividade policial

Promoção de direitos, questão de dignidade humana

Ferramenta tática de comunicação em ação policial

slide37

Legislação

Lei da acessibilidade(Lei n.º 10.098, 19.12.2000)

Lei da Libras(Lei n.º 10.436, 24.04.2002)

Regulamentação da Lei da Acessibilidade(Decreto n.º 5.626, 22.12.2005)

slide38

Lei da acessibilidade(Lei n.º 10.098, 19.12.2000)

Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida

slide39

Lei da acessibilidade(Lei n.º 10.098, 19.12.2000)

Art. 18. O Poder Público implementará a formação de profissionais intérpretes de escrita em braile, linguagem de sinais e de guias-intérpretes, para facilitar qualquer tipo de comunicação direta à pessoa portadora de deficiência sensorial e com dificuldade de comunicação

slide40

Lei da Libras(Lei n.º 10.436, 24.04.2002)

            • Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências.
  • O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:
  • Art. 1º É reconhecida como meio legal de comunicação e expressão a Língua Brasileira de Sinais - Libras e outros recursos de expressão a ela associados.
  • Parágrafo único. Entende-se como Língua Brasileira de Sinais - Libras a forma de comunicação e expressão, em que o sistema lingüístico de natureza visual-motora, com estrutura gramatical própria, constituem um sistema lingüístico de transmissão de idéias e fatos, oriundos de comunidades de pessoas surdas do Brasil.
slide41

Lei da Libras(Lei n.º 10.436, 24.04.2002)

Art. 2ºDeve ser garantido, por parte do poder público em geral e empresas concessionárias de serviços públicos, formas institucionalizadas de apoiar o uso e difusão da Língua Brasileira de Sinais - Libras como meio de comunicação objetiva e de utilização corrente das comunidades surdas do Brasil.

Art. 3ºAs instituições públicas e empresas concessionárias de serviços públicos de assistência à saúde devem garantir atendimento e tratamento adequado aos portadores de deficiência auditiva, de acordo com as normas legais em vigor.

slide42

Regulamentação da Lei da Acessibilidade(Decreto n.º 5.626, 22.12.2005)

Art. 26. A partir de um ano da publicação deste Decreto, o Poder Público, as empresas concessionárias de serviços públicos e os órgãos da administração pública federal, direta e indireta devem garantir às pessoas surdas o tratamento diferenciado, por meio do uso e difusão de Libras e da tradução e interpretação de Libras – Língua Portuguesa, realizados por servidores e empregados capacitados para essa função, bem como o acesso às tecnologias de informação, conforme prevê o Decreto no 5.296, de 2004.

slide43

Regulamentação da Lei da Acessibilidade(Decreto n.º 5.626, 22.12.2005)

§ 1º As instituições de que trata o caput devem dispor de, pelo menos, cinco por cento de servidores, funcionários e empregados capacitados para o uso e interpretação da Libras.

slide44

Lei da acessibilidade(Lei n.º 10.098, 19.12.2000)

Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida

slide45

Circunstâncias do envolvimento do policial com a pessoa surdaNecessidade de desempenhar bem a atividade policial

Proceder com infrator

Interrogar ou arrolar testemunha

Assistir vítima de crime

Assistir vítima de acidente

Abordar condutor de veículo

slide46

Circunstâncias do envolvimento do policial com a pessoa surdaNecessidade de desempenhar bem a atividade policial

Tratar com envolvido em acidente de trânsito

Orientar cidadão

Recepcionar surdo em evento público

Atender surdo em serviço ao público

Receber e responder chamada de ocorrência de surdo como solicitante

Emergências: incêndio, tumulto etc.

slide47

Surdo é preso por enganoem Londrina

Jornal Nacional

1’ 30”

slide50

Alfabeto Manual

2’ 24”

slide51

Obrigado!

[email protected]

hotmail.com | yahoo.com.br | gmail.com

(82) 9905-1891 – Tim

(82) 8860-0992 – Oi

cidadaossp.wordpress.com

facebook.com/CidadaoSSP

ad