Vitorino nem sio
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 8

Vitorino Nemésio PowerPoint PPT Presentation


  • 79 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Vitorino Nemésio. Biografia. Vitorino Nemésio Mendes Pinheiro da Silva foi um poeta, ficcionista, crítico, biógrafo e investigador literário português.

Download Presentation

Vitorino Nemésio

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Vitorino nem sio

Vitorino Nemésio


Biografia

Biografia

Vitorino Nemésio Mendes Pinheiro da Silva foi um poeta, ficcionista, crítico, biógrafo e investigador literário português.

Nascido a 19 de Dezembro de 1901 na ilha terceira, Açores, Vitorino Nemésio frequentou o liceu em Angra e na Horta (Ilha do Faial), onde concluiu o 5º ano. Em 1919, iniciou o serviço militar como voluntário, o que lhe proporcionou a primeira viagem ao Continente. Em Coimbra, terminou o liceu e frequentou a Universidade, primeiro como aluno de Direito, depois de Letras. Optando definitivamente pelo curso de Filologia Românica, viria a obter a sua licenciatura em 1931 em  Lisboa, dando início, ao mesmo tempo, a uma distinta carreira académica na Faculdade de Letras. Como professor, o seu percurso levou-o ainda a leccionar em Montpellier, em Bruxelas e em várias universidades no Brasil.

Fundou e direccionou a Revista de Portugal (1937-1941), uma publicação literária importante no panorama português do século XX. Nemésio colaborou também em revistas literárias, em jornais, na rádio e na televisão. Ficou célebre a sua colaboração na RTP com o programa «Se bem me lembro», no início dos anos setenta.

Faleceu em Lisboa a 20 de Fevereiro de 1978.


Bibliografia

Bibliografia

  • Poesia:

  • O Bicho Harmonioso (1938);

  • Eu, Comovido a Oeste (1940);

  • Nem Toda a Noite a Vida (1953);

  • O Verbo e a Morte (1959);

  • Canto de Véspera (1966);

  • Sapateia Açoriana, Andamento Holandês e Outros Poemas (1976).


Bibliografia1

Bibliografia

  • Ficção

  • Paço de Milhafre (1924);

  • Varanda de Pilatos (1926);

  • Mau Tempo no Canal (1944) (romance galardoado com o Prémio Ricardo Malheiros).


Bibliografia2

Bibliografia

  • Ensaio e Crítica

  • Sob os Signos de Agora (1932);

  • A Mocidade de Herculano (1934);

  • Relações Francesas do Romantismo Português (1936);

  • Ondas Médias (1945);

  • Conhecimento de Poesia (1958).


Bibliografia3

Bibliografia

  • Crónica

  • O Segredo de Ouro Preto (1954);

  • Corsário das Ilhas (1956);

  • Jornal do Observador (1974).


O falecido poeta

O FALECIDO POETA

Os mortos tinham perdido Todos os costumes de vivos, Perfeitamente defuntos. Este – não era esquecido ; Aquele – falava de assuntos Muito diferentes, do céu... E um, que era distraído, Só tinha ao lado, apodrecido, Um bocado do chapéu ; …Mas é porque não estava completamente falecido. Era, aliás, o único Que, pela posição, Guardava a ideia de recta ; E, como tinha estudado história, Havia um buraco púnico No fundo da sua memória. Os outros mortos chamavam-lhe – o Falecido Poeta. . E na verdade havia Na sua cabeça descascada O essencial da Poesia : Um céu de osso, Sem uma única estrela ; Uma lua de cal e um sol de barro grosso ; E, por cima, uma noite de sete palmos Debaixo de uma aurora amarela. Os outros mortos viviam sem dia nem noite – calmos Ora, uma vez que o Semi-Vivo teimou Em esquecer-se de vez Ou reassumir de tudo A claridade – chorou ; E foi assim que talvez, Querendo falar, ficou mudo E, procurando, não achou Uma lágrima... outrora... Ao toco do seu dedo Chegara um filtro de chuva, Seria no mundo uma hora. . Chovia muito. Os outros mortos tinham medo De resfriar – e chovia. Por dentro da janela, na vida, estava a viúva Do Defunto Poeta. E chovia. Cada defunto abriu o seu guarda-sol, como uma seta… E lá ficaram todos, debaixo de chuva e de poesia.

inO Bicho Harmonioso, Coimbra, 1938


Vitorino nem sio

Trabalho realizado por:

  • Alexandre Cabral CampelloNº110ºD

  • João PintoNº710ºD

  • Renato FerreiraNº1410ºD


  • Login