no es de implanta o iso s rie 14 000
Download
Skip this Video
Download Presentation
NOÇÕES DE IMPLANTAÇÃO ISO SÉRIE 14.000

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 73

NO ES DE IMPLANTA O ISO S RIE 14.000 - PowerPoint PPT Presentation


  • 155 Views
  • Uploaded on

NOÇÕES DE IMPLANTAÇÃO ISO SÉRIE 14.000. SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL. Compreende um conjunto de atividades administrativas e operacionais para abordar os problemas ambientais atuais ou para evitar o seu surgimento .

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'NO ES DE IMPLANTA O ISO S RIE 14.000' - frances


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
sistema de gest o ambiental
SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL
  • Compreende um conjunto de atividadesadministrativas e operacionaisparaabordarosproblemasambientaisatuaisouparaevitar o seusurgimento.
  • OBS; ações ambientais episódicas não configura um SGA, propriamente dito, ainda que exija investimento de quantias vultosas
  • Devemos partir do princípios que o SGA é um sistema holístico
hist rico dos primeiros sistemas de ga
HISTÓRICO DOS PRIMEIROS SISTEMAS DE GA
  • Inicialmente o tema foi discutido por inúmeras organizações nacionais e internacionais como;
  • ConfederationofBritrishIndustry(CBI)
  • Coalision for EnvironmentallyResponsibleEconomies (CERES)
  • Global Enviromental Management Initiative (GEMI)
  • PublicEnviromentalReportingInitiative (PERI)
  • International Network for Enviromental Management (INEM)
slide4

EuropeanPetroleumIndustryAssociatins (EUROPIA)

  • AmericanPetroleumInstitute (API)
  • British Standards Institution (BSI)
  • Prince ofWales Business LeadersForum (PWBLF)
  • ChemicalManufacturesAssociation (CMA)
  • InternationalOrganization for Standardization (ISO), dentre outras. São iniciativas destinadas a estabelecer um padrão de gerenciamento ambiental aplicável por diferentes segmentos econômicos.
slide5

A Internacional Chamber of Commerce (ICC)

  • O Business Council for Sustainable Development (BCSD)
  • World Industry Council for the Enviromental (WICE)
  • The Japan Federation of Economic Organizations (KEIDAREN
diretrizes com elementos comuns nessas organiza es
DIRETRIZES COM ELEMENTOS COMUNS NESSAS ORGANIZAÇÕES
  • Declaração de políticas que indiquem o comprometimento geral da organização com a melhoria do desempenho ambiental, incluindo conservação e proteção dos recursos naturais, minimização de resíduos, controle da poluição e melhoria contínua.
  • Conjunto de planos e programas a implementar as políticas em toda a organização, incluindo a extensão do programa a fornecedores e clientes
slide7

Medição do desempenho da gestão ambiental da organização em relação aos planos e programas, auditorias e análise do progresso em direção à adoção da política.

  • Previsão de informações, educação e treinamento para melhorar a compreensão dos problemas ambientais, divulgando aspectos do desempenho ambiental da organização
slide8

Buscando um caminho adequado para o gerenciamento ambiental, a Câmara do Comércio internacional (ICC) publicou a carta de princípios para o desenvolvimento sustentável contendo 16 princípios como;

  • 1) reconhecer a gestão ambiental entre as mais altas prioridades das corporações e como uma determinante chave para o desenvolvimento sustentável do estabelecimento de políticas, programas e práticas para conduzir operações de uma maneira ecologicamente saudável
slide9

2) integrar plenamente estas políticas, programas e práticas em cada negócio como um elemento essencial da administração em todos os níveis funcionais

  • 3) continuar melhorando as políticas, programas e o desempenho ambiental tendo em vista os futuros desenvolvimentos tecnológicos, um maior entendimento científico, as necessidades dos consumidores e aspirações legais como ponto de partida, aplicando-se os mesmos princípios internacionalmente
slide10

4) Educar, treinar e motivar os empregados a conduzir suas atividades de uma maneira ecologicamente responsável

  • 5) Avaliar os impactos ambientais antes de iniciar uma nova atividade ou projeto e antes de desativar uma instalação ou deixar o local
  • 6) Desenvolver e fornecer produtos e serviços que não provoquem impactos ambientais indevidos, que sejam seguros no seu uso, eficientes no consumo de energia e recursos naturais, e que possam ser reciclados, reutilizados ou seguramente depositados
slide11

7) Aconselhar e, quando necessário for, educar clientes, distribuidores e o público em geral sobre o uso, transporte, estocagem e disposição final segura dos produtos fornecidos, aplicando considerações similares aos fornecimento de serviços

  • 8) Desenvolver, conceber e operar instalações, bem como conduzir atividades tendo em vista o uso sustentável dos recursos renováveis e a disposição final responsável e segura dos resíduos
slide12

9) conduzir ou financiar pesquisas sobre o impacto ambiental da matéria-prima, produtos, processos, emissões e outros resíduos associados ao empreendimento, assim como sobre meios de minimizar seus impactos negativos

  • 10) modificar manufatura, a comercialização e o uso de produtos e conduzir atividades, no sentido de prevenir a degradação do meio ambiente, de acordo com o entendimento técnico científico
slide13

11) Promover a adoção destes princípios pelos prestadores de serviços e fornecedores da empresa. Quando necessário, requerer melhorias nos seus procedimentos, a fim de torná-los consistentes com os princípios da empresa, encorajando sua plena adoção

  • 12) desenvolver e manter, onde existir perigo significativo, planos emergenciais em parceria com os serviços de socorro, autoridades competentes e comunidade local, reconhecendo o potencial dos impactos além dos limites da própria instalação
slide14

13) Contribuir na transferência de tecnologias ecologicamente saudáveis e de métodos gerenciais entre os setores públicos e privados

  • 14) Contribuir para o desenvolvimento de políticas públicas, programas inter-governamentais e comerciais e iniciativas educacionais que garantam a proteção e a consciência ecológica
  • 15) Fomentar a transparência e o diálogo com os empregados e o público antecipando e respondendo suas preocupações quanto aos impactos e ameaças potenciais de operações, produtos, detritos e serviços, incluindo aqueles de significação global e regional
slide15

16) medir o desempenho ambiental; conduzir auditorias ambientais e avaliações de acordo com as exigências e princípios legais e da própria empresa. Fornecer periodicamente, para a direção, acionistas, empregados, autoridades e o público em geral, informações apropriadas sobre o desempenho ambiental.

responsabile care program
ResponsabileCareProgram
  • -É um programa de atuação responsável, considerado por Culley como o primeiro modelo de gestão ambiental formal.
  • Surgiu no Canadá em 1984, por iniciativa da indústria química formalizada pela Chemical Manufacturers Association
requisitos impostos aos participantes
REQUISITOS IMPOSTOS AOS PARTICIPANTES
  • Melhorar a performance em SAÚDE, SEGURANÇA E QUALIDADE AMBIENTAL
  • Estar atento a responder aos apelos da sociedade e
  • Apresentar seu progresso a esta sociedade
na pr tica o programa consiste em
NA PRÁTICA O PROGRAMA CONSISTE EM;
  • PRINCÍPIOS DIRETIVOS
  • CÓDIGOS DE PRÁTICAS GERENCIAIS
  • PAINEL PÚBLICO CONSULTIVO
  • GRUPOS DE LIDERANÇAS
princ pios diretivos
PRINCÍPIOS DIRETIVOS
  • Princípios diretivos equivale a uma DECLARAÇÃO DE PROPÓSITOS que recomendam a adoção de GERENCIAMENTO AMBIENTAL e de TECNOLOGIAS de prevenção da poluição visando buscar;
  • 1) reconhecer e responder às preocupações da comunidade sobre as substâncias químicas e suas operações
slide23

2) Desenvolver e produzir substâncias químicas que podem ser fabricadas, transportadas, usadas e dispostas com segurança

3) Tornar a saúde, segurança e o meio ambiente uma prioridade no planejamento para todos os produtos e processos, novos e existentes

4) Transmitir prontamente, a empregados, clientes e órgãos oficiais e à sociedade, informações sobre substâncias químicas que possam trazer riscos à saúde ou ao meio ambiente, bem como as medidas preventivas indicadas

slide24

5) Aconselhar os consumidores quanto ao uso, transporte e disposição seguros de produtos e substâncias químicas

6) Operar as plantas e instalações de forma que proteja o meio ambiente, a saúde e segurança dos empregados e da sociedade

7) Aumentar o conhecimento conduzindo ou apoiando pesquisas nas áreas de saúde, segurança, efeitos ambientais dos produtos, processos e resíduos de substâncias químicas

slide25

8) Trabalhar com outras organizações para solucionar problemas relacionados a processos passados e à disposição de substâncias perigosas

  • 9) Participar com o governo e outros organismos criando leis responsáveis, regulamentos, e padrões para salvaguardar a comunidade, o ambiente de trabalho e o meio ambiente
c digos de pr ticas gerenciais
CÓDIGOS DE PRÁTICAS GERENCIAIS
  • Representam metas genéricas e permitem a cada organização estabelecer formas para alcançá-las. As práticas de gestão listadas para a indústria química referem-se às áreas de: Consciência comunitária; capacidade de atendimento a emergências; prevenção da poluição; segurança de processos; gerenciamento de processos químicos (distribuição de produtos); saúde e segurança ocupacional e ciclo de vida dos produtos (responsabilidade sobre os produtos)
os seis c digos de responsabile care s o
OS SEIS CÓDIGOS DE RESPONSABILE CARE SÃO;
  • 1) CONSCIENTIZAÇÃO DA COMUNIDADE E PROGRAMA DE EMERGÊNCIA- Requer a organização inicie e mantenha um programa de comunicação com a comunidade, respondendo abertamente questões relativas à saúde, segurança e meio ambiente, fornecendo informações sobre atividades como a minimização de resíduos, emissões e efeitos de produtos químicos sobre à saúde.
slide28

2)PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO; visa ajudar a organização na redução de suas emissões e na minimização dos resíduos gerados. As empresas devem medir ou estimar as suas emissões e o volume de resíduos gerados; elaborar um plano de redução; medir o progresso obtido e atualizar anualmente seu inventário de resíduos.

  • 3) SEGURANÇA DE PROCESSOS; Objetiva a prevenção de acidentes através de levantamentos e análises dos riscos dos processos de manutenção e inspeção, do estabelecimento de padrões operacionais e treinamento de pessoas
slide29

4) DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS; Sãoqualificações para a seleção de transportadoras, distribuidores e outros fornecedores de serviços externos, consistindo de cinco práticas:

  • I) GERENCIAMENTO DE RISCO;
  • II) SEGURANÇA DA TRANSPORTADORA;
  • III) MANUSEIO E SEGURANÇA;
  • IV) AÇÃO EM EMERGÊNCIAS
  • V) REVISÃO CRÍTICA E TREINAMENTO
slide30

5) SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL; Requer comprometimento com o fornecimento de recursos e mecanismos para a identificação e avaliação de riscos associados à saúde e segurança dos trabalhadores, bem como seu controle e prevenção, requerendo, ainda, a elaboração de um programa específico e o treinamento de funcionários

slide31

6) RESPONSABILIDADE PELOS PRODUTOS (PRODUCT STEWARDSHIP)- Enfoca aspectos do produto associados à saúde, segurança e meio ambiente, desde a concepção até a disposição final do mesmo. Inclui projetos de produtos de baixo risco, informações aos consumidores sobre o uso correto dos produtos, estudo de usos de alternativos e suas possíveis consequencias.

painel p blico consultivo
PAINEL PÚBLICO CONSULTIVO
  • É composto por membros de diferentes segmentos da sociedade que colaboram com a indústria química na elaboração de práticas gerenciais e a ajudam a compreender as preocupações da comunidade
grupos de lideran a
GRUPOS DE LIDERANÇA
  • Formados por executivos das empresas participantes, aquelas que se adéquam aos princípios de Responsabile Care, para discutir experiências, trocar informações e identificar necessidades de melhorias e assistência mútua
responsabile care no brasil
RESPONSABILE CARE NO BRASIL
  • No Brasil o programa de atuação responsável é coordenado pela Associação Brasileira de Indústrias Químicas (ABIQUIM), adotado desde 1990.
princ pios e diretrizes da responsabile care adotados no brasil
PRINCÍPIOS E DIRETRIZES DA RESPONSABILE CARE ADOTADOS NO BRASIL
  • 1) Assumir o gerenciamento como expressão da mais alta prioridade empresarial, através do processo de melhoria contínua em busca de excelência;
  • 2) promover, em todos os níveis hierárquicos, o sendo de responsabilidade individual com relação ao meio ambiente, segurança, saúde ocupacional e o senso de prevenção de todas as fontes potenciais de risco associados às suas operações, produtos e locais de trabalho
slide36

3) Ouvir e responder as preocupações das comunidades sobre seus produtos e operações

  • 4) Colaborar com os órgãos governamentais e não governamentais na elaboração e aperfeiçoamento de legislação adequada, segurança da comunidade, locais de trabalho e meio ambiente
slide37

5) Avaliar previamente o impacto ambiental de novas atividades, processos e produtos

  • 6) Monitorar os efeitos ambientais de suas operações
  • 7) Buscar continuamente a redução de resíduos, efluente e emissões atmosféricas para o ambiente
  • 8) Cooperar com a solução de impactos negativos ao meio ambiente decorrentes de disposições inadequadas de produtos ocorridas no passado
slide38

9) Transmitir às autoridades, clientes e funcionários e à comunidade informações adequadas quanto ao risco à saúde, segurança e meio ambiente de seus produtos e operações, e recomendar medidas de proteção e emergência

  • 10) Orientar fornecedores, transportadores, distribuidores, consumidores e o público para que transportem, armazenem, usem, reciclem, e descartem seus produtos com segurança
slide39

11) Exigir que os contratados, trabalhando nas instalações da empresa, obedeçam aos padrões adotados pela contratante em segurança, saúde e meio ambiente

  • 12) Promover a pesquisa e o desenvolvimento de novos processos e produtos ambientalmente compatíveis
  • 13) Promover os princípio e a prática da atuação responsável, compartilhando experiências e oferecendo assistência a outras empresas para a produção, manuseio, transporte, uso e disposição dos produtos, principalmente as pequenas e médias empresas
slide40

OBS; A diferença entre o programa de atuação responsável e as normas da ISO 14001, é que a primeira consiste numa série de iniciativas específicas de gerenciamento enquanto a segunda é uma norma de gestão ambiental

a norma brit nica bs 7750
A NORMA BRITÂNICA BS 7750
  • Surge do questionamento das empresas; como gerenciar o relacionamento entre as atividades produtivas e o meio ambiente
  • É uma norma de gerenciamento ambiental, publicada pelo Instituto Britânico de Normalização, que veio para direcionar as organizações quanto às providências a serem adotadas
slide42

O trabalho da BS 7750, começou em 1991 com a formação de um comitê técnico do BSI (British Standards Institution), no qual inúmeras organizações empresárias, técnicas, acadêmicas e governamentais estavam representadas.

  • -Publicação inicial- consulta pública em 1991
  • -publicação oficial 1992, testada em programa piloto no Reino Unido, envolvendo cerca de 500 participantes, incluindo 230 organizações implementadoras, revisada em 1994
slide43

OBS; O BSI reconhecido internacionalmente pela elaboração da norma BS 5750 (sistemas da qualidade (que serviu de base para a série ISO 9000), formulou a BS 7750 de tal forma que os princípios de gestão de sistemas da qualidade fossem compartilhadas por ambas.

  • A norma BS 7750 estabelece exigência de cumprimento à legislação e normas aplicáveis, além de um comprometimento com a melhoria contínua do SGA.
slide44

A BS 7750 especifica os requisitos para o desenvolvimento, implantação e manutenção de SGA quevisemgarantir o cumprimento de políticas e objetivosambientaisdefinidos e declarados, e expressaque o atendimentoàsexigênciasporelaformuladasnãoconfereimunidadeemrelaçãoàsobrigaçõeslegais.

  • Em setembro de 1996, os quinze países que até então representavam a União Européia, votaram em aceitar a ISO 14001 como padrão europeu para GA. A partir da BS 7750 foi desenvolvida a ISO 14001.
o sga segundo o conjunto da iso 14000 international organization for standardization
O SGA SEGUNDO O CONJUNTO DA ISO 14000- INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION
  • A ISO – International Organization for Standardization foi fundada em 1947 para desenvolver os padrões internacionais. É uma federação mundial, não governamental, com sede em Genebra, Suíça, Possui mais de 110 países participantes, dentre eles, o Brasil, cuja representante é a ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas.
slide46

Tem como objetivos PROPOR NORMAS que representem o consenso desses diferentes países para homogeneizar métodos, materiais e seu uso, em todos os domínios das atividades (tipicamente de natureza técnica), exceto no campo de eletrônico cuja responsabilidade é do IEC – International Electrotechnical Commission.

slide47

Os trabalhos da ISO são realizados por meio de Comitês Técnicos (TC), os quais são compostos por especialistas dos países membros, cada qual com responsabilidades específicas no âmbito do Tema a ser padronizado.

slide50

O desenvolvimento das normas internacionais para gestão ambiental, da série ISO 14000, foiincumbida a um comitêtécnico, o TC 207.

  • Membros do comitê são representantes de cerca de 40 países, incluindo representantes da indústria, organizações normativas, governamentais e ambientais.
  • O conjunto dessa ISO, abrange cinco áreas
  • Sistemas de GA
  • Auditoria ambiental
  • Avaliação de desempenho ambiental
  • Avaliação do ciclo de vida e
  • Rotulagem ambiental
para elaborar as normas o tc 207 foi dividido em seis subcomit s
Para elaborar as normas, o TC 207, foi dividido em seis subcomitês
  • 1) SC1 Sistemas de gerenciamento ambiental, coordenado pela Inglaterra em dois grupos de trabalho (WG-Work Group), o
  • I) WG1- Para especificações e o
  • II) WG2- Para orientações gerais
  • 2) SC2 Auditoria ambiental, coordenado pela Holanda e com três grupos de trabalho
slide52

I) WG1- Princípios de auditorias

  • II) WG2- Procedimentos de auditorias
  • III) WG3- Qualificação de auditores
  • 3) SC3- Rotulagem ambiental, coordenado pela Austrália, e com 3 grupos de trabalho
  • I) WG1-Princípios para administração de programas
  • II) WG2- Rotulagem ambiental do tipo II (auto-regulação ambiental/ tipo I – selos verdes)
  • III) WG3- Princípios para programas de rotulagem ambiental
slide53

4) SC4- Avaliação de desempenho ambiental, coordenado pelos EUA e com dois grupos de trabalhos;

  • I) WG1- Avaliações gerais de desempenho
  • II) WG2- Avaliação de desempenho ambiental do setor industrial.
  • 5) SC5- Análise de ciclo de vida, coordenado pela França, e com quatro grupos de trabalho
  • I) WG1- código e prática
  • II) WG2- Inventário
  • III) WG3- Análise de impacto
  • IV WG4- Análise de avaliação e melhoria
slide54

6) SC6- Termos e definições coordenados pela Noruega, com finalidade de padronizar terminologias e coordenar o uso de normas com outros subcomitês da ISO.

  • Além destes seis subcomitês há ainda dois outros grupos que realizam trabalhos relacionados ao desenvolvimento da ISO
  • 1) O TC 176 (comitê Técnico responsável pela elaboração e revisões da série ISO 9000) visando uma possível unificação, através da inclusão de aspectos ambientais na gestão da qualidade
  • 2) Grupo coordenado pela Alemanha, sendo responsável pela inclusão de elementos ambientais em produtos , para uso de outros comitês técnicos da ISO, e será a ISO 14060.
slide61

A principal finalidade da ISO 14001 será equilibrar a proteção ambiental e a prevenção da poluição com as necessidades socioeconômicas da organização, no seu sentido mais abrangente.

modelo de sistema de ga
MODELO DE SISTEMA DE GA
  • A norma especifica os requisitos relativos a sistema de GA, permitindo a uma organização formular sua política e objetivos que levem em conta os requisitos legais e as informações referentes aos impactos ambientais significativos. Aplica-se aos aspectos ambientais que possam ser controlados pela organização e sobre os quais presume-se que tenha algum tipo de influência.
em linhas gerais a norma aplic vel s organiza es que desejem
Em linhas gerais a Norma é aplicável às organizações que desejem:
  • 1) Implementar e manter um sistema de GA
  • 2) Assegurar a conformidade com a sua política ambiental
  • 3) Demonstrar sua conformidade com terceiros
  • 4) Buscar certificação e registro do seu sistema de GA, por uma organização externa
  • 5) Fazer uma autodeterminação e declaração da sua conformidade com a norma
roteiro do sga
ROTEIRO DO SGA
  • A) POLÍTICA AMBIENTAL- definida pela alta administração para determinar as diretrizes da empresa e que deve ser compartilhada com os demais membros da organização.
  • B) PLANEJAMENTO- Contempla a definição dos aspectos e impactos ambientais, definição dos requisitos legais associados à organização como um todo. Definição do objetivos, metas e programas de gestão, a partir dos aspectos e impactos identificados, deverão nortear a organização e priorizar as ações seguintes, sempre seguindo as diretrizes definidas na política ambiental.
slide65

3) IMPLEMENTAÇÃO E OPERAÇÃO- normalmente é a fase mais longa de todo o processo de SGA. Nesta fase são definidos importantes pilares como; treinamento, comunicação e controles (sejam de documentações, operacionais ou mesmo de emergência).

  • 4) VERIFICAÇÃO DE AÇÃO CORRETIVA- nesta fase deve ser definidos os controles, através de monitoramentos, medições, investigação de não conformidades e auditorias.
  • 5) ANÁLISE CRÍTICA- Em intervalos de tempo a organização deve realizar essa análise a fim de fazer alguma correção, observar se a política foi adotada e se está ocorrendo a melhoria constante.
processo de certifica o
Processo de certificação
  • Ocorre não somente por exigências contratuais e busca da melhoria da competitividade internacional. Para muitas empresas, a certificação está relacionada a um investimento estratégico de antecipação às pressões econômicas associadas à legislação ambiental, Às políticas governamentais, à imagem perante a opinião pública e à evolução do mercado.
como ocorre o processo de certifica o
Como ocorre o processo de certificação
  • O Processo de certificação estão envolvidas as seguintes entidades
  • 1) Organismo Normalizador- É a entidade autorizada a emitir normas técnicas que, no caso do Brasil é a ABNT.
  • OBS; as normas ISO, por serem internacionais, ao serem emitidas no Brasil, recebem a sigla NBR ISO.
slide68

2) ORGANISMO CREDENCIADOR- É aquele que em âmbito Federal, estabelece diretrizes, critérios para credenciar as entidades certificadoras, que realização auditorias nas empresas candidatas à certificação, sendo, portanto, aquele que controla os certificados emitidos. Além de ser responsável por fiscalizar as empresas certificadoras, também realiza auditorias por área de competência, para verificar se não há divergências entre método e resultado, como se fosse um controle de qualidade do setor.

  • Cada organismo credenciador pode estabelecer critérios de certificação
slide69

No Brasil o organismo credenciador é o INMETRO (Instituto Nacional de Metrologia, normalização e qualidade industrial). JAP – Japão, NACCB Reino Unido e UKAS, RvA Holanda, ANSI/RAB Estados Unidos etc.

  • A empresa tem a liberdade de escolher o órgão credenciador
  • O que direciona a escolha é o impacto que determinada chancela pode ter sobre o mercado alvo. Se fizer negócios com a Europa deve optar pela NACCB e se com os Estados Unidos com a RAB, embora o INMETRO seja reconhecido atualmente como componente no exterior.
slide70

3) ORGANISMO DE CERTIFICAÇÃO CREDENCIADO- É aquele com autonomia para auditar a empresa e dar parecer sobre a recomendação ou não do certificado. São Órgão de Certificação Credenciado no Brasil;

  • 1) o BVQI do Brasil (Bureau Veritas Quality Internacional)
  • 3) UL do Brasil Ltda
  • 4) Fundação Vanzolini (Fundação Carlos Alberto Vanzolini) Etc
slide71

Auditoria Inicial pode preceder até 90 dias da principal, mas pode ser realizada concomitantemente, depende do risco a ser assumido quanto a possibilidade de encontrar não-conformidades que devam ser solucionadas.

  • O prazo máximo de 3 meses, fixados pelos organismos de certificação serve para que as ações corretivas identificadas como necessárias sejam implantadas e nova auditora, a principal seja realizada.
slide72

Da auditoria principal é emitido um parecer final do OCC quanto à recomendação ou não do certificado ao organismo credenciador, que então , emitirá a aprovação

  • Feita a auditoria principal, os critérios formais do OCC para recomendação à certificação são;
  • 1) Não havendo não-conformidades, o auditor pode anunciar a recomendação na reunião de encerramento
  • 2) se verificada alguma não-conformidade durante a auditoria, a organização terá 90 dias para propor a solução. No final deste prazo o auditor volta para verificar a solução proposta e, se aceita recomendar a certificação
slide73

A empresa não pode anunciar a obtenção do certificado, até o pronunciamento do órgão credenciador, só pode veicular que a empresa foi recomendada para a certificação

  • A partir da certificação a empresa pode ter auditorias semestrais de manutenção e, a cada três anos, auditoria de certificação, quando o OCC pode RATIFICAR, SUSPENDER, CANCELAR OU REVOGAR o certificado anteriormente concedido.
  • Processo de implantação leva em média de dois a três anos.
ad